História Meu Irmão e Colega - Capítulo 37


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Originais, Romance, Yaoi
Exibições 55
Palavras 959
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Famí­lia, Romance e Novela, Slash, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Incesto
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Desculpe pela demora. Juro que não foi intencional. Boa leitura.

Capítulo 37 - Ajuda part. 1


 -Quem era aquele garoto que estava falando com você? – Lara perguntou assim que John entrou no carro.

 -Conheci ele hoje na quadra. Foi ele que fez isso. – apontou para o leve inchaço em seu nariz, que começava a ficar mais dolorido a cada minuto.

 -Não de propósito, espero.

 -Segundo ele, foi por acidente. – olhou a paisagem passando pela janela.

 -Além dele, você e a... Cassandra conheceram novas pessoas? – a hesitação antes de falar o nome de sua amiga não passou despercebida por John, mas ele decidiu ignorar por hora.

 -Eu não tive muita chance, mas espero que ela faça novas amizades antes do fim da aula. E você? O que estava fazendo antes de receber a ligação do diretor?

 -Passeando pela cidade. Tem umas lojas bem interessantes por aqui. E no meio do passeio notei uma coisa bem intrigante. – imitou um tom de voz misterioso.

 -Que seria?

 -Até agora não vi um cemitério.

 -E isso significaria que os canadenses não morrem? – riu.

 -Exatamente. – concordou – Deve ter uma fonte da juventude aqui em algum lugar.

 -Eu não sou mais criança Lara, mas essa foi uma boa piada.

 -Eu sei, mas a história do cemitério é verdade. Ainda não vi um. – sorriu.

 -Pergunte pra um dos canadenses ué. Um deles deve dizer onde você pode encontrar um cemitério.

 -Então eles pensariam que quero enterrar alguém.

 -Não, obrigado. Se eu morrer, quero ser cremado e que minhas cinzas sejam jogadas no mar.

 -Você não deveria estar pensando nisso agora. – Lara ficou séria de repente.

 -Culpe a leucemia.

 -Falando nisso, o seu pai me ligou. Ele disse que já falou com um médico daqui e que a sua primeira consulta é hoje à tarde.

 -Pra que uma consulta? Já sabem que estou doente.

 -Ele vai receitar remédios básicos pra conter o avanço da doença e vai marcar as sessões de quimioterapia.

 -Posso pedir uma coisa antes da quimioterapia?

 -Diga.

 -Tire uma foto minha.

 -Por quê? – franziu a testa, estranhando o pedido do garoto.

 -Quero uma recordação de como meu cabelo é. – passou a mão pelas mechas bagunçadas.

 -Okay. – suspirou.

 [...]

 John saiu do banheiro com uma toalha ao redor da cintura. Seguiu até sua cômoda para pegar uma cueca limpa e se deparou com o colar que ganhou de aniversário bem ao lado da foto que Lara lhe deu dois dias atrás.

 O garoto pegou o pingente e observou-o. Ele lembrou-se que algumas vezes durante a madrugada, enquanto Cassandra e Lara dormiam, pegara o colar e quase o colocara no pescoço, mas nunca realmente deixando ele lá por mais do que dois minutos. John não conseguia olhar a imagem do pingente em seu pescoço sem se lembrar de Cris, dos momentos em que ficavam deitados lado a lado de mãos dadas sem falar nada, apenas aproveitando a companhia um do outro. Acabava sempre com lágrimas de saudade nos olhos.

 Por que estou lutando contra essas lembranças? Quero dizer... Elas são boas, não são? Por que estou tentando esquecer? Não. Eu quero me lembrar de tudo com detalhes. Quero me lembrar do cheiro dele, do jeito com ele ria, de quando me chamava de canguru. Quero lembrar de tudo isso.

 Respirou profundamente e colocou o colar no pescoço. Dessa vez não o tiraria dali, mesmo que isso significasse passar o resto da manhã, a tarde e a noite inteira chorando.

 Vestiu-se e foi para a sala, tomando o cuidado de deixar o colar escondido sob a camiseta para que Cassandra não implicasse com ele e Lara não perguntasse o que era.

 -Finalmente. Pensei que tivesse se afogado. – Cassandra fez bico.

 -Vocês não vão se livrar de mim assim tão cedo. – riu.

 -Isso nem me passou pela cabeça. – Lara levantou da poltrona – Então, prontos?

 -Sim. – os dois adolescentes responderam em uníssono.

 Eles entraram no carro e seguiram para o consultório médico. Sentaram na sala de espera e esperaram uns dez minutos quando o médico apareceu.

 -Vou fazer alguns exames com ele sozinho, então se quiserem podem esperar aqui ou comer alguma coisa na lanchonete ao lado. – falou depois cumprimentá-los.

 -Certo. – Lara engoliu em seco. Ela tentava não demonstrar, mas estava apavorada em ficar sozinha com Cassandra de novo.

 -Não deve demorar. – e com isso guiou John para um corredor.

 -Eu vou ao banheiro, nem ouse sair sem mim. – a garota sorriu inocentemente para Lara.

 Assim que ela saiu da sala, Lara pegou seu celular e discou rapidamente um número muito conhecido. A pessoa do outro lado da linha atendeu no segundo toque.

 -Preciso de ajuda. – disse.

 Lara resumiu a situação e finalizou a ligação justamente quando Cassandra estava voltando.

 -E então, minha cara e doce Lara, o que faremos agora? – cruzou os braços.

 -Sentamos e esperamos. – respondeu com convicção.

 Cassandra deu de ombros e sentou a duas cadeiras de distância da mulher.

 Não se passou muito tempo, meia hora no máximo, e o médico voltou a aparecer na sala acompanhado de John.

 -Eu disse que não demoraria. – ele sorriu para as duas – Você só precisa pegar essas receitas e levar até uma farmácia. Aqui tem todas as instruções, é só seguir ao pé da letra. A secretária vai ligar para dizer o dia da primeira sessão de quimioterapia.

 -Obrigada. – ela pegou as receitas da mão do médico.

 -Se não tivessem me mostrado os exames, eu juraria que ele está perfeitamente saudável. – bagunçou o cabelo de John.

 -É a vida. – John suspirou – Vamos? Estou com fome.

 -Vamos. – Cassandra levantou e segurou no braço dele.

 -Namorados? – o médico arqueou a sobrancelha.

 -Amigos. – Lara corrigiu.

 -Fique de olho. Essa juventude é cheia de segredinhos. – piscou para ela e voltou para sua sala.

 Lara ficou confusa por um momento, porém decidiu ignorar. Estava mais preocupada sobre seu pedido. Esperava sinceramente que a ajuda que pedira chegasse o mais rápido


Notas Finais


Penso seriamente em marcar um dia fixo pra postar. É meio complicado pra vocês que eu fique postando capítulos irregularmente com esses intervalos grandes demais. Sério, juro que não sabia que fazia tanto tempo que não posto. Desculpem mesmo. Mas, o que acharam? Pra quem será que a Lara pediu ajuda?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...