História Meu Melhor Amigo - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Feia Mais Bela
Personagens Fernando Mendiola, Letícia "Lety" Padilha Solís
Tags A Feia Mais Bela, Ferlety, Fernando Y Lety, La Fea Mas Bella, Lfmb, Romance
Exibições 209
Palavras 8.193
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Música do capítulo: De Rodillas - Reik

Capítulo 12 - Epílogo - Meu Melhor Amigo


Fanfic / Fanfiction Meu Melhor Amigo - Capítulo 12 - Epílogo - Meu Melhor Amigo

LETY

 

 

               O aeroporto estava cheio naquele dia. Tive uma certa dificuldade para encontrar minha mala e chegar até o centro do local. As pessoas passavam por mim, mas eu estava concentrada no celular. De repente percebi que alguém parou ao meu lado, e quando o olhei, ele também estava olhando para mim.

- Fernando! Que surpresa! – Sorri olhando-o.

- Ei! Que coincidência te encontrar aqui! – Ele também sorriu. – Uau! Você está... Ótima!

- Obrigada! – Agradeci olhando-o de cima a baixo. – Você também está ótimo! – Voltei minha atenção para suas tatuagens que estavam um pouco à mostra graças a camisa de manga curta que ele usava. – Belas tatuagens!

- Obrigado. – Ele as olhou. – A sua também. – Ele apontou para minha nova tatuagem no outro ombro. Um escrito.

- Obrigada. – Sorri divertida. – E então... Quanto tempo! O que anda fazendo? Soube que abriu um escritório de advocacia e está indo muito bem. Já saiu até em algumas revistas.

- Pois é. – Ele colocou as mãos no bolso. – Está tudo dando certo. Mas eu não teria conseguido sem a minha noiva ao meu lado.

- Noiva? – Ergui as sobrancelhas. – Então você está noivo?

- Sim! – Ele sorriu orgulhoso.

- E dessa vez vai se casar de verdade ou vai desistir de ultima hora? – Brinquei.

- Não... Dessa vez vou realmente me casar.

- Isso é ótimo! E também é uma grande coincidência... Eu também estou noiva. – Ergui minha mão direita mostrando o meu anel.

- É mesmo? Que cara de sorte!

- Muita! Na verdade, estou voltando de uma viagem onde ele fez o pedido.

- É mesmo? – Ele deu um passo em minha direção. – Que coincidência... Também estou voltando de viagem e pedi a minha noiva em casamento lá.

- Ah é? E foi... De frente para a praia?

- Sim!

- No por do sol?

- Exatamente. – Ele sorriu aproximando-se ainda mais.

- Deve ter sido um pedido maravilhoso! Igual ao meu.

- E onde é que está esse cara de sorte que vai ter a honra de ser o seu esposo?

               Sorri divertida e entrelacei meu braço em volta do seu pescoço.

- Estou olhando para ele.

- Hum... É verdade. Eu sou o cara de sorte. – Ele riu segurando em minha cintura.

- É sim. – Me aproximei do seu rosto. – E em breve vai ser o meu marido também.

- E eu não vejo a hora disso acontecer. – Disse sorrindo, me puxando para um beijo.

- Ei! – Márcia parou em nossa frente. – Vão ficar com essa melação toda ou vamos embora para começar a resolver as coisas para o casamento?

- Temos que começar com a decoração! – Carolina parou ao lado dela.

- O que? Claro que não! – Disse Antonio quando se aproximou. – Primeiro, o vestido.

- Eu só quero saber como vai ser a festa. – Disse Omar.

               Os quatro começaram uma discussão sobre o casamento e Fernando e eu nos olhamos, respirando profundamente.

- Da próxima vez que for pedir alguém em casamento, lembre-se de guardar segredo sobre isso. – Falei olhando-o.

- Não vai ter uma próxima vez. – Ele riu.

- Que bom! Além do mais... Ainda não te perdoei pela brincadeira.

- Mas não foi minha culpa! – Ele gargalhou.

