História Meu anjo da guarda - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Carinha de Anjo
Personagens Personagens Originais
Visualizações 71
Palavras 828
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá meus amores, perdão por não postar ontem mas eu tive uns problemas pessoais, mas estou de volta. Verônica já está plantando a sementinha do mal na cabeça da Ceci, e ela ainda vai aprontar muito. Beijinhos!

Capítulo 16 - Insegurança


Naquele mesmo dia após ajudar Fátima com o almoço Cecília avisou que almoçaria com Gustavo e Dulce, ela se arrumou rapidamente, era simples então não precisava de muito, estava saindo do quarto quando deu de cara com Verônica.

 

- Vai sair Cecília?. – a mulher a encarava de cima a baixo.

 

- Vou almoçar com o Gustavo.

 

- Tô vendo que se adaptou bem a essa nova vida né, já até dormiu com ele. – Verônica tinha um tom de deboche em sua voz.

 

- Namorados dormem juntos. – respondeu Cecília.

 

- Você ainda é tão inocente né? Você acha que o Gustavo vai aguentar até quando esse negócio de só dormir abraçados?. – Cecília ficou em silêncio, ela sabia que Gustavo a amava e esperaria por ela.

 

- O Gustavo me ama. – ela respondeu segura.

 

- Você é uma tola apaixonada. – Verônica disse e saiu, deixando uma Cecília pensativa e intrigada.

 

Quando a campainha tocou a ex noviça desceu rapidamente, os dois amores da sua vida estavam a esperando na sala, ela se despediu de Fátima e saiu, foram ao shopping mais próximo, Dulce Maria estava ansiosa pra comprar uma nova boneca que o pai prometera, qua do fizeram resolveram parar pra almoçar. Sentaram em uma mesa e fizeram os pedidos, Cecília estava distante, a verdade era que as palavras de Verônica não saiam de sua cabeça.

 

- Tá tudo bem meu amor?. – perguntou Gustavo.

 

- Está sim. – ela respondeu com um meio sorriso.

 

- Você nem tocou na comida. – Gustavo reparou no prato que ainda estava cheio.

 

- Estou com pouca fome.

 

- Meu amor, você tem que se alimentar direito. – afirmou o homem.

 

- Eu sei.

 

Após o almoço Gustavo chamou Dulce e os três foram embora, resolveram ir pra casa dos Lários e Cecília concordou, quando chegaram Estefânia estava na sala lendo uma revista.

 

- Titia. – a pequena loirinha correu pro colo da mulher.

 

- Oi meu amor, que felicidade é essa. 

 

- Hoje foi um ótimo dia, eu tô super feliz. – afirmou a garotinha.

 

- Que bom meu amor, tudo bem Cecília?. – Estefânia sorriu pra jovem que se encontrava em pé.

 

- Tudo bem Estefânia.

 

- Eu vou colocar essa sapeca no banho e vocês fiquem aí. – Gustavo falou e subiu as escadas com Dulce Maria saltitante. 

 

- Tá tudo bem mesmo Cecília?. – a mulher de peruca roxa voltou a perguntar, Cecília deu um longo suspiro e sentou ao seu lado no sofá.

 

- Posso te fazer uma pergunta?.

 

- Claro, aconteceu alguma coisa?. – Estefânia perguntou.

 

- Você acha que o Gustavo vai cansar de mim?...quer dizer...de me esperar. – Cecília sentiu suas bochechas queimarem, nunca tinha falado abertamente sobre esse assunto.

 

- Você está me perguntando se o Gustavo vai se cansar se você não transar com ele é isso?. 

- Sim. – Cecília disse envergonhada.

 

- De onde você tirou essa ideia, meu primo nunca faria isso, ele te ama Cecília. – afirmou Estefânia.

 

- Eu sei mas...eu me sinto insegura Estefânia, o Gustavo é um homem inteligente, bonito, ele pode ter a mulher que quiser....eu sou...sou só uma ex noviça. 

 

- Meu Deus Cecília, o Gustavo não quer outra mulher além de você, eu conheço ele, ele nunca amou ninguém assim depois da Teresa, deixa de besteira. – repreendeu a mulher.

 

- Mas...

 

- Chega desse assunto... – interrompeu Estefânia. – o Gustavo não é esse tipo de homem.

 

- Falando de mim?. – Gustavo desceu as escadas surpreendendo as duas. – a pequena dormiu. – disse Gustavo.

 

- Falando o quanto estou feliz por vocês dois. – disfarçou Estefânia. – eu vou indo, tenho que resolver umas coisas, tchau meus amores.

 

Estefânia saiu em seguida, Gustavo se aproximou de Cecília e sentou ao seu lado, ele a conhecia e sabia que alguma coisa a incomodava.

 

- Pode me falar o que está acontecendo.

 

- Não é nada. – mentiu Cecília.

 

- Meu amor, eu te conheço. Pode confiar em mim.

 

- Eu tô insegura. – afirmou ela. – eu tenho medo de você se cansar de mim...de você...

 

- Cecília você está falando de...

 

- Não Gustavo. – ela enterrou seu rosto no peito do homem, estava envergonhada, as bochechas queimando.

 

- Meu amor, eu te amo tanto, eu nunca faria isso, por Deus Cecília, olha pra mim. – ele ergueu seu queixo levemente fazendo os grandes olhos azuis dela o encararem. – você sabe que eu quero você, desejo você, mas eu não sou esse tipo de homem! Você é tão doce, tão linda que eu esperaria a minha vida toda.

 

- Eu também quero Gustavo. – ela afirma com os olhos brilhando. – só não estou preparada ainda.

 

- Isso não tem problema, eu já disse que esperaria minha vida inteira. 

 

- Eu te amo. – ela diz.

 

- Eu também te amo.

 

Após essa conversa os dois ficaram juntos pelo resto do dia, Cecília acabou adormecendo com os carinhos de Gustavo, ele a amava tanto que achava uma bobagem esse tipo de insegurança, Cecília era tão especial e ele se sentia tão feliz por saber que ela era só dele.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...