História "Melhores amigos" - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Romance
Visualizações 48
Palavras 2.120
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Voltei!!! Eu estou bem desanimada nesses últimos dias, mas não é falta de criatividade, eu até já pensei no final, é desânimo mesmo, então me desculpem. Vou tentar dar uma melhoradinha...

Capítulo 24 - Eu não volto atrás.


Fanfic / Fanfiction "Melhores amigos" - Capítulo 24 - Eu não volto atrás.

←←Arthur→→

Eu liguei pra minha mãe, e ela ficou bem brava por eu ter desaparecido por um dia inteiro. Mas ela achou bom de eu estar vivo, não ter sido estuprado, ou outras coisas, e claro que eu não contei pra ela que fui roubado.

Eu almocei na casa da Letícia, a mãe dela não tinha gostado de eu ter feito coisas com a filha dela, já o pai... Se um dia eu for pai, quero ser igual tio Robson(é estranho eu chamá-lo de tio depois das coisas que eu fiz com a filha dele, mas...), tio Robson é a melhor pessoa do mundo, e pai também. Letícia se espelha muito nele, mas ela também não se dá muito bem com a mãe, ela já me contou várias histórias sobre isso, é estranho também, mas Letícia não é muito certa, e muito menos a mãe dela. 


Nós já estávamos de volta naquele quarto, dessa vez arrumando a cama, que ficou uma bagunça. Eu só conseguia lembrar da noite de ontem, e que noite...espero que tenha outra dose.

-A minha mãe é bem lerda, né? 

-As vezes...

-Cara, como ela pensou que eu fosse virgem? Eu já tive dois namorados, ela acha o quê? Que eu vou ficar só beijando? 

-Você transou com o Guilherme? 

-Você transou com a Isadora.

-Ai meu deus.

-Você me deu um fora Arthur.-ela olhou pra mim.-E eu acho que você sabia muito bem a minha escolha.

-Era eu? 

-Sempre seria você. 

-Caralho. 

-Poderíamos ter passado 7 meses juntos, ou até mais se tivéssemos continuado o nosso namoro.

-Eu me arrependi daquele dia.

-Eu também Arthur.-ela veio até mim.-Eu sempre amei você, eu só não sabia disso.

-Você não sentia nada pelo Guilherme? 

-Eu gostava dele, mas eu amo você. 

-Você sabe que eu também.-nós dois sorrimos, e eu a puxei pra um beijo.

Deitamos novamente naquela cama, desfazendo todo nosso trabalho. Paramos de nos beijar, e ela riu, olhando pra minha calça.

-Me diz, quanto tempo você ficou só batendo uma? 

-1 ano, 7 meses e 16 dias.-falei rápido e pra dentro.

-Quê, eu não entedi.

-1 ano, 7 meses e 16 dias.-dessa vez olhei pra ela e falei calmante.

-Arthur do céu. Por isso que você tava daquele jeito ontem. Nós gastamos 3 camisinhas.

-Mano do céu. Que vergonha. 

-Eu já te vi pelado, não tenha vergonha.-ela colocou a mão dentro da minha calça.-Nem sinal. 

-Me beija então.-e a beijei com muita intensidade. 

-LETÍCIA!!!-paramos na hora, e ela tirou a mão da minha calça.-Que modos são esses minha filha? 

-Eu tenho 18 anos mãe. É normal fazer isso com a minha idade.-respondeu pra mãe dela.

-E você ainda fala isso como se fosse a coisa mais comum do mundo!

-Mas é mamãe. Eu nasci por causa disso.

-ROBSOOOONN!!!

-Que foi Heloísa?-tio Robson chegou na porta do quarto. 

-É normal Letícia ter relações sexuais em nossa casa?

-Você está perguntando isso pra mim?-ele riu.-É normal Heloísa, é normal, e eu não vejo problema nisso, mas se ela ficar grávida, ou fizer alguma coisa contra a sua vontade, aí...-Robson, melhor pessoa.

-Vocês são todos uns...

