História Meu afilhado favorito. - Capítulo 2


Escrita por: ~ e ~Noiz-chan

Postado
Categorias EXO
Personagens D.O, Kai
Tags Ella-mikorinkaisoo, Kaisoo, Shotacon
Exibições 641
Palavras 6.888
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu e a rafa ficamos muito feliz com o rendimento da oneshot. A gente tinha escrito esse extra a um bommmmm tempo e eu resolvi postar agora. Espero que gostem.

Boa leitura ♡

Capítulo 2 - Capítulo extra


Eu estava de péssimo humor naquela manhã, eu não estava bem, realmente não, ter trinta anos não me parecia ser tão bom assim, era frustrante na verdade. Isso me deixava extremamente irritado, trinta anos, isso rodeava minha mente a dias e não estava nem um pouco satisfeito. Ter trinta anos quando se tem um namorado secreto de tudo e de todos com apenas dezessete anos faz parecer o quanto errado é, quando eu comecei a namorar com aquele garoto pensei que seria somente sexo e não que eu me apegaria naquela peste. Mas claro que eu me apaguei e isso agora me matava, o que ele iria querer com um velho de trinta anos? 

Estava angústiado com isso, claro que ele me trocou o que ele iria querer com um velho como eu? Precisava dar um jeito de vê-lo. Ele não tinha atendido minha ligação de ontem e eu não estava muito afim de ligar novamente, era... Era vergonhoso. No começo o inseguro era ele, que pensava que eu o trocaria por ser um simples pirralho, mas olha aonde estamos agora. 

Não poderia chegar lá do nada, precisava de uma desculpa uma bela desculpa para ir até sua casa. O meu celular começou a tocar e vi o numero daquela peste no identificador, ele finalmente havia tido a decência de me retornar. 


-Alô?-atendi a ligação à espera de algo bom. 


- Jongin hyung - Sussurrou - Meus pais estão dando um treco, ontem saiu o resultado das minhas provas e bom eu não deveria ter matado tantas aulas... Fiquei com nota vermelha em três matérias e eles pegaram meu celular, desculpa a demora - Pediu - eu roubei meu próprio celular acredita nisso? 


- estou me arrependendo de ter feito você matar tantas aulas.-murmurei suspirando de forma pesada.-E agora o que vamos fazer? 


- Valeu a pena - soltou uma baixa risada - Vai dar tudo certo eu e um colega da escola estamos de recuperação, vamos ter que fazer alguns trabalhos juntos e tudo certo, meus pais vão viajar em uma outra loucura e... Tenho certeza que logo eles vão pedir para você ser a minha babá - comentou divertido - Minha irmã vai junto na viagem, o meu castigo é fazer os trabalhos com você de olho em mim em casa acredita neste castigo terrível Jongin? Vontade de chorar - debochou - Não vejo a hora deles te chamarem, tente negar no começo, teatro é sempre bom, ao menos eu espero que você queira passar três semanas comigo em casa novamente... 


-E você ainda tem dúvida?-ri animado por saber que ele ainda me queria.-Tenho quase certeza que não fará nenhum trabalho por um bom tempo. 


- Infelizmente tenho que fazer hyung - comentou - Se não repito de ano, mas o meu colega só vai vim em casa três dias e tudo será terminado e ai poderemos curtir o restante - murmurou - Preciso desligar e devolver meu próprio celular para a bolsa trancada na gaveta da minha mae, até semana que vem, desculpa mesmo Jongin eu vou me esforçar mais para não ficar com notas vermelhas ano que vem - me prometeu. 


-Sempre que puder e se não tiver riscos pega seu celular sinto saudade.-sorri.- Até semana que vem meu Soo e ano que vem eu do um jeito mesmo que você perca o celular. 


- Eu não vou perder mais o celular prometo, te amo... Digo - engasgou - tchau - Desligou o telefone correndo como se tivesse em desespero. 


Fiquei confuso com aquilo desde ouvir o que nunca havia ouvido de seus lábios até o seu desespero. Coloquei a mão em meu coração, ele havia dito que me amava, durante esses três anos ele jamais havia falado aquilo, isso... Isso tinha elevado tanto meu bom humor. 


Talvez ele nunca fosse me trocar assim como eu nunca o trocaria. Mas eu estava velho demais, eu me sentia velho e ele ainda era um adolescente, imaturo em busca de experimentar a vida. Escutei meu celular apitar em uma mensagem e vi o seu numero. 


Kyungsoo: Só para avisar, se escutou o "Eu te amo" ele só vale se me amar de volta, se não.. Eu tava falando da minha irmã! Eu vou te ligar daqui dez minutos, vai ta no viva voz, é que eu que terei que te pedir para cuidar de mim, meus pais acham que eu vou te convencer e.e 

Jongin: Quando eu estiver aí você irá saber para quem é o "Eu te amo"... Estarei esperando a ligação ansioso não vejo a hora de te ver Soo... 


Não houve resposta, fiquei esperando aquele tempinho e logo vi o numero residencial da casa, era agora o pedido dele, a nossa possibilidade, eu estava com saudade e a gente tinha se visto fazia apenas dois dias, eu não aguentaria duas semanas, mas teria que fazer uma forcinha. 


(...)  


