História Meu Doce Amargo HÍbrido. - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amizade, Família, Híbrido, Memórias Sofridas, Menção Taegi, Menção Yoonmin, Namjin, Taejikook, Traumas, Yoonseok
Visualizações 31
Palavras 927
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Esse vai ser sério... E devidi porquê se não ía ficar muito grande.

Capítulo 3 - Eu realmente fui atropelado?! Part. 1


Fanfic / Fanfiction Meu Doce Amargo HÍbrido. - Capítulo 3 - Eu realmente fui atropelado?! Part. 1

Passei as duas primeiras semanas fora de casa na normalidade. Eu ía pra escola com as roupas que Min Sook colocara na bolsa, trabalhava com as roupas da escola, e dormia onde dava. Às vezes eu dormia perto da escola, e era o primeiro á chegar. Todos estranhavam, mas ninguém ousava perguntar nada,afinal,não eram doidos de quererem mexer comigo.

Não contei nem à Jimin sobre minha expulsão, mas o rosado estava muito mais procupado. Tinha a irmã que parecia piorar à cada hora, o trabalho, as aulas e o sr. Niao, que vivia investindo para o meu amigo. Sempre que eu via isso, tinha vontade de chamar Namjoon para levar ele para bem longe.

Mas o loiro-poste não era meu protetor, nem de Jimin. Ele tinha seus próprios problemas, vi que Jin e ele não têm se dado muito bem. Eles discutiam pelos intervalos, e Jin sempre voltava chorando do banheiro. Eu só queria que tudo isso se acalmasse, queria que eu tivesse um teto sobre minha cabeça de novo, para que eu realmente me sentisse bem novamente. Mas não no teto dos Min. Pro teto deles eu não voltava mais, nem em caso de vida ou morte. 

Eu estava quase dormindo depois que  deixei meus livros na biblioteca, mas eu não podia dormir. Tinha que ir trabalhar, e eu teria que fechar o local depois, seria o último à sair do Yotsuba hoje.

- Você tá com uma cara péssima. -Jimin disse quando cheguei. Revirei os olhos ao seu comentário. 

- Obrigado amigo, eu realmente percisava desse seu comentário super animador.-disse lavando os copos. O rosado resmungou alguma coisa, depois foi servir algumas mesas. Taehyung e Jungkook não apareciam à alguns dias, acho que já estava na hora de pararem a bebedeira por um tempo.

- Já vou indo hyung!-Jimin disse pegando seu casaco do cabide.- Tem certeza que quer ficar sozinho aqui? Posso te levar até em casa.

- Não ChimChim. -respondi sério. - Somin deve estar preocupada, não pode deixar ela sozinha por muito tempo.

O rosado assentiu, me dando um abraço e um beijo no rosto antes de sair. Pelos seus gestos, ele sabia que tinha algo errado, mas não me encheria o saco, Jimin sabia que se eu achasse que ele merecia seber, eu contaria.

Terminei de arrumar tudo e me sentei na mesa. Queria apenas um copo d'água e um calmante, pois sentia meus pelos se arrepiando, e minha cintura doendo. Eu sabia que tinha sido um homem. Ah, o que ele fez? Simples: me estuprou na cara dura!

Eu estava vindo do trabalho para um prediozinho qualquer onde deveria ter um sofá na frente, apenas para passar a noite. Até que senti meus pulsos serem presos, minha nuca sendo mordida e minha calça baixada. Eu simplesmente não consegui olhar para trás e nem gritar no beco escuro, mas sabia que aquilo iria durar. Foi praticamente a noit etoda, e quando consegui tentar gritar, ele tapou minha boca com a mão suja, enquanto a outra estava me maltratando. Eu não consegui ficar em pé, minha cintura doía, minhas pernas tremiam, meu peito se comprimia. Meu rosto estava mais que molhado de lágrimas, e o safado foi esperto em ficar sempre atrás de mim.

- Parabéns puta!-ele disse ofegando no meu ouvido.- Até que você serviu!

Enquanto eu tremia no chão,  chorava, sentia voltade de gritar e me contorcia, eu tinha certeza de algo.

Eu quero morrer.

Saí do flashback ofegante e segurando as lágrimas. Eu só consegui andar até os banheiros da escola, porquê eu sabia que isso podia acontecer dias vezes na mesma noite. Minhas roupas estavam machadas de sangue e eu ainda não pude lavá-lasrecorrera apenas questão de tempo. Um híbrido (ômega ainda por cima!) sozinho na rua, sem família e sem ter á quem recorrer não iria durar por muito tempo.

- Pare Yoongi! -falei para mim descendo da mesa.- Siga em frente, esconda isso e faça uma nova vida.

Continuei arrumando o local e apaguei as luzes, descendo as placas de metal sobre os vidros. Estava garoando do lado de fora, uma chuvinha fina que nem chegava à molhar. Eu sentia raiva das pessoas que saíam reclamando, dizendo que ela estava atrapalhando. Mas que droga, chuva era uma coisa linda; limpava tudo e dava uma sensação de paz. Quase pude me sentir limpo de novo, mas novamente senti raiva de mim. Senti raiva de ser híbrido, raiva de ser fraco, raiva de ser exatamente tudo o que eu era.

Raiva de mim.

Saí do estabelecimento, e assim que pus os pés na rua, senti que estava sendo seguido. Comecei à correr, ignorandl carros e muitos outros perigos. Eu ouvia seja lá quem fosse correndo atrás de mim, e quando eu esbarrava nas pessoas, ele dizia que eu era um irmão doente mental. Com isso na cabeça, continuei correndo, sentindo meu sangue ferver e esfriar. Mas eu estava muito distraído, e até pensei estar livre dele ,mas senti meu pulso ser segurado.

-Aonde pensa que vai,doçura?-olhei de relance para trás e dei de cara com um dente de ouro doentio. 

Me soltei mais que apavorado, e corri para a rua, em pleno sinal verde.

Senti apenas o impacto, dor terrível e apaguei. 

Aos poucos, eu me dava conta do meu estado. Resumindo: Frio, dor, tristeza, pânico. 

Eu ouvia vozes, mas apenas um parecia familiar.

- Ele vai ficar bem?-eu ouvi, e só queria acordar para ter certeza.

- Não sabemos,pode haver sequelas. Ele bateu a cabeça, o que você é para ele?-a voz desconhecida disse.

- Ele é meu... Hum... Meu namorado!-disse a voz que suspeitei ser de Taehyung. 

"Alguém quer morrer. "Pensei antes de perder completamente minha consciência. 



Notas Finais


Por enquanto é curto, o próximo será maior.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...