História Metanoia HIATUS - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Tags Chanbaek, Hunhan, Kaisoo, Pais Homofóbicos, Romance
Exibições 172
Palavras 1.723
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi gente, me desculpem por demorar tanto, eu fiquei com bloqueio e não sai nada. Mas consegui escrever hoje;
Eu percebi que algumas pessoas desfavoritaram a fanfic, isso me deixou muito triste, não sei se por causa da demora ou por não ter gostado da fanfic. SÓ PEÇO QUE NÃO DESISTAM DE MIM.
E vai ter lemon nesse cap sim ehhehe
gente, não tenham medo de comentar, eu como autora preciso dos comentários de vocês pra saberem a opinião de vocês e também é muito bom quando vocês interagem comigo.
Enfim, tenham uma boa leitura e desculpem os erros.

Capítulo 4 - Eu preciso de sexo.


Fanfic / Fanfiction Metanoia HIATUS - Capítulo 4 - Eu preciso de sexo.

–Ah eu acho que vou enlouquecer. –Gritei assim que Chanyeol abriu a porta de sua casa.

–Não grita Kyungsoo, o Baekhyun esta dormindo. –Chanyeol me repreendeu.

–Dormindo? Há essa hora? –Perguntei. – Ele não costuma dormir nesse horário.

–Ah é porque antes de você ligar avisando que ia vir aqui, nós estávamos transando e eu acabei o cansando demais. –Falou e deu um sorriso de canto.

–Ta bom Chanyeol, eu realmente não quero saber detalhes. –Falei, se jogando no sofá macio.

–Mas então, qual o motivo da sua raiva? –Ele perguntou.

–Meus progenitores. –Respondi.

–O que eles fizeram dessa vez Kyungsoo? –Chanyeol alterou a voz.

Ele odiava meus progenitores tanto quanto eu.

–Ontem, quando eu cheguei do colégio, os dois estavam me tratando muito bem. Não paravam de sorrir um minuto, ai eu já estava estranhando muito. –Comecei a contar. –Quando fomos para a sala de jantar, tinha uma garota lá e eles pediram pra que eu falasse com ela, porque a mesma tinha vindo pra cá só pra me conhecer, e eu conversei normal com ela, mas do nada eles disseram “você ira casa com Min Yungna”.

–Eu não acredito nisso! Eles não se cansam de tentar te mudar ou obrigar você a fazer as coisas? –Chanyeol voltou a alterar a voz.

–Eu não vou me casar. Se eles acham que podem me controlar estão muito enganados. –Falei em pura frustração.

Essa situação era ridícula.

–Ah, será que vocês poderiam falar mais baixo, por favor? –Levei um susto quando ouvi a voz sonolenta de Baekhyun.

–Desculpa amor, acabei falando alto de mais. –Chanyeol puxou o mesmo para se sentar ao seu lado.

–O que aconteceu Kyung?

–Meus pais Baek, querem me casar. -Falei.

–O QUE? -Gritou Baekhyun.

–Se depender de mim isso não vai acontecer, de jeito nenhum.

–Nós estamos do seu lado, você sabe disso, não é? –Perguntou Baekhyun e eu apenas sim com a cabeça.

–O pior foi Jongin, que estava comigo na hora. –Suspirei.

–Porque ele estava na sua casa? Vocês estavam transando lá? –Chanyeol arregalou os olhos.

–Claro que não. Eu só o levei lá porque agora somos "amigos" –Fiz aspas no amigos.

–Jura? Uau. Você acha que isso vai mesmo dar certo? –Perguntou.

– Eu já nem paro mais pra pensar nisso. Eu não vou interferir em nada, se ele quer ser meu amigo, vai ser. –Falei e novamente suspirei.

Eu não queria Jongin metido em meus problemas. Eu podia ligar com isso sozinho, na verdade eu tinha os meus quatro amigos e isso já era o suficiente. Eu não precisava da preocupação dele.

Sô ele não desiste e vem sempre com a mesma frase "amigos se preocupam e ajudam nas horas difíceis”.

Mas eu não o queria se intrometendo na minha vida.

Era para ele ser somente meu parceiro no sexo desde o inicio e não amigo.