Meu amigo que era pai de Kyungsoo me ajudava a levar minhas malas, pedindo desculpa por ter que me deixar de babá por quase um mês, sem ter a menor ideia de quão feliz estava. Falava inúmeras vezes que não havia problema algum, eu já fui baba oras.   Por fim ele deixou minhas coisas ali me abraçando dizendo que eu era o amigo mais confiável dele... Mal sabe o que eu fiz e faço e pretendo sempre fazer com seu filho mais velho. Se soubesse ele me mataria. Ouvi o carro ser ligado junto as despedidas quase escandalosas que a mãe do meu pestinha dava, ri com aquilo começando a arrumar minhas coisas.


- Hyung - escutei um barulho e olhei para porta, Kyungsoo mordia o lábio inferior quanto mais o tempo passava mais lindo ele ficava - Meu colega chega em duas horas eu queria matar saudades - Reclamou - Mas você está ocupado uma pena...


-Eu posso arrumar isso depois.-sorri sacana lambendo meus lábios o chamando com a mão.


- Uhn-uhn vamos para o meu quarto desta vez  - disse se virando - Na verdade Jongin você tem que me pegar primeiro - riu saindo correndo.


-Pirralho.-ri saindo correndo atrás de si. O agarrei pelas costas quando o alcancei o segurando com força. 


-Calma ai hyung.-riu divertido me puxando para seu quarto que estava bem próximo.


- Fica quieto -  e assim que entramos no quarto o agarrei pela cintura colando nossos corpos o jogando em sua cama ficando por cima de si entre suas pernas. 


- Nossa merece um chute na canela - falou mimado. 


- Nem me venha com isso, você já não é uma criança - acusei. 


- Mas te irritar é bom... Neh eu amo a minha irmã ou eu amo você? - Perguntou desviando o olhar.


-Se eu te amar como meu namorado você me ama?-sussurrei próximo ao seu ouvido acariciando sua bochecha.


- Já faz três longos anos para de enrolação e diz logo - mandou puxando meus cabelos como se me castigasse. Acabei rindo com isso o olhando em seus olhos.


-Quer namora comigo Kyungsoo mesmo eu sendo um velho que esta ficando feio a cada dia?-o olhei nos olhos esperando sua resposta.


- Quero, mas a gente já namorava, ou você estava ficando com outras pessoas? - Sequer ouviu o que eu falei - bom saber... - amarrou a cara. - Procurando alguém mais maduro senhor Kim?


-Obrigado por não me ouvir.-revirei os olhos.


- Eu não o considero velho se é o que quer saber, penso que sou é novo demais e é isso que pode fazer você não me querer mais - protestou.


-Soo eu te amo muito.-admiti o olhando nos olhos.-Eu que tenho medo de te perder você pode achar alguém mais jovem, mais bonito, melhor do que eu.-apenas por imaginar que poderia perder esse pirralho me doía o coração.


- Isso... Jamais iria ocorrer - Sorriu abertamente subindo em cima de mim sentado em meu colo me dando um selinho demorado - Eu te amo hyung, nem que tivesse infinitos anos, eu não me importo e você é a pessoa mais linda do mundo - mordeu meu lábio inferior lentamente.


-Só não arrumo aliança, porque fica difícil de você esconder.-ri lambendo seus lábios enquanto apertava sua cintura.


- Para você não ir para a cadeia é bom escondermos direitinho hyung - sorriu divertido - Cedeu aos caprichos de uma criança de quatoze  anos, nah que coisa feia - brincou - e vai ceder agora para um pirralho de dezessete aposto - rebolou em meu colo.


-Vou para o inferno extremamente satisfeito.-sorri apertando sua bunda que parecia ter ficado ainda maior.


- Vamos juntos de mãos dadas hyung - riu enlaçando o meu pescoço beijando o meu rosto sendo carinhoso.


-Ah se vamos.-sorri acariciando seu rosto com calma roçando meu nariz contra o seu.

Nossos lábios se chocaram um contra o outro com saudade, com ânsia do gosto, eu queria sentir o gosto adocicado misturado com a menta de sua boca, ele rebolava em meu colo e o clima não poderia ficar melhor.. Mas a maldita da campainha tinha que tocar bem agora.


-Puta que pariu.-reclamei ficando com um lindo mau humor.


- Não temos sorte nessa casa, já reparou? - Perguntou rindo se levantando saindo do quarto comigo o seguindo.


- Se for a sua irmã eu juro que mato - brinquei. 


- Eu não posso deixar, quando eu for maior de idade pretendo abandonar meus pais para viver um amor errado e eles precisam de companhia não acha? - indagou divertido.


-Arrumo uma casa só pra nós onde quiser.-sorri o segurando pela cintura antes de chegar perto da porta.


- Nossa isso tudo é o seu amor - me deu um selinho rápido - se comporta - Advertiu abrindo a porta de sua casa - O que faz aqui? Está adiantado duas horas, pode voltando e leva seu irmão daqui também e aproveita e deixa ele em casa antes de voltar - foi arrogante e chato, nunca tinha visto esse seu lado.


- Como sempre um amor de pessoa comigo - riu em deboche.


-É claro você sabe que sou um amor.-falou ríspido.


Uol isso eu não esperava.


- Vai se foder Kyungsoo, você que ficava matando aula sei la para que, eu não sou o culpado pelo seu mau comportamento - retrucou ácido. 


