História Meu doce limão 🍋 - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Citrus, Yahari Ore no Seishun Love Comedy wa Machigatteiru
Personagens Personagens Originais
Tags Amor Entre Garotas, Revelaçoes, Romance
Visualizações 64
Palavras 3.040
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Ecchi, Escolar, FemmeSlash, Festa, Ficção, Fluffy, Hentai, Orange, Romance e Novela, Shoujo-Ai, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha eu aqui de novo, estou muito cansada e com fome T.T
Mesmo assim aqui estou postando mais um capítulo para vocês, espero que gostem.

Capítulo 25 - Só quero conversar?


Fanfic / Fanfiction Meu doce limão 🍋 - Capítulo 25 - Só quero conversar?

Eram duas horas da madrugada, Yuzu ainda não tinha chegado e sua mãe estava inquieta e bastante preocupada, a loira sempre foi responsável e por isso sua mãe não se preocupava tanto, mais ela nunca foi de chegar tarde em casa, mesmo tendo idade para ficar fora até tarde ela sempre dava um jeito de avisar se fosse chegar tarde ou se dormisse na casa de alguém.

 A Aihara mais velha, andava de um lado para o outro, não conseguiria dormir até sua filha dar sinal de vida, de hora em hora ela olhava pela janela, para ver se sua filha chegará.

- Meu amor vem dormir. - o homem da casa entra pela porta da cozinha. - assim você vai passar a noite em claro. - Ele senta em uma cadeira.

- Não se preocupe, quando Yuzu chegar eu irei. - a mulher que estava mais uma vez olhando pela janela, sorriu nervosamente para seu marido.

- Tudo bem, mas se ela não chegar você me avisa. - ele se levantou e pegou um copo com água, bebeu e beijou sua esposa e voltou para o quarto.

 Já marcavam duas e meia, cada vez Mizuki (NT: decidir colocar um nome na mãe de Yuzu, já que até agora ninguém sabe como ela se chama no mangá ) que era como a mãe de yuzu chamava, se preocupava mais, logo ela ouviu barulho de carro se aproximando, olhou pela janela e viu que era eles.

 A senhora foi o mais rápido que pode para porta da frente para receber sua filha, quando ela abriu a porta a senhora viu que algo estava diferente do normal, nunca virá sua filha tão bêbada como aparentava estar, o jovem Haranda a ajudava a andar, já que parecia que não conseguiria sozinha.

- Isso são horas de chegar Yuzu? - Mizuki parecia brava.

- Desculpe senhora, ela bebeu demais. - Haranda entrou na casa com a Yuzu, que estava totalmente fora do normal e a pôs sentada no sofá.

- Mãe, eu acabei de fazer a maior locura da minha vida. - uma loira muito bêbada falava quase dormindo no sofá.

- E qual foi a burrada que você fez. - Mizuki cruza o braço e encara Yuzu.

- Eu… - a loira acabou dormindo e não completou o que tinha pra falar , assim deixando sua mãe bastante preocupada, com o possível erro que Yuzu possa ter cometido. 

- E ela dormiu! - Mizuki olhou para Haranda. - Desculpe por todo trabalho que ela causou! - completou.

- Não foi nada. - o jovem olhava para Yuzu que ressonava, em uma postura nada confortável. - Você quer ajuda para levá-la até o quarto? - ele perguntou.

- Se não for muito incômodo? - a mãe da loira tirou o sapato de Yuzu.

- Nem um! - o jovem colocou a colunista em seu colo e subiu as escadas com ela, para a sorte dele Yuzu não era tão pesada.

 Ao chegar no quarto da jovem, sua mãe abriu a porta para que Haranda-kun entrasse com Yuzu, já lá dentro, o rapaz colocou a loira com calma na cama, Mizuki pegou o cobertor e a cobriu, agora sim a jovem parecia estar mais confortável.

- Obrigada Haranda-kun! - a mãe da loira falava baixo, para que Yuzu não acorda-se. 

- De nada! - eles saíram do quarto e Mizuki fechou a porta atrás de si.

 Os dois desceram e Haranda se despediu da mãe de Yuzu, logo saindo da casa e entrando no carro, enquanto a mãe da loira finalmente poderia ir dormir e despreocupar seu marido.

 Logo o dia chegou e em uma grande casa, em um quarto maior do que algumas casa, uma morena que já estava de pé e terminando de se arrumar, se preparava para voltar a sua rotina mesmo não querendo. Em seu relógio de pulso, marcava exatos 07:00 horas da manhã, a morena saiu do quarto e foi para a cozinha, algumas empregadas que preparavam o café da manhã se assustaram com a presença da jovem, que quase não ia até a lá.

- Senhorita, a senhora deseja alguma  coisa? - uma delas perguntou.

