História Medo Do Desconhecido - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Allison Argent, Lydia Martin, Stiles Stilinski
Exibições 17
Palavras 1.484
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Mistério, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Gostaria de pedir desculpas pela demora. Semana passada foi a semana da consciência negra na minha escola,semana que vem é semana de provas,e essa semana eu estou estudando igual uma condenada. Mas esse não eu é o real motivo para eu não ter postado. Eu estava cansada. Cansada de escrever,e os capítulos ficarem horríveis. Cansada de dedicar meu tempo a uma coisa que nao estava me agradando. Eu pensei em apagar todas as minhas fanfic,e sair "desse mundo" mais ai eu percebi que tem gente que gosta do que eu escrevo, e por isso ainda estou aqui hoje.
Esse capítulo ta bem pequeno,mais eu so escrevi ele e to postando porque acho que ja esta na hora de começar a focar em Stydia.
Eu escrevi ele todo hoje,por isso não esta tao bom(porque eu nao estou bem),mais espero que vocês gostem.
Vou atualizar as outras fanfic(menos Innocent Girl) so depois que acabar as provas.
Agora sem mais delongas,boa leitura

Capítulo 7 - Juntos


Número Desconhecido: Olá Stiles,você quer participar de um jogo?


Stiles: Quem é?


Número Desconhecido: Isso não importa,agora faça o que eu mandar,e talvez seu amigo sobreviva.



Stiles ficou encarando a tela do celular durante alguns longos minutos. Não sabia o que falar. Sabia que aquilo não era um tipo de trote,ou uma brincadeira sem graça dos seus amigos. Soltou um suspiro longo. Estava sentado em sua cama. Sua cabeça estava encostada na parede branca,onde sua cama ficava encostada. Sentia suas costas arderem de dor. Mas não se importava. Soltou um suspiro longo,e respondeu a mensagem,perguntando o que ele queria.


Número Desconhecido: Eu quero ver você jogando.


As regras são simples.



2) Não chame ninguém, senão seu amigo morre.


3) Salve seu amigo,se não você também morre.


Agora,vai até o seguinte endereço, e depois faça o que eu mando.



Após receber a mensagem com o endereço, Stiles guardou o celular no bolso da sua calça, e saiu de casa. Passava das oito da noite,e as ruas ainda tinham um pouco de movimento. O garoto andava calmamente. Ele não sentia medo,nem estava preocupado com o que ia acontecer. Mas ele sentia algo. Uma coisa que não sabia explicar. Um sentimento que passava entre cada órgão do seu corpo,e chegava ao seu cérebro com uma mensagem simples. “Faça isso”. Não sabia exatamente o que tinha que fazer. Mais ia fazer o que era necessário.



Depois de alguns minutos,chegou em um armazém abandonado. O terreno costumava ser sede principal de uma fábrica de confecção de roupas,mas depois de alguns anos,os donos da empresa decidiram se mudar para uma cidade maior,e levaram consigo todos os produtos,deixando o terreno completamente abandonado.


Alguns sem terra invadiram todo o terreno,mas depois de alguns meses,a polícia mandou eles para correr,e desde então,ninguém mais foi ali. Rolava uma história que o lugar ficou amaldiçoado, então, isso afastava as pessoas dali.


Stiles pegou o seu celular,e ligou a lanterna do mesmo. Com passos calmos,ele caminhou até a cerca que se estendia por volta de todo o armazém. Pegou uma pedra,e jogou contra a mesma,só para garantir que a cerca elétrica não funciona mais. E como esperado,não funcionava mais,assim como tudo naquele local.





Stiles puxou a porta-emperrada-do armazém. Levantou o celular,e iluminou uma parte do galpão abandonado com a lanterna do mesmo. Vazio!! O local todo estava vazio. Era estranho. Stiles agora sabia o que sentia. Vazio!! Algo estava faltando. Talvez fosse o bom senso de chamar a polícia, ou então o amor a própria vida.


Balançou a cabeça de um lado para o outro,para afastar os pensamentos desnecessários. Entrou no local,e logo se arrependeu, ao sentir um cheiro forte de carne em decomposição invadir suas narinas. Seu estômago se contorceu em sua barriga,e um bolo se formou em sua garganta. Não conseguia enxergar nada, mas sentia que estava sendo vigiado. Mas nada mudou. Nem um sentimento de medo tomou conta do corpo dele,que o deixou meio preocupado. “Porque eu não sinto medo?” perguntou para si mesmo. “Qualquer pessoa normal se cagaria de medo nessa situação,maia porque eu não sinto nada?” pensou. Mas não conseguiu achar resposta alguma.


Balançou a cabeça novamente para afastar os pensamentos. Tinha coisas mais importantes  para se preocupar.


Deixou seus olhos percorrerem todo o local,na esperança de achar algo,ou alguém. Mas era impossível ver até mesmo um palmo na sua frente. Estava quase aceitando o fato de que era mais um troll,e indo embora,mas quando ouviu um barulho-que ele não sabia muito bem de onde vinha-ecoar por todo o armazém, ele decidiu ficar.


Adentrou mais o local,e começou a andar-com passos mais lentos,para não correr o risco de cair. Seguia a sua intuição,e a luz do seu celular.


Chegou ao final do armazém, e encontrou uma porta de madeira,entreaberta,a luz que vinha dali era fraca,fraca o suficiente para Stiles não nota-la de longe.


Caminhou até a porta,e empurrou a mesma,dando visão completa do quarto na sua frente. Um quarto,que parecia mais um escritório. Tinha uma mesa de madeira no centro,com alguns-lê se vários-em cima. Atrás dela,havia uma cadeira,dessas que todo empresário de respeito usa. Tinha quadros,e alguns enfeites jogados pelo chão do cômodo. Mas não foi os livros, ou as obras de arte jogadas pelo chão, que chamou a atenção do garoto,mas sim a figura da garota ruiva,ajoelhada no chão,de costas para a porta. Ela mexia sem parar,em alguns livros que estavam à sua volta.


