História "Melhores amigos" - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Romance
Exibições 48
Palavras 1.351
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 24 - Porque eu confio em você


(Segunda)

←←Arthur→→


Letícia tem andado bem triste, ontem foi o velório da tia dela, ela tentou não parecer abalada, até foi bem convincente, mas todos sabiam a verdade. Guilherme também estava lá, suas amigas, todos davam força, mas ela não gosta muito de se abrir. Letícia é desse jeito, não gosta de chorar, desabafar perto de ninguém, ela diz que não quer parecer fraca, que prefere ficar sozinha, pensando...então quando ela chora perto de alguém, a coisa realmente tá feia.

***

-Letícia, se você quiser, não precisa ir pra escola.-a mãe dela sugere.

-Me diz mamãe, por que eu não iria? Eu estou bem.

-Se você acha...

-Filha, tem certeza? -o pai dela logo pergunta.-Eu não iria se fosse você. 

-Mas ninguém aqui sou eu, então por favor, deixa eu fazer o que quiser, o que eu achar melhor.-disse alterando a voz, os pais dela nem falaram nada, não queriam brigar com ela em um momento desse. -Já tá na hora. Vamos Arthur. 

Não disse nada no caminho, achei melhor ficar calado. Chegamos na escola e o assunto já tinha se espalhado, todos nos paravam e a perguntavam se estava bem, ela concordava, mas acho que no fundo, todos sabiam a verdade. Chegamos na nossa sala, e ela agiu normal, como sempre, foi conversar com algumas pessoas, até a Isadora chegar.

-Oi Letícia, sei que a gente não está bem, mas o seu momento não é dos melhores, se quiser alguma coisa, é só falar...-então todos começaram a prestar atenção. 

-Muito obrigada Isadora, de verdade, mas eu estou bem, não precisa se preucupar. 

-Certeza que está bem? Porque eu não estaria...Coitada de você, perdeu sua tia.

-Isadora, por favor, eu estou bem.-e Isa continua insistindo, e todos prestam mais atenção ainda.-Isadora, vou ter que repetir?-começa a ficar um pouco estressada.-Eu agradeço por se preucupar, mas por favor, eu estou de boa.

-Nossa que ingratidão.-ela começou a puxar uma treta, aí que todos ficaram mais interessados. -Venho aqui de boa vontade e você faz isso...Coitada.

-Não, é sério que você falou? Você disse "coitada"?-começou a rir-Não é de mim que você deve ter pena, até porque eu odeio que sintam pena de mim, a minha tia morreu, eu sei, mas eu estou bem, e sabe por quê? Porque tem meses que eu a vejo sofrer...eu estou triste, é claro que estou, mas eu não quero que sintam pena de mim...até porque não é de mim que deviam sentir pena...-acho que todos sentiram uma indireta aí. 

-Isso é uma indireta? 

-É o que você quiser entender minha querida...Mas, me fale você, eles deveriam sentir pena de você?-escutei um grande "noooo", ela foi embora sem mais nem menos, deixando todos mais histéricos.

Não conversei mais com a Letícia,porque ela ficou com o Guilherme, nem sei o que os dois fizeram, mas depois do recreio não os vi mais na escola. Eu não acredito que eles mataram aula!

***

Já na saída da escola, eu vi os dois caminhando e rindo, eu só queria entender como eles conseguiram fugir da escola e levar as mochilas ainda. Eu sempre planejo planos assim, mas sempre me esqueço da mochila, porque se eu deixá-la os professores notariam, e sair na troca de professores também é perigoso...Mesmo não sabendo como conseguiram, eles foram espertos, porque não ligaram pras mães, senão não teriam voltado pra escola. Quando me dei conta Letícia já estava falando  comigo.

-Como vocês conseguiram sair? Saíram por quê?

-Não percebeu nada, nem nunca passou pela sua cabeça o porquê da maioria das salas de aula terem grades na janela? E como nossa sala foi privilegiada de não ter grades? 

-Não, vocês não fizeram isso.Sério? Me explica direito.-tinha imaginado que eles pularam a janela. 

-Arthur meu querido, eu e Guilherme planejamos isso na sexta-feira, eu vou te explicar. 

-Então anda.-falei e continuamos a caminhar.

-Nossa janela dá pra uma área não muito frequentada e protegida da escola. Então na troca de professor onde nossa sala é muito agitada pra perceberem alguma coisa, aproveitei que sentava na janela, joguei minha mochila e a do Guilherme nessa área...-ela parou e riu um pouco.-O segredo é ser esperto, e observar tudo. Nos primeiros 5 minutos de recreio todos os funcionários e alunos ficam mais preucupados com o lanche. E sabe essa mesma área que disse? Ela é totalmente oposta a cantina, ou seja muito tempo pra nós. E sabe mais? Ela tem um pequeno muro, onde tranquilamente dá pra pular.