- E eu não sou culpado de você ser burro e mesmo indo na escola conseguir tirar as mesmas notas de alguém que nem presente estava, você é um fracassado! - O asco em sua voz me deu até pavor. Por mais que isso estivesse interessante achei melhor intervir.


-As crianças podem fazer o favor de entrar e fazer o trabalho?-cruzei os braços frente ao corpo chamando atenção de todos e Soo sorriu maroto para si.


- Você pode entrar, mas seu irmão não - Kyungsoo barrou a passagem de uma outra pessoa enquanto uma mais alta entrava. 


- Sou o Chanyeol atualmente melhor amigo do Kyungsoo - estendeu sua mão em minha direção. 


- Me deixa entrar Soo - A pessoa lá fora choramingava.


-Jongin.-falei e é lógico que meu mau-humor estava evidente.-Soo.-o chamei o fazendo dar passagem a outra pessoa.


- Baekhyun se apresentando e ai - Fez joia para mim - Chanyeol enquanto você e o meu amor não correspondido fazem o trabalho de vocês eu vou lá... - Começou a correr para a escada - destruir o quarto do meu amor - riu. 


- Sua peste, eu odeio seu irmão Chanyeol, eu odeio você! - Correu atrás de Baekhyun. 


- É so o amor - Riu grave não fazendo nada apenas observando a cena.


Meu corpo ferveu em raiva com isso, amor, amor , amor o inferno seu desgraçado Kyungsoo é meu desde que eu fodi ele com quatoze anos! 


Mas a cena que eu vi foi um tanto hilária, um Baekhyun sendo puxado pelos cabelos  choramingando, realmente aquele pirralho não poderia estar interessado em foder com meu Kyungsoo parecia mais desesperado para ser fodido por ele, mas de fato, Kyungsoo com seus amigos, se é que são amigos, não é fofo como comigo. 


- Se toca hyung se chegar perto do meu quarto de novo eu te quebro - ameaçou. 


- Hyung? - Me espantei. 


- Sim... Pois é Baekhyun não parece e é mais velho que eu e o Soo - chanyeol me informou.


-Hm.- não gostei nem um pouco de nada , nada mesmo.- Vão fazer o trabalho.-mandei .


- Vamos não se preocupe padrinho do amor  do meu irmão mais velho - Chanyeol riu - Vai gênio diz o que eu tenho que fazer para eu assinar meu nome nesse trabalho -  se jogou no sofá a espera de Kyungsoo.


-Levanta vagabundo.-o chamou irritado pegando  as folhas que lhe foram entregues.


- Não, eu odeio estudar, por que só não coloca meu nome como sempre? - Retrucou. 


- Porque eu não sou trouxa, só colocava por me ajudar a fugir da escola, agora você não me serve de nada - rebateu.


Eu apenas bufei chamando a atenção do tal amigo que se levantou indo para perto de Soo pegando uma das folhas. O dia estava estranho, Kyungsoo parecia ser e não ser amigo daquele garoto alto e o mais baixo que babava pelo MEU Soo estava pedindo para ser socado.  Já não bastava ter atrapalhado tudo ainda tinha aquele inútil que queria o meu Soo. 

Chanyeol e Kyungsoo foram a mesa da cozinha discutindo algo agora relacionado ao trabalho e Baekhyun ainda encarava quem me pertencia, aja paciência. Me segurei para não soca-lo, juro que o espancaria se tocasse no meu Soo. Aja paciência.  Afinal de conta ele disse que Baekhyun era mais velho Soo por favor diz que eu sou o único mais velho que você curte. Isso estava me corroendo, saber que ele poderia gostar de outro mais velho. Eu ficaria louco. Realmente Kyungsoo não deveria ter crescido tanto. 


-  Ei quantos anos tem? - tentei ser simpático. 


-  apesar da idade eu e o Soo não teríamos problemas ele é  bem maduro... - Me disse, eu não havia perguntado isso e eu tenho vinte cinco - sorriu, ele realmente era bonito e não parecia ser tão velho assim.


Fechei ainda mais a cara, não teria problemas... Essa frase me corroía nesse momento. Ele nem prestou mais atenção em mim e nem eu nele. Nosso alvo era o mesmo, kyungsso e Chanyeol discutindo para ver quem usaria a caneta preta como duas crianças... talvez eu devesse ter deixado o Soo por este Baek para fora o Chanyeol não parece ameaça ele não lhe olhava estranho. Estava me sentindo cabisbaixo por conta daquele idiota que estava afim do meu Kyungsoo, ele era bonito, mais novo e como falou não teria problemas.


- Da para você parar de ficar olhando para o Jongin e prestar atenção no que eu to falando, Park Chanyeol?  - kyungsoo bateu com força da mesa chamando a minha atenção.


-Eu to te ouvindo infeliz.-resmungou de mau-humor e aquilo não me interessava tanto.


-  então o que eu acabei de falar? - silêncio foi o que teve como resposta - olha vou falar calmamente - sorriu e aquele momento eu vi que tinha coisa errada principalmente quando ele se levantou - eu coloco seu nome no trabalho não precisa fazer apenas saía da minha casa e leve seu irmão com você - disse sério quando Chanyeol pareceu me encarar novamente.