- Não se preocupem, só vou pegar uma fruta e já estou indo! - e assim o fez, antes de sair, sorriu para a que lhe perguntou e a Maid ficou bastante vermelha, pois a morena sempre arrancará suspiros de seus serventes desde a adolescência, sendo homem ou mulher, já que Mei era uma jovem muito bonita, até os funcionários Mais velhos concordavam que a jovem tinha uma beleza fora dos padrões normais.

 Mei comeu um pedaço de sua fruta e foi para garagem, entrou em sua BMW e partiu dali. Chegando a empresa, estacionou o carro e antes de entrar no elevador comprimentou os funcionários que alí estavam, discou o numero do andar a qual sua sala ficava, e se preparou para levar uma bronca de sua secretária, por ter sumido sem avisar e não atender nem uma ligação.

 Em vez de acontecer o que Mei estava imaginando, a sua secretária lhe recebeu com um grande sorriso no rosto.

- Bom dia senhorita? - a mulher sorria e parecia esta bastante alegre, a morena não entendeu o motivo daquela alegria toda.

- Bom dia! -  a presidente estava um pouco desconfiada, e decidiu nem fazer contato visual, e se apressou para entrar em sua sala.

 A secretária não a acompanhou, e Mei ficou com medo dessa reação, a jovem parou em frente a porta pegou a maçaneta e engoliu em seco.

- Senhora você não vai entrar? - a moça que ainda estava com o mesmo sorriso perguntou.

- S-Sim - a morena parecia nervosa e estava com receio de abrir aquela porta e se perguntava oque ou quem poderia está em sua sala, mais uma vez ela engoliu em seco. 

Demorou mais alguns segundos e a presidente finalmente, criou coragem para abrir a porta, Mei foi bastante cautelosa e abriu a porta bem devagar, só que quando ela estava totalmente aberta, a morena teve uma grande surpresa, nunca em sua vida algo assim tinha acontecido com ela, sua sala estava completamente cheia de vários tipos de flores.

 A presidente colocou a mão na boca e se perguntava quem poderia ter feito isso, ela se aproximou de sua mesa e nela estava um grande buquê com lindas rosas vermelhas e entre as flores estava um cartão dourado, pegou o mesmo e o abriu, nele estava escrito “ te amei desde a primeira vez, ass: de um grande admirador”. Mei fechou o cartão e encarou cada flor que alí estavam, com certeza a pessoa que tinha mandado as flores, praticamente comprou a loja inteira.

- Nossa o que aconteceu aqui? - Haruki que acabará de chegar perguntava. - Mei isso tudo é para você?

- Sim! - a morena ainda atônita e surpresa o encarava. - não sei quem mandou!

- Deve ser um grande admirador, para fazer tudo isso. - Kayo andava com cautela para não esbarrar em nem um buquê.

 A morena se perguntava, porque de tudo aquilo, achou que poderia ser uma brincadeira, mas a única que poderia fazer isso no momento a odiava, bom pelo menos era assim que ela achava.

- Antes que eu me esqueça. - Haruki tirou algumas flores do sofá que ficava na sala de Mei e se sentou. - já sei o nome do fotógrafo que tirou aquelas fotos!

- Você oque? - Mei foi tirada de seus pensamentos, e encarou o jovem. - como você conseguiu?

- Eu tenho alguns contatos, dentro da empresa a qual foram entregues as fotos! - o rapaz parecia tão tranquilo e aquilo, meio que incomodou Mei. - se você quiser, posso dá-lo a você?

- É claro que eu quero! - Kayo tirou um cartão do bolso de dentro do seu palito, e entregou a morena. - Obrigado Kayo-kun!

- De nada! - Haruki parecia estar escondendo algo, e a presidente notou isso. - Eu fiz para mostrar a minha inocência também. - ele deu de ombros.

-  Mesmo assim obrigado. - Mei sorriu.

- Tudo bem! - ele sorriu de volta, se levantou e saiu da sala deixando uma morena bastante pensativa. 

A morena achou estranho aquelas flores serem entregues a ela, já que ela sempre deixou claro que não estava interessada em ninguém, na verdade só havia uma pessoa que ela se interessava e essa pessoa era Yuzu. Olhou ao seu redor e decidiu que pediria, para tirarem todas aquelas flores, na hora que fosse almoçar, agora tinha que revisar vários documentos que acumularam, já que ela nem deu as caras no trabalho no dia anterior.

 Já eram 10:00 horas da manhã e Yuzu sabia que não poderia ficar para sempre em sua cama, mesmo que não quisesse sair da mesma. Com muita dificuldade, sentou na cama, sentia fortes dores em sua cabeça e parecia que tudo estava girando, em seu estômago parecia que tinha tomado uma garrafa de ácido, colocou a mão no rosto e se perguntava que tipo de loucura tinha cometido noite passada, levantou e foi tomar um banho, para  tentar pará toda aquela ressaca.

