História Memories - Norminah - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Dinah, Normani, Norminah, Romance
Exibições 32
Palavras 1.350
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Espero que estejam gostando.

Enjoy :)

Capítulo 3 - I saw you but you didn't see me.


​Pov Narrador.

​Miami, Flórida. 14 de abril de 2017.

 

O café escuro e forte acordava-a aos poucos e a aquecia por dentro e por fora. Não provara nada tão bom quanto aquilo ainda. Se tinha algo que a fazia mais feliz que café, era e sempre seria desconhecido pela mesma.

 

– Hoje que a fera te chamou para acompanhá-la? – Provou de seus waffle's tão amados por serem feitos por ela mesma porém, como afirmava; não era achismo, era certeza.

 

– Não, pediu para que eu acompanhasse seu brilhante filho. – Camila riu com o tom irônico que acompanhou a fala. – É um evento para promover a empresa. – Bebericou seu café. – Por que a chama assim

 

– Porque, ela era comigo. – Balançou os ombros no ritmo que suas palavras atravessavam seus lábios. – Não se preocupe, quanto ao ser chamada, ela sempre faz isso com garotas novas, só para testá-las e ver se aguentam a pressão. – Deu de ombros terminando sua refeição e depositando seu prato sobre a pia.

 

Normani confirmou em um som nasal sem muito esforço, logo depois de terminar sua refeição fez o mesmo feito de sua amiga.

 

– Até mais, Mani. Boa sorte e seja forte. – Depositou nela um beijo estalado sobre a bochecha livre de qualquer maquiagem.

 

Com um sorriso amistoso ronronou carinhosa ao receber o amasso.

 

Ainda não estava atrasada mais parece que ela sempre adorava provar do atraso.

Levou-se até o pequeno banheiro para deixar que a água gelada banha-se sua doce e singela pele, a qual ela cuidava mais que nunca.

Julgava estar envelhecendo mais rápido do que o normal, talvez pelas longas noites em claro. Sentia que não aproveitara a vida como sonhava em seus planos inocentes de menina.

Agradeceu ao rapaz que lhe dera um lindo vestido vermelho – tão clichê. Não saberia muito bem o que usar em tais festas desse tipo.

 

~

 

– Então, você só precisara acompanhar-me, huh?! –  Normani não sabia muito bem se era uma pergunta mas, afirmou para o homem provando que entendera o que lhe foi dito.

 

O belo rapaz cheio de si, alisava seu brilhante terno preto que só pela aparência comprava a casa dos sonhos de Normani.

Como um belo cavaleiro estendeu seu braço para negra apoiar-se e assim ela fez. Caminharam até a entrada e ela já sentia seu estômago queimar e sua cabeça formar milhões de cenas improváveis que lhe fariam sair envergonhada. E como se podia notar, ela não era muito acostumada que as coisas dessem certo; ou já estava desacostumada.

Pessoas passaram por eles e a mesma podia afirmar que eram olhares maliciosos, ou até mesmo julgadores.

 

Cumprimentaram com classe outras pessoas do lugar mas, Normani ainda mantinha-se pressionada contra si mesma, não queria arruinar nada; nem para ela, nem para ninguém.

 

– David, quem é essa linda dama? – Sentado na mesma mesa que eles, se levantou desabotoando seu paletó um senhor de meia idade. O sorriso que carregara no rosto, lhe dava um ar atraente, talvez mais do que ele era realmente.

 

– Essa é, Normani Kordei. – Empurrou com cuidado a mesma pela cintura em direção ao homem.

 

Ela estendeu a mão para um comprimento sem intimidades e ele beijou-lhe galanteador as costas, fuzilando seus belos olhos negros. Ao contrário do homem, ela os revirava internamente pela tentativa não alcançada.

 

– Temos várias pessoas aqui hoje. Pode ficar mais um pouco e logo ir embora, sei que não está se sentindo confortável. – Chegou mais perto para sussurrar-lhe baixo.

 

Assentiu prestando atenção em quantas pessoas haviam ali.

 

Varreu o lugar com seus olhos atenciosos e podia jurar que aquela linda loira de costas à ela, era a mesma que passara pela janela de onde estava sentada tomando seu suco tão distraída que por segundos poderia não tê-la avistado.

 

​Seria tanto um acaso do destino?

 

–  David? – Chamou-o interrompendo a conversa que estava tendo, mas ele logo tornou a escutá-la ignorando a mulher que parecia quere-lo em sua cama essa noite, nem se preocupou caso Normani fosse realmente mais do que somente um par para acompanha-lo.

