História Melodies - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Lay
Tags Chankaisoo, Chansoo, Chansookai, Kaisoo, Kaixing, Kyungyeol, Sookai
Exibições 46
Palavras 2.092
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Ficção, Fluffy, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo-Ai, Shounen, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Trouxe essa chankaisoo marora pra vcs, pq minja colega mencionou que queria ler uma e eu estava com vontade de escrever algo, então sugiu o plot dessa (minhas histórias sempre surgem de formas aleatórias)

Espero que gostem!

Capítulo 1 - One


  

O relógio em seu pulso marcava exatas oito horas da manhã daquele domingo claro de verão. Suas pernas longas e desacostumadas com os exercícios físicos, trabalhavam incessantemente conforme pedalava rapidamente na direção da casa de seu melhor amigo. Sabia que ao chegar levaria uma bronca daquelas, pois naquele horário o menor deveria estar dormindo, porém não podia esperar. Estava muito ansioso para mostrar-lhe o presente que havia ganhado de seu pai.

  

Conforme se aproximava da casa do de fios roxos, Chanyeol sorria como um bobo. Claro que o presente era apenas uma desculpa para ver o menor. Faziam quase dois dias que não se viam, pois o menor faltara as aulas na sexta e sumira durante o sábado. Como o organismo do pequeno era um tanto fraco, o Park tinha certeza de que o mesmo estava doente. Talvez tenha pegado alguma virose ou um resfriado, mesmo estando em uma época em que o frio era quase nulo.

  

Com o indicador da mão direita, Chanyeol levantou um pouco os óculos que estavam escorregando por seu nariz. Sua mãe uma vez havia lhe aconselhado a usar lentes de contato, porém o moreno as achava incômodas. Pelo menos com os óculos não sentia seus olhos coçando o tempo inteiro.

  

Ao chegar a calçada que dava a casa do menor, o Park jogou sua bicicleta no canto ao lado da porta e tocou a campainha incessantes vezes. Com toda certeza os pais do pequeno lhe olhariam atravessado por dias por ser tão mal educado, entretanto aquilo não faria diferença alguma naquele momento. Sabia que eles lhe amavam demais para odia-lo por muito tempo.

  

Após meia hora com os dedos colados ao botãozinho barulhento, a porta finalmente foi aberta, revelando um Do Kyungsoo com uma expressão indecifrável e assustadora na face. Os cabelos roxos estavam bagunçados, os olhos meio inchados, os lábios mais avantajados e as bochechas um pouco amaçadas, sem contar que o mesmo estava com seu típico pijama de pinguim -presente de aniversário que ganhara de Chanyeol.

  

Kyungsoo comprimiu os lábios e deu um passo para fora, se aproximando mais do amigo. O Park sentia a morte iminente. O Do estava furioso, pois odiava ser acordado antes das dez num fim de semana. Obviamente Chanyeol já havia feito aquilo milhares de vezes, porém o menor nunca iria se acostumar com aquela mania irriante.

   O mais velho

dava mais alguns passos conforme o maior ia se afastando. Chanyeol imaginou a fumaça escura saindo das orelhas do amigo, o que o fez gargalhar alto, aumentando ainda mais a raiva que consumia todo o corpo miúdo de Kyungsoo.

-Você tem um segundo para me dar um bom motivo por ter me acordado. -disse de forma irritada.

  

Chanyeol não se impediu de sorrir. Kyungsoo ia adorar quando visse o presente que seu pai havia lhe dado, tinha certeza disso. Era tão incrível que chegava a ser praticamente um sonho realizado.


  


  

O Park rapidamemte abriu o ziper de sua jaqueta, logo a tirando e espondo aos olhos do menor o melhor presente do mundo. Uma camisa do Bob Esponja! Mas não uma simples camisa. Uma camisa amarelada, com o rosto do personagem em seu centro, uma barra marrom grossa na base, com o início da gravata gravada ali e as mangas compridas brancas, sem contar com o autógrafo de Stephen Hillenburg no meio do tecido. Sim, era um sonho realizado!

  

Kyungsoo apertou os olhos. Com toda certeza aquilo não havia aplacado a raiva que sentia, muito pelo contrário. Sentia que ela crescera ainda mais.

-Deixe-me ver se entendi: você me acordou as oito e meia da manhã, num domingo, para me mostrar uma camisa ridícula do Bob Esponja que você ganhou? -o menor realmente estava indignado.

-Uma blusa ridícula e autografada. -Chanyeol corrigiu, levando um tapa forte em sua cabeça segundos após. -Aish, Soo!

-Eu deveria arrancar essa camisa e fazer você comer ela. -falou irritado.

  

Chanyeol acariciu o local agredido, sorrindo ao ver como Kyungsoo estava fofo andando emburrado, com aquele pijama de pinguim, na direção de sua casa. Mesmo sendo aquele poço de delicadeza e gentileza logo pela manhã, Kyungsoo conseguia ser muito fofo. Parecia ser algum tipo de dom. Sem contar que ainda tinha a habilidade de fazer o coração do Park acelerar consecutivamente.

