História Meu delegado - Capítulo 24


Escrita por: ~ e ~NoemyMc

Postado
Categorias Sou Luna
Tags Ruggarol
Visualizações 1.047
Palavras 2.288
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Estupro, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Sim, isso mesmo que vocês leram

Esse capítulo será narrado pelo Lionel

Vamos entender o que se passa nessa mente conturbada dele ou não né

Capítulo 24 - Capítulo 14 - Lionel


Lionel



Três anos... Três anos preso naquele inferno de lugar. Três anos longe da minha mulher. Sim, minha.


A Karol é minha e de mais ninguém. Ela é e sempre foi. Eu fui o primeiro homem em sua vida eu sou o pai do filho dela.


Ela não sabe, mas todos esses anos que passei longe, eu nunca deixei de saber um passo sequer que ela dava. Eu tinha os meus homens sempre por perto, seja lá onde quer que ela fosse.

Quando eu fiquei sabendo que ela estava grávida, eu não tive duvidas, sabia que era meu filho.


Eu fui o único homem na vida dela e eu sabia que era meu, pelo simples fato de eu ter feito isso propositalmente. Eu não usei a camisinha com a intensão de engravidá-la e tê-la pra sempre ao meu lado.


Eu sempre fui louco na Karol. Ela era diferente. Era a única mulher do morro que não dava a mínima pra mim e para o meu poder. E isso me excitava, me fazia querer ela pra mim, sempre mais. Todas as outras putas do morro faziam questão que eu as notassem. Muitas vezes elas brigavam para ver quem conseguiria ir pra minha cama naquela noite. Elas me queriam por vários motivos: pela minha beleza; pelo meu poder; pelo o que eu proporcionaria a elas não só na cama, mas também fora dela caso eu as escolhesse com minhas putas fixas. E isso enchia os olhos delas. Menos os da Karol. Ela não era assim. Ela era completamente diferente. Eu sempre a via descendo o morro bem cedo, antes mesmo de o sol estar posto, para estudar.


Eu sempre achei essa porra de estudos uma perda de tempo. Eu estudei até os meus 16 anos, foi quando o meu pai, o antigo dono da Rocinha, começou a ter problemas com a saúde e eu fui obrigado a largar a escola, mesmo contra a vontade de minha mãe que pra falar a verdade, naquela época a sua vontade não valia de nada. O que meu pai dizia dentro da favela era lei, assim também valia para dentro de casa. E se ela ou qualquer um ousasse discordar dele sofreria com as consequências. Aquilo não me abalava nem um pouco. O meu pai sempre me disse que as mulheres tinham que ser tratadas daquela forma. Que elas nos deviam obediência sempre. Então eu não me espantava quando o via batendo em minha mãe. Se ele fazia aquilo é porque, com certeza, ela estava merecendo.


Fiquei junto ao meu pai cuidando dos assuntos da favela. Naquela altura do campeonato, eu com 17 anos, já participava de invasões e era praticamente um sub dono do morro. O meu pai a cada dia piorava mais ainda a sua saúde e eu já sabia que o velho não iria durar muito tempo. Pouco tempo depois de eu ter completado os meus 18 anos, ele morreu e com isso, eu fiquei com comando da favela nas mãos. Não foi fácil eu me impor, não foi fácil para as pessoas me respeitarem. Afinal, eu só tinha 18 anos e já era dono de uma favela do tamanho da rocinha, nem mesmo os caras que trabalhavam comigo colocavam muita fé em mim.


Tentavam invadir várias vezes, tanto a polícia, quanto as facções rivais, na esperança de que, com a morte do meu pai e com um “garoto” no comando do morro, eles conseguiriam. Mas eu calei a boca de todo mundo. Eu consegui impor respeito em muito pouco tempo. E toda a favela viu que comigo não se brinca.


Com um tempo eu acabei ficando mais frio. Esse contato mais intenso, digamos assim, com o crime, me transformou completamente. Não demorou muito e a minha mãe também se foi. E ai só restou eu e a Isabela, mas ao contrário de mim, ela não tem nenhum contato direto com o tráfico.


Eu lembro como se fosse hoje a primeira vez que eu notei a Karol e ela me enfeitiçou com a sua ingenuidade e beleza. Eu tinha 25 anos, até então eu nunca tinha reparado nela. Eu estava descendo da boca e passei em frente a sua casa, era de manha bem cedo, no horário que ela costumava ir para a escola.


Ela estava linda com aquele uniforme da escola: uma saia azul rodada, uma blusa branca de botões com o brasão da escola bordado no peito, uma sapatilha preta e a sua meia que ia até a sua panturrilha. O seu uniforme me deixava louco e excitado.