- Foi sua culpa porque você os convidou para ir também.

- Eu precisava de ajuda com os preparativos do pedido.

- Poderia ter pagado alguém para fazer isso.

- Você vai mesmo ficar brava com isso? – Ele perguntou divertido.

- Não. – Sorri voltando a me aproximar. – Foi um pedido maravilhoso.

 

 

 

 

 

                                            ---------------------------------------

 

 

 

               Letícia estava encantada com aquela vista. Já estavam ali há alguns minutos, mas durante todo esse tempo ela só conseguia olhar para o mar e pensar o quanto ele a tranqüilizava. Enquanto admirava a vista, ela pensava em tudo o que aconteceu até ali. Depois de toda a confusão entre Fernando e a história do casamento, eles finalmente conseguiram se resolver. Muitos acharam que eles não dariam certo e que não conseguiriam ter um relacionamento depois de tantos anos de amizade. Mas, depois de dois anos, a relação dos dois ficava cada dia melhor. Eles descobriram que para ter um relacionamento não precisavam deixar de ser melhores amigos, e essa era a melhor parte. Além de terem o companheirismo um do outro, ainda tinham o amor que um sentia pelo outro, e tudo ficava ainda melhor.

- O que está achando? – Fernando perguntou olhando para ela.

- É lindo. – Ela suspirou escorando-se à mesa. – Você fez uma ótima escolha de viagem. – Ela riu.

- Viu só? E você disse que era a melhor em escolher viagens.

- Mas minhas escolhas também foram muito boas.

- Foram. – Ele riu.

- Eu estou feliz de estar aqui. – Ela o olhou segurando sua mão sobre a mesa. – E estou ainda mais feliz pelas coisas que estão acontecendo.

- Eu também. – Ele beijou sua mão. – As coisas se encaixaram desde que ficamos juntos.

- Acho que era isso que faltava. – Ela riu.

- Também acho.

- E eu estou tão orgulhosa de tudo o que você está conquistando...

- Estamos conquistando. – Ele sorriu. – Eu não teria feito nada disso sem você.

- Terei que concordar. – Brincou.

- Mas fico feliz que esteja gostando da viagem... – Ele se mexeu um pouco nervoso à cadeira. – Porque não foi por acaso que eu a planejei.

- Como assim? – Letícia o olhou confusa.

               Estavam na parte de fora de um restaurante que ficava no alto, de frente à praia. O sol estava se pondo deixando a vista ainda mais bonita. Até então Letícia pensava que fosse apenas uma primeira noite romântica que os dois teriam no litoral, afinal, Fernando era uma romântico nato e estava sempre fazendo algo surpreendente para agradá-la.

- Eu planejei essa viagem porque precisava fazer uma coisa.

- Você está me deixando nervosa.

- Na verdade, eu estou nervoso. – Ele sorriu sem jeito. – Bom... Já disse à você várias vezes o quanto sou feliz ao seu lado...

- Sim...

- E você também já deixou claro que pensa o mesmo sobre mim.

- É claro.

- E foi por isso que planejei essa viagem. Fizemos dois anos de namoro há pouco tempo e... Parece que a cada dia que passa eu me apaixono mais por você.

               Letícia sorriu admirada e Fernando olhou para a praia, sorrindo animado.

- Dá uma olhada ali. – Ele apontou para a praia.

               Sem entender, Letícia virou-se para a praia, mas diferente de alguns minutos atrás, havia alguma coisa ali. Ela apertou os olhos para conseguir enxergar uma estranha luz próxima ao mar, e só então percebeu que eram velas acesas, que juntas formavam uma frase. Ao ler a frase formada por velas, Letícia levou as mãos à boca perplexa.

- E então... – Fernando sorriu levantando-se.

- Não acredito... – Ela o olhou ainda perplexa. – Isso... Isso é sério?