-Chanyeol, vai mesmo ficar parado igual um idiota no meio do meu quintal? -indagou o Do, sorrindo ao perceber que aquela camisa dava ao maior um ar mais infantil, o deixando, de certa forma, bem adorável.

  

E obviamente aquela raiva toda havia passado, pois, mesmo odiando algumas manias do maior, Chanyeol ainda era seu melhor amigo e a pessoa mais incrível que ja conhecera. Sua raiva, quando direcionada à ele, era sempre momentânea.

      O Park se limitou a sorrir e correr para dentro da casa, fechando a porta em seguida.

                       ****

  

Durante metade do dia, Kyungsoo e Chanyeol ficaram assistindo filmes aleatórios, conversando sobre assuntos variados e comendo qualquer besteira que acabavam achando nos armários da cozinha. Por sorte, naquele dia, os pais do menor não estavam em casa, pois haviam viajado, ou seja, ambos poderiam fazer o que quisessem sem preocupações.

  

Naquele instante, ambos se encontravam sentados um de frente para o outro -Chanyeol com um violão em mãos, dedilhando as notas de uma música que havia composto, enquanto o menor cantava, com sua voz melodiosa, a letra da mesma. Normalmente, quando ficavam juntos, os dois adoravam compartilhar de seus talentos musicais. Era como um ritual que os aproximava ainda mais.

  

Kyungsoo estava prestes a alcançar uma nota um pouco mais aguda, que lhe exigia um pouco mais de esforço, por seu tom ser mais grave, quando seu celular tocou alto, o fazendo desafinar de forma vergonhosa.

   Era um fato que o menor odiava ser interrompido em seus momentos íntimos com sua paixão. Ainda mais quando essa interrupção o fazia errar de forma tão horrenda, o fazendo temer receber algum deboche por parte de Chanyeol. Porém isso nunca acontecia. O Park admitirava demais o dom de seu melhor amigo para zombar de um erro que quase nunca era cometido.

  

O de fios roxos bufou e se levantou de sua poltrona, andando à passos largos até a comôda, onde se encontrava o aparelho irritante, que tocava sem cessar. O odio que sentia esvaiu completamente quando viu a foto de Jongin brilhar sobre a tela. Depois de Chanyeol, o Kim era a única pessoa em que o Do confiava até mesmo a própria vida. Eram como irmãos, pelo menos ao ver do pequeno.

-Oi, Nini! -disse animado assim que atendeu a ligação.

  

Chanyeol, que agora dedilhava notas avulsas, bateu os dedos com força sobre as cordas quando ouviu aquele apelido. Claro que Jongin tinha que estragar seu dia perfeito!

-Soo! Nossa você não faz ideia de como eu quero te ver agora! -Jongin disse do outro lado da linha, em um tom elevado, pois uma música alta tocava ao fundo. -Estou numa festa agora e queria muito que você estivesse aqui.

  

Kyungsoo comprimiu os lábios. Mesmo amando a companhia de Jongin, preferia mil vezes ficar cantando com Chanyeol do que seguindo o Kim por uma imensidão de pessoas bêbadas e desconhecidas. Sem contar com a música alta e sem fundo algum de sentimento que normalmente tocava nos lugares que o rosado frequentava.

-Vem me fazer companhia, Soo. Aqui 'tá chato sem você. -o Kim pediu com a voz manhosa.

-Agora não posso. Estou com o Chanyeol. Estamos cantando. Quem sabe da próxima, pode ser, Nini? -indagou.

-Você está com o Chanyeol? -Jongin se irritou um pouco ao ouvir isso, mas não demonstrou. Quem Chanyeol pensava que era para estar sozinho com seu Kyungsoo?

-OI, JONGIN! -Chanyeol sorriu divertido ao gritar. Sabia que Jongin odiava saber que estava junto de Kyungsoo.

  

O Do sorriu animado para o maior, logo voltando sua atenção para o Kim, que permanecia em silêncio.

-Podemos marcar de ir a uma festa depois? -o menor sugeriu.

  

Jongin estalou a língua do outro lado da linha.

-Ou eu posso ir ai pra cantar junto com vocês. -disse por fim, finalizando a chamada antes mesmo de Kyungsoo poder dizer algo.

  

O menor deu de ombros. Não se incomodaria de cantar com seus dois melhores amigos, muito pelo contrário. Fazia tempo que os três não passavam um tempo juntos. Quase uma semana para ser mais exato.

-Podemos continuar? -Chanyeol indagou ao ver o menor depositar o celular de volta ao seu lugar de origem.

-Vamos esperar o Nini. Ele disse que vai vir cantar conosco. Ai podemos dividir a música para nós três, o que acha? -Kyungsoo sugeriu, com um brilho discreto nos olhos levemente grandinhos.

