História Memories of Half a Heart - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Adaptação, Camren, Camren G!p, Ian Somerhalder, Norminah G!p, Trolly
Exibições 136
Palavras 3.150
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, FemmeSlash, Festa, Fluffy, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


........

Capítulo 9 - Bad Things


Fanfic / Fanfiction Memories of Half a Heart - Capítulo 9 - Bad Things

Camila Pov. On.:


Eu me enrolei na toalha e saí do banheiro...
Lorenzo estava do outro lado da porta. dar de cara com ele ali me causou uma reação abrupta, como se tivesse recebido um soco no estômago. Perdi o fôlego, e o meu coração se acelerou — meu corpo inteiro reagiu à presença dele com uma onda poderosa de desejo. Parecia que não nos encontrávamos fazia anos, apesar de termos nos despedido havia menos de uma hora.

- É perigoso você vir até aqui.

Falei, o  que não me impedia de ficar muito animada por ele estar ali. Eu o devorava com os olhos, percorrendo seu corpo esguio e seus ombros largos. Ele estava usando calça preta de agasalho e o moletom da universidade Stanford, um visual que revelava o homem de vinte e oito anos que ele era e não o herdeiro dos Jauregui que o restante do mundo conhecia. Um boné dos Yankees escondia sua testa na penumbra, mas nada podia fazer para diminuir o brilho arrebatador de seus olhos verdes. Eles me encaravam ferozmente, seus lábios sensuais desenhados em uma linha fina.

- eu não consegui ficar longe de você.

Meu peito se expandiu em um grande suspiro, meu corpo reagindo à proximidade do dele. mesmo a alguns metros de distância, eu ainda era capaz de sentir a vibração magnética de estar perto da pessoa que fazia minha alma se sentir completa. Era sempre assim, desde o nosso primeiro encontro. Senti uma atração irresistível por ele. No começo, lutei para reprimir o desejo de me jogar em seus braços, onde eu gostaria desesperadamente de estar. Mas com o tempo me dei conta de que era incapaz de respirar sem ele. Então Lorenzo fechou as mãos nas laterais do corpo.

- eu preciso de você.

Meu ventre se contraiu em resposta a sua voz áspera, afetuosa e cheia de luxúria.

- Você não parece tão feliz por isso

Eu o provoquei,  tentando  criar  um  clima mais descontraído para quando ele estivesse em cima de mim. Eu o amava demais, e o amava do fundo do coração. estava disposta a aceitá-lo fosse como fosse, mas fazia tanto tempo... minha pele estava sensível com a expectativa, pronta para se render ao seu toque. Fiquei com medo de saber como meu corpo reagiria se ele viesse com tudo para cima de mim enquanto eu estivesse com tanto tesão. Havia o sério risco de uma explosão incontrolável.

- isso está acabando comigo.... ver você, e não tocá-la.  Sentir tanto a sua falta. Sinto que minha sanidade depende de você, Camz, e você quer que eu finja que estou feliz, porra?

Passei  a  língua  pelos  lábios  ressecados,  e  ele  grunhiu  ao  me  ver  fazer  isso, provocando um arrepio em todo o meu corpo.

- Bom... eu estou feliz em ver você.

A tensão em sua postura visivelmente diminuiu um pouquinho. Lorenzo respirou fundo. Ele levou a mão até o peito e massageou a área onde sentia seu coração se comprimir.

- te quiero!

Me declarei,  e meus olhos se encheram de lágrimas.

- te quiero mucho!
- meu anjo.

Ele chegou até mim com passos rápidos, jogando a chave no chão e agarrando meus cabelos molhados com as duas mãos. Ele estava tremendo, e eu chorei ao sentir mais uma vez o quanto ele precisava de mim. Inclinando minha cabeça no ângulo que ele queria, Lorenzo me beijou com um sentimento poderoso de possessividade, me saboreando com movimentos lentos e profundos com a língua. sua paixão e seu desejo levaram os  meus  sentidos  à  loucura.  eu  gemi  e  me  agarrei  com  força  ao  tecido  de  sua blusa. o grunhido que ele soltou em reação reverberou pelo meu corpo, endurecendo meus mamilos e fazendo a minha pele inteira se arrepiar.
Me derreti nos braços dele, e arranquei o boné de sua cabeça para poder enfiar os dedos por entre seus cabelos pretos e sedosos. Abaixei a cabeça, arrebatada pela sensualidade carnal de seu beijo, e deixei escapar um soluço.