- Mais do que sério. – Ele se aproximou de onde ela estava sentada e segurou sua mão, induzindo-a à se levantar. – Bom... A pergunta está ali... – Ele tirou uma caixinha do bolso da calça e ajoelhou diante de Letícia, abrindo a caixinha em sua frente.

               A frase formada pelas velas à beira do mar era “Você quer se casar comigo?”. Letícia jamais esperaria um pedido como aquele, mesmo que todas as coisas estivessem se encaixando. A viagem planejada de ultima hora, o convite para o jantar na primeira noite, o pôr do sol... Tudo foi planejado por Fernando, e da maneira mais romântica possível.

- Você diz sim ou não? – Ele a olhou divertido.

               Ela ainda estava em choque com a surpresa, mas também estava extremamente feliz. Qualquer um que a conhecesse saberia que ela era apaixonada por Fernando, e que assim como ele, o que ela mais queria era passar o resto de sua vida ao lado dele.

- É claro que sim! – Ela disse emocionada.

               Fernando abriu um largo sorriso e tirou o anel da caixinha, colocando-o no lugar que ele deveria estar, no dedo da mão direita de sua amada. Após colocar o anel, Fernando se levantou emocionado e a puxou para um beijo, que ela retribuiu com gosto. Ambos estavam emocionados com o momento, e não precisavam de muitas palavras para expressar o que estavam sentindo e o que sentiam um pelo outro.

- Eu te amo. – Fernando sussurrou meio ao beijo.

- Eu também te amo. – Ela sorriu. – Muito.

 

 

                                            -----------------------------

 

 

               Depois que Letícia aceitou o pedido romântico de Fernando, eles andaram até a praia onde estavam as velas que formaram a frase do pedido. A noite já estava chegando e junto com ela, a brisa que movimentava o mar à sua frente.

- Eu nem sei o que dizer... – Lety comentou olhando para o anel em seu dedo. – Parece até que estou sonhando.

- Mas é a realidade. – Fernando sorriu abraçando-a por trás, enquanto os dois olhavam para o mar. – Na verdade se eu pudesse eu teria feito esse pedido há muito tempo, mas você me acharia um louco.

- Talvez não. – Ela riu.

- Você se lembra de quando fingiu que Antonio era o seu namorado?

- Precisa lembrar disso agora? – Ela perguntou divertida.

- Ele disse uma coisa naquele dia que hoje eu preciso concordar.

- O que ele disse?

- Que você é a mulher mais maravilhosa que ele já conheceu, e que se pudesse, teria se casado com você assim que te conheceu.

- Ele é louco! Não sei de onde tirou isso. – Ela riu.

- Bom... Ele pode ter inventado isso, mas eu penso exatamente como ele.

               Letícia virou-se de frente para ele e o olhou apaixonada.

- Se eu pudesse, teria me casado com você assim que descobri que o meu sentimento por você era mais forte do que uma simples amizade.

- Isso evitaria muita coisa. – Ela riu.

- Sim. – Fernando passou seus braços em volta da cintura dela. – Mas pelo menos estamos aqui hoje, juntos, e em breve ninguém vai tirar você de mim.

- Ninguém. – Ela se aproximou, fechando os olhos.

               Quando tocaram os lábios um do outro, logo os dois foram interrompidos com aplausos. Letícia olhou curiosa para o grupo que os aplaudia, e logo se surpreendeu reconhecendo-os.

- Eu não acredito! – Ela exclamou abismada. – O que é que estão fazendo aqui?

- Viemos ajudar, é claro! – Márcia se aproximou puxando-a para um abraço.

- O que? Você sabia disso? – Ela olhou para Fernando.

- Sim, sou culpado. – Ele sorriu.

- Quem você acha que acendeu as velas enquanto você estava no restaurante? – Carolina perguntou.

- Alias, que dificuldade fazer você parar de olhar para cá, não é? – Márcia cruzou os braços.

- Não me culpem! O lugar é lindo!

- Então... Dessa vez sai, não é? – Omar brincou e todos riram.

- Sim. Agora sim. – Fernando abraçou à Lety.

