História Meu Casamento Forçado - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction, Zayn Malik
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Criminal, Drama, One Direction, Romance, Suspense, Violencia
Exibições 185
Palavras 2.032
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hey meus amores, como estão?
Dessa vez eu não demorei :)
Muito obrigada por todos os favoritos e comentários, VOCÊS SÃO DEMAIS :3
Leitoras antigas e novas sejam muito bem-vindas!
Estou querendo fazer um capítulo bônus sobre a Valentina assim que chegarmos aos 200 favoritos, o que acham? Estou pensando em escrever sobre a vida dela antes de conhecer o Louis (:
Esse capítulo está até grandinho <3
Boa leitura e ignorem qualquer erro (ainda não revisei)
◕‿◕

Capítulo 20 - Capítulo 19 - Vingança


Londres – Inglaterra

Louis Tomlinson pov’s

– Rafael. – Falei assim que fechei a porta. – Você vai ficar nesse corredor e vai matar qualquer pessoa que passar por aqui, a segurança de Valentina depende absolutamente de você. E Luke, você vem comigo, vamos matar alguns filhos da puta. – Completei minha fala e apertei o botão do elevador.

Rapidamente as portas abriram e eu entrei com Luke, respirei fundo e apertei o botão do quinto andar.

Eles mexeram com as pessoas erradas.

Vou matar cada filho da puta e vou fazê-los se arrependerem amargamente.

– Qual é o plano? – Luke perguntou depois de alguns segundos.

– Vamos ser silenciosos e ágeis, eu vou na frente e você vai me dá cobertura.

Luke apenas concordou com a cabeça e apoiou em uma das paredes do elevador, não demorou muito e o elevador parou no andar indicado. Pulamos para fora e começamos a andar pelo corredor, ouvi um baque e quando virei vi o corpo de Luke caído no chão. Olhei para todos os lados e não vi ninguém. Senti meu celular vibrar e rapidamente o peguei. Uma nova mensagem.

“Espero que goste da nova surpresa, Tomlinson. –Smith.”

Foi ai que eu vi, bem em frente ao nosso prédio. Vários homens armados com snipers, atirando contra nós. Abaixei ao lado de Luke e vi que o tiro pegou no braço, rasguei uma parte da sua calça e amarrei no seu braço.

– Isso vai estocar o sangue por enquanto. – Falei e os barulhos dos tiros aumentaram. – Fique aqui e toma cuidado, cara. Volto logo para te buscar.

Luke concordou com a cabeça e eu o coloquei escondido do lado de uma planta. Peguei sua arma e coloquei em sua mão.

– Fique vivo. – Falei e sai.

Desci mais dois andares, parando no terceiro, abri a porta e vi vários corpos caídos no chão. Em uma sala vi vários homens trocando tiros e entrei em ação. Me escondi atrás da mesa da recepcionista e a encontrei abaixada. Fiz um movimento para que ela ficasse calada e a entreguei uma arma, juntos começamos a atirar contra os capangas do Thompson e um a um foi caindo ao chão. Saí detrás da mesa e fui até a sala e encontrei meus homens, alguns estavam feridos e outros, felizmente, bem.

– Vamos mostrar quem é que manda. – Gritei para eles, que responderam do mesmo jeito.

Quando eles saíram da sala começou uma onda de tiros e alguns caíram no chão.

– Merda, voltem para a sala agora. – Gritei e eles voltaram. Peguei meu celular e mandei uma mensagem para Liam.

“Não sei onde vocês estão, mas preciso que me façam um favor. Tem alguns caras atirando contra nós e eles estão no prédio da frente, preciso que eliminem eles. – Tomlinson.”

– Chefe, o que está acontecendo? – Um homem perguntou, acho que é o Lucas.

– Tem alguns caras atirando do prédio da frente. Vocês vão ter que ficar aqui até isso tudo terminar. – Falei e eles começaram a reclamar, completei: – Isso é uma ordem. Eu vou e vocês vão ficar aqui, não estou pedindo.

Saí pela porta e corri para a escada, senti uma queimação na barriga e puxei uma bala do meu colete, isso, com certeza, vai ficar roxo, a joguei no chão. Respirei fundo e o barulho dos tiros continuaram. Desci a escada e encontrei vários homens do Smith espalhados pelo corredor. Peguei outra arma no cinto e num movimento rápido corri pelo corredor atirando contra eles, quando terminei virei para trás e observei minha obra de arte.

– Paradinho ai, Tomlinson.

Me virei e vi uma muralha vindo na minha direção, ele não estava armado. Apontei minha arma em sua direção e apertei o gatilho, mas infelizmente a munição tinha acabado.