-Ta legal.-riu se levantando vindo praticamente em minha direção, mas passou por mim sorrindo mordendo o lábio inferior.


- o que você fez? Eu estava tendo a possibilidade de secar seu amigo sem levar murro -Baekhyun reclamou sendo puxado para fora da casa e quando ambos saíram olhei pra Kyungsoo que estava sério demais e se sentou novamente pegando o livro decidido a fazer tudo sozinho.


-O que foi isso Soo?-perguntei agora estando em partes mais calmo.


-  Nada não - sussurrou anotando alguma coisa na folha. 


-  Soo - insistir. 


-  Chanyeol estava afim de você - respondeu - e não estava ajudando em nada e Baekhyun não parava de me encarar eu só me irritei, eu estou muito irritado - bateu a mão na mesa - droga o Chanyeol é  melhor do que eu para você e eu fico com raiva.


-Na onde que ele é melhor que você? E quanto a aquele maldito do Baekhyun? Ele é mais bonito que eu, mais novo e você não teria problemas se estivesse com ele.-falei olhando para o lado isso me machucava.


-  Chanyeok não tem problema com os pais, quem cuida dele é o irmão, você não seria preso se ficasse com ele. E se eu quisesse algo com o Baekhyun eu teria antes mesmo de ter com você, ele me assedia desde os treze anos, eu não gosto dele e eu amo você.


-Como desde dos treze?-quase explodi apenas por imaginar que aquele  maldito podia ter encostado no meu Soo.


- os pais do chanyeol tinha morrido e minha mãe preocupada com meu amigo e o irmão dele os trouxeram para passar um tempo aqui. No fim Baekhyun e Chanyeol dormia no meu quarto e o Baekhyun esperava o irmão e a casa ficar em silêncio dormindo para ficar enchendo o meu saco - respondeu simplista - mas ele não passava do limite, ao menos isso.


-Porra estou mais irritado que você.-como  aquele idiota podia ter tentado algo com o meu Soo?


-  E eu então? Meu amigo  estava dando em cima do meu namorado! - socou a mesa de novo largando o caderno e soltando a caneta - eu vou dormir não estou disposto - se levantou.


O deixei passar por mim e o segui até o quarto em silêncio, assim que ele adentrou o cômodo ó abracei por trás segurando sua cintura com calma. Ele segurou em minhas mãos e as retirou soltando-se de mim. 

-  quero ficar sozinho - pediu se sentando na cama de costas para mim.

-Por favor, Soo.-pedi indo em sua direção me sentando atrás de si.

-  Eu realmente estou irritado não quero descontar em você me deixe sozinho - colocou sua mão na testa suspirando pesadamente. Suspirei de forma pesada o puxando contra mim.

-Eu também estou irritado, mas quero ficar aqui com você, meu único e perfeito namorado.-suspirei novamente de forma pesada.

Ele não me respondeu, ficou tão calado e sem reação que chegava a me angústiar, eu sabia que o Soo era sério, sua mãe sempre falava isso, mas ele jamais foi assim comigo. Senti meu coração doer com isso, o soltei e sai do quarto de cabeça baixa sem olha-lo, meu coração doía muito, eu tinha medo de perde-lo. Ele nunca, jamais havia me mandado sair, as palavras ainda eu engolia, mas o pedido silencioso como se eu estivesse o incomodando, caramba me magoou.

Entrei no meu quarto me sentando na cama apoiando minhas costas na parede, aquilo estava doendo muito mais do que eu podia imaginar, peguei o celular abrindo a galeria vendo as fotos que eu tinha de si e dele junto a mim, isso apenas piorou minha situação. A gente nunca tinha brigado em questão do nosso relacionamento  e aquilo nao era nem uma briga e já doía demais. Eu não  saberia mais viver sem aquela peste!

Me acomodei na cama olhando para o colchão, não sabia o que fazer apenas queria que aquela dor acabasse.

-  Jongin me desculpa - escutei a voz de Kyung e meu coração pareceu parar - eu só estou com muito ciúmes de você prometo me controlar - pediu encostado no batente da porta.

Apenas consegui ergui o olhar para si e ele deveria saber como eu me sentia, não conseguia falar nada apenas sentir dor, mas quando o olhei vi sinais de lágrimas em seu rosto ele não disse mais nada apenas saiu da porta voltando para o seu quarto provavelmente. Agora eu que sentia lágrimas escorrerem pela minha face, me levantei correndo atrás de si indo o mais rápido possível para seu quarto, porém ele não estava lá, desci as escadas e vi mesmo estando no alto que ele havia voltado para mesa fazendo o trabalho enquanto lágrimas desciam silenciosamente em seu rosto e uma coisa que eu havia reparado era que Kyungsoo nunca chorava. A não ser quando criança e se machucava.

Desci a escadas às pressas quase caindo indo até o sofá o mais rápido possível. Sentei ao seu lado e ele me olhou surpreso limpando as lágrimas fazendo menção de se levantar. De fugir de mim.

-Soo.-falei em meio ao choro que ficou ainda pior, doía muito mais que antes.

-  desculpa - pediu quando se deu conta que eu estava que nem ele.  - a gente não bate bem da cabeça - pulou em cima de mim me abraçando. Este sim era o meu Kyungsoo. O apertei com força contra mim ainda chorando.