- E você? – Letícia perguntou à Antonio. – Por que está com essa cara?

               Diferente de todos, Antonio não parecia nada feliz.

- Lety, eu sinto muito estragar a sua felicidade, mas tem algo que você precisa saber. – Ele disse com seriedade e todos o olharam.

- O que? – Letícia perguntou tensa.

- Olha... Eu... Não queria ter que te dar essa notícia, mas... – Ele olhou para Fernando. – Fernando tem uma noiva.

- O que? – Todos perguntaram ao mesmo tempo.

- Do que é que está falando, Antonio? – Letícia perguntou tensa, soltando-se do abraço de Fernando.

- Ele tem uma noiva! Eu precisava te dizer isso! – Ele parecia apreensivo. – Ele vai se casar!

               Letícia olhou incrédula para Fernando e ele não soube o que dizer.

- Explique-se, Fernando Mendiola!

- Lety, eu...

- Não! Eu não quero ouvir! – Ela o interrompeu. – Eu não acredito que...

- Lety... – Antonio se aproximou.

- Você teve coragem de fazer isso comigo! – Continuou irritada.

- Lety...

- Eu sou uma burra! Uma idiota! Uma...

- LETY! – Antonio segurou em seus ombros e sorriu. – A noiva é você, sua boba!

               Letícia relaxou os ombros e todos riram, inclusive Antonio.

- Eu não acredito... – Ela o olhou com as mãos na cintura.

- Me desculpe, mas eu precisava fazer isso. – Ele a abraçou. – Você precisava ver a sua cara.

- Achei que ia matar o Fernando. – Márcia riu.

- Eu também. – Fernando voltou a abraçá-la enquanto ria. – Por pouco Antonio não conseguia se explicar.

- Eu realmente te mataria dessa vez. – Ela o olhou divertida. – Eu não tenho mais emocional para ir à um casamento seu.

- Exceto o nosso. – Ele sorriu apaixonado, aproximando-se dela.

- Claro. Exceto o nosso. – Ela sorriu abraçando-o.

- Ah... Que momento lindo! – Carolina sorriu.

- Podemos ter um momento assim também, Carol. – Omar a olhou galanteador.

- Ai meu Deus! Vai começar a saga toda de novo! – Márcia bufou e todos riram.

 

 

                                                           --------------------

 

6 meses depois...

 

 

- Você não deveria estar aqui hoje, sabia? – Olhei para Fernando enquanto ele preparava o jantar na minha cozinha.

- Se quiser, eu posso ir embora. – Me olhou divertido.

- Não, mas amanhã bem cedo eu preciso ter o meu dia de noiva. Um dia de princesa.

- Pensei que todos os dias você tivesse um dia de princesa.

- Então vou reformular... Terei o meu dia de rainha.

- Tem certeza que não posso ir escondido?

- Não. – Respondi rindo e me aproximei, abraçando-o pela cintura enquanto ele mexia nas panelas. – Vamos ter o resto das nossas vidas para ficarmos juntos. Embora tudo o que a gente tem feito nesses últimos meses foi passar um tempo juntos. Inclusive não sei por que você não aceitou morar aqui ao invés de alugar aquele cubículo. Você vai se mudar para cá de qualquer maneira.

- Porque algumas vezes eu preciso te deixar para aumentar a saudade.

- Você não conseguiu fazer isso muito bem.

               Ele riu virando-se para mim.

- Mas não estou reclamando. – Falei rapidamente. – Eu adoro quando você passa as noites aqui.

- Ainda bem, porque a culpa não é minha se você é irresistível.

- Ah... Começamos a noite com o aumento do ego. Pode continuar, eu não ligo.

               Ele gargalhou.

- Mas sabe qual é a melhor parte da noite?

- Eu posso imaginar... – Sorri maliciosa.

- Eu adoro ficar admirando a sua tatuagem.

- Não acredito, Fernando! – Fingi estar aborrecida. – Tantas coisas para você falar, e você fala dessa tatuagem. Eu acho que não deveria ter te mostrado.

