História Memoria Perdida - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Inuyasha
Tags Inuyasha, Kagome, Perda De Memória
Exibições 56
Palavras 1.061
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


bem, essa é a minha primeira fanfic de Inuyasha, eu amo o anime, e hj decidir fazer essa fanfic sobre ele, é claro que o anime e os personagem pertencem a Rumiko Takahashi, eles são todos dela.

espero que gostem da historia, boa leitura,e eu dedico essa fanfic para @Docy, que me incentivou a posta-la, Obrigado.

Capítulo 1 - Inuyasha


 

Estava parecendo um adolescente, suando daquele jeito, por que estava tão nervoso tudo bem que já fazia dois anos que não se viam e nem se falavam. Estava parado no meio do corredor de um hospital, estava tão nervoso com a ideia de ver a sua ex- esposa, que suas pernas não queriam o obedecer.

Aquela obstinação de ver Kagome, tinha se dissipado quando recebeu a ligação do hospital, dizendo que Kagome Higurashi, tinha sofrido um acidente de transito, e que eu era o único parente que ela tinha o contato me deixou supressor e preocupado, que vim correndo para poder ver como ela estava.

Mas agora, estou aqui parado sem coragem de ver aquela pessoa, cada passo que eu dava, parecia um passo para a forca, mas não poderia deixar Kagome sozinha numa situação como essa, precisava cuidar da pessoa que mais me feriu.

Cheguei em frente à porta do quarto 49, ela estava ali, se recuperando de um acidente, que poderia ter levado a sua vida.

Ouço uma voz atrás de mim, parando a minha mão que estava quase a abrir a porta.

- Senhor! Presumo que o senhor conheça a paciente Higurashi?

- Sim! – me virei para ver com quem eu falava, e dei de cara com o Medico, ele vestia a sua bata e carregava na sua mão uma prancheta, aparentavam ter uns cinquenta e cinco anos de idade. – Conheço a paciente Kagome!

- pois o senhor precisa saber o que aconteceu a paciente Kagome – ele falou e logo depois deu uma olhada na sua prancheta,  presumo que ali tenha o diagnostico e os dados de Kagome – Os dados da paciente dizem que o senhor é esposo dela, certo?

- mais ou menos, ela é minha Ex-esposa! – vejo o doutor se contrair e adquirir uma cor meio rosada nas bochechas.

- Sim! É... Desculpe-me, os dados estão dizendo que você é o esposo dela. – falou mexendo nos papeis da prancheta. – poderia nos dar o contato de outro familiar da paciente, para podemos entrar em contato e lhe explicar sua situação ou o senhor pode.

- não, a Kagome só tem a mim como familiar, seus pais morreram quando ela ainda era uma criança e ela não tinha nenhum irmão. - Falei me lembrando do dia que seus pais morreram, éramos vizinhos e melhores amigos, no dia do acidente, Kagome estava brincando comigo na minha casa, quando meus pais receberam a noticia que os pais dela tinham morrido num acidente de transito, uma carreta tinha se descontrolado e entrado na mão contraria, assim se colidindo com o carro dos seus pais, sua mãe morreu na hora, mais seu pai morreu a caminho do hospital, os paramédicos disseram que o senhor Higurashi ficou repetindo o nome da filha o caminho todo e antes de morre ele falou que deixava a sua única filha nas mãos do senhor Inu no Taisho.

   Naquele mesmo dia, Kagome teve um pesadelo com os seus pais, ela gritava sem para e eu só a abracei, papai e mamãe entraram no meu quarto no momento em que eu fiz uma promessa.

- Inu, não me abandone, por favor! Eu preciso de você.

- sempre vou estar com você pequena.

- promete de dedo mindinho?

- Prometo de dedo Mindinho! – logo selamos nossa promessa de dedinhos, e depois mamãe veio contar uma historia para dormir.

- senhor? – escuto o medico me chamar atenção.

- sim.

- Já que a senhora Higurashi, não tem mais nenhum parente além do senhor, vou logo lhe explicando a sua situação, a paciente sofreu um acidente de carro.

- como assim? Kagome tem pavor de dirigir um carro.

- ela foi atropelada senhor, e bateu a cabeça no meio fio, e pelo diagnóstico, Kagome perdeu sua memoria, então provavelmente ela não ira se lembrar de você, mais não se preocupe, com um tratamento e a volta a vida que ela tinha ela poderá se lembrar da sua antiga vida, e ser resgata desse mudo em que ela esta perdida.

“eu que preciso resgata-la desse mundo”

Depois da conversa, entramos no quarto, Kagome estava dormindo igual um anjo, em seu braço um soro era injetado, parecia tão frágil, como no dia em que eu a deixei, num quarto de hotel, pedindo para que eu não fosse embora, mais essas lembranças eu vou ter que esquecer, para poder cuidar da Kagome.

- ela acordou hoje de manhã, um pouco assustada, e tivemos que lhe aplicar um calmante na veia, em poucas horas ela acordara. – ele falou indo em direção a porta. – quando ela acorda o senhor pode aperta esse botão do lado da cama. – ele apontou para um botão vermelho, que estava grudado na parede do lado da cama.

- certo. Obrigado Doutor.

- de nada, é só o meu trabalho.

Já tinha se passado uma hora, deste que o medico saiu da sala, e Kagome ainda não tinha despertado. – já tinha andado o quarto todo, não estava mais aquentando esta dentro daquele quarto, nunca gostei mesmo de hospitais, encostei-me à janela do quarto vendo o movimento das pessoas lá fora, não aquentava olhar para ela, pois se lembrava do motivo da separação deles, algo que o perturbava todo dia.

- Kagome, por que você teve que fazer aquilo comigo? – falei me aproximando da cama, logo percebo um movimento. – Kagome! – coloquei minha mão encima da sua, e a outra no bolço da calça, encontrando duas alianças lá dentro,  era as alianças de casamento, era a primeira vez em anos que eu pegava nelas, peguei a minha aliança e coloquei ela no meu dedo.

Já tinha tomado uma decisão sobre Kagome, era uma escolha de risco, mais eu tinha que protege-la, mais eu me pergunto quem ira me proteger dela.

- Kagome, você pode-me ouvir. - a vi abrir e fechar os olhos rapidamente, como se tivesse a se acostumar com a luz que entrava pela cortina da janela do quarto – Oi, você acordou com alguma dor ou desconforto? - falei apertando o botão que o medico recomendou, vendo-a negar com a cabeça a minha pergunta. – Uma enfermeira já deve esta a caminho para lhe examinar.

- Quem é você? – sua voz saiu tão rouca e baixa, que um arrepio se apoderou do meu corpo no mesmo momento, tenho que espanta essas atitudes do meu corpo, ela ainda possui o mesmo feitiço de antes.     

 


Notas Finais


espero que tenham gostado.



até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...