-Eu te amo, te amo, te amo muito Kyungsoo.-falei o apertando ainda mais contra mim, me sentia um bobo por estar assim.

-  Eu também! - sorriu com aquele perfeito coração nos lábios.  -  eu tinha preparado uma coisa para você sabia?

-Hm? O que seria?-perguntei estando mais calmo e parando de chorar.

-  vem comigo - se levantou pegando a minha mão me puxando até as escadas e subimos, porém ele ficou dois degrau a cima - gostei de ser o mais alto - riu abaixando seu rosto colando sua testa a minha.

-Seu bobo.-ri beijando seus lábios em um selinho.-Me mostra o que era.-sorri.

-  nossa nem curte o momento e eu tenho duas coisas, mas agora é hora de ser fofo - me puxou novamente terminamos de subir e entramos em seu quarto.

-Você sabe que eu sou curioso.-ri, eu sorria feito um bobo.

-  Eu sei eu sei - abriu a gaveta tirando uma caixa azul de  dentro da mesma - a primeira é algo... uh... - Nao soube explicar e me entregou a pequena caixinha e quando eu a abri tinha uma corrente delicada com uma aliança presa na mesma junto a somente uma aliança do outro lado - a corrente é  minha.

-Soo era pra mim comprar as alianças.-falei de forma mimada sorrindo olhando os anéis com atenção, o puxei pelo braço contra mim o abraçando.


-  esperei três anos, você é lerdo demais é  sempre eu que tenho que dá o primeiro passo - me abraçou de volta mas logo me soltou dando-me um selinho sentando em uma das minhas pernas pegando a minha mão colocando a aliança em meu dedo e me estendeu o colar se virando um pouco de costas para que eu colocasse - eu tenho outra coisa mas é melhor deixar para depois - riu enquanto eu brigava com o feiche.

-Eu não nunca esperei que você realmente quisesse algo serio comigo, eu queria mais não depende só de mim.-falei acabando finalmente de colocar o calor e o mesmo se virou de frente para mim sorrindo, acariciei seu rosto com calma sorrindo.

- eu que não esperava que você quisesse e ai eu simplesmente ficava no seu ritmo, afinal eu que era o pirralho e não queria pagar de trouxa por achar que tava tendo algo quando para você era só uma foda - foi direto - mas quando vi suas mensagens quando eu deixei de falar com você por três dias eu soube que sentimos o mesmo não é?  - segurou em minha nuca aproximando seus lábios dos meus com calma me dando apenas um selo demorado  - quando quiser a outra surpresa me fala sei que não deve ser o momento para algo pervertido - sussurrou em meu ouvido.

-Eu prefiro apreciar esse momento com meu namorado fofo.-sussurrei pegando sua mão a beijando encarando sua corrente.-Não terá problemas se alguém ou seus pais verem o anel na corrente?-murmurei, eu não queria perde-lo de modo algum.

-  fora de casa ela fica assim, dentro de casa vou colocar dentro da blusa por isso coloquei na corrente mais fácil de esconder - me abraçou beijando meu rosto com carinho - E se eles vissem não teria como saber... a não ser  que lessem o que está gravado - riu.

-Meu pirralho esperto.-ri apertando seu nariz o ouvindo resmungar.

-  Não estraga o momento velho chato - bateu em minha mão e segurou em meu rosto tomando meus lábios em um beijo carinhoso eu realmente o amava e ficada feliz de estarmos juntos agora.

(...) 


Eu passei o dia vendo televisão enquanto o Soo fazia os trabalhos no quarto, mas já era três horas da manhã agora, ele ja deveria estar dormindo e eu também deveria. Me levantei indo para as escadas depois de desligar a televisão seu quarto estava com a luz acesa e quando abri a porta o vi dormindo em cima dos livros em uma cama toda bagunçada usando apenas uma camisa minha e a cueca. Balancei a cabeça rindo, andei em sua direção tirando os livros que estavam perto de si.

-Soo meu amor acorda.-sussurrou mexendo no seu cabelo, não o deixaria dormindo daquele modo.

- Uhnn - Resmungou apenas se remexendo querendo continuar dormindo. - Não ahnn - disse manhoso.

-Vai, por favor.-pedi o balançando na cama.

- Eu não vou arrumar a cama e nem me levantar - Protestou não se movendo formando um enorme bico nos lábios.

-Ah vai e não faz bico.-murmurei querendo morder seus lábios. 

- Não - aumentou o bico ainda mais - Não quero levantar, tô com preguiça - choramingou se encolhendo.

-Vai Soo.-falei o puxando pela cintura.

- Me leva para o seu quarto no colo - protestou.

-Mimado.-ri o puxando pelas coxas o fazendo entrelaçar as pernas em minha cintura.

- Não me pega nem direito - reclamou abraçando o meu pescoço.

-Não reclama mimado.-ri apertando sua bunda com força para não derruba-lo.

- Uhnnn - resmungou alto - Safado - reclamou em um baixo gemido.

-Você gosta.-ri andando até meu quarto.

- Eu gosto de dormir também - reclamou manhoso apertando suas pernas em minha cintura.

-Mas agora não vai -ri entrando no quarto o deitando na cama ficando sobre si o olhando.

- Mas eu estou cansado - abriu os olhos sonolentamente os esfregando com calma.

-Você é muito preguiçoso.-sorri lhe dando um selo demorado.

