História Melody a Crepy - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Lendas Urbanas
Personagens Personagens Originais
Tags Clockwork, Hoddie, Jeff The Killer, Jeni The Killer, Mask, Ticci Tobi
Visualizações 8
Palavras 1.009
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Capítulo 3 - Capítulo 2


                                                                                Melody esperava pacientemente sentada em uma rocha ela aguarda o momento que o verdadeiro jogo começaria, ela jogava diversos jogos mas os jogos de esconder com certeza eram seus favoritos, afinal ela podia esconder o que quisesse aonde quisesse, e seus brinquedos eram criações especiais feitas apenas por um motivo, assusta-las, machuca-las e as vezes mata-las, mas obviamente tinha alguns brinquedos que faziam mais que isso, então era completamente normal que alguns jogadores chegassem a ela com o corpo mutilado ou não chegassem.

Ela já estava sentada a um bom tempo pensando se deveria ir atrás das crianças, quando ouviu o primeiro grito, se levantou sorrindo aquele grito não foi um simples grito de susto, foi um grito de pavor, ou seja, alguma criança havia achado um de seus brinquedos finalmente o jogo começaria para ela. Melody caminhou em direção ao grito enquanto colocava sua melhor expressão de preocupação, quando chegou a fonte do barulho teve que se segurar para não gargalhar afinal oque ela via era hilário, Susan estava presa em um buraco cheio de laminas que só Melody sabia que estavam lá, as laminas estavam abaixo de uma pequena quantidade de terra, além da terra o motivo do grito de Susan estava bem visível, insetos grandes e pequenos subiam pelas pernas da garota, o buraco não seria tão grande para um adulto mas para uma criança era fundo o suficiente para ser difícil de sair sozinha, mas isso não era o melhor aquelas laminas estavam ligadas a uma placa e assim que estivesse ligado começariam a rodar e quando começassem a rodar Susan seria mutilada lentamente começando pelos pés, infelizmente Melody não pode se segurar ao imaginar a cena da garota sendo mutilada e riu baixo isso chamou a atenção de Susan que não havia ouvido a risada e olhou para cima e com uma expressão de alivio falou:

- Melody! Que bom pensei que não tivesse ninguém por perto, por favor me ajude a sair daqui – Melody só olhou para ela e acenou com a cabeça, não confiava na própria voz com certeza riria se abrisse a boca ela correu até a arvore que estava atrás dela e puxou a corda que estava pendurada em um dos galhos, Melody sabia que ao puxar aquela corda iria ativar as lâminas, mas era exatamente isso que queria, ela confirmou que havia funcionado quando ouviu o primeiro grito, correu para ver o espetáculo.

Susan gritava e gritava cada vez mais tanto de medo quanto de dor os cortes começaram nos tornozelos e já estava na batata da perna a quantidade de sangue já era significativa a garota gritava Melody, mas a outra estava mais interessada em assistir do que em interagir, decidiu chegar mais perto do buraco e consequente Susan a viu:

- Me.. Melody! Melody! Ta.. Doendo me.. me a.. ajuda por.. Por favor – gritou chorando a garota e então olhou para seus pés e pernas que já estavam mutilados e irreconhecíveis e despencou no chão seu pescoço foi de encontro a uma das lâminas e passou por seu pescoço decepando sua cabeça e finalmente Melody riu, mas foi por pouco tempo pois quando ela olhou para frente viu Joshua parado olhado horrorizado o que restava de Susan, Melody se ajeitou o melhor que pode e disse friamente com uma voz que daria arrepios em qualquer um:

      - Josh! Posso te chamar assim né?! Que pena parece que você não vai mais jogar, mas não se preocupe podemos nos divertir um pouco – Melody tirou a faca que carregava em uma tira presa a coxa embaixo de seu vestido e em um movimento rápido avançou em Joshua ele não teve tempo de reagir e nem poderia afinal ainda estava em choque só se moveu quando levou a segunda facada mas não era forte o suficiente para afastar a garota que estava encima dele ela parecia ter uma força sobre humana, Melody queria se divertir um pouco com o garoto então decidiu torturá-lo, levou a faca em direção a barriga dele e começou a fazer cortes em toda sua extensão Joshua gritava de dor até Melody ficar entediada e decidir terminar a brincadeira, encostou a faca na garganta do garoto a cortou fazendo assim espirrar sangue para todos os lados inclusive nela mesma, se levantou e olhou seu vestido, ficou chateada afinal mancha de sangue não saia fácil, estava debatendo consigo mesma sobre o que fazer com o vestido quando ouviu um crack vindo da floresta se virou rapidamente em direção ao ruído quando não viu nada se acalmou, não, ela não estava com medo longe disso só queria que pelo menos duas ou três crianças chegassem ao final do jogo e elas não poderiam chegar se Melody matasse todas no meio do caminho é claro com a ajuda de seus brinquedos. 

Melody decidiu dar uma espiada em alguns de seus brinquedos afinal alguma criança podia ter sido apanhada por ele enquanto Melody se divertia com Susan e Joshua, ela não esperava encontrar ninguém mas deu de cara com Greg pendurado pelo pescoço em uma árvore, agora isso era realmente estranho, não vinha em sua mente nenhum brinquedo que tenha criado que enforcasse para falar a verdade todos os seus brinquedos vinham com laminas e conseguentemente a mutilação, decapitação e Desmembramento, ou seja aquilo não era obra sua. Melody decidiu investigar de perto quando chegou perto do corpo do garoto viu algumas manchas de sangue em sua camisa e a levantou, olhou com os olhos arregalados e surpresos a barriga do defunto aonde se lia claramente "Saia ou morra M. H. TT.", ela sabia o que significava era um aviso e deixava claro que ela não era bem vinda naquela floresta e cidade e que também não era a única Crepy naquele lugar, não que estivesse surpresa sabia que com a fama daquela floresta e o ar pesado que pairava na cidade,  motivo que a atraiu para lá, já era habitado por crepys, sim no geral afinal era preciso pelo menos dois ou mais desses para aquela cidade ser tão sombria.    



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...