História Meu Cego Amor - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Amor, Cego, Drama, Hentai, Lemon, Menina, Menino, Originais, Original, Revelaçoes, Sexo, Smut, Yaoi
Exibições 104
Palavras 1.382
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Ficção, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


✿ Mais um capitulo da fic ✿

Capítulo 23 - Porque não me deu calças? (explícito)


Fanfic / Fanfiction Meu Cego Amor - Capítulo 23 - Porque não me deu calças? (explícito)

Miguel saiu da banheira totalmente relaxado, tateou o suporte à procura da toalha felpuda que cobriu seu corpo esfregando -a em si a fim de se secar. Daniel fuçava em seu guarda-roupa a procura de alguma peça de roupa que coubesse em seu garoto, obviamente não encontrando, pegou seu moletom favorito e uma roupa íntima recém comprada deixando sobre a cama agora com os lençóis perfeitamente esticados.

O menor saiu do banheiro e Daniel comunicou a ele sobre as roupas na cama, Miguel só resmungou alguma coisa incompreensível. O maior mordeu o lábio inferior prendendo um ofego pela visão, olhava fixamente a toalha deslizando lentamente para fora do corpo magro, as costas estreitas nuas, descendo para o quadril levemente mais largo. Ah… aquelas covinhas apaixonantes no fim das costas e então vinha o traseiro perfeitamente redondo e empinado, maior do que se consideraria “ normal” para um garoto.

   Ele queria morder e chupa-lo todo outra vez, deixar mais marcas do que as que ele já tinha, queria provar mais um pouco daquele corpo. Não queria desviar a atenção da visão a frente, porém o fez mesmo assim, deixando o quarto ofegante e descendo o as escadas com a bandeja em mãos, indo diretamente a cozinha. Se ele estava com uma enorme e visível ereção dentro de suas calças ninguém precisava saber.

Ninguém precisava saber que por sorte ele havia pesquisado na internet algumas coisas sobre sexo gay. Qual é, ele era totalmente inexperiente nesse assunto, a pesquisa o ajudou a fazer o que julgava certo, antes que tudo acontecesse entre ele e Miguel. Ele não queria que Miguel se machucasse..

O que de certa forma o ajudou a perceber que bem… ele ficou um tanto excitado quando clicou em um vídeo pornô do gênero. Ele imaginou-se naquela cena com Miguel, a expressão de prazer do ator passivo ao ser chupado e vice-versa. Imaginou-se sendo chupado como o ativo do filme foi. Tocou-se imaginando o que aquela boca rosada de Miguel seria capaz de fazer ao redor do seu pau.

Daniel saiu de seus devaneios ao que terminava de lavar a louça começando a secar.  a voz delicada e o corpo frágil descia as escadas com a suas roupas e caramba, nesse ritmo ele acabaria perdendo o controle. As coxas fartas de fora, o cabelo molhado os lábios vermelhos chamando por si.

— Dan… onde você está?

— Aqui na cozinha, já estou indo.

— Não precisa eu consigo chegar sozinho.

E de fato ele realmente conseguiu.  Daniel largou a louça indo de encontro ao garoto e segurando uma de suas mãos o guiou até a bancada, o erguendo para ele se sentar sobre ela.

— Você pode ficar aí até que eu termine aqui? — Miguel assentiu

— Eu posso te perguntar uma coisa?

— Pergunte…

— P-porque você não me deixou c-calças para vestir? — Daniel não tinha o que responder.

— Você as quer? Eu posso pegar.

— Não eu só… queria saber — As perninhas balançando graciosamente no ar.

Terminada a louça, Daniel se aproximou do outro, as perninhas pararam seu movimento e o ar foi preso. Tão lindo.... Levou uma das mãos a nuca do outro o puxando para si. Sua ereção ainda pulsava e seus lábios se movimentavam lentamente, mas foi quando Miguel rodeou suas pernas nuas ao redor da cintura do outro o puxando para perto e envolveu seus braços em seu pescoço, que o beijo se tornou intenso, contendo nele luxúria.

Uma das mãos do maior agarraram a cintura do outro com possessividade e a outra apertava as coxas com força. Miguel já estava imerso nas sensações, lufadas de ar e gemidos estrangulados deixavam seus lábios e uma de suas mãos desceu ao abdômen definido do amante, adentrando a camiseta acariciando ali. Não satisfeito desceu ainda mais, adentrando a calça de moletom folgada, sentindo a grande pulsação livre entre os dedos.

— Dan você está…

— Duro — Concluiu com a voz baixa, porém firme — Consegue sentir entre seus dedos baby?  Tenho certeza que sim.

