História Meu badboy caliente - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Leo Valdez, Percy Jackson
Tags Hentai, Perleo, Yaoi
Exibições 143
Palavras 1.292
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Lemon, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Essa é a minha segunda fic, ela é Perleo! espero que gostem!

Capítulo 1 - Capítulo único


Era noite e não havia ninguém no chalé de Poseidon além de Percy e Leo. O de orbes verde-mar tinha acabado de concluir mais uma missão bem sucedida. Sem o moreno por perto durante duas semanas, Leo teve que se contentar em bater umas vendo as fotos de Percy só de peça intima azul.

Mas agora, ele havia voltado e poderiam se divertir juntos novamente. E o melhor, Percy e Annabeth haviam terminado o namoro há cinco meses, o que deve tempo o suficiente para Percy assumir sua bissexualidade para Leo. Porque se assumir para o Leo? Bem, digamos que não se deve beber algo que os irmãos Stoll oferecem dizendo que é “Refrigerante de néctar”. Percy havia se embriagado e no final acabou na cama com Leo, isso foi o suficiente para que o mais velho admitisse que terminara com a filha de Atena por causa do latino.

– Me prometa que não vai mais sair para uma missão tão cedo – Pediu Leo, quando o filho de Poseidon descolou seus lábios.

– Eu prometo, mi amor – Prometeu o maior, recuperando o fôlego – Agora, só quero ficar um pouco com você, meu Valdez, meu badboy caliente! – finalizou, selando os lábios do amante ferozmente, mordendo com força o lábio alheio.

O filho de Poseidon o derrubou sobre a cama, foi até a porta e a trancou, ele não queria que ninguém o incomodasse.

Percy se aproximou do menor e deitou sobre o latino, selando seus lábios mais uma vez. O que fez o mais velho gemer, aquilo estava quente. Quer dizer, literalmente, a boca de Leo estava abrasadora. Não somente os lábios do menor, mas também todo o corpo estava tão quente que queimava alguns pelos do rosto e do braço do maior. Quando a temperatura chegou ao  insuportável, Percy desfez o ósculo e disse, com os lábios um pouco tostados:

– Tá muito quente, mi amor – Disse – Dá pra esfriar um pouquinho?

Leo demorou um pouco pra entender o pedido.

– Ah, sim, desculpe – Falou ele – é que você me deixa quente!

O moreno avançou no pescoço do maior, mordendo o mesmo.

– Esta noite, eu vou ser o chefe! – Disse o latindo, fazendo um sorriso malicioso brotar nos lábios do maior – Esta noite, teremos peixe assado...

Leo derrubou Percy sobre os lençóis de seda azul e enfiou a mão por debaixo da sua camiseta. Leo passava a mão por todo o abdômen e peitoral perfeitamente esculpido do maior. Sentia os gominhos perfeitamente desenvolvidos. Sentiu o seu membro cada vez mais incomodo preso dentro da calça.

O menor retirou a camiseta do maior, deixando a amostra o tronco divino de Percy. Nem um modelo de primeira classe poderia ser comparado a perfeição do filho de Poseidon, que gemia a cada toque das mãos do Valdez.

O Valdez lambeu um dos mamilos do maior, o qual emitiu um gemido prazeroso. Percy, enquanto recebia os estímulos de Leo, acariciava o traseiro do mesmo. Sentiu fisgadas e mordidas exageradamente fortes em seu mamilo direito, o que o fez urrar de dor. Teve vontade de espancar o menor.

O filho de Hefesto desceu até a fivela do cinto de Percy, deixando um rastro de saliva e chupões pelo caminho. O cinto foi tirado facilmente e a calça do maior foi retirada. Agora, o maior tinha apenas a cueca boxer azul para ocultar seu membro dos olhos famintos do Valdez. Leo sempre se impressionava com o tamanho do falo de Percy, que era marcado pela cueca um pouco apertada. Notava-se certa umidade na região da glande do membro do maior.

Leo lambeu os beiços, faminto para devorar a carne de primeira que se escondia debaixo daquela peça intima. Mas, vendo o maior que estava praticamente nu e que o menor ainda estava completamente vestido, com exceção dos sapatos, ele retirou a camiseta do acampamento que o menor utilizava, revelando um tronco razoavelmente definido por causa das horas maleando metais e construindo armas e maquinas na oficina.