–Acho que vai ter que ser a moda antiga. – Falei jogando a arma no chão. Ele partiu para cima de mim e eu desviei do seu soco. Dei uma rasteira e ele caiu no chão, mas levantou rápido, fui para cima dele e dei um soco direita e depois de esquerda, ele cambaleou um pouco e reagiu com um soco de direita, fui para trás. Puta que pariu, ele é muito forte.

– Já cansou? – Provocou rindo. – Talvez a menininha quer parar para descansar.

Cuspi um pouco de sangue e soquei seu estômago, o vi ficar sem ar e aproveitei para socá-lo de novo e de novo. Quando ele recuou e apoiou na parede andei lentamente em sua direção, peguei minha faca na cintura e cravei em seu peito. Ele caiu em meus pés e eu o larguei no chão. Chequei o andar e não havia ninguém vivo nele, tanto os homens de Smith, Thompson e os meus morreram.

Estou completamente exausto, mas ainda falta um último andar, desci as escadas lentamente, tentando recuperar um pouco de energia. Quando empurrei a porta vi os meninos parados no meio do corredor com as armas apontadas na minha direção.

– Ainda bem que chegaram. – Falei indo na direção deles e cumprimentando cada um. – Pelo visto, vocês também tiveram muito trabalho. – Deduzi depois de observar suas roupas cheias de sangue.

– Você está bem, cara? – Liam perguntou. Apenas concordei com a cabeça.

– Chamamos alguns médicos. –Zayn falou.

– Luke está no quinto andar, ele foi baleado. – Falei. – Preciso que alguém vá lá buscar ele.

– Deixa comigo e com o Liam. – Niall falou puxando o companheiro.

– Eu e os outros caras vamos procurar feridos. – Zayn falou.

– Eu vou falar com Valentina, depois ajudo vocês. – Falei e os meninos concordaram saindo. – Esperem ai, como vocês se livraram dos idiotas no prédio da frente?

Os meninos sorriram e se encararam.

– Nada como uma boa distração. – Malik respondeu.

– O que vocês aprontaram, seus putos? – Perguntei sorrindo.

– Digamos que Thompson e Smith acabaram precisando de seus homens quando suas boates pegaram fogo. – Liam falou sorrindo.

– O que foi uma pena. – Niall falou. – Já que nenhum deles conseguiram chegar lá.

– Vocês são demais porra. – Gritei e eles saíram.

––

Valentina Tomlinson pov’s

Já se passaram mais de duas horas e eu não recebo nenhuma notícia, meu coração parece que vai sair pela boca. Quer saber, eu cansei de esperar. Peguei minha arma e mirei na fechadura, apertei o gatilho e descarreguei. Quando terminei puxei a fechadura e a porta abriu, dei um sorriso vitorioso e sai no corredor.

– Sra. Tomlinson. – O cara que tinha aparecido mais cedo falou. – Tive ordens bem claras que devo mantê-la segura, então por favor volte para a sala.

– Não. – Falei cruzando os braços. – Meu marido saiu daqui há mais de duas horas e eu não faço ideia do que aconteceu com ele, então se você me impedir de fazer algo eu vou meter uma bala no meio da sua testa, estamos entendido?

– Sim. – Respondeu rápido e saiu da minha frente.

Coloquei minha arma no cós da calça e chamei o elevador, esperei alguns minutos, que pareciam mais horas e finalmente a porta abriu. Quando eu levantei meus olhos dei de cara com um par de olhos azuis me encarando.

– Lou. – Gritei pulando em seus braços. E, finalmente, respirei aliviada em seus braços. – Você está bem? – Perguntei segurando seu rosto com minhas mãos, ele tinha um corte encima da sobrancelha esquerda e um corte no canto da boca.

– Vou ficar.

– Os meninos chegaram? – Perguntei e ele concordou. – Vem, vou cuidar de você.

O puxei pela mão até a sala e o fiz sentar no sofá enquanto procuro uma caixinha de primeiro socorros. Assim que encontrei coloquei a caixinha ao seu lado no sofá e o ajudei a tirar o colete, peguei a gaze e despejei um pouco de soro fisiológico nela, limpei os ferimentos no rosto de Louis.

– Vai arder um pouquinho, ok? – Falei e ele assentiu. Passei um pouco de antisséptico e ele soltou um gemido baixinho.

– Prontinho. – Falei depois que cobri o corte acima da sobrancelha com gazes e esparadrapos e passei uma pomada no canto da boca.

– Obrigado. – Falou me dando um selinho. – Agora eu vou ver como as coisas estão.

– Vou com você. – Falei entrelaçando nossos dedos.

Andamos em silêncio pelo corredor e nos deparamos com vários corpos sem vidas jogadas no chão, meu peito apertou e um sentimento de vingança começou a crescer.

– Isso não vai ficar assim. – Diz Louis.

– Não vai mesmo, eles vão pagar. – Completei.

Malik apareceu no corredor e veio em nossa direção.

– Infelizmente, perdermos cerca de 50 homens. – Falou assim que se aproximou.