- Eu teria visto de qualquer maneira. – Ele riu.

- É... Tem razão. Mas se eu soubesse que você gostaria tanto...

- Teria feito outra?

- Não. Teria feito ela em um local mais visível.

- Mas essa é a parte boa. – Ele me abraçou pela cintura. – Só conseguir vê-la em certos momentos.

               Mordi o lábio inferior e fiquei na ponta dos pés para conseguir beijá-lo.

- Será que não podemos adiar esse jantar por alguns minutos? – Perguntei encarando seus lábios.

- Eu adoraria. Mas... Estou me guardando para o casamento.

- Guardando? – O olhei divertida. – Guardando o que?

- Não me ofenda, futura Senhora Mendiola.

- Isso é um absurdo! Não acredito que vai dormir aqui no meu apartamento, na véspera do nosso casamento e não vou poder fazer nada com você.

- Você pode fazer muitas coisas comigo... Como por exemplo...

- Como por exemplo... Te beijar... – Voltei a me aproximar, beijando seus lábios delicadamente. – E... Colocar os meus dedos entre os seus cabelos, que eu sei que você gosta... – Carinhosamente afaguei meus dedos entre os cabelos dele, fazendo-o fechar os olhos. – E... Talvez desabotoar sua camisa lentamente... – Toquei nos botões de sua camisa e ele me olhou divertido. – Ah! Deixa pra lá! Você não quer, não é?

               Me preparei para sair de perto e ele me puxou pela cintura, me fazendo gargalhar. Sem perder tempo, ele me puxou para um beijo, mas não um beijo comum. Um beijo caloroso e intenso, que me fez sentir as melhores sensações de uma só vez. Sem quebrar o beijo, Fernando desligou o fogão e me carregou em seu colo, saindo da cozinha. Seguindo diretamente par ao quarto, Fernando me deitou à cama e mais uma vez demonstramos o quanto nos amávamos sem precisarmos dizer uma só palavra. Depois de gastarmos todas as nossas energias, caímos cansados à cama e encaramos o teto por alguns minutos, recuperando o fôlego.

- Será que isso é pecado? – Perguntei ainda encarando o teto.

- O que?

- Fazermos isso antes do casamento.

               Ele riu e virou-se para mim.

- Se for, já estamos condenados há muito tempo.

               Me virei para ele.

- Posso dizer uma coisa?

- Claro.

- Eu nunca imaginei que você era tão bom nisso.

- Como assim? – Perguntou divertido.

- Quando éramos apenas amigos... Eu nunca imaginei que você era tão bom.

- Não costumávamos falar sobre isso.

- Ainda bem. Hoje eu fico muito satisfeita por não saber com quantas mulheres você já dormiu.

               Ele me puxou para mais perto enquanto ria.

- E tenho certeza que você também não ia querer...

- Na verdade, eu ainda não quero saber. Podemos mudar de assunto? – Disse rapidamente.

- De qualquer maneira isso não importa mais. A partir de amanhã você vai ser oficialmente meu. – Toquei em seu rosto com ternura. – E esse passado não vai mais precisar ser lembrado.

- Concordo totalmente. – Ele me aninhou em seus braços. – Eu te amo muito, Lety. E não vejo a hora de dizer “sim” para você amanhã.

- Acho bom que diga “sim” mesmo. Dessa vez não tem reembolso da decoração.

               Ele gargalhou.

- Não vamos precisar.

- Acha que Marianne virá?

- Eu não sei... Ela pareceu animada quando a convidamos.

- Eu gostaria de saber como estão as coisas com ela.

- Eu também. Mas agora... – Ele se inclinou sobre mim. – Que tal um segundo round?

- E o que acha de guardarmos a energia para a lua de mel? E por falar disso... Ainda não sei onde será.

- É uma surpresa, eu disse. – Ele sorriu. – Mas tudo bem. Aceito guardarmos a energia porque vamos mesmo precisar.