Aquela visão fez seu membro latejar sob a cueca.

– Leo, mi amor, me chupa logo – Implorou o maior – quero gozar em sua boca.

O menor acatou ao pedido prontamente. Retirou a peça intima, liberando o monstruoso falo que estava enjaulado. A glande do membro era rosada, pré-gozo escorria por ela. Seu tamanho era de uma lanterna, não possuía prepúcio, a pele branca em volta deixava a mostra as veias ao redor. Existiam alguns pelos abundantes ao redor do falo do maior.

Leo caiu de boca, literalmente. Como o membro era bem maior do que conseguia pôr na boca, o latino masturbava uma parte com as mãos, enquanto a glande e a parte que conseguia engolir eram tratadas com a língua. Percy gemia ao sentir-se na boca quente e úmida do menor que, hora ou outra, tirava a cabeça da boca e lambia toda a extensão, provando o sabor salgado do mastro do maior. Percy jogou a cabeça pra trás, ao se contorcer de prazer.

– Isso, Leo... hummm – Disse entre gemidos – Me chupa. Isso, vai. Ahhhh... Mais rápido!

O membro do filho de Poseidon ia até o fundo da garganta de Leo, fazendo engasgar frequentemente. Percy começou a sentir-se como se estivesse prestes a explodir em uma supernova de prazer. O maior segurou nos cabeços do latino e ditou os movimentou, sentindo cada vez mais o ápice chegando.

Mas um dos problemas de Percy é que ele levava um certo tempo para ejacular, então eles ficaram nisso por uns longos minutinhos. Ao decorrer desse tempo, o maior quase perdeu a consciência de tanto prazer que lhe assolava o corpo, a alma e o espírito. Ele estava nos campos Elísios. Quando Percy chegou ao ápice, ele despejou toda a porra armazenada durante as duas semanas que passara sem se tocar. O menor se engasgou ao receber aquilo tudo, ao passo em que Percy o xingava ao delirar com o prazer que sentia.

Finalmente, o menor tirou a calça juntamente com a cueca, pôs Percy de quarto e penetrou-lhe brutalmente de uma só vez. O maior praticamente gritou de dor, lagrimas ameaçavam sair. Leo dizia palavras fofas e promíscuas para o mais velho. Quando Percy deu sinal verde, Leo iniciou os movimentos lentamente, e, a medida que o maior pedia, o ritmo adquiria mais velocidade.

Leo sabia como dar prazer a alguém. Com movimentos cuidadosamente calculados estocava a entrada do maior. Em minutos, a cama balançava e rangia, seguindo os movimentos dos garotos. Percy tentava, em vão, despejar um pouco do prazer assolador que sentia, arranhando os lençóis de seda.

A boca de Leo encontrava-se entreaberta, sentir sua glande se esfregar nas paredes anais do maior era demais, em segundos, no máximo, iria gozar. Em poucos segundos, deu o gemido mais alto daquela noite, e despejou seu líquido quente no interior do maior, que gemeu ao sentir que seu interior era inteiramente preenchido. Retirou-se do maior e quedou-se sobre a cama, ao lado do maior, que ofegava.

No entanto, Percy ainda não estava satisfeito e, com as pernas bambas, se pôs sobre o maior e encaixou a cabeça de seu falo na entrada do filho de Hefesto. Lentamente começou a penetra-lo.

Quando estava por inteiro dentro do menor, aguardou alguns momentos e iniciou as estocadas, da maneira mais violenta que conseguia, como que para despejar todas as frustrações de sua vida sobre o menor. Não demorou muito, chegou ao ápice.

Já sem forças, se retirou do latino e deitou ao lado do Valdez, puxando para um abraço apertado.

– Eu te amo, Percy – Disse o menor, se esforçando para manter os olhos abertos.

– Então somos dois, porque eu também me amo! – Brincou o amior. Mas ao voltar os olhos verde-mar para o companheiro, sentiu que também deveria retribui as palavras carregadas de afeto – Eu também te amo, meu badboy caliente...


Notas Finais


E é isso! espero que tenham gostado! comentem, se gostaram...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...