História Meu Amado Professor - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor, Bts, Imagine, Namjin, Taekook, Vkook, Yoonmin
Visualizações 1.108
Palavras 1.549
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi, Olá!
Não demorei muito, certo? Espero que não.

Por favor, leiam as notas finais. Explicarei melhor as coisas lá.

Enfim... Boa leitura^^

Capítulo 21 - Apenas iremos virar a página e escrever uma nova história


Meu Amado Professor

Capítulo 22

Apenas iremos virar a página e escrever uma nova história;

 

”Querido eu sinto você, sob meu corpo

Querido você está comigo, pra sempre e sempre

Dê-me refúgio ou mostre-me amor

E veja-me desmoronar, veja-me desmoronar”

 

NARRADOR

 

Naquela noite, JungKook sequer conseguira olhar para criança ao lado de seu professor, totalmente suja por conta do molho de tomate presente na comida, sem sentir-se mal em dizer suas palavras apelativas para seu irmão mais velho. O moreno mantivera sua cabeça baixa, ignorando as palavras reconfortantes de Kim, as quais passaram a ser direcionadas ao seu filho.

- Eu lavo a louça... – O Jeon levantara-se as pressas da mesa de jantar, recolhendo os pratos sujos sobre a mesa, tentando, novamente, ignorar o olhar de TaeHyung pesando sobre si. JungKook pudera escutar nitidamente as risadas do garotinho, rindo apenas pelas cócegas que o lenço umedecido fazia em suas pequeninas mãos. 

- Vai querer dormir com o papai, Yibo? – O acastanhado percebera o aceno negativo do Bae, o que o fizera esboçar um sorriso. TaeHyung poderia dizer que seu filho havia herdado metade de seus genes, ainda tendo semelhanças de sua mãe. O Kim ainda entreolhara o namorado presente na cozinha, enquanto tentara imaginar o caos interno presente no adolescente.

- Papai, você ama a mamãe? – A voz de Yibo soara mais alto, o que fizera o corpo do moreno estremecer, junto ao cenho franzido do escritor. – Que nem você ama o hyung?

- Não... – TaeHyung acariciara as madeixas da criança agarrada em seu braço. – O hyung é especial... Mas não conte pra’ ele, ele não sabe... – JungKook virara seu rosto, a fim de ver a silhueta do mais velho, o que fora falho. Suas mãos completamente tomadas pelas espumas logo desapareceram ao passar a enxaguar a louça. O Jeon não se dera ao trabalho de secar a louça recém-lavada, apenas tratando de direcionar-se ao quarto do casal.

 Mesmo que sentira a dor ainda presente em seu peito, JungKook ainda pudera-se sentir-se arrependido de tornar-se tão egoísta em relação ao escritor que passou a amar. O Jeon sabia perfeitamente da diferença entre suas idades, assim como suas responsabilidades que apenas cresciam. TaeHyung havia tornado-se seu por tanto tempo, que perdera noção do verdadeiro significado de “dividir”. Kim havia uma vida, e JungKook tomara metade de sua rotina, e disto, Jeon JungKook soubera muito bem.

- Papai... O hyung não gosta do Yibo...? – Sua voz tristonha era presente, o que fizera seu pai acenar negativo a si. – Então... Ele não gosta de dividir o papai comigo?

- O Hyung é uma pessoa muito importante para mim, assim como você. – Começara a pronunciar-se, ajeitando confortavelmente a criança no sofá da sala. – Mas o Hyung é muito sensível em relação ao papai, entendeu? – O Kim ajoelhara-se a sua frente, tentando igualar suas alturas, o que não ocorrera.

- Papai, você vai casar com o Hyung...? A mamãe disse que você se casaria com a pessoa que faz seu coraçãozinho fazer... TUM, TUM... o Bae passara a fazer barulhos cardíacos, apenas recebendo um sorriso canteiro do mais velho. – O Hyung faz seu coraçãozinho fazer TUM, TUM, papai?

- Por mais que eu não queira... Faz sim... – TaeHyung deixara um beijo em sua testa, afastando suas madeixas de sua testa com seus finos dedos. – Mas agora trate de dormir, amanhã faremos muita coisa.

Yibo apenas assentiu, fechando seus olhos assim que TaeHyung desligara as luzes,agarrando firmemente o cobertor sobre si, adormecendo logo em seguida. O Kim seguira até seu quarto, fitando a porta entreaberta. O professor soubera as consequências que sua antiga vida traria a seu aluno, mas era somente virar a página. Assim como fizera ao aceitar dar aulas para o ensino médio.