-Mãe, eu contei que perdi minha virgindade pro meu pai primeiro, justamente por esse draminha que você faz.

-Ela te contou, e você não me contou Robson?-tia Heloísa grita com ele.

-Ela pediu pra eu não contar. 

-O que você tem? Pediu pro seu pai comprar absorvente pra você, e eu só fui descobrir que você tinha menstruado porque vi a notinha em cima da mesa.-Letícia riu.-Depois pediu pra sua tia marcar sua primeira depilação...

-MÃE!!! POR FAVOR.

-Eu vi que você se depila Letícia, não se preucupe.-eu falei, ri e tomei um tapinha na cara.

-Heloísa, devia ter casado com a sua irmã.-o pai dela ri, entra no quarto e se joga na cama.

-O que você disse Robson? 

-Que eu tive um caso, antes de te conhecer com a sua irmã Dayana.-Letícia olhou pra ele nem um pouco surpresa, e riu da cara de sua mãe. 

-Isso é verdade? 

-Pergunta pra sua irmã. 

-Essa foi pesada pai.

-Por que vocês não chamam ela e começam uma suruba?-ela sai, e todos nós começamos a rir.

-Mas é verdade tio Robson? 

-É verdade sim.

-Melhor casal. Tia Dayana e você. 

-Você não teria nascido. 

-E daí? 

-Meu deus Letícia.-o pai dela se levantou da cama, e jogou uma balinha pra nós.-Se beijem.-e saiu. Nós rimos e voltamos a deitar.

-Melhor família. 

-Você fala isso porque não convive por aqui. Minha mãe é um saco.

-Você deveria tentar conviver melhor com ela.

-Nosso santo não bate. Eu não sei, isso é ruim, mas sempre preferi meu pai.

-Sempre preferi minha vó. 

-Vós são tudo de bom.

-Mudando o assunto.-olhei pra ela.-Foi em algum show.

-Menina. Você nem sabe.-pegou um celular e me mostrou um vídeo. 

-AIII MEU DEUS LETÍCIA. VOCÊ NÃO FEZ ISSO, MEU DEUS DO CÉU.-eu gritava feito louco.-VOCÊ FEZ O TOQUE COM JOSHUA DUN. E DEU UM ABRAÇO EM TYLER JOSEPH.

-Eu sei. Melhor coisa de minha vida Arthurzão.

-Eu não acredito que eu toquei onde Josh e Tyler tocaram.

-Eu também peguei um presente pra você. Eu lembrei de você na hora.-ela abriu o guarda roupa e me jogou uma blusa.

-JSKJSJSJEBSKS.-eu só gritava.-Meu deus vou desmaiar.-era uma blusa autografada pelo duo Twenty Øne Piløts.

-Eu também tenho uma.

Depois disso eu a beijei com tanta vontade que ela até gemeu em minha boca.


-Vamos sair hoje com nosso antigo grupinho?-eu estava a masturbando.-Aaaa Arthur.-ela gemeu. -E então? 

-Eu não estou muito bem com eles.

-Mas eu estou con saudades e a resposta é sim. Onde? 

-Vamos encher a cara em algum bar hoje.

-Feito.-ela pegou seu telefone e começou a ligar pra alguém, e eu aumentei a intensidade e ela gemeu no telefone, logo depois me deu um tapa. Não demorou muito, e ela desligou.-Nunca mais faça isso. Entendeu? 

-E aí? 

-Combinado. Você tem que se trocar, e eu te pego as 8.

-Mas não deveria ser eu? 

-Que machista. EU te pego as 8, entendeu? 

-Pode me pegar a noite toda se quiser Letícia. 

-Pode deixar.



Já era 8:05 e nada de Letícia, minha ansiedade me fez ficar pronto as 7, e eu estava ficando nervoso até ouvir a buzina, não tinha que me despedir de ninguém, porque eu estava sozinho, então eu tranquei e me dirigi ao carro.