 

Assentiu para que prosseguisse.

 

 – Aquela, quem é? – Sabia que era indelicado porém, apontou seu polegar em direção onde estava de costas outra vez a moça que com o belo gosto que aparentava ter; vestia seu vestido azul marinho.

 

– Deixe-me ver se lembro, são tantas mulheres aqui presentes. – Pôs a mão em seu queixo e formou um semblante pensativo. A negra observava sem saco pela espera da resposta.

 

Assim que a mulher se virou aproveitando da bebida derramada dentro de seu copo, Normani nem sequer ouviu a resposta tão esperada. Se bem que agora ela a tinha tão certa.

Arregalou os olhos e podia sentir seu corpo ir-se gelando desde seu pé até sua mente que a martirizou com tantos pensamentos juntos. Estava a perder todos seus sentidos tão aguçados. Seus pulmões pareciam não estar mais fazendo seu devido trabalho, a garganta parecia fechada pelo tanto que ardia e seu peito que havia se revirado ali mesmo, batia prestes a sair por sua boca.

 

– Está tudo bem? Normani, você está gelada! - Com preocupação depositou as mãos na face gélida da negra, aumentou o tom atraindo alguns olhares para a cena.

 

Se ela caísse agora, não seria a primeira vez que aquela mulher era a culpada.

Não conseguia dizer em palavras o que sentia, só se permitiu assentir, causando mais preocupação em todos na mesa.

 

David pegou um copo de água que estava sobre a mesa entregando-o para ela que mantinha seus olhos na loira que retribuía.

 

Se perguntava porque maldições aquela maldita nem sequer se remexia enquanto ela passava mal logo à sua frente. O que ela havia feito para merecer aquilo de sua parte?

A motivadora das lágrimas de Normani sem motivo se aproximou da cena e ela podia sentir uma dor forte em seu estômago. Ela se debateu um pouco ao ver que a moça se aproximava rapidamente assim como várias outras pessoas, só para perguntar-lhe se estava bem.

Algo maior levou a negra a levantar-se deixando a cadeira de ferro deitada, caída no chão. Maltratou-o com sua corrida até a porta dos fundos, lágrimas eram levadas pelo vento - que pela velocidade que nem mesmo ela sabia que tinha, batiam em seu rosto.

Assim que saiu um alívio confortou-a. Apoiou-se na madeira da porta com as costas, deixando o som alto sair por sua boca. Ela poderia ficar sem voz, mas ela nem ligava, já parecia estar sem, há muito tempo.

 

– O que houve com a moça? – Perguntou-lhe com sua voz rouca.

 

– Eu não sei. Ela ficou gelada, sem motivo aparente. – Retirou o celular do bolso. – Irei ligar para sua amiga. – Discou com certa dificuldade na procura o número de Camila que seria a única possível na ajuda.

 

– ​Alô? – A voz do outro lado soou adormecida.

 

– Camila? Aqui é o David.

 

​O que houve? Está tudo bem? Por que está me ligando? Onde está a Normani? – O tom de voz que antes nem se dava para ouvir, se tornou alto e interrogativo.

 

– Calma, fique calma. – Do outro lado da linha um suspiro soou. – Eu não sei muito bem o que houve, e nem o porquê. Mas sua amiga, parecia estar passando mal, ficou gelada e saiu correndo atraindo todos os olhares para a mesa.

 

​E você está preocupado com isso não é, David? - Bufou. – ​Onde ela está você sabe?

 

Negou.

 

​Ai meu Deus, eu estou preocupada! – Sons de choro preencheram os ouvidos de David.

 

– Calma, respira. Ela deve estar indo para casa ou para algum lugar por perto. Me avise se acha-la.

 

Afirmou nasalmente pelo pedido.

 

​Obrigada pelo aviso, David. – Fungou o nariz e a voz de Lauren pôde ser ouvida perguntando pelo motivo do choro.

 

Desligou o aparelho olhando para porta onde estara Lauren coçando os olhos preocupada pelo barulho que dava para ouvir de seu quarto.

 

– Temos que procurá-la. – Levantou-se rapidamente colocando sua calça que estava despejada no cômodo ao lado.

 

– Quem, Camila? Não foi um pesadelo? – Riu pelo desespero em que a latina estava.

 

– Normani, ela passou mal e saiu correndo do evento. – Explicara rápido demais causando confusões nela mesma.

 

– Normani? O que houve?

 

– Eu te explico no caminho.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...