 Na banheira, Yuzu tentava se lembrar de algo sobre a noite passada, fazia um grande esforço, mas nada vinha a sua mente, frustrou-se por se lembrar que era fraca quando se tratava de álcool. Mais um tempinho no banho e já era hora de sair, seu corpo parecia mais leve depois de um bom banho, mas seu estômago ainda estava completamente embrulhado, se vestiu e desceu e foi a cozinha, precisava de algo quente para beber naquele momento, depois de tomar alguns comprimidos sua dor de cabeça cessou um pouco.

 Quando chegou a cozinha em cima da mesa tinha um bilhete, Yuzu pegou e o leu, nele estava escrito “ saímos para resolver algumas coisas, tem um pouco de sopa, tome e se recupere da sua ressaca, voltamos mais tarde. Ass: sua mãe.” A loira agradeceu por estar sozinha e não ter seus país, para ficarem fazendo perguntas desnecessárias.

 Quando terminou a sua sopa, foi para o quarto e trocou de roupa, já que estava só com uma camisa grande, entrou no carro e foi até o shopping, suas maiores inspirações para escrever sobre um artigo de moda para adolescentes vinham de lá, pôs melhor lugar para encontrar eles era o shopping. Estacionou o carro e entrou no local, andava despreocupada pelo local, olhava algumas vitrines  e as vezes ficava tentada a comprar, uma ou duas peças de roupas que achava bonita, mas estava ali para trabalhar e não para comprar.

 Observava algumas adolescentes e ficava intrigada com os gostos peculiar de algumas, o que chamava a sua atenção era o gosto das cores nos cabelos, Yuzu pintava seu cabelo de loiro, motivos de ainda deixar naquela cor, é porque Mei gostava dele assim, sua cor natural eram castanhos, mas não tinha coragem de pintar de outra cor mesmo se ainda fosse uma simples adolescente. Decidiu que seu próximo artigo seria sobre as cores diferentes que os adolescentes usavam hoje em dia, para pintar seus cabelos.

 A loira andou mais um pouco pelo lugar e de repente, seus olhos começaram a seguir uma cor natural de cabelos em seu país, o preto que dominava ao seu redor, mas a diferença é que a dona daqueles cabelos pretos, fazia seu coração acelerar e seu corpo todo esquentar. Sem se dar conta começou a seguir a morena que ia um pouco mais a frente, queria poder correr até ela, queria poder abraça-la ali mesmo, queria poder beijá-la mais uma vez, mas não poderia estava com raiva de Mei, e o motivo, bom, nem ela sabia explicar direito, sabia que a presidente nunca faria aquilo, poderia confiar nela mais uma vez? Ou a morena sempre mentiu para ela? Sempre que faziam amor Mei falava que a amava e que não poderia viver sem ela, mas será que aquelas palavras eram verdadeiras?

 Yuzu parou e se perguntou, porque a estava seguindo, mas antes que possa dar meia volta e mudar de direção, sentiu seu braço ser puxado, por um instante ficou completamente congelada no lugar, até se dá conta que não tinha motivos para fugir e decidiu encarar a pessoa que estava a segurando, virou devagar e seus olhos verdes fitavam aqueles outros olhos de cor lilás que sempre a deixava nervosa.

- oque você quer? - sua expressão mudou de serena para séria.

- Eu só quero conversar! - a morena que ainda segurava o braço de Yuzu, a encarou.

- Não tenho nada para falar com você! - Yuzu se perguntava, o porque do motivo de está a tratando mal. - Agora você pode me soltar?

- Não! Até você decidir falar comigo. - a morena olhou para o braço que segurava.

- Não tenho nada a falar com você! - Yuzu tentou se soltar, só que Mei era mais forte. - Pode soltar? - ela olhou para o seu braço que estava preso.

- Por favor, vem comigo. - Mei se aproximou um pouco mais de Yuzu. - se você me ouvir pelo menos por um pouco, eu nunca mais te procuro. - Yuzu balançou a cabeça positivamente.

- Fale o que você quer? - a morena finalmente soltou o braço da loira.

- Aqui não, vamos a outro lugar mais reservado - a morena fez sinal pra quê Yuzu a acompanha-se e assim a mesma o fez.

 Yuzu seguiu Mei que foi para o elevador, as duas entraram e a morena apertou o botão que levava para o último andar do shopping, Yuzu se perguntava o porquê dela ter apertando o botão a onde ficava os escritórios do shopping, a loira não sabia mas aquele lugar pertencia ao grupo Aihara e como Mei era a presidente do grupo, poderia ir a qualquer lugar, apenas apresentado o seu cartão de visita.

 Quando as portas do elevador se abriu, estavam em um andar onde só havia um guarda, próximo ao elevador e Yuzu se perguntava se poderiam estar alí.