- não faça isso!

Ele  sussurrou, afastando-se para segurar meu queixo.

- Você acaba comigo quando chora.
- eu também preciso de você, Lolo.

Eu agarrei a barra do moletom dele e puxei, mesmo sabendo que não tinha força para fazê-lo se dobrar até mim. Levantei a cabeça e beijei de leve sua boca. Logo enfiei a  mão  por  baixo  de  sua  blusa  e  encontrei  sua  pele  morena  e  quente. Seus músculos firmes se enrijeceram ao meu toque, seu corpo era um monumento sedutor e viril. eu lambi a boca dele e mordi de leve seu lábio inferior. Lorenzo gemeu. Seu ruído de prazer me envolveu como uma carícia.

- Quero sentir o seu toque.

Suas palavras eram autoritárias, mas seu tom era de súplica.

- eu estou bem aqui.

Ele estendeu a mão para trás, agarrou meu pulso e puxou minha mão para a frente. Depois tirou o pau para fora sem nenhum pudor, e soltou um gemido. Meus dedos envolveram seu membro grande e grosso, e meu coração disparou quando me dei conta de que ele estava aquele tempo todo sem cueca.

- minha nossa! Você me deixa com tanto tesão.

Seus olhos verdes me encaravam fixamente. Seu rosto estava vermelho, e seus lindos lábios se abriram. Lorenzo nunca tentou esconder o efeito que eu causava sobre ele, nunca fingiu que sabia se controlar melhor que eu quando estávamos juntos. Isso tornava seu domínio sobre mim na cama ainda mais excitante, pois eu sabia que ambos estávamos entregues ao mesmo impulso arrebatador. Senti meu  peito  se  apertar.  Ainda  não  conseguia  acreditar  que  ele  era  meu, que eu poderia tê-lo por inteiro, entregue, sedento e gostoso como o pecado...
Lorenzo arrancou a toalha em que eu estava enrolada. Ele respirou fundo ao me ver completamente nua.

- ah, Camila...

Sua voz tremia de emoção, fazendo os meus olhos arderem. Ele arrancou a blusa e a jogou de lado. Depois foi até mim a passos lentos, adiando o momento em que nossa pele nua se encontraria. Então ele apertou meus quadris, remexendo inquietamente os dedos, com a respiração ofegante. Meus mamilos foram a primeira parte a tocá-lo, espalhando uma onda de calor por todo o meu corpo. Eu perdi o fôlego. Ele me puxou com força para si com um grunhido, arrancando meus pés do chão e me carregando até a cama.
Minhas coxas sentiram o colchão e eu apoiei a bunda, caindo de costas com Lorenzo por cima de mim. Ele me puxou com um dos braços posicionado nas minhas costas, e me ajeitou melhor na cama antes de se colocar sobre mim. Antes que eu me desse conta, sua boca já estava nos meus seios, seus lábios quentes e macios me chupavam com vontade enquanto sua mão acalentava meu desejo, apertando meu peito possessivamente.

- meu deus, como eu senti a sua falta!

Ele gemeu. Senti sua pele quente contra o meu corpo frio, a pressão de seu peso sobre mim depois de tantas noites de ausência. Envolvi suas panturrilhas com as pernas e estendi a mão para apertar sua bunda firme e musculosa. Eu o puxei para mim, arqueando os quadris para  sentir  seu  pau  por  baixo  do  tecido  de  algodão  que  nos  separava.  Só  quando ele estivesse dentro de mim eu teria certeza de que Lorenzo ainda era meu.

- diga pra mim!

Eu pedi, desesperada para ouvir aquelas palavras que ele dizia ser inadequadas. Lorenzo ergueu o tronco e me olhou, tirando gentilmente os cabelos que cobriam minha testa. Ele engoliu em seco. Me inclinei para a frente e beijei sua boca de contornos encantadores.

- eu digo primeiro: eu amo você.

Lorenzo fechou  os  olhos  e  estremeceu.  Envolveu-me  em  seus  braços  e  me apertou com tanta força que eu mal conseguia respirar.