O acastanhado percebera o falso sono do Jeon, tirando um suspiro de si. Kim logo tratara de tirar a roupa casual que vestira, apenas permanecendo com a cueca boxe que vestia, logo se direcionando ao banheiro e escovando seus dentes, subindo calmamente na cama de casal, com o objetivo de evitá-la ranger, o que não fora o caso. Escutara audivelmente JungKook suspirar, deixando-o culpado.

- Sabe que eu te amo, já está cansado de saber disto... – O maior rodeara seus braços, envolvendo sua cintura, aproximando ambos os corpos. – Eu sei que ainda pensa na minha falecida professora, em Bae Irene, mas eu só tenho olhos para você... – Pronunciara-se por fim, mordiscando o ombro desnudo.

- Eu sei... – JungKook o respondera em um sussurro, virando-se a frente do mais velho. – Mas... Eu me sinto inseguro...

- Em relação a que?

- Te perder... Ou você me deixar... Isso, tudo o que está acontecendo, é difícil. – Sua insegurança era nítida, o que fizera o professor o abraçar fortemente. TaeHyung, tomando iniciativa, selara ambos os lábios em um beijo, que logo fora correspondido.

Taehyung segurara a cintura do mais novo, o levando para cima de si, sequer quebrando o ósculo o qual insistiam em manter. O maior, ainda com suas mãos presentes em seu corpo, acariciara brutalmente sua cintura, o que fizera o menor arfar.

Talvez fosse apenas isso: Amor.

O Jeon cavalgara cada vez mais rápido em cima de si, sentindo a aparente ereção. O acastanhado descera suas mãos até o cós do short de JungKook,descendo-o calmamente.

- E-eu ainda sei tirar minha roupa, Kim. – Pronunciara-se, separando seu rosto de Taehyung, percebendo o sorriso formar-se em seu rosto.

- Mas eu faço isso muito melhor... – Impaciente, o Kim jogara-o novamente em sua cama, ficando – agora – por cima, o que fizera sua cama ranger, batendo contra a parede. – Yibo irá acordar... – Sussurra. – Irene disse que se o acordar, ele não dormirá e-

- Foda-se. – Suas sujas palavras tiraram suas palavras, tomando novamente seus lábios em um beijo intenso.

Ambos sentiam falta do gosto insaciável de suas salivas, enquanto suas línguas lutavam por algum espaço. De fato, o sexo resolvera seus problemas em questão de segundos, assim como qualquer tipo de insegurança presente em JungKook. O moreno não poderia contar às vezes em que, apenas com os toques pervertidos de seu professor, sua mente esvaziara por completo, o que não fora diferente naquele momento.

Kim passara a descer beijos calmos por seu abdômen, notando o rosto do Jeon tomar um tom rubro. A cueca do mais novo, aparentemente apertada, deixara totalmente visível sua ereção recém-criada. Ainda por cima do tecido, Taehyung passara a deixar selares em seu pênis, percebendo a inquietação do garoto.

Sua mão, presente no cós de sua cueca, fora arrastada até seus tornozelos, deixando a mostro o – não muito grande – membro de JungKook. O Kim passara a masturbar lentamente seu aluno, esboçando um sorriso tomado por malicia assim que entreolhara as expressões agonizantes e prazerosas que JungKook mantinha em seu rosto.

Satisfeito o suficiente com o liquido pré-seminal escorrendo por sua mão, abocanhara sem aviso prévio seu membro, o que fizera Jeon gemer alto, tendo sua boca fechada pela mão do mais velho.

- Não queremos acordar o Yibo, certo...? – Sussurrara, vendo o menor assentir hesitante.

JungKook mordia seu lábio inferior, a fim de inibir seus gemidos, tornado-os apenas grunhidos. A língua do Kim rodeara sua glande, enquanto sua boca movimentara-se lentamente, engolindo por completo o órgão do moreno.

Cansado por tal ato, TaeHyung virara-o de bruços, empinando gradualmente seu traseiro, o que fizera o menor arfar. Kim não poderia negar, adorara seu aluno submisso a si. Não imaginara-se em tal lugar, ou em tal momento, quando mais jovem, tendo pregado em sua mente os conceitos preconceituosos e machistas que a sociedade lhe proporcionara, mudando de mentalidade assim que decidira cursas letras, a fim de escrever seu primeiro livro.