-Se você gosta da ideia, tudo bem. Posso dar duas linhas ao Jongin. -pegou o caderno onde se encontrava a letra de sua música e a analisou meticulosamente. Aquela canção ficaria perfeita apenas com o vocal de Kyungsoo. Sua ideia Inicial era acompanhar somente com o violão, mas o menor insistira em fazer um dueto. Agora tudo iria por água abaixo por ter que adicionar Jongin.

  

Odiava quando o Kim atrapalhava seus momentos com o Do. Poxa, estava com saudade do menor e queria mata-la apenas com ele. Os dois, como há seis anos atrás, quando Jongin ainda estava no buraco onde havia nascido.

  

Meia hora se passara quando Jongin infelizmente, pelo menos aos olhos de Chanyeol, bateu na porta. Claro que, para Kyungsoo, a chegada havia sido muito bem vista. Ele adorava passar o tempo com seus melhores amigos.

  

Assim que adentrou o quarto de Kyungsoo, Jongin agarrou o mesmo e o abraçou apertado, encarando Chanyeol nos olhos. Ao contrário do moreno, o Kim não tinha medo ou receio de tocar em Kyungsoo. Fazia carinho, o abraçava, beijava e até mesmo o fazia sentar em seu colo e o Do, por mais incrível que possa parecer, não se incomodava com aquilo. E isso fazia Chanyeol sentir um incômodo em seu peito. Jongin tinha uma intimidade com Kyungsoo, que o Park sabia que nunca teria.

-Me solta, Nini! -pediu o menor, enquanto Jongin o arrastava até a cama, o fazendo se sentar sobre suas coxas quando se acomodou sobre o colchão macio.

  

Jongin apenas ignorou o pedido do menor, direcionando sua atenção à Chanyeol, que fingia afinar as cordas do violão de madeira escura que tinha sobre as coxas.

-Como vai, Yoda hyung? -perguntou o Kim, antes de apertar mais Kyungsoo e lhe dar um beijo casto na bochecha direita.

  

Chanyeol revirou os olhos perante a ação do ruivo e o apelido que o mesmo usara. Se não fosse por Kyungsoo, o Park nem mesmo olharia na cara de Jongin.

-Bem. -respondeu simplesmente.

  

Após isso o maior dos três ficou em silêncio, cantando baixinho a letra de sua última criação e errando alguns acordes no violão quando Kyungsoo ria das coisas que Jongin dizia -estas que não eram ouvidas pelo Park. Se sentia mal por saber que Kyungsoo não era carinhoso daquela forma consigo. Nem mesmo o chamava por um apelido.

-Ainda apaixonado pelo Bob esponja, Chanyeol? Essa é a paixão nerd mais estranha que eu já vi. -comentou Jongin.

  

Claro que Chanyeol tinha uma resposta na ponta da língua para dar, mas Jongin não valia o esforço. Sua voz era preciosa demais para ser gasta com essa perda de tempo.

-Qual é, hyung! Converse conosco. -Jongin fez uma voz manhosa. -Podemos ver algum desenho pra crianças quando você terminar de matar o seu violão.

  

E novamente o Park tinha uma resposta, porém preferiu continuar dedilhando. Jongin com certeza era a personificação de satanás na terra.

-Jongin, se você não parar de provocar o Chanyeol, eu vou te mandar embora. -Kyungsoo ameaçou. -Você veio para cantar conosco, não para fazer piadinhas sem graça.

  

Chanyeol se levantou quando o rosado fez questão de abrir a boca para responder ao Do.

-Acho que eu já vou indo. Depois terminamos, okay? -perguntou, não esperando por uma resposta. -Nos vemos manhã, na escola. -depositou o violão sobre a poltrona e andou até a porta do quarto, recebendo apenas um olhar confuso de Kyungsoo.

  

Como o esperado, o menor não lhe acompanhou até a entrada da casa, apenas continuou sentado sobre o colo de Jongin, já que o mesmo não iria lhe soltar por nada. E mesmo assim, aquilo doera em Chanyeol. Saber que Kim Jongin, amigo do Do há apenas três anos, tinha mais proximidade do menor que si, que era amigo do mesmo há quase sete anos, lhe feria demasiadamente.

  

Com um suspiro, Chanyeol subiu em sua bicicleta e voltou a pedalar em sentido contrário a casa do menor.


Notas Finais


E esse foi nosso primeiro cap. Tenho que admitir que não deveria ter postado ela nesse momento, mas precisava muito de um incentivo para não desistir dela. E, claro, tinha a demonia da minha colega praticamente me obrigando a postar (já disse que ela é demonia? Se não, ela é uma demonia).
Enfim, espero que tenham gostado e até a próxima <3

Ps: vou demorar um pouco para postar o próximo capítulo, pq estou com um pouquinho de dificuldade em escrever ultimamente.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...