-Lydia-Stiles chamou pelo seu nome,quase em um sussurro,mas sabia que a garota tinha lhe ouvido.



Duas Horas Antes.





A mensagem não tinha muitos enigmas,pelo contrário,era bem direta. Vá até o seguinte endereço, ache um livro de capa preta,e siga as instruções. Detalhe,você não vai estar sozinha nessa” e assim,como na outra vez,elas seguiu as instruções. Falou com a sua mãe que ia dormir na casa da Allison. Pegou um casaco,seu celular,e uma lanterna. Saiu de casa,e foi até o armazém.


Chegou lá em alguns minutos. Passou facilmente por um buraco que havia na cerca. Sem delongas,adentrou o local. Sentiu um cheiro forte vir de encontro com o seu corpo. Sentiu vontade de vomitar, mas não vomitou. Apenas prendeu a respiração,e começou a andar. Não sabia da onde o cheiro vinha,muito menos se tinha alguém ali com ela. Mas estava com medo. Conseguia sentir o medo percorrer cada canto do seu corpo. Uma voz em sua cabeça gritava para ela sair dali,mas ela ignorou. Ignorou o medo,o desejo de ir embora,e principalmente,a vontade de pedir ajuda.




Entrou na pequena sala,e seus olhos logo se encontraram com os diversos livros jogados no chão, sem nem ao menos pensar duas vezes,se jogou de joelhos em frente a eles,e começou a procurar o tal livro.




Lydia On.


Minhas mãos empurravam todos os livros,e quadros para o lado,mais não tinha nenhum livro de capa preta. Estava quase desistindo,mas algo em mim gritava para eu continuar,enquanto uma parte implorava para mim ir embora.


-Lydia-ouvi alguém chamar a minha voz em um sussurro. Aquela,eu poderia reconhecer ela em qualquer lugar. Aquela voz que durante anos só me deu alguns bom dia,enquanto em meus sonhos, ela me dizia o quanto me amava,e que me desejava. Sonhos que a tempos eu não tinha. Sentia falta deles. Eles me permitiam estar com quem eu amava. Levantei a minha cabeça calmamente. Tentei acalmar a minha respiração, que se acelerou de uma hora para outra. Apoiei minhas mãos no chão,e ainda de costas, me levantei. Abaixei a cabeça novamente. Queria olhar para ele. Saber se ele era o autor das mensagens,mas algo me impedia de fazer isso-o que faz aqui? Foi você que mandou as mensagens?-suas perguntas pareciam sem sentido naquele momento. Minhas pernas travaram. Levantei minha cabeça, e o olhei sobre meus ombros. Ele estava parado na porta. Sua expressão era confusa. Eu sou muito boa em saber o que as pessoas estão sentindo,ou pensando,mais com ele era diferente. Eu sabia tudo a seu respeito,e ao mesmo tempo não sabia nada.


-Eu não mandei mensagem nenhuma-disse quase em um sussurro. Girei os calcanhares,e finalmente olhei em seus olhos. E lá estavam elas. As íris mais encantadoras que eu já vi em toda a minha vida-pelo contrário, eu recebi uma mensagem dizendo para eu vir parar cá,e achar um livro de capa preta-tentava manter minha voz normal,mas ela saía trêmula a cada palavra que eu dizia. Senti meu celular vibrar em minha mão. O levantei,e desbloqueie a tela.



Número Desconhecido: Surpresa!!


Quero que vocês trabalhem junto,e ninguém pode saber disso.


Quero que vocês descobrem quem eu sou,antes de serem os próximos a morrer.



Li a mensagem em voz alta. Levantei meu olhar. Stiles me encarava. A falta de interesse agora era bem notável em sua expressão. Ele deu um risada irônica,deu as costas para mim,e começou a andar.


-Onde você vai?-gritei. Ele parou de andar,e durante alguns segundos ficou imóvel, antes de se virar para mim. Voltou a me encarar. Seus olhos pareciam buscar algo. Mas eu não sabia o que era.


-Vou pra casa-disse dando de ombros-não quero fazer parte dos seus jogos loucos-deu as costas novamente,e foi embora.


Não quero fazer parte dos seus jogos loucos” meus jogos. Quem ele pensa que eu sou? Uma louca,que faria de tudo para passar um tempo ao seu lado. Sim,eu o amava,mas não seria tão otária a esse ponto,e não deixaria ninguém falar assim comigo.


-Meus jogos?-gritei o acompanhando-eu não mandei mensagem nenhuma. Pelo contrário, como eu sei que não é você que fez essa brincadeira ridícula?-a resposta era simples. Stiles odiava brincadeiras daquele gênero. A lembrança do primeiro ano,quando Stiles defendeu um garoto novato,que sofria bullying pela turma dos veteranos,ainda era clara em minha mente. Naquele dia,eu percebi o quanto ele era bom-eu não mandei mensagem alguma,e também não quero participar disso,mas. Não temos escolha,agora o que podemos fazer é aceitar-completei com uma voz calma.


Ele apenas deu um sorriso de lado. Um sorriso diferente dos outros. Como se ele tivesse aceitando toda a situação. Retribui com o mesmo sorriso,e senti minhas bochechas corarem com o contato visual.


Eu o amava,e agora estávamos próximos-pela maneira errada,mas estávamos.



Notas Finais


Leiam minha outra fanfic


https://spiritfanfics.com/historia/innocent-girl-texting-7109622

Espero que tenham gostado,deixem a opinião sobre o que estão achando. E ate o próximo capitulo ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...