- Chato - reclamou.

- Qual era a minha surpresa pervertida Soo? - Indaguei com manha arranhando suas coxas expostas.

- Agora não - reclamou me olhando com dengo - Hyung depois - pediu.

-Aahh Soo.-fiz bico o olhando com atenção.

- Mas a minha surpresa está no quarto hyung e eu estou com sono e preguiça, me da um bom motivo para eu ceder - Me olhou franzindo o cenho.

-Não acabamos o que íamos começar mais cedo.-fiz bico.

- Quer matar a saudades? - Questionou rindo me empurrando e sentando na cama enquanto eu acenava dizendo que sim com a cabeça - Só você mesmo para me impedir de dormir - reclamou.

-Vai mata minha saudade.-sorri o olhando atentamente.

Ele bufou se levantando saindo do quarto, eu estava ansioso para quando ele voltasse, eu não conseguia ficar sem tocá-lo por muito tempo não que eu quisesse só sexo com ele, a gente tinha momentos assim, porém as vezes só nos encontrávamos para passar um tempo juntos, ir ao cinema na hora da sua aula escondido, ir para minha casa no sábado ficar abraçados vendo um filme, esses momentos também eram muitos importantes.Mas eu sentia saudade de toca-lo de forma ousada, não que eu dependesse disso, mas não era algo que eu conseguia controlar.

A porta do quarto se abriu e quando eu o olhei se eu não estivesse sentado na cama confortavelmente eu teria caído para trás.  Eu não conseguia acreditar no que via, não mesmo estava de boca aberta. Ele estava apenas com uma cueca preta apertada com uma algema rodando em seu dedo e usando um quepe de policial com as bochechas levemente coradas e um sorriso leve de malicia.

- Então Jongin, tem sido mau ultimamente? - Perguntou com uma voz sensual que ele só usava quando queria me matar.

-Muito mau.-falei ainda hipnotizado consigo.

- Então eu preciso lhe punir, para que volte a andar na lei - Andou lentamente em minha direção. Ele estava usando meu perfume novamente.

Estava ficando louco com o que via em minha frente e ele estar usando meu perfuma e aquela voz sexy apenas me deixava mais maluco. 

- Deita na cama - Ordenou, ele estava sendo autoritário me olhando de uma forma sensual, sem parecer inocente como sempre fazia, estava sendo diferente.

Estava ficando cada vez mais louco, me deitei na cama esperando o que ele iria fazer e céus aquela roupa o deixava tão delicioso. Ele prendeu meus pulsos com a algema, usando a cabeceira, tentei puxar mas estava bem preso.

- O que está fazendo? - Perguntei sem entender.

- Jongin você está preso, tudo que disser pode e será usado contra você no tribunal - respondeu lentamente deslizando seu dedo pelo meu peitoral, como estava sem camisa sentia seus dedos sobre minha pele. Senti meu corpo se arrepiar com apenas isso.

-E por que estou preso?-sorri movendo meu quadril para cima contra ele bem na hora que ele se sentou em meu colo brincando com um dos meus mamilos.

- Você roubou uma coisa - Indagou - Eu diria duas, que criminoso.

-O que seriam?-sorri mordendo o lábio movendo meu quadril para cima contra o seu.

- Roubar um coração e tirar a inocência de um garoto  - debruçou-se sobre mim mordiscando a minha orelha - isso te lembra a alguém? - Rebolou em seu colo ainda mais.

-Mas claro.-sorri mordendo meu lábio inferir sentindo meu baixo ventre começar a formigar e queimar.

- Se assume culpado? - Questionou arranhando meu peitoral lentamente enquanto mordiscava meu pescoço.

-Completamente.-eu queria tanto fode-lo agora com ele vestido daquela forma.

- Senhor Kim, está preso realmente e ainda confessou, oh é prisão perpetua no mínimo - apoiou suas mãos em meu peitoral rebolando de forma provocante em meu colo.

-Passarei por punições?-sorri rebolando contra si sentindo aquelas nádegas fartas pressionarem minha semi-ereção.

- Muitas punições  - concordou saindo de cima puxando a minha calça a tirando deixando-me somente de cueca.

-Qual será a primeira?-sorri sentindo suas mãos em minhas coxas as apertando.

- Não tem primeira, é uma só, está proibido de gozar - apertou o meio das minhas pernas sorrindo maldosamente.

-E se eu o fizer.-mordi o lábio movendo meu quadril contra sua mão.

- Você não vai - me mostrou um objeto que parecia um anel e eu sabia que era algo que se colocava no pênis para impedir de chegar ao ápice - quando eu perceber que está quase terá mais uma algema se é que me entende - sorriu com malícia.

-Ah Soo ai é sacanagem comigo.-choraminguei, aquilo iria incomodar demais.

- Quem mandou assumir o seu crime? Tem que ser punido, mas não ainda - deixou o objeto sobre a cômoda se ajoelhando na cama beijando o meu abdômen.

-Ah não coloca aquilo não.-choraminguei sentindo seus dentes em meu abdômen.

- Eu sei ser mau - riu - a surpresa é sua, mas o divertimento é meu -mordeu o cós de minha cueca a puxando para baixo.