- eu te amo demais!

Sua declaração emocionada reverberou pelo meu corpo todo. eu enterrei a cabeça no ombro dele e chorei.

- meu anjo.

Ele agarrou os meus cabelos. Levantei a cabeça e cobri sua boca com um beijo temperado pelo gosto salgado  das  minhas  lágrimas.  meus  lábios  se  movimentavam  desesperadamente contra os dele, como se Lorenzo fosse desaparecer a qualquer momento e eu não tivesse tempo para senti-lo por inteiro.

- Camz, me deixe...

Ele pegou meu rosto entre as mãos e me deu um beijo profundo.

- me deixe amar você.
- please!

Eu sussurrei,  juntando os dedos em sua nuca para agarrá-lo. senti sua ereção quente e sólida contra os lábios do meu sexo, exercendo a pressão perfeita sobre o meu clitóris trêmulo.

- não para.
- nunca. eu não consigo.

Ele apertou a minha bunda com a mão e me suspendeu com um hábil movimento de quadris. Prendi a respiração ao sentir o prazer se espalhando pelo meu corpo, meus mamilos enrijecidos se esfregando com força contra seu peito nu. o roçar de leve de seus cabelos na minha pele era um estímulo quase insuportável. meu ventre doía, implorando pela penetração de seu pau duro.
Minhas unhas  arranharam  suas  costas  dos  ombros  até  os  quadris.  ele  arqueou o corpo diante daquela carícia mais brusca e soltou um grunhido, jogando a cabeça para trás e mostrando que estava deliciosamente entregue ao prazer.

- de novo.

Ele ordenou asperamente,  com  o  rosto  vermelho  e  a  boca  entreaberta. Inclinando o corpo para a frente, dei uma mordida em seu peito, bem onde ficava o coração. Lorenzo sibilou e estremeceu Eu não conseguia mais conter a ferocidade dos sentimentos que precisavam ser liberados naquele momento — o amor e o desejo, a raiva e o medo. e a dor. minha nossa, quanta dor. ela ainda reverberava dentro de mim. eu queria atingi-lo por inteiro. Puni-lo e também lhe dar prazer. Fazê-lo sentir pelo menos uma pequena dose de tudo o que eu havia sofrido quando ele se afastou de mim.
Acariciei com a língua as marcas que tinha deixado com os dentes, e ele investiu com os quadris contra mim, esfregando o pau pelos lábios separados do meu sexo.

- minha vez.

Sussurrou ele, ameaçador. apoiando-se sobre um dos braços,  exibindo  seu  bíceps  volumoso  e  lindamente  definido,  ele  apertou  o  meu  peito  com  a  outra  mão. Lorenzo baixou  a  cabeça  e  abocanhou  meu  mamilo pontudo com os lábios. sua boca era quente e ardente, e sua língua aveludada  se  esfregava  contra  a  minha  pele  sensível.  Quando  seus  dentes  agarraram de leve a pontinha do mamilo, eu dei um grito bem alto, sentindo meu corpo inteiro se contrair como se uma agulha tivesse sido encravada no meu ventre.
Eu agarrei os cabelos dele com força. estava tomada demais pelo desejo para ser carinhosa. minhas pernas o envolveram em um aperto desesperado, que ecoava meu desejo de tê-lo para mim. Possuí-lo. Fazer com que voltasse a ser meu.

- Lo!

Gemi. Minhas têmporas estavam lavadas de lágrimas, e eu sentia um tremendo nó na garganta.

- estou aqui, meu anjo.

Ele sussurrou, passando  a  língua  pelo  meu  colo até chegar ao outro seio. seus dedos diabólicos começaram a brincar com o mamilo úmido que ele havia deixado para trás, beliscando-o suavemente até que eu agarrasse sua mão.

- não tente resistir. Me deixe amar você.

Foi  quando me dei conta de que o estava puxando pelos cabelos, tentando afastá-lo mesmo quando era eu quem forçava a aproximação. Lorenzo me tinha à sua mercê, seduzida por sua atordoante perfeição masculina e seu conhecimento detalhado do meu corpo. e eu estava me rendendo. meus peitos  estavam  contraídos,  meu  sexo  estava  inchado  e  molhado.  minhas  mãos percorriam incansavelmente seu corpo enquanto eu o prendia entre minhas pernas.
Ainda assim, ele conseguiu escapar do meu abraço, percorrendo o meu corpo enquanto dizia palavras tentadoras junto à minha barriga.