-Incrível...Mas vocês ficaram presos dentro da sala, e depois pularam a janela?-perguntei e já estávamos em frente a casa dela.

-Claro que não Arthur. Corremos muito pra chegar no lugar onde eu joguei nossas mochilas.-entramos e logos subimos pro quarto dela.

-Onde que esse lugar fica? E não tem câmeras? Como assim? 

-Sabe aquele espaço que divide a quadra e algumas salas? Aquele espaço onde tem ataté algumas mesinhas, aberto ao ar livre, mas que nenhum professor leva os alunos.-nossa sala ficava perto da quadra, e realmente existia um espaço com grama e mesas entre a quadra e as salas do nono ano.-Desse jeito ninguém notou nada, corremos até esse espaço, pulamos o muro e pronto.

-Vocês tiveram sorte de ninguém falar que vocês saíram. Principalmente a Isadora pra fazer alguma vingancinha.-ela riu, e eu amava aquele sorriso.-Então o que fizeram? 

←←Letícia→→

-Nada de importante.-menti, tinha feito muitas coisas ótimas...-Estou com fome.-e saí.

《Mais cedo》

-Meu deus Guilherme, eu não acredito que a gente conseguiu sair, e tão fácil...

-Eu disse que nós somos bons parceiros no crime...

-Só precisamos de planejamento. E observação, é claro.-ele sorriu, eu amava aquele sorriso.-A gente só esqueceu de ver pra onde dava essa saída. 

-Só isso...quase perfeito...é melhor isso aqui não dar em boca de fumo, ou lar de zé droguinha...

-É melhor correr. Eu acho. -dessa forma corremos, depois andamos um pouco mais rápido, até chegar na casa dele. Não conversamos muito, mas só até chegar na casa dele, que por sinal era enorme, já fui lá algumas vezes, mas não me lembrava muito.-Estamos sozinhos?-falei enquanto entrávamos. 

-É claro sua louca.-não sei porque, mas corei, essa idéia de matar aula, e ainda ficar sozinha com Guilherme me deixava assim.-Mas não precisa pensar em outras coisas...mas se você quiser, tamo aí!-ele fez aquela cara de quem ia aprontar, e eu ri.-Escutou essa última parte né? Espero que sim.

-É claro.-ri novamente. -Mas o que vamos fazer? 

-O que você quiser.-deu aquele sorrisinho de lado.

-O que eu quiser?-eu já estava feliz, nem parecia que tinha perdido a minha tia, mas eu acho que a gente ter matado a aula me deixou melhor.-Então vamos pro seu quarto, eu quero dar uma geral nele...

-Hmmmm, mas eu pensei em alguma coisa melhor, e depois nós podemos ir pro meu quarto. O que acha? 

-Pode ser.

-Então, por favor, não faz nada que possa estragar, eu quero ver se vou ter alguma sorte hoje.-ele disse, e fiquei um pouco nervosa.

Ele me levou pra garagem, e eu não notei quando entramos mas tinha um carro ali. E o da mãe dele.

-Deu certo, minha mãe foi viajar hoje, e deixou o carro aqui, meu pai trabalhando, e pronto.

-O que você acha que vai fazer? 

-Você vai dirigir. Eu vou te aconselhar.

-Você sabe dirigir? 

-Tem muita coisa que você não sabe sobre mim...

-Quando aprendeu? Onde nós vamos? E se alguém nos parar? E se eu bater? 

-Não vai acontecer nada. Fica de boas...

Então foi ótimo, apesar de ser segunda as ruas perto da casa dele eram tranquilas, dirigi um pouco, Guilherme disse que eu fui bem, e eu amei a sensação, me senti livre, por mais que tenha sido por apenas alguns minutos, depois passei o volante pra ele e voltamos pra casa dele.

-Guilherme, eu já disse que amei o nosso dia? Que amei tudo hoje? 

-Já Letícia. Já disse.

-Por que me deu o carro sabendo que eu poderia ter batido ele acidentalmente? 

-Porque eu confio em você, confio nas suas habilidades, confio em tudo em você. 

-Aaaaa Guilherme. 

-Nossa Letícia.

-Você é a melhor pessoa desse mundo.-beijei ele.-I love you!

-Aaaaaa Letícia.-me beijou.-I love you so much!

-I love you so much much...

-Sabe que nós estamos falando tudo errado né? 

-I don't care.

-Tá manjando dos ingreis hein? 

-Guilherminho.

-Sim minha lindinha.

-Aaaaa Guilherme.-beijei ele de novo.

-Quer parar de me beijar? 

-Não.-dei outro beijo.-Vamos agora...



Notas Finais


Desculpem por mais um cap lixo. Mas vamos tentar terminar essa fanfic.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...