- Ótimo. Mas isso não significa que você não precise ficar abraçadinho comigo, ta?

- Com todo o prazer. – Ele me puxou para mais perto.

 

 

 

 

                                                           -------------------------------

 

FERNANDO

 

               Eu estava nervoso. Como nunca fiquei em toda a minha vida. Era a segunda vez que eu me arrumava para o meu casamento, mas dessa vez era totalmente diferente. Eu estava empolgado, estava ansioso, e ainda mais nervoso. Dessa vez o nervosismo não estava relacionado com uma decisão errada, mas sim ao contrário. Eu tinha certeza de que queria passar o resto da minha vida ao lado de Letícia. Mas o medo de algo dar errado me incomodava, e mesmo que eu tentasse pensar positivo, eu não conseguia me controlar. Estava andando no altar de um lado para o outro, e Omar, Antonio e papai achavam graça disso.

- Daqui a pouco você faz um buraco no chão. – Meu pai comentou divertido.

- Ela já não deveria ter chegado? – Perguntei apreensivo.

- Ela vai chegar. – Antonio tocou em meu ombro.

 – Fique calmo. – Disse Omar.

               Não era tão simples assim, mas tentei respirar fundo algumas vezes. Olhei para os convidados e pude reconhecer todos eles. Nossos amigos, meus pais, e para a minha surpresa, Marianne. Ela acenou para mim e eu retribuí o aceno, feliz por ela ter aceitado o convite. Assim que eu consegui me acalmar um pouco, ouvi alguém dizer que Letícia já tinha chegado. O padre se posicionou em seu lugar e eu ajeitei o meu terno, olhando para a entrada da igreja. Assim que a musica começou a tocar, senti minhas mãos suarem e meu coração acelerar.

 

“Hey, mira. Hoy el cielo entero bajé para ti. Mi vida, hay algo importante que intento decir”

 

 

 Logo eu a avistei terminando de subir as escadas da entrada, e ela estava simplesmente perfeita. Ainda mais do que costumava ser. Ao vê-la com o seu vestido branco, da maneira que ela descreveu para mim depois de muita insistência, por pouco eu não consegui controlar a emoção. Sozinha ela caminhou na minha direção, e me olhou, sorrindo da maneira mais doce possível. Eu não conseguia tirar os olhos dela, mesmo quando eles se embaçaram e eu não me importei em disfarçar.

 

“Deja que me ponga de rodillas para ti. Dime qué respondes, aún siempre juntos.”

 

Desci do altar para me encontrar com ela, e assim que ela se aproximou, segurei sua mão e dei um longo suspiro de satisfação. Me aproximei lhe dando um carinhoso beijo no rosto e ela sorriu com os olhos marejados.

- Você está linda. – Susurrei olhando-a.

- Você também.

- Está pronta?

- Mais do que pronta.

 

“Dame esta noche tu mano, no quiero pasar un día sin ti. Quiero que sea en tus brazos donde vea llegar mis días al fin ¿Quisieras casarte conmigo?”

 

               Letícia entrelaçou o seu braço ao meu e eu me virei. Caminhamos juntos até o altar e paramos diante do padre. Eu não conseguia parar de olhá-la, ao mesmo tempo em que me recordava da primeira vez que a conheci. Eu jamais imaginei que um dia estaríamos lado a lado diante de um altar. Mas o destino teve um plano para nós dois, e mesmo quando tudo pareceu dar errado, nós conseguimos vencer todas as barreiras.

 

 

“Hey, mira. Somos uno sólo y no sé ni vivir. Mi vida, ¿Qué opinas si a partir de hoy soy tu almohada y dormir?”

 

 

                                            ----------------------------------------

 

 

- Posso me sentar aqui? – Letícia perguntou ao rapaz.

- Sim, é claro. – Ele respondeu sorrindo.

- Obrigada. – Assim que sentou-se, ela olhou divertida para ele, o que o deixou um pouco envergonhado. – Adorei o seu cabelo.