Neste dia, assim que ela me viu parado, encarando o seu corpo e imaginando como eu a teria para mim, eu pude ver medo em seus olhos. E isso me deixou louco. Me deixou ainda mais excitado e com vontade de fazê-la minha.


Depois daquele dia, eu passava todos os dias e naquele mesmo horário em frente a sua casa para vê-la. Eu oferecia carona a ela, mas ela sempre com medo, negava e saia praticamente correndo de perto de mim. Mas algo dentro de mim me dizia que aquilo era apenas vergonha e que ela também me desejava.


Eu tentei por incansáveis vezes ficar com ela. Mas nem um beijo ela me dava. Eu poderia ameaçá-la e tê-la pra mim, mas naquela época eu gostava daquela brincadeira de gato e rato. Aquilo me excitava e eu imaginava que uma hora ela finalmente cederia. Fiquei nessa durante dois anos. Até um dia que Deus colocou ela no meu caminho. E ela estava muito gostosa com aquele vestidinho preto apertado e eu não resisti. Já estava tarde e ali naquele canto estava deserto por conta do baile que ocorria na quadra. Não perdi tempo e logo cheguei nela. Ela a principio desviou de mim. Mas eu já tinha dentro de mim a certeza de que daquele dia não passava, ela seria minha de qualquer jeito. Eu já estava cansado de jogar.


Ela lutou um pouco contra, mas pela primeira vez, ela finalmente aceitou minha carona. Essa foi a deixa para o que eu queria. Não perdi mais tempo, a levei pra minha casa e fiz o que eu tanto quis fazer todos aqueles anos. E para tê-la pra sempre ao meu lado, eu a engravidei propositalmente. Depois que eu a tive uma vez, eu vi que não conseguiria mais ficar longe. Até que eu fui preso. Eu nunca tinha sido preso em toda a minha vida porque eu sempre fui esperto, eu nunca deixei eles chegarem tão perto assim para colarem as mãos em mim. Mas daquela vez, naquele dia eu vacilei.


Deixei uma das entradas da favela sem proteção e eles chegaram até a mim por lá. Quando eu vi, já estava dentro da viatura sendo levado para a cadeia. Mas agora eu voltei. Voltei para ter o que é meu de direito: a Karol e o meu filho.


Todos esses anos que eu passei longe, não teve um dia que eu não tramasse cada parte da minha fuga. Demorou. Mas chegou.


A primeira coisa que fiz quando consegui minha liberdade foi ver a minha morena. Tanto tempo sem vê-la pessoalmente e eu já não aguentava mais toda a distância. Eu também queria ver o meu filho. Eu recebia fotos deles, mas nada comparado a vê-los pessoalmente.

Escondo-me em um beco e fico ali em frente a casa da Karol. Não muito diferente de alguns anos atrás, ela sai de casa bem cedo. Só que hoje, eu sei que é pra trabalhar. Os soldados que eu colocava pra ficar atrás dela, me disseram que ela está trabalhando na casa de um delegado federal. Admito que fiquei muito puto quando soube. Eu não queria minha mulher a semana inteira dormindo na casa de um homem, imagina então ele sendo um verme de um policial.


Quando eu percebo que ela me viu, eu rapidamente saio dali. Eu não queria que ela me visse. Pelo menos não ainda. Acompanhei a ida do meu filho à creche, de longe é claro. Ele estava tão grande e era a minha cara. Já consigo imaginá-lo correndo pela favela inteira e quando eu não puder mais, ele que vai comandar isso tudo aqui.


Na sexta feira à noite, estávamos muito bem na boca fazendo os preparativos do baile de sábado, que seria a comemoração da minha volta. Estava tudo calmo, até ouvirmos uns barulhos de tiro. Não pensei muito e peguei o meu fuzil que estava jogado em cima da mesa e na mesma hora um dos vapores entram na sala correndo.


- Patrão, eles estão invadindo. – diz ofegante.


- Eles quem? – pergunto carregando o meu fuzil.


- Os policia. Eles descobriram que você fugiu e estão tentando invadir.


- Mas não vamos deixar não porra. Vamos mandar esses filhos das putas ralá. Temos mais armamentos que eles. Vamos pra cima.


Digo saindo da sala. Já consigo ver os soldados descendo o morro correndo e metendo bala nos policia.


- Ei Lionel! Não é melhor você se esconder em algum lugar não, mano? É muito perigoso, se os cana te pegar de novo vai pra vala. – Diz o Marcelinho, o meu gerente.


- O caralho que eu vou me esconder, por acaso eu tenho cara de cuzão? Vamo enfrentar eles, porra.


- Você que sabe. – diz e dá de ombros.


- Manda os caras ocuparem todas as entradas, até as da mata. Não podemos dar bobeira igual da ultima vez.


- Falou chefe. – diz e sai correndo com o seu fuzil nas mãos.


