História Medo e Prazer - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Drama, Incesto, Lemon, Romance, Taeseok, Vhope, Violencia, Yaoi
Exibições 43
Palavras 857
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Estupro, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Aaah! ^^ Finalmente consegui tempo pra escrever, algo, é Vhope incesto de pai e filho. Espero que gostem!

Capítulo 1 - I'm Sorry


Fanfic / Fanfiction Medo e Prazer - Capítulo 1 - I'm Sorry


Era um dia de gelado e toda a cidade estava infestada pela neve. Taehyung acordou com frio e olhou para seus pulsos machucados, sentiu as lágrimas rolarem por seu rosto pela décima vez naquela semana, ele havia contado. Estava novamente trancado em seu quarto iluminado apenas com a luz que vinha da janela, ele observou os floquinhos de neve caírem. Seu estômago roncou. Pois claro, na noite passada ele não pôde jantar já que quando se assentou a mesa ousou em perguntar pela sua mãe, o que irritou seu pai.


Todos os dias eram assim, se Taehyung tentasse descobrir ou lembrar algo do passado ele apanhava, se tentava fazer o pai feliz, era torturado e se ficasse calado e o obedecesse poderia comer.


Taehyung já havia se acostumado com a idéia de que seu pai o odiava, pelo fato de sua mãe ter morrido em um assalto pra defender o filho, ocorrido do qual ele não se dava conta. Apenas queria entender o por que de o pai o odiar e o tratar dessa forma. Ele foi até a porta e girou a maçaneta, percebeu que já não estava mais trancado e que seu pai com certeza  dormia no quarto de baixo.


Ele desceu as escadas sem fazer barulho algum e foi até a cozinha abrindo a geladeira cautelosamente. Pegou uma pizza velha que estava há alguns dias na geladeira e procurou outras coisas no armário mais não achou nada, comeu deliciando-se como se nunca tivesse comido aquilo ou estivesse há meses sem se alimentar. Limpou o canto da boca com a manga do moletom velho e rasgado.


Taehyung era um adolescente de 16 anos, que havia perdido a mãe quando tinha 6 meses de vida. Seus cabelos castanhos escuros e os olhos também desta cor, o corpo magro e a pele pálida usando sempre aquele moletom cinza encardido que ficava gigante no menino e apenas uma cueca box vermelha por baixo do moletom largo. Estava indo em direção às escadas para voltar pro quarto.


— O que está fazendo aqui em baixo? — Hoseok surgiu na sala. — Me responda.


— Eu... Eu pensei que pudesse descer para comer algo já que a porta estava destrancada. — Taehyung falou baixo olhando nos olhos do pai.


— Já disse para olhar para o chão quando eu estiver falando com você. — Hoseok andou até o moreno e segurou seu pescoço. — Está me ouvindo?


— Estou, sinto muito... — O garoto segurou-se para não chorar novamente.


— Eu vou ir trabalhar, você pode ficar aqui embaixo hoje. Não faça barulho. — Largou o filho e ajeitou sua jaqueta. O homem de seus 37 anos de aparência jovem possuía os cabelos alaranjados e os olhos castanhos assim como os do filho.


— Sim. — Taehyung subiu as escadas correndo e pegou seu leão de pelúcia no quarto, um presente de sua mãe que ele escondia pois se o pai o encontrasse esse seria jogado fora e Taehyung castigado.


Esperou o pai sair e ter certeza de que ele não voltaria cedo para buscar algo que tivesse esquecido e se sentou no sofá da sala abraçado a pelúcia ligando a televisão. E sem perceber pegou no sono.


A noite caiu e Taehyung foi despertando aos poucos sentindo alguém sacudí-lo, era seu pai.


— Vá para o seu quarto.


Hoseok puxou o menino pelo braço com força para que este se levantasse, Tae deixou a pelúcia cair.


— O que significa isso? — Hoseok pegou a pelúcia e surrou-a na cara de Taehyung de forma rude.


— P-Pai... Por favor me deixe ficar com esse... Só esse- — O filho implorou mais o que recebeu foi um tapa forte no rosto e rapidamente Hoseok tirou seu cinto e usou o mesmo para chicotiar o garoto que segurava os gritos.


— Me desculpa, eu.. A-ai! Dói! Ah! Dói! Por favor pare... — O menino suplicava em meio as lágrimas, foi quando sentiu o homem o jogar no tapete do chão e começar a chutá-lo. Um dos chutes atingiu o estômago de Taehyung e os outros nas costas que fez o menino gritar de extrema dor e começar a tossir, Hoseok parou. — Papai... — Taehyung disse quase sem voz. Ele mordeu os próprios lábios com força e cerrou os olhos pedindo pra que aquela noite acabasse o mais rápido possível.


Na madrugada Hoseok pegou o garoto no colo e o levou até seu quarto onde o trancou novamente. Antes de ir se deitar o homem pegou a pelúcia e jogou na lareira no canto da sala, ele respirou fundo e foi pro seu quarto.


[…]


Taehyung se encolhia na cama chorando e massageando os locais dos hematomas para que estes parassem de doer mais de nada adiantava, ele estava com frio, com medo, no escuro, com dor e sozinho. Sabia, que se tentasse gritar por ajuda num horário como aquele seu pai encontraria um jeito de acabar com sua vida, Taehyung começou a cantar uma letra de música bem baixinho.


I'm sorry, I'm sorry

I'm sorry ma brother

Sumgyeodo gamchwodo jiwojiji anheo

Are you calling me a sinner?

Museun mari deo itgesseo... 

A melodia saiu doce, letra que ele mesmo havia criado em seus dias de dor. Taehyung respirou fundo e fechou os olhos para dormir.

      




Notas Finais


Stigma. Adoro essa música. Comentem o que acharam!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...