- senti tanto a sua falta... preciso de você... quero você agora...

Senti  um líquido quente na lateral do meu corpo e, quando olhei para baixo, vi que ele também estava chorando,  com  seu  lindo  rosto  contorcido  pela  mesma  explosão  de  sentimentos que tomavam conta de mim. Com os dedos trêmulos, eu toquei suas bochechas, tentando enxugar as lágrimas que caíam uma após a outra. ele recebeu meu toque com um gemido baixinho de sofrimento, e eu não consegui mais aguentar. a dor dele me machucava muito mais do que a minha.

- eu te amo.
- Camz...

Ele  ficou de joelhos, abriu minhas pernas com as coxas dele e se deitou sobre mim, com seu pau grande e duro latejando sob seu peso. Tudo dentro de mim se comprimiu de tesão. seu corpo grande e pesado era inteiro revestido por músculos firmes como rochas, e sua pele morena brilhava de suor. ele era pura elegância, a não ser pelo seu pau, que era brutalmente  animalesco,  com  veias  inchadas  por  toda  sua  extensão  até  a  base  bem grossa. seu saco também era grande e pesado. ele daria uma escultura tão perfeita quanto o Davi de michelangelo, mas com um viés explicitamente erótico. Sem sombra de dúvidas, o corpo de Lorenzo Jauregui havia sido feito para levar uma mulher à loucura.

- you is mine!

Lhe disse em um tom de voz áspero, estendendo os braços e me agarrando a ele, apertando o meu peito contra o dele.

- meu!
- anjo...

Ele beijou  minha  boca  com  vontade,  cheio  de  tesão.  erguendo o meu corpo, ele foi se movendo pela cama até que chegássemos à cabeceira com o meu corpo estendido sobre o dele. nós nos esfregávamos um no outro sem parar, molhados de suor. Suas mãos me tocavam por inteiro, seu corpo musculoso se esticou sobre mim, assim como o meu. eu envolvi seu rosto, lambendo rapidamente a sua boca, tentando satisfazer a minha sede por ele.
Sua mão  se  moveu  entre  minhas  pernas,  seus  dedos  penetrando  meu  sexo. as partes ásperas acariciavam meu clitóris e evitavam a abertura trêmula  do  meu  sexo.  com  meus  lábios  pressionados  ao  dele,  eu  gemi,  mexendo meus quadris. ele me acariciava, estimulando meu tesão, e seu beijo carinhosamente levava minha boca ao prazer. Meu corpo todo tremeu quando ele enfiou o dedo do meio em mim, devagar, sem pressa. a palma da mão dele roçava o meu clitóris, e com a ponta dos dedos ele ia acariciando meus tecidos mais sensíveis. com a outra mão, ele  segurava  meu  quadril  para  me  manter  onde  queria  e  restringir  meus  movimentos.
O controle de Lorenzo arecia absoluto, com movimentos sedutores de precisão cirúrgica, mas ele tremia mais do que eu e respirava com dificuldade. os sons que exalavam de seu corpo pareciam tingidos de sofrimento e súplica. Eu me inclinei para trás e peguei no pau dele com as duas mãos, segurando bem firme. eu também conhecia bem o corpo dele, sabia o que ele desejava e  precisava.  comecei  a  masturbá-lo  acariciando  toda  a  sua  extensão,  fazendo  com que o líquido pré-ejaculatório brotasse em sua cabeça larga. ele gemeu e se apoiou na cabeceira da cama, curvando o dedo que estava dentro de mim. eu o apertei com força, fazendo com que o líquido se espalhasse por toda a glande, e depois desci até a base para começar tudo de novo com ainda mais força.

- não! Estou quase gozando.

Eu ainda o acariciei mais uma vez, e senti água na boca ao ver mais um pouco  de  líquido  sair  de  seu  pau.  Fiquei  excitadíssima  ao  contemplar  seu  prazer, por saber que era capaz de exercer um efeito tão profundo sobre uma criatura tão ostensivamente sensual. Logo ele soltou  um  palavrão  e  tirou  o  dedo  de  dentro  de  mim.  depois  me  agarrou pelo quadril e me forçou a soltá-lo. ele me puxou para a frente e depois para baixo, erguendo a cintura e enfiando seu pau furioso em mim. Eu gritei e apertei os ombros dele, sentindo meu sexo se contrair em torno daquela penetração volumosa.