Letícia estava só me esperando, ela usava um batom vermelho, uma maquiagem preta, mas não parecia muito forte, bem, eu não sabia todos os detalhes de sua maquiagem, mas ela estava bonita. Seu cabelo preso em um rabo de cavalo alto, uma roupa cheia de personalidade, e tudo acompanhado de tênis, sua marca registrada. 

Ela dirigia e eu prestava atenção nela.

-O que foi Arthur? Você não tira o olho de mim.

-Você está linda.

-Você não está nada mal.-paramos no semáforo, ela me olhou e sorriu, eu fiz o mesmo.

-Pensei que você não tinha carteira. 

-Mas eu dirijo bem.

-Tenho que concordar.-sorri pra ela, que acelerou no sinal verde.-Onde nós vamos? 

-Você não sabia mesmo?-ela olhou pra mim.-Meu deus, você esqueceu que essa data seria nosso reencontro? 

-26 de dezembro? Que data péssima.-eu olhei pra ela.-Mas então por que você ligou, e me perguntou se a gente ia sair? 

-Liguei pra confirmar, e te perguntei pra ver se você lembrava.-falou como se fosse óbvio.-Caralho Arthur, nós falamos isso em nosso grupo de whats, em nossa formatura. 

-Tem três anos Letícia. 

-Então você não se lembra que o combinado era pular o muro da nossa antiga escola e dar uma festa lá dentro? 

-Puta que pariu. É sério? 

-É claro que não.-riu da minha cara.-Até porque o povo da nossa sala e série combinou de se reencontrar daqui a 10 anos.

-Eu não lembro disso.

-Nós criamos um grupo no facebook. 

-Eu fui excluído. 

-Chegamos, olha.

Aquele era um novo bar aberto na cidade, ele é bem falado, chique e eu vi o porquê dos comentários bons.

Entramos naquele bar, e Letícia logo viu nossos broders e foi correndo até eles.


←←Letícia→→

 

Cara, eu tava muito feliz em ver aquelas pesoas novamente, eu vi eles, e corri até eles, porque eu não conseguia andar novamente. E meu deus, que saudade, nos abraçamos em conjunto, Laura, Stella, Leonardo, Pedro e Marcela. 

-Gente eu não acredito que vamos meter o loko hoje juntos!-sim, era gay, mas já estávamos chorando.-E Stella que cabelo lindo.-ela tinha raspado ele de um lado,e pintou de roxo.-Laura e Pedro, e esse anel de compromisso?-os dois exibiam o anel.-Leonardo passando o rodo igual. Que orgulho.-todos rimos.-Marcela, que bom que você veio.-eu não era muito amiga dela, mas foi por causa dela que Stella se assumiu, tudo bem que no final a Marcela não era lésbica, mas tudo bem.-Ué,cadê o Arthur?-eu não achava ele.

-Você veio com ele?-Leonardo perguntou.

-Vocês voltaram?-Laura me interrogou.

-Aconteceram muitas coisas desde que eu cheguei aqui de novo.

-Vacilão do caralho é isso que o Arthur é.-Stella resmungou.

-Nossa gente. O que ele fez?

-É melhor você nem saber Letícia.-Pedro completou.

-Tudo bem então.-não liguei muito, e continuamos a conversar.


-Vira, vira, vira, vira.-todos começaram a gritar, estava apostando com um outro cara do bar, tinha que virar uma garrafa de whisky. 

-Acabei.-eu falei.-E GANHEI CARALHOO!!!-subi em cima da cadeira e pulei.-Quem quiser perder, é só chegar.-meu grupinho começou a comemorar, e como o combinado o perdedor pagaria uma rodada pra todos.


Devia ser umas 2 da manhã, era bem tarde, todos nós estávamos bêbados, e nada do Arthur. Mas foi só eu pensar nele, que apareceu.

-Vejo que começaram sem mim.

-Arthur!!!-meus olhos brilharam.-Tá vendo gente, ele tá aqui,e não me traiu.-olhei pra ele.-Você não me traiu certo? 

-Certíssima. Quem colocou essa ideia na sua cabeça?-ele olha pra todos enfurecido, e o olhar de todos também é de raiva.

