História Meia Noite em Madri - Capítulo 6


Escrita por: ~

Exibições 141
Palavras 1.979
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Esporte, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


AAAAAAU! Cheguei 😈😏 Boa leitura, moças 😎😗

Capítulo 6 - Desequilibrada


Fanfic / Fanfiction Meia Noite em Madri - Capítulo 6 - Desequilibrada

Em algum hotel de Paris...

- Kevin, não fica com essa cara, poxa... Não adianta se lamentar mais. Já foi. Bola pra frente! - falei enquanto brincava com os fios loiros do goleiro que estava com a cabeça deitada em meu colo e o resto do corpo jogado no meu sofá

Kevin Trapp estava numa bad que dava dó por conta do jogo ruim no final de semana, mesmo com a vitória do time parisiense, o goleiro alemão vinha sofrendo duras críticas e corria até o risco de ir para o banco caso não fizesse um jogo melhor no sábado. E era a semana do seu aniversário!
Eu como uma ótima amiga não podia deixá-lo sozinho com a pressão que o mesmo colocava sobre si.
Após o treino o convidei para um café no meu hotel e o prometi que o faria se sentir melhor.
Assim como eu, Kevin Trapp não tinha ninguém em Paris. E quando eu precisei dele ele esteve lá por mim, era o mínimo que eu devia fazer.

- Trapp, me fala um goleiro dos tempos atuais que você se inspira e me diga a maior característica dele! - sujeri

- Com certeza o Neuer. Ele é fantástico! - pude ver seus olhos brilhando ao falar do compatriota - Ele é muito ágil e preciso nos movimentos.

- Você sabia que ele quando pequeno jogava futsal? - Trapp assentiu - A quadra dessa modalidade é mais lisa, é nítido que qualquer movimento feito no piso saia com mais agilidade e consequentemente mais precisão... - o goleiro me olhava atento - A experiência que Neuer adquiriu nas quadras de futsal, hoje ele leva para os gramados.

Kevin me olhava surpreso e logo aquele semblante triste que ele carregava no rosto deu lugar a um sorriso esperançoso.

- Tudo faz sentido!

- É a física, mon amour. - sorri

- Vou conversar com o treinador. Se ele der o ok, vou encaixar o futsal todos os dias nos meus treinamentos. - Kevin disse animado e fizemos um toque de mão - Você pensa em tudo!

- Eu torço muito por você. - o abracei - Só tenha bastante foco e se intensifique em tudo o que faz. - o olhei firme e ele assentiu - Belezaaa! Vamos animar isso aqui. - levantei do sofá, peguei o controle da tv e coloquei no YouTube

- Vai por música e faremos nossa própria balada? - ele riu

- Quase isso. - selecionei um clipe de uma música bem animada e que era hit no Brasil. Bumbum granada. - Vem, cenourona - o puxei do sofá entre risos e ele me atacou uma almofada

Cenourona porque do uniforme laranja que o Trapp as vezes usa nos jogos hahaha uma verdadeira cenoura gigante.

- E esse som aí? - ele se pôs ao meu lado e deus uns passinhos tímidos comigo

- Oxi... Cadê o tamtamtamtam? - Kevin me olhava sem entender o que eu tinha dito pois era em português - Oh o beat envolvente oh vai!

Trapp não sabia se ria da voz peculiar do Mc Jerry ou se seguia meus passos.

- Taca taca taca taaaca - o alemão cantava entre gargalhadas enquanto fazíamos a parte mais fácil da coreografia, de "atacar".

Quando a música acabou nos jogamos no sofá ainda arfando e rindo muito da situação e logo Trapp falou:

- Meu deus do céu, temos que repetir isso. - ele tomou o controle da minha mão e deu o play novamente

- Vamos por no instagram? - peguei meu celular e ele concordou

Dançamos por todo o quarto do hotel e pulamos na cama como loucos, fizemos guerra de travesseiros até! Gravamos o vídeo no refrão da música e em seguida Kevin despenteou meu cabelo. Fazia tempos que eu não me divertia daquele jeito.