-Kyungsoo.-gemi baixo sentindo seu nariz roçar em minha ereção. Ele me olhou com um sorriso sacana, começando a morder a minha ante coxa apertando minha perna ele estava querendo me provocar.  -Soo vai logo.-pedi, meu pênis já pulsava em desejo.

- Que apressado - estapeou a lateral da minha perna assoprando a minha glande.

-Apressado não e sim necessitado.-murmurei já imaginando sua boca me engolindo.

- Eu estou necessitado de lhe castigar por ser tão atraente e me fazer senti tanto ciúmes - retrucou lambendo a estenção lentamente.

-Ah não precisa tanto ciúmes, sou todo seu.-murmurei movendo meu quadril contra sua boca.

- E por ser meu, que será punido - riu pelo nariz, começando a abrir a boca colocando meu falo aos poucos em sua boca pequena.

-É só não usar aquilo em mim.-murmurei gemendo em seguida.

Ele nada respondeu e eu já sabia que ele tinha deixado de me escutar como sempre fazia, ignorando-me quando ia contra o que queria. Movi meu quadril  contra sua boca querendo que ele me engolisse ainda mais, quando senti sua garganta me apertar e o seu nariz tocar o pé de minha barriga eu tive a certeza que minha sanidade já não existia mais. Mordia o lábio em prazer me deliciando com a sensação de ser engolido. Ele começou a fazer movimentos de sobe e desce sempre olhando em meus olhos e ele estando de quepe deixava tudo somente mais sensual.

-Aah Soo eu quero te tocar.-murmurei inquieto em meio a um gemido.

Ele novamente nada respondeu, até porque estava bem ocupado com a sua boca e eu preferia daquele jeito. Gemi ao senti-lo me chupar com força como se realmente fosse me engolir. Eu não avisei quando estava chegando perto do ápice, pois sabia que se avisasse ele pararia, eu já estava quase e realmente queria gozar. A cada movimento e sugada eu estava mais próximo do meu limite. Porém ele parou rindo, tendo uma fita de saliva liga a sua boca ao meu pênis.

- Eu sei quando você está perto do limite, não vai gozar - avisou pegando aquele anel peniano o colocando em mim.

-Soo tira - pedi aquilo incomodava e muito.

- Nada disso - começou a me masturbar mesmo com aquilo o que fazia doer.

-Soo doí.-choraminguei aquilo chegava a queimar e ele so aumentava minha necessidade de gozar.

- Mas nem começamos a brincar - riu mordendo minha coxa novamente.

-Só me deixa goza.-pedi sentindo seu dedo deslizar pela minha glande.

- Sinto senhor Kim, mas este é o seu castigo - arranhou meu abdômen novamente.

-Soo, por favor isso dói.-choraminguei sentindo minha virilha ser mordida.

- Apenas geme para mim Jongin quem sabe não me convence - riu me masturbando lentamente.

-Kyungsoo.-gemi de forma rouca sentindo todo meu corpo queimar.

- Vamos brincar - ele abaixou sua cueca subindo sobre mim apoiando suas mãos em meu peitoral - Vai me foder neh Jongin? - Perguntou segurando em minha ereção levado a sua cavidade.

-Ah para de tortura.-pedi gemendo, ele realmente queria me enlouquecer.

- Nao é tortura e punição - começou a sentar em meu colo guiando com uma mão meu pênis se penetrando.

-Não quero mais a punição.-gemi sentindo como ele estava apertado.

Ele não tinha se preparado e já fazia tempo que não fazíamos sexo e isso apenas era mais um motivo para eu ter um desejo grande por gozar.

-Soo.-gemi rouco o sentido se sentar de vez sobre mim.

- Isso é dolorido - gemeu com lagrimas escorrendo em seus olhos - e esse troço me arranhou - comentou sobre o anel peniano.

-Tira ele Soo.-pedi gemendo tanto em prazer como dor.

-   nem pensar - sorriu com malícia começando a se mover apoiando suas mãos em meu peitoral.

-Soo é ruim .-gemi fechando os olhos, estava doendo muito.

- Arranha - choramingou e depois deles subir e sentar duas vezes me fazendo gemer alto ele parou  - Mas eu realmente não quero que você goze agora - Apoiou uma mão na cabeça segurando o quepe enquanto a outra estava em meu peito lhe dando sustentação e ele voltou a cavalgar e isto estava me enlouquecendo.

-Soo tá doendo muito mesmo.-choraminguei em meio aos gemidos enquanto ele subia e descia mais rápido. Escutei como respostas os seus gemidos, ele me olhava nos olhos aquela cena era excitante demais.

- Vamos fazer um trato - propôs com um sorriso malicioso, ele realmente estava no comando desta vez. Invertendo as posições.

-O que?-apenas queria me aliviar, aquilo estava chegando a me machucar.

- Quando me fizer gozar eu deixo você gozar - sorriu com malicia, só tinha um problema, eu estava com as mãos algemadas, não tinha como.

-Não vale eu estou preso.-choraminguei.

- Oh que pena não - rebolou começando a cavalgar com mais força, nunca havia sentido tanta dor em sentir prazer em minha vida o pior é que Kyungsoo não era o tipo que gozava fácil.

-Kyungsoo para com a punição eu te chupo e você goza na minha boca.-proprus afim de me livrar daquele maldito anel.

- Combinado - Sorriu saindo do meu interior gemendo baixo me fazendo gemer junto a si.