 

»♥«       »♥«

 

Ontem à noite, quando cheguei da casa de Chanyeol, graças aos deuses meus pais não estavam em casa. Pude pensar melhor no que iria fazer e decidir.

O problema mesmo foi hoje, quando fui ao colegio, e Jongin simplesmente grudou em mim e não soltou mais. Aonde eu ia, ele queria ir atrás.

 Quis conversar sobre o meu suposto casamento, eu ficava tentando fugir, mas ele ficava insistindo. Por pouco não perdi minha paciência e não gritei com ele.

E como sempre ele sentou-se na mesma mesa em que eu me sentava, ficou o tempo todo conversando com Luhan e Sehun. Não me deixaram ficar por fora da conversa, ambos disseram que queriam me distrair.

Contei a Luhan e Sehun sobre o casamento e tiveram a mesma reação que Chanyeol, todos odeiam meus progenitores e disseram que se eu precisasse de algo, era pra conversar com eles.

Tentei me distrair com eles,  coisa que não foi difícil já que Sehun e Luhan são comediantes natos, conseguem me fazer sorrir muito rápido.

Já Jongin, estava sentado ao meu lado prestando a atenção na conversa, mas não estava sorrindo muito. Não entendi o porquê disso.

Às vezes ele me olhava e sorria, ou simplesmente colocava sua mão em minha coxa e fazia um carinho sutil ali.

Eu não estava entendendo do porque desses carinhos ou os olhares. Jongin era estranho. Eu não o entendia.

Eu achava que conhecia aquele cara das baladas, mas não conheço.

–No que tanto pensa Kyungsoo? – Ouvi Jongin perguntar.

Percebi que só estávamos nós dois agora. Quando foi que Sehun e Luhan saíram daqui?

–Em nada demais. Cadê os meninos? –Perguntei.

–Disseram que precisavam ir ao banheiro. –Jongin disse.

Eu sabia muito bem o que eles iriam fazer no banheiro. Mas justo na escola? Isso poderia ferrar eles.

–Kyungsoo? –Jongin chamou novamente.

–Sim?

–Vamos pra minha casa hoje? -Ele sussurrou em meu ouvido. – Eu quero transar e sei que você precisa disso também, pra tirar um pouco de seu estresse.

–Depois do colégio? –Perguntei.

–Sim, vamos até minha casa.

E com isso o sinal da próxima aula soou alto. Saber que iria transar com Jongin ja me deixava eufórico, eu amava fazer sexo com ele.

Fiquei com o corpo agitado as últimas aulas inteira. Meu corpo estava tenso, eu precisava disso tanto quanto ele ou até mais que ele.

–Vamos kyungsoo, já bateu o sinal. –Jongin me lembrou.

O motorista dele veio o buscar como sempre, e não demoramos muito a chegar a sua casa.

Como da outra vez, mal fechei a porta ele já atacou meus lábios.

–Vai me beijar assim para seu pai aparecer de novo? – Perguntei rindo.

–Tenho certeza que hoje ele não esta em casa, por isso podemos aproveitar. –Ele disse, voltando a me beijar de forma desesperada.

-Jongin, vamos pro quarto. -Tentei falar em meio ao beijo, mas ele não me soltava.

–Ok, vamos. -Disse por fim soltando-se de mim e me puxando pela mão até as escadas.

Chegando ao quarto, Jongin jogou-me a cama e ja aproveitou para tirar a própria blusa. Tirei a minha também e junto à calça.

–Está com pressa Kyung? –Ele perguntou com a voz rouca, já se deitando sobre mim.

–Muita. Eu quero sentir você dentro de mim logo Jongin. – Respondi, começando a chupar seu pescoço. -Tira essa roupa logo.

Ele fez o que eu disse, já tirando nossas cuecas. Ele se deitou do meu lado e abriu as pernas em um mudo pedido pra que eu o chupasse. É claro que eu não recusei. Coloquei todo o seu membro dentro de minha boca e chupei com vontade, ouvindo um gemido alto de Jongin e um puxão de leve em meus cabelos.

Eu sabia como enlouquecê-lo, eu sabia que ele gostava de ser chupado por mim.

Lambi toda sua extensão, parando em sua glande e dando um forte chupao ali. Massageei seus testículos e continuei a chupar com vontade.