- Tocaram a campainha! - gritei para Trapp que ainda arfando abaixou um pouco o volume

Assim que abri a porta, achei que me depararia com alguém da recepção do hotel reclamando pelo barulho mas para a minha surpresa era o Thiago. Eu tinha perdido a noção das horas e nem lembrava que ele passaria para me ver assim que deixasse Isago e Iago com Isabelle.

- Amôoo. - pulei em seu colo e dei-lhe um selinho

- Passou um furacão aqui? - Thiago perguntou sem muita simpatia ao entrar no quarto

- Oba, menage! - Trapp gritou animado e passou o braço em volta de Thiago e eu, o que me arrancou uma risada escândalosa. Ainda estavamos em êxtase.

Thiago continuava com aquela cara de paisagem e logo disse:

- Não tá na sua hora não, Trapp?

Kevin Trapp riu, deu dois tapinhas nas costas de Thiago e foi em direção ao espelho para arrumar o cabelo despenteado e voltou pegando o casaco em seguida.

- Se cuidem! - o goleiro deu um beijo forçado na bochecha de Thiago que ficou enojado e um abraço rápido em mim em seguida - Obrigada por hoje. Eu estava precisando me divertir assim! - me deu um beijinho na testa e assim que chegou na porta do quarto... - Usem preservativos, crianças.

- Mané. - Thiago riu e a almofada que ele atacou deu de cara com a porta

- Eai, como foi com os meninos? - o puxei para sentar na cama junto a mim

- Não tão divertido como aqui. - o capitão disse sarcástico ao olhar a zona que estava o quarto

- Thiago! Não acredito que você está com ciúmes do Kevin. - ri surpresa

- Você nem me disse que ele viria pra cá.

- Desde quando eu te devo satisfações, querido?

- Nossa, é assim! - ele fez que ia se levantar da cama mas eu o puxei fazendo-o cair sobre mim

- Eu tô brincando, besta! Eu que o chamei pra cá, foi de última hora. Ele não estava muito bem e eu quis animá-lo.

- Sabia que tem paparazzi pela rua? Você sabe como é difícil pra mim ver todo mundo falando que vocês tem algo. Poxa, Aurora! Facilita a minha vida.

- É assim que eu fico quando vejo ou fico sabendo que você saiu com os seus amigos. Tem maria chuteira por tudo quanto é lugar. Eu sei que elas caem matando, eu não sou idiota.

- Você é a única, minha flor. - Thiago cheirou meu pescoço e depositou um beijo em seguida

- Então me assume que tá tudo certo! - brinquei

Eu não queria formalizar o nosso caso indefinido. Não só pelo pouco tempo juntos, mas porque da nossa rotina. Eu tinha a minha carreira e ele a dele. Nem sempre daria para conciliar o meu trabalho com os jogos dele. Seria difícil e deixar do jeito que estava era a melhor opção, sem cobranças...

- Você sabe que não é tão simples. - ele fez carinho em meu rosto

- Não precisa ter ciúmes de ninguém, eu só estou com você. Apenas quero respeito e transparência da sua parte. - o olhei firme - Meu fiel. - ri e selei nossos lábios

Nosso momento fofo foi interrompido por batidas rápidas na porta.

- Caramba, esse lugar tá movimentado! - Thiago disse ao sair de cima de mim e foi em direção ao banheiro

Me recompus e fui atender a porta, tive o desprazer de me deparar com Ana Elisa e ela foi logo entrando.

- Caramba! Finalmente te achei. Parece até que tá me evitando. - ela riu e sentou no sofá - Senti sua falta.

Respirei fundo e vi que não tinha como fugir daquela conversa desagradável. Eu estava mesmo evitando Ana Elisa e como ela tinha uma escala diferente da minha já que cobria o restante dos times do campeonato francês (Guilhermo, havia me dado a tarefa de cobrir apenas o PSG, que estava em alta e como eu tinha carisma e perfeito entrosamento com os jogadores, deu certíssimo.) eu não precisava ter o desprazer de olhar pra cara dela com frequência. E quando eu sabia que ela estava/estaria por perto, evitava, e assim segui por duas semanas desde que eu soube que foi ela quem me causou aquela enorme dor de cabeça por conta da foto do Thiago.