- Camila!

Seu  maxilar e seu queixo se contraíram quando seu jorro quente e espesso se espalhou dentro de mim. Com o  auxílio  da  lubrificação  proporcionada  por  seu  gozo,  meu  sexo  escorregou  por  ele  até  que  chegasse  quase  até  o  limite  do  meu  corpo.  eu  cravei as unhas em seus músculos tensos, lutando para respirar mesmo com a boca aberta.

- eu sou seu.

Falou ele,  posicionando o meu corpo para receber a última parte que ainda faltava para uma penetração completa.

- todo seu!

Eu gemi diante da sensação dolorida e familiar de tê-lo profundamente dentro  de  mim.  o  orgasmo  me  pegou  de  surpresa,  e  fez  minhas  costas  se  arquearem e meu corpo se render ao prazer arrebatador. Nesse momento o instinto tomou conta, e meus quadris começaram a se remexer involuntariamente, minhas coxas se contraíam e relaxavam e eu não pensava em nada além de desfrutar daquele momento, de tomar posse do meu homem. do dono do meu coração. Lorenzo obedecia aos comandos dos meus movimentos.

- isso mesmo, meu anjo.

Ele me incentivou com sua voz áspera, com o pau ainda duro, como se não tivesse acabado de gozar até ranger os dentes. Os braços dele desabaram sobre a cama. ele agarrou o edredom com os punhos fechados. seus bíceps se contraíam a cada movimento. seus músculos abdominais se enrijeciam a cada balanço meu, com o suor escorrendo sobre a pele. seu corpo era uma máquina bem azeitada, e eu o estava levando ao limite. E ele deixou. se entregou a mim por inteiro.
Ondulando  os  quadris,  eu  extraía  todo  o  prazer  que  ele  era  capaz  de  oferecer, murmurando seu nome. aos poucos, meu ventre ia pulsando novamente,  um  sinal  de  que  outro  orgasmo  estava  próximo.  eu  hesitei,  com  medo do que aquele excesso de estímulo poderia provocar no meu sistema nervoso.

- please. Lolo, Please!

Sussurrei, quase sem fôlego. E ele me  agarrou  pela  nuca  e  pela  cintura  e  me  deitou  de  barriga  para  cima  na  cama.  deitado  sobre  mim,  ele  me  imobilizou  e  me  penetrou...  de  novo  e  de  novo...  atacando  o  meu  sexo  com  estocadas  poderosas.  o  atrito  do seu pau grosso se esfregando e entrando e saindo sem parar foi demais para mim. eu me contorci violentamente e gozei mais uma vez, cravando as unhas nas laterais de seu corpo. Estremecendo, Lorenzo ambém gozou e me abraçou com força até que eu  mal  conseguisse  respirar.  sua  respiração  frenética  junto  ao  meu  rosto  preen  chia  meus  pulmões  inflamados.  eu  estava  absolutamente  entregue,  completamente sem defesa.

- meu deus, Camz!

Ele enterrou o rosto no meu pescoço.

- como eu preciso de você. Muito, demais.
- my love.

Eu o abracei com força. Ainda com medo de perdê-lo.





Piscando os  olhos  enquanto  olhava  para  o  teto,  eu  percebi  que  tinha  dormido. Foi quando o pânico bateu, o medo se instalou em meu peito, me fazendo sentar as pressas. Lorenzo! Quase chorei quando vi a cama vazia, e perceber que aquele sonho feliz tinha se tornado o pesadelo da realidade.... Tudo aquilo só foi um mera sonho erótico. Um sonho erótico com Lorenzo Jauregui, o noivo da minha irmã.


Camila Pov. Off.:


Notas Finais


Pobre Camila.... achou que o Lorenzo tinha traçado ela, pena que foi só um sonho! Mas e aí? O que será que vai acontecer no próximo capitulo? Será que dona Karla vai investir pesado no Jauregui ou o mesmo ainda lhe dará mais patadas e coices? Então comentem se gostaram e até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...