–A-ah.... Kyungsoo.... V-você é t-tão bom nisso. –Sorri com seu comentário. Era ótimo saber disso.

A barriga de Jongin contraiu e percebi que o mesmo iria gozar, parei na hora o que estava fazendo, o ouvindo reclamar baixinho.

–Onde tem camisinha Jongin? – Perguntei.

–Na escrivaninha. –Ele respondeu e eu levantei para pegar.

Voltei para cama e esperei-o por camisinha.

–Você quer que eu te prepare? –Ele perguntou já se posicionando em cima de mim e atacando meus mamilos com a boca.

Foi a minha vez de gemer.

–Não quero não, só quero você. –Respondi gemendo.

–Peça com jeitinho. –Ele provocou.

Eu odiava implorar, mas era Jongin ali, então tudo bem.

–Por favor, Jongin- Falei manhoso, do jeito que ele gostava. –Me fode do jeito que só você sabe.

Jongin posicionou seu pênis em minha entrada e começou a adentrar, não iria dizer que não doía, porque doía, mas eu gostava da dor. Poderia ser considerado um sadista por causa disso.

Rodeei as pernas eu sua cintura e o mesmo começou a se mover de uma forma lenta e torturante.

–J-Jongin mais rápido. –Pedi e ele obedeceu.

Jongin agora me estocava rápido e fundo, acertando várias vezes minha próstata, me deixando maluco de prazer.

–Kyungsoo, m-me beija. –Ele pediu e eu fiz.

Puxei seus cabelos e o beijei intensamente, como se minha vida dependesse disso e ele retribuiu investindo mais ainda se possível em minha entrada. Eu podia senti-lo pulsar dentro de mim. Seus gemidos roucos e baixos me deixavam excitado ao ponto de me fazer gozar. O que não demorou a acontecer.

–J-Jongin... Ah -Gritei assim que gozamos.

Jongin se levantou, retirou a camisinha e voltou a se deitar na cama. Eu ainda tentava controlar minha respiração e o coração acelerado.

–Você gostou? –Ele perguntou.

–É claro e você?

–Sim, você é incrível. –Ele disse.

Eu só sorri e pelo cansaço Jongin adormeceu em pouco tempo.

Eu não me permiti dormir, precisava ir embora. Ainda tinha que conversar aqui com meus progenitores.

Coloquei minha roupa, e sai da casa de Jongin sem fazer barulho.

 

»♥«       »♥«

 

Mal coloquei os pés pra dentro de casa e meu progenitor veio em minha direção.

–Onde tava até essa hora? –Ele perguntou.

–Fui pra casa de um amigo. –Respondi.

–Que amigo?

–Não te interessa.

–Não me interessa, por quê? Estava dando pra ele?

–Sim, algum problema? –Respondi e sai de perto dele, porque se eu ficasse provavelmente levaria um tapa na cara.

-Eu não aceito isso Kyungsoo, você não vai ser um gay. Isso é uma doença, eu não admito. – Ele gritou.

–Cala sua boca. Eu não sou doente, porque não entende isso? –Gritei no mesmo tom.

–Você é sim. A melhor coisa que fizemos foi arrumar esse casamento, nós vamos lucrar e te fazer virar homem. –Ele disse sorrindo.

–Vocês acham que sou o que? Uma mercadoria pra me vender pra um casamento por dinheiro? –Eu estava prestes a chorar.

–Não passa disso mesmo, um veadinho de merda como você. –Ele disse fazendo uma expressão de nojo.

–Eu não vou me casar.

–Claro que vai, não é você que decide as coisas aqui. –Falou alto.

–Quero ver quem é que vai me obrigar. –Falei em tom de desafio e subi para meu quarto.

Eu iria enlouquecer com tudo isso, eu precisava descansar. Por isso deite-me em minha cama, pronto pra dormir. Mas meu celular vibrou e tinha uma mensagem de Jongin que dizia:

“Você foi embora sem me avisar, isso é feio”

Não tive vontade de responder, eu não devia satisfação a ninguém. Apenas virei pro lado pronto para dormir.


Notas Finais


mereço comentários?
gente minha fanfic chanbaek falta só 3fav pra chegar a 200, leiammm lá, obg dnd
https://spiritfanfics.com/historia/sem-querer-amei-voce-6276397


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...