- Temos que conversar. - sentei ao seu lado - Eu sei que foi você que fez com que a foto do Thiago vazasse.

- O que? - Ana Elisa riu nervosa e negou a todo custo

- Se poupa e me poupa. Eu não sei por que você fez isso e nem quero saber, sinceramente não me interessa mais. Você me decepcionou demais. - olhei fundo em seus olhos verdes que estavam marejados e sua cabeça insistia em negar

- EU FIZ ISSO POR AMOR. - ela se ajoelhou nos meus pés e a situação começou a ficar fora de controle, o que estava me assustando

- Amor???? Tem idéia da dor de cabeça que você me deu? Se da conta do quanto você prejudicou o Thiago? - eu lançava as palavras ainda surpresa com a cara de pau de Ana Elisa

- Eu perdi a cabeça quando vi que vocês tinham dormido juntos. Aurora, eu te amo! Acredita em mim! Eu amo você. - ela me sacudiu descontrolada e tentou me beijar

- VOCÊ É  LOUCA! EU TENHO NOJO DE VOCÊ. - a empurrei fazendo com que ela desse com as costas na mesa de centro que era de vidro

Virei de costas já desesperada, Ana Elisa chorava compulsivamente e havia se cortado com os cacos de vidro.

- NÃO SE ATREVA. - Thiago gritou e imediatamente eu me virei e o vi segurando Ana Elisa que portava um grande e afiado caco

Só Deus sabe o que ela faria com aquilo.

- ME SOLTA, SEU DESGRAÇADO. - ela gritava escandalosamente e se debatia nos braços de Thiago

Corri para o quarto da frente, o de Guilhermo, e bati na porta insistentemente. Eu não queria colocar a segurança no meio pois dali para a imprensa saber era um pulo.
Guilhermo viu o meu estado e imediatamente adentrou o meu quarto e ajudou Thiago a dominar Ana Elisa.

- Você enlouqueceu, Elisa. Eu já liguei para um centro de reabilitação eles estão à caminho. Pensa que eu não vi os medicamentos sem prescrição que você leva na bolsa? Ou você se trata, ou vai perder tudo! - Guilhermo disse firme ao segurar a loira por um dos braços

- Interfonaram lá na recepção e disseram que ouviram uma gritaria vindo desse quarto. O que está havendo? - um segurança alto, forte e negro disse ao entrar acompanhado de mais dois

- Você acabou com a minha vida. E eu vou acabar com a sua, Aurora. Você vai pagar! - Ana Elisa ria de forma assustadora e logo desmaiou quando um dos seguranças aplicou nela uma injeção que certamente contia tranquilizante

Thiago me abraçou e beijou cada canto do meu rosto ao se certificar de que eu estava bem.
O agarrei pela cintura e chorei assustada com o que havia acabado de acontecer.
O segurança que restou pediu para um de nós o acompanhar e Guilhermo se prontificou.

- Fica calma, eu cuido disso. - meu chefe beijou minha testa e saiu

Thiago me deitou na cama, foi no frigobar e logo voltou com um chá.

- Beba. - o capitão me entregou a xícara e enxugou as minhas lágrimas.

Minha respiração estava descompensada e eu não conseguia processar tudo o que havia acontecido.
Thiago se deitou ao meu lado e finalmente pude sentir seu abraço forte e protetor, era como um calmante. Gradativamente eu fui caindo no sono.

- Eu sempre estarei aqui, sempre, sempre sempre.

Aquela frase mexia comigo, eu sabia o porquê.

- Eu te amo... Ricky. - eu já não tinha mais noção do que era realidade ou sonho.

Apenas senti uma paz e apaguei.


Notas Finais


Vai taaaaca 😂🎶 desculpa, gente, não resisti.
Ana Elisa é doente!
No próximo capítulo será um especial para vocês verem um pouco como era a vida da Aurora e do Ricky, como tudo começou e essas coisinhas... Que tal?
Até! Boa noitchêee 🙆💗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...