O acastanhado direcionara sua atenção à entrada pulsante do Jeon, enquanto seu membro rígido exigia atenção, fazendo-o sorrir. Passara a lamber intensamente sua entrada, escutando audivelmente os múrmuros sujos de JungKook, enquanto uma de suas mãos apertavam fortemente suas nádegas, tendo a outra masturbando o órgão do moreno.

- T-taehyung...! Ai é-é sujo... – Jungkook gemera assim que sentira a língua do escritor o adentrar, sentindo, novamente, seu corpo ferver em chamar ardentes.

- Eu já te fodi tanto, Jungkook... – O mais velho retirara sua língua de seu interior. – Não deveria ligar para essas coisas. – Taehyung ignorara sua argumentação, desferindo um forte tapa na nádega direita do garoto, tirando outro de seus gemidos, desta vez, passando a chupar intensamente seus testículos, enquanto as mãos de Jungkook apertavam o lençol por conta do prazer.

[...]

Kim encaixara-se em meio a suas pernas, roçando a ponta de seu membro, totalmente coberto por seu liquido pré-seminal, esperando que seu aluno implorasse novamente por seu pênis dentro de si.

- A-ande lo-logo, Tae...! – O acastanhado o adentrou assim que escutara suas palavras, não tendo intenção de ser cuidadoso naquela noite, desferindo tapas em sua bunda, enquanto seu quadril movimentava-se rapidamente, arrancando gemidos de ambos. – A-ahh, Professor! – Aquela fora a primeira vez em que o chamara de professor em uma situação sexual, deixando-o ainda mais excitado.

Jungkook, por mais que tentasse negar a si mesmo naquele momento, nunca sentira tamanha quantidade de prazer.

Ambos sentiam aquilo: Amor, prazer... Aquilo os definia, mesmo que fosse tudo apenas um sonho. Naquele momento, não se importaram em suas diferenças, apenas degustando de outra noite prazerosa ao lado de quem amara.

E aquele poderia ser vosso fim, ainda teriam o mesmo amor.


Notas Finais


Ah... *suspiro* Como eu senti falta daqui... De vocês, da minha fanfic... E queria agradecer, de coração, a todos aqueles que me disseram palavras esplendidas sobre mim, mesmo não me conhecendo além daqui (deste site ou fanfic).
Nesses últimos dias, eu tenho chorado muito, por razões ruins... Para quem não sabe, por duas semanas estive na casa do meu pai (um completo machista e homofóbico). Quando eu escrevia nas notas do meu celular, meu pai sempre me mandava apagar, alegando que as coisas que escrevia, que o amor entre dois homens, não era uma coisa boa. Eu não sinto raiva dele, mas eu pude me sentir impotente, pois sempre o obedecia, como um cãozinho.
No mês passado, eu comecei a namorar, de novo. (não se preocupem, ele é gente boa). Meu novo namorado sempre tentava me animar, sempre ressaltando em todas as vezes que eu dizia que estava tudo bem meus olhos vermelhos e inchados, que sequer a maquiagem conseguia esconder.
Nessas duas semanas, eu chorei escondida no banheiro, com medo de que aquele fosse meu fim. Eu realmente queria morrer, mas não pude fazer nada que me comprometesse, pensando nas pessoas em que eu amo: Meus pais, meu irmão, meu namorado, vocês... Eu não conseguia fazer nada além de chorar.
Quando eu lia outras fanfics, me sentia novamente inútil por perceber a maneira extraordinária que as pessoas conseguiam descrever adequadamente cada sentimento do protagonista. E eu me odiei por pensar da maneira em que eu pensava. Foi então que eu coloquei o aviso nas fanfics, desejando que as pessoas dissessem que sentiriam minha falta, o que aconteceu.
Peço desculpas, a todas as pessoas que leem essa fanfic, que favoritam ou não, que comentam ou não, que NUNCA mais irei postar um anuncio naqueles.
Eu realmente pensei em me matar... Mas foi graças a vocês que eu decidi ignorar as mesagens caluniosas e horrendas sobre mim, erguer a cabeça e seguir em frente.
Muito obrigada a cada serumaninho dessa fanfic!
Amo vocês, demais!
Espero encontrar cada um de vocês um dia, e abraçar fortemente em um abraço coletivo!

Espero que tenham gostado.
Digam o que acham que vai acontecer no final de tudo.

Bae Yibo: http://s6.favim.com/orig/65/adorable-aegyo-art-asian-Favim.com-579128.jpg

Bye Bye~~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...