-Por favor, tira e me deixa e faz eu goza.-pedi estava doendo muito.

- Primeiro você me faz gozar - riu parando perto da minha boca ajoelhado - me chupa Jongin-hyung - mordeu o lábio inferior.

Quase chorei com isso, abocanhei sua ereção o sugando com força querendo acabar logo com isso. Ele gemeu alto e seus gemidos não me faziam bem, senti suas mãos em meus cabelos e eu o chupava desesperadamente. O engolia por inteiro querendo que ele gozasse logo para tirar aquele maldito anel de mim. Depois do que me pareceu um século comecei a sentir seu pênis pulsar em minha boca e gemidos mais alto e seu aperto em meus cabelos aumentou. Maldita resistência que ele tinha, busquei suga-lo com ainda mais força.

- Uhnnn Jongin - gemeu mexendo em seu quadril para frente.

Parei de mover minha cabeça o deixando fazer o que quisesse enquanto sentia meu pênis latejar. Deixá-lo no comando foi bom, pareceu lhe excitar mais e logo ele gemeu mais alto em um aviso que gozaria, era tudo que eu precisava. O suguei com força esperando que ele gozasse logo. E finalmente ele o fez, senti jatos quentes em minha garganta enquanto ele gemia movendo o quadril se desmanchando. Engoli todo o líquido estando um tanto ofegante por conta disso. Ele se retirou da minha boca limpando o canto de meus lábios me dando um selinho demorado.

- Por favor - pedi, já estava quase enlouquecendo.

- Onde quer gozar? - perguntou mordendo meu lábio inferior.

-Qualquer lugar, por favor tira tá doendo.-choraminguei, a cada segundo a dor apenas piorava.

- Tudo bem - riu retirando apertando minha ereção com a mão e bastou ele descer e subir duas vezes para me derramar em sua palma gemendo alto com o prazer e o alivio percorrer todo o meu corpo. - Agora eu vou te soltar, melhor ser um bom menino de agora em diante - lambeu sua mão. Senti meus pulsos serem soltos e os mesmo estavam doloridos.

-Nunca mais coloque isso em mim.-murmurei deitando de lado levando a mão ao meio das minhas pernas ainda estando duro e com meu membro doendo.

- Mas foi divertido eu não ia pegar tão pesado, mas você me acordou - reclamou deitando-se em minha frente tirando o quepe e ajustando sua cueca em seu corpo.

-Isso não é desculpa.-murmurei, estava doendo demais e eu ainda estava do mesmo jeito mesmo tendo gozado.

- Eu considero e... Por que isso ainda não abaixou? - tocou com as pontas dos dedos minha glande.

-Não sei, ainda dói chega a latejar.-murmurei me massageando esperando que aquela dor passasse.

- Acho que você não gozou o suficiente não é? - Indagou acariciando a glande me olhando nos olhos.

-Talvez.-suspirei.- Sério não coloca mais isso.-pedi baixo fechando os olhos buscando alívio para aquilo.

- Nunca - beijou meus lábios - desculpa ta? - acariciou meu rosto parando de tocar minha intimidade.


-Soo.-gemi baixo sentindo meu falo pulsar por dor e prazer.

- Sim hyung? - indagou mordiscando a minha pele.

-Soo.-gemi novamente ainda de olhos fechados. Ele nada mais disse apenas continuou os movimentos com sua mão.-Aaah Kyungsoo.-sentia meu pênis pulsar e queria que depois disso tudo acabasse. Ele aumentou o ritimo e eu sentia que iria terminar de gozar finalmente. -Soo me chupa dessa vez?-pedi baixo gemendo.

- Uhun  - concordou parando com a mão e desta vez ele não me torturou colocou meu pênis em sua boca começando a me chupar lentamente.

Gemi mais alto ainda me sentindo dolorido queria gozar logo. Apertei seus cabelos empurrando sua cabeça para baixo sentindo sua garganta me estrangular. Joguei minha cabeça para o lado me desfazendo novamente só que dessa vez dentro da sua boca. E finalmente me dei por satisfeito, senti um peso sobre mim e braços pequenos me envolver, fechei os olhos o abraçando de volta estando realmente muito cansado, aquilo de não conseguir gozar acabou comigo.

-Eu não uso mais isso em você ta bom?-sussurrou beijando meus lábios em um selinho.

- Eu acho bom mesmo - apertei sua cintura com mais força sentindo os ossinhos de sua costelas.

-Não devia ter exagerado.-murmurou me abraçando com força.

- Vai ter troco, não se preocupe - reclamei, não deixaria aquilo barato de toda forma.

-Não seja tão mau.-pediu com um enorme bico.

- Você iria merecer - Ri da careta que o mesmo havia feito.

Naquele momento, com aquele seu olhar, eu sabia que não importava quem eu conhecesse eu só teria olhos para si e no fundo eu sabia, por mais que me sentisse inseguro, que Kyungsoo não iria me deixar, ainda mais por causa de eu ser mais velho do que ele, ao menos era isso que eu queria acreditar. Era isso que Kyungsoo me fazia acreditar, que passasse o tempo que fosse sempre iriamos estar juntos nesse nosso amor mais do que errado.










Notas Finais


O que acharam?


Beijos e quem sabe até uma próxima fic ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...