Vou junto, mas com alguns soldados me cobrindo. Não arregamos em nenhum momento.


Metemos bala mesmo em cima desses vermes. Passamos a noite inteira nessa troca intensa de tiro. No meio da noite sentimos eles recuarem um pouco, mas mesmo assim não pararam e nós também não. Estávamos com um armamento mais forte e isso nos favoreceu.


Logo pela manhã, quando eles viram que não recuaríamos e que eles estavam perdendo bastante homens, eles recuaram. Mas uma grande tropa continuou instalada na entrada da favela.


Vou para a minha casa, tomo um banho e resolvo deitar um pouco. Tinha homens armados até os dentes em volta da minha casa. Eu estava bem protegido ali e também sabia que os policiais não tentariam subir novamente agora.


Acordo e já era de tarde. Depois dessa guerra eu acabei ficando preocupado com o meu filho.

Chamo um dos homens que faziam a segurança da minha casa.


- Eu quero que você vá até a casa da Karol e traga o Matteo pra cá.


- Mas e a velha? Ela vai empatar.


- Da um jeito nela. Só não mata.


Ele acena e sai.


Vou para a cozinha comer alguma coisa e de repente o Marcelinho entra igual um furacão pela sala.


- O que foi?


- Os soldados que estavam na entrada lateral da mata foram encontrados mortos.


- PORRA! COMO ASSIM?


- Eu não sei. Eu estava chamando eles no rádio pra ver se estava tudo nos conforme lá, só que os caras não tava respondendo. Mandei uns homens irem lá ver o que tinha acontecido e eles estavam caídos no chão os dois com um tiro na cabeça.


- QUE PORRA! ELES DEIXARAM OS CARAS ENTRAREM... – ando pela sala tentando pensar. – Aumenta a segurança por aqui e em todas, todas as entradas... Eles não podem me pegar, não vou voltar para aquele lugar.


O homem que eu mandei ir buscar o Matteo entra sozinho na sala.


- Cadê o meu filho?


- Ele não estava lá, senhor.


- PORRA! COMO NÃO? EU VI A HORA QUE ELE CHEGOU ONTEM E AQUELA VELHA NÃO SAI PRA LUGAR NENHUM.


- Eu não sei explicar, senhor. Mas nós envadiu a casa dela lá e não tinha ninguém. Entramo nos quartos e não tinha nenhuma roupa nos armários. Passei o rádio para os muleque que estavam por aquela área e ninguém viu eles saindo.


- PORRA! COMO NINGUEM VIU O MEU FILHO SAINDO, CARALHO? – paro um tempo e penso.


Porra! Deve ser aquele filho da puta daquele delegado, caralho. Só assim pra ela conseguir sair daqui com o meu filho sem que ninguém veja. Com certeza foi aquele filho da puta. Eu sei que foi. E ainda matou dois dos meus homens.


- QUE PORRA! – digo jogando um vaso de vidro na parede.


- O que foi Lionel?


- Alguém tirou o meu filho daqui e mataram aqueles homens e eu só sei uma pessoa que teria o interesse de tira eles daqui.


- Quem Lionel?


- A Karol.


- Ela não ia matar dois homens. – diz o Marcelinho.


- Mas aquele delegado pra quem ela trabalha, sim.


- Porra e o que você quer fazer? O cara é delegado, cara e provavelmente já estão bem longe daqui.


- NÃO ENTEREÇA, PORRA! É O MEU FILHO E MINHA MULHER. EU QUERO ELES AQUI COMIGO… Você. – aponto para o homem que ainda continuava parado na minha sala. – Chama o Flavinho aqui.


O Flavinho foi o cara que eu deixei responsável por me dizer cada passo que a Karol dava enquanto eu estava preso.


Não demorou muito e ele entrou na sala.


- Fala chefe.


- Eu quero que você volte a seguir a Karol. Quero que descubra onde ela está agora.


- Mas o senhor tá ligado que ela trabalhando na casa de um delegado, não ?


- Foda-se! Se vira, eu te pago não é atoa.


- Mas ela fica a semana inteira lá na casa dele e o condomínio é todo cheio de segurança…


- Eu não quero saber, porra. Dá o seu jeito. Nem que você tenha que dormir a semana inteira na calçada em frente da porra aquele condomínio pra saber pra onde ela vai depois, você vai ter que descobrir pra onde ela foi.


- Tudo bem chefe.


- Está esperando o quê? Vai logo porra.


Ele sai dali correndo e eu vou para o meu quarto. Eu vou descobrir onde ela está e vou trazer ela e meu filho de volta pra favela, mas dessa vez é pra ficarem do meu lado e na minha casa.


Eu vou trazer eles de volta pra mim.


          Ah eu vou!


Notas Finais


É isso ae

O que vocês acharam do louco do Lionel?

Até mais tarde 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...