— Eu ia dizer sem cueca — Riu

Soltou um gemido rouco ao que o menor agarrou sua ereção sem aviso prévio, passando o polegar pela fenda já gotejante e em seguida a mão fechada correndo em toda a extensão num movimento de vai e vem.  Ele direcionou o olhar para aquele rosto que tanto amava, os olhos distantes enquanto tinha lábio inferior entre os dentes, concentrado no que fazia. Ele retirou a mão de lá levando o indicador aos lábios o chupando em seguida.

— Tão gostoso… — O que estava acontecendo com seu príncipe?

Aquele era o limite para Daniel, ele precisava fazer algo logo. Não esperou muito para despir completamente o outro, aquele corpo era a perdição. Desceu o menor dali e virou-o de costas para si, tirou a camiseta e desceu a calça pelas pernas ficando totalmente nu também.  Agarrou a cintura alheia com extrema força e esfregou sem pudor nenhuma sua glande no traseiro do outro, que gemia em aprovação pelo toque bruto. Ele gostava daquilo, gostava muito.

  — O que eu vou fazer com você baby… — a voz carregada de malícia que só excitava ainda mais Miguel

— Me foda e depois… Ah… e depois me ame…

— Você quer ser fodido amor? — Daniel estava abismado, desde quando Miguel falava palavras tão obscenas? Desde quando ele mesmo falava? Mas se seu menino queria as usar ele usaria.

— Só mete… forte… agora... por favor.

— Vai doer se eu não te preparar antes anjo.

— Não, não vai, você já me alargou a algumas horas.

— Já faz algum tempo...

Miguel bufou audivelmente irritado, virou-se de frente a Daniel e guiado por seu corpo desceu até estar de joelhos. Daniel arregalou os olhos após perceber o que o outro pretendia. Não parecia real.

Não conseguiu pronunciar uma única palavra quando com gula, Miguel recebeu seu falo de bom grado em sua boca. Ele nem mesmo sabia o que estava fazendo, Miguel só queria Daniel dentro de si de um jeito ou de outro. Ele ainda não estava satisfeito, entretanto, por enquanto devia bastar.

Sugou a glande e sentiu gotas de pré-gozo pingarem em sua língua. Gemeu quando sentiu seu próprio membro dolorido clamar para ser tocado. Levou a mão a ele soltando um ofego em deleite, enquanto seus ouvidos estavam atentos aos sons do ambiente.

Os gemidos nada contidos de Daniel, os sons molhados que saiam de sua boca enquanto lambia e chupava com toda vontade que possuía, ou o que seu falo produzia ao ser estimulado. Eram tantos, porém o único que ele ansiava ouvir era o das bolas batendo contra seu traseiro.

Daniel tinha uma das mãos em seus cabelos controlando o ritmo em que ele deveria ir, ele estava se controlando para simplesmente não forçar e mesmo assim tentando obter tudo o que conseguisse daquela boca.

— Ah… Você é tão bom para mim baby.

Não querendo mais esperar, o menor levantou-se virando novamente de costas rebolando e empinando o máximo para demonstrar sua vontade.

Daniel separou as bochechas encontrando o anel rosado piscar para si. Seus lábios formaram um pequeno sorriso. Molhou os dedos de saliva o lubrificando superficialmente antes de penetrar de uma vez, com força. Miguel gemeu alto de pura satisfação, ao que seu corpo foi jogado para frente com brutalidade iniciando-se as estocadas.

Seu corpo estava a pegar fogo, suas respirações ofegantes. Daniel abraçou sua cintura firme enquanto ele tinha os braços apoiados na bancada, era tão gostoso ser tomado com tanto desejo, ele rebolava em busca de mais prazer, ouvir os gemidos do outro em seu ouvido o arrepiava completamente e era unicamente por causa de si.


Seu corpo suado fervendo em excitação parecendo querer entrar em combustão, uma última estocada funda e ele podia sentir ser preenchido novamente naquela tarde. O jato de gozo quente jorrando dentro de si. Sem esperar seu pau expelindo todo seu prazer para fora de seu corpo sem ao menos se tocar.

Foi inevitável ter que se limpar novamente e assim que o fizeram Daniel o levou para casa. Ele  tinha um sorriso no rosto enquanto observava  o outro caminhar, chegaram em poucos minutos  e Ammy atendeu a porta com uma cara um tanto desconfiada. o garoto entrou e Daniel entregou sua mochila a garota antes de  voltar para casa, a porta se fechou.

— O que aconteceu com você? — era um tom descontraído

— Nem mesmo eu sei.

 


Notas Finais


Ontem eu acordei determinada a escrever um smut e onde eu iria coloca-lo? bom acabou vindo parar aqui.

❤️ E isso é tudo pessoal ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...