-Fui eu mesmo.-Leonardo diz.-Até porque isso não seria nenhuma novidade.

-O que eu fiz? Eu não entendo essa raiva de mim.

-Você ainda pergunta Arthur? O que você não fez é mais fácil.-Stella diz.

-E o que eu não fiz?

-Você não foi nosso amigo, simples.-Pedro completa.

-Nos arrumou encrenca, treta, manipulou todo mundo, e depois pulou fora.-Laura fala, e eu tava boiando.

-Ainda é aquilo? 

-Ninguém tinha culpa da sua depressão e seus traços de Transtorno Explosivo Intermitente.-Marcela resmungou.

-E ninguém liga também. Todos tentamos te ajudar, mas...

-O que você fez Arthur? 

-Eles acham que eu coloquei um contra o outro, fiz eles brigarem, se separarem e depois ainda armar a suspensão de todos da escola.

-Não tem mais nada? 

-E eles me culpam de traição. E acham que eu humilhei a Stella e vazei vários nudes do celular dela. E que também deixei vazar várias conversas da Laura e ter pagado uma prostituta pro Leonardo, e depois essa mesma falar o quanto ele é ruim na cama, e seu coisinho pequeno.

-O Arthur não teria inteligência pra isso.

-Pode ser o que for. Mas ninguém quer ele aqui.-Marcela disse.

-O clima já ficou pesado, nós já vamos.-o casal se levantou.-Tchau pessoas que valeu a pena eu ter conhecido e Arthur.-Pedro disse. E ele e Laura vão. 

-Só nós mesmo.-eu falo.

-Na verdade, só vocês, eu tenho que ir, trabalho amanhã. -Stella se levantou.

-Me dá uma carona? Vim de Uber.-Leonardo pergunta. 

-Se quiser ir comigo eu já vou.-Marcela fala.

-Tudo bem então.-os ttrês vão embora.-Vamo sair outro dia, viu? -e saíram. 

-Foi mal Letícia. 

-Puta que pariu Arthur. Olha o que você fez.

-Não fui eu.-ele fala.-Foi outro dentro de mim.

-Então você está se culpando? 

-Meu cérebro é culpado. Meu tédio é culpado e minha raiva é culpada.

-Vamos embora. Te deixo em casa.

-Você está bêbada pra dirigir. 

-Vai saber o que sua raiva pode fazer com o carro da minha mãe. 

-Pode pesquisar, Transtorno Explosivo Intermitente, Transtorno Antissocial e Transtorno Paranoide. Não fui eu que fiz isso, foi outro eu.

-Me poupe Arthur. 

-Me deixa te levar pra casa então.

-Eu que tenho carro. Eu que deveria pensar em te levar.-eu não conseguia acreditar no que ele fez, e pensar que eu tive relações sexuais com ele hoje.-Mas é sério que você vazou nudes da Stella?

-Sim. Eu me arrependo, estava con raiva, queria atenção. 

-Então hoje você vai apé pra sua casa.-eu saí correndo daquele bar, e ele atrás. Entrei naquele carro, tranquei as portas, eu ia acelarar quando ele entrou na frente. 

-O que foi?-falei, e ele deve ter lido meus lábios. Arthur bateu na janela do carro e eu abri.

-Eu já pedi desculpas Letícia. Mas eles não aceitam.

-Até porque é muito fácil perdoar o que você fez.-eu falei sarcástica.-Tchau Arthur. Não me procura mais.-fechei o vidro na cara dele, e fui embora o deixando pra trás. 

-Já tinha saído do estacionamento, e parado no semáforo, logo começou a chover e eu o vi atravessando a rua na chuva, e olhando pro meu carro. O que ele fez não tinha justificativa, era imperdoável. Eu fiquei com pena dele? É claro que sim, mas não voltaria atrás, nunca.

E também não deixaria de amá-lo,é iimpossível. Mas meu orgulho subiu a minha cabeça. E eu tinha que ficar ao lado dos meus amigos.

E acho que aquela foi uma despedida pra sempre, em 3 de janeiro volto pros EUA, e acabou. 






Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...