- Sério? Bom... Obrigado. – Ele sorriu sem jeito.

- Meu nome é Letícia, mas prefiro que me chamem de Lety.

- Fernando. – Respondeu ainda sorrindo.

- Você parece estar por dentro da aula. – Ela disse divertida. – Não temos nem uma semana de aula ainda e esse professor já passou atividades. Não consegui fazer nenhuma delas.

- Bom... Se quiser eu... Posso te ajudar.

               Letícia abriu um largo sorriso.

- Eu adoraria.

 

---------------------------

 

 

- A resposta é letra A. – Fernando explicou tranquilamente. – Nós já revisamos essa matéria mil vezes, Lety. Você foi mal na outra prova, precisa se esforçar mais nessa.

- Eu sei. – Ela suspirou desanimada. – Mas eu não sou inteligente como você.

- É claro que é. Só precisa prestar um pouco mais de atenção.

- Acho que posso confiar em você para contar uma coisa, não posso?

- Claro. – Ele se ajeitou à cadeira. – O que foi?

- Sinceramente, estou pensando em desistir da faculdade.

- Mas já estamos no final do semestre. Você está indo bem, só... Precisa melhorar um pouco mais nessa matéria.

- Eu estou indo bem porque você me ajuda todos os dias. Se não fosse por voce, eu já teria afundado na maioria das matérias.

- Não é bem assim...

- Eu sou péssima! Não posso me formar apenas com a sua ajuda. E depois? Como vou fazer?

- Me escuta, Lety... – Ele se inclinou sobre a mesa olhando-a com seriedade. – Você é ótima, e você é esforçada. Você só precisa ter mais fé em você mesma. Se você desistir agora, vai fazer o que?

- Não sei. Vender coisas na praia, provavelmente.

- Não. – Ele riu. – Você vai ser uma ótima advogada, com a minha ajuda ou sem.

               Ela sorriu.

- Você sempre sabe o que me dizer. – Ela segurou sua mão. – Você é um ótimo amigo. O melhor de todos.

               Fernando sorriu apertando sua mão à dela.

 

 

-----------------------------------

 

 

               Letícia estava dançando acompanhada de Márcia e Carolina. Fernando e Omar permaneceram no bar, apenas olhando para elas. Omar estava interessado em falar como Carolina era bonita ao mesmo tempo em que lamentava não querer nada sério, quando na verdade ela queria o contrário. Embora Fernando fingisse prestar atenção, ele estava interessado em outra coisa. Letícia parecia diferente. Mesmo que estivesse do mesmo jeito de todos os fins de semana. Vestido preto, cabelo solto, salto alto e um batom vermelho enfeitando os lábios. Fernando já deveria estar acostumá-la em vê-la daquela maneira, mas o problema não era com a maneira que ela estava, e sim com que olhos ele a admirava. Algo estava diferente, e mesmo que Fernando ainda não soubesse explicar porque, ele sentia isso.

- Fernando! Você está me ouvindo? – Omar o olhou. – Você não ouviu nada, não é?

- Eu ouvi. – Mentiu.

               As meninas caminharam na direção em que os dois estavam e Fernando escorou-se ao balcão, tentando não demonstrar que estava olhando para ela o tempo inteiro.

- Vocês não vão dançar? – Letícia perguntou com a respiração ofegante. – Eu preciso de uma bebida.

               Fernando lhe entregou um copo.

- Uau! Que eficiente!

- Já sabia que você ia querer. – Ele sorriu.

- Viu só? É por isso que ele é o meu melhor amigo. – Letícia o abraçou e olhou para as meninas. – O dia que alguma de vocês tiver um amigo como esse, nós vamos conversar.

- Se eu tivesse um amigo como esse eu estaria namorando ele. – Márcia comentou e todos prenderam o riso.

- Não liga, ela já está bêbada. – Lety sussurrou para Fernando e ele riu.

- E você também está ficando. – Comentou divertido.

- Esse é o meu ultimo drink.

- Sei...

- Você não vai precisar me levar