– E eles? – Perguntei, torcendo que fosse maior.

– Cerca de 150. – Coçou a cabeça. – Eles vieram para nos detonar.

– E mais uma vez provamos que somos melhor. – Louis falou. – E Luke, como ele está?

– Bem. – Zayn respondeu. – Levou alguns pontos e foi para casa descansar.

Louis assentiu e não falou mais nada, ele ficou distante e sua cabeça, provavelmente, está pensando milhares de maneiras de acabar com nossos inimigos.

– E Harry? – Perguntei. – Já resolveram a situação dele?

– Sim. – Niall respondeu saindo de uma sala. – Conversei com Fernando e Harry vai ser liberado agora. Preciso mandar alguém buscá-lo.

– Deixa comigo. – Falei. – Tudo bem para você? – Virei para Louis.

– Claro. – Respondeu. – Vamos limpar o prédio.

– Tudo bem. – Falei e o beijei. – Até daqui a pouco.

– Até, amor.

Despedi dos meninos, fui para a garagem e entrei no meu carro. Depois de alguns minutos cheguei ao meu destino e estacionei, olhei no retrovisor e arrumei meu cabelo. Desci, ativei o alarme e entrei na delegacia.

– Olá. – Disse para um policial e ele parou me olhando.

– Sim?

– Então policial.. – Olhei para seu distintivo. – Policial Martinez, estou procurando o Fernando.

– E quem é você?

– Valentina Tomlinson. – Falei sorrindo e ele fechou a cara. – Estou procurando meu amigo, Harry Styles.

– Só um minuto. – Sua voz saiu ríspida.

Sentei em uma cadeira e peguei meu celular, entrei em algumas redes sociais e comecei ver as novidade, ouvi um pigarro e levantei meu olhar.

– Sra. Tomlinson? – Um homem baixinho perguntou, confirmei com a cabeça. – Sou o Fernando, me acompanhe por favor.

Levantei e o segui até uma sala, vi Harry sentado em uma cadeira e me aproximei para vê como ele está.

– Ei, está tudo bem? – Perguntei colocando a mão em seu ombro.

Ele virou a cabeça na minha direção e não tinha nenhum arranhado, Harry sorriu e balançou a cabeça.

– Então vamos. – Falei. – Temos muita coisa para resolver.

– Creio que não será possível. – Fernando falou. – O sr. Styles foi pego flagrante e…

– Eu não quero saber. – Falei ríspida. – Nós te pagamos para isso e não aceito desculpas, ou você o libera agora ou nunca mais verá um tostão do nosso dinheiro, estamos entendidos?

– Mas, mas. – Começou a falar.

– Estamos entendidos? – Cortei-o de novo.

– Sim, sra. Tomlinson.

– Então vamos, Harry. – Falei.

Fernando se aproximou de Harry e destrancou sua algema, ele massageou o pulso e levantou. Me aproximei dele e o abracei.

– Você nos deu susto. – Falei. – Tome mais cuidado da próxima vez.

Ele concordou com a cabeça e saímos da sala. Alguns homens nos olhava, mas nenhum tinha coragem de falar algo, saímos pela porta da frente e fomos para a sede. Como eu havia dito antes, temos muito trabalho pela frente.


 

––


 

Chegamos na sede e como um passe de mágica, ela está toda arrumada. Não havia nenhum sinal que houve uma guerra aqui.

– O sr. Tomlinson está esperando vocês em sua sala. – A assistente falou assim que passamos pela porta.

– Ok, obrigada. – Respondi e seguimos para o elevador.

Respirei fundo e abri a porta, todos os meninos já estavam lá, eu e Harry nos juntamos aos outros e Louis começou a falar.

– Está na hora de colocarmos nosso plano de vingança em ação, e será hoje mesmo. – Louis começou a falar. – E antes que vocês achem um absurdo, não é. Nem Smith e nem Thompson esperarão um contra-ataque tão rápido.

– O que faremos? – Perguntei.

– Primeiro iremos para casa descansar e retornaremos a meia-noite, até lá já terei pensando em tudo.

Os meninos concordaram e saíram da sala. Me aproximei de Louis e beijei seu ombro.

– Tem certeza disso? – Perguntei.

– Total. – Respondeu.

Ele ficou de frente para mim e me puxou para o seu colo. Coloquei uma perna de cada lado e o beijei, senti suas mãos passeando pelo meu corpo e eu beijei seu pescoço.

– Temos um plano para elaborar. – Falei quando senti suas mãos puxando minha blusa.

O plano pode esperar.


Notas Finais


Espero que tenham gostado ♥‿♥
Criticas construtivas são sempre bem recebidas.
Adorarei saber o que estão achando da fanfic.
Muito obrigada por me acompanharem até aqui!
Beijinhos
Xx Sah ♥ xX


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...