- Desculpa meninas, mais esse é local restrito! - o guarda que se aproximava delas falou. - vocês não podem passar daqui.

- Vamos Mei? - Yuzu já ia dar meia volta, quando a morena segurou seu braço.

- Tudo bem, só espere aqui rapidinho? - Mei foi até o guarda, tirou um cartão de sua bolsa e mostrou para ele, que quase teve um ataque, por está na frente de sua chefe. - A Reina está na sala dela?

- Não, Senhorita! - o guarda respondeu. - Ela deve ter saído para almoçar.

- Fale para  ela que peguei sua sala emprestada. - o guarda só balançou a cabeça. - vamos Yuzu. - a loira não entendeu nada, mas decidiu segui-la.

 Andaram até uma sala, onde foram atendidas por uma secretária, que logo abriu a porta para que as duas entrassem na sala, a secretária ainda ofereceu um café, que as duas recusaram, por ter um assunto Mais importante, do que ficarem tomando cafezinho.

  Mei pediu que Yuzu senta-se no sofá e assim a mesma o fez, e logo a morena se sentou ao lado da loira.

 Então, o que você quer falar comigo? - a loira foi a primeira a falar. - não tenho todo tempo do mundo.

- É sobre as fotos! - Mei começou. - aquelas fotos foram, uma armação!

- Hum! Porque tenho que acreditar em você? - mesmo não demonstrando a loira estava bastante nervosa, por está em uma sala sozinha com Mei.

- Saiba que eu não vou desistir de você. - a morena a encarou e a segurou pelos ombros. - Eu te amo, e mesmo que você não acredite, eu ainda assim não vou me cansar de repetir.

- Só isso que você tem a falar? - a loira ficou mais nervosa ainda, seu coração batia como louco. - se é só isso, eu tenho que ir.  - a loira se levantou e se preparou para deixar a sala.

- Espera? - a morena a puxou e Yuzu caiu sobre o colo de Mei.

- O que você pensa que está fazendo. - a loira tinha que sair dali agora, se não era capaz de seu coração explodir.

- Isso…- Sem dá tempo da colunista reagir, Mei a beijou.

 Sem ter força para afastar a morena, Yuzu deixou ser levada por ela, a loira sempre gostou do sabor da boca de Mei, para ela aquilo era muito viciante, mesmo com toda raiva que poderia sentir da presidente, com um simples beijo dela, suas forças iam embora e sua raiva se dissipavam, a morena sabia muito bem que Yuzu nunca  resistia  aos seus beijos, e assim comprovando mais uma vez que a loira ainda a amava e mesmo que ela a ama-se minimamente, Mei lutaria por aquele mínimo de amor.

 A morena aprofundou o beijo, colocando sua língua dentro da boca de Yuzu, a loira mesmo que quisesse resistir, não tinha mais forças, para tentar escapar e só teve uma alternativa, deixar que a morena continuasse com o beijo, as duas estavam em sincronia, suas línguas dançavam em um ritmo perfeito, elas já conheciam cada canto da boca uma da outra, mesmo assim cada beijo era especial. O corpo de Yuzu pedia por muito mais e não só um beijo, queria que Mei, toca-se cada parte de seu corpo, e a morena parecia querer o mesmo, já fazia tempo que não faziam amor e o desejo que se estendia por aquela sala era muito grande, mesmo com o ar-condicionado ligado a sala parecia que estava ficando cada vez mais quente, quando o oxigênio acabou a presidente não queria que o contato entre elas acabasse e com calma deitou Yuzu no sofá, logo ficando por cima dela, tinha medo de falar algo que pode-se por um fim aquele momento, então só se dirigiu ao pescoço da loira e mordeu de leve o local, Yuzu soltou um gemido abafado, Mei enlouqueceu, queria ouvir mais a voz da loira, voltou para a boca da mesma e iniciou outro beijo, só que esse parecia estar completamente cheio de desejos.

 Yuzu se perguntava se elas iriam fazer aquilo ali mesmo, e se fosse para ela não importava mais, só queria ser tocada pela única pessoa que balançava seu coração...

- Mei, me falaram que você estava aqu…- uma ruiva que entrava pela porta, se assustou com a cena que viu. - desculpe o incômodo, podem continuar.   


Cont...


Notas Finais


Que capítulo em gente?
Vocês tão sentindo um calor? Eu estou!
E essa estraga prazer no final, matem essa mulher, da onde ela saiu.(NT: autora revoltada com um personagem que ela mesma criou)

Uou já são 01:00, esse vai ser o capítulo mais tarde que eu já lancei.

Bom espero que tenham gostado do capítulo.

Comentem, me falem o que acharam do capítulo.

Bjs até o próximo.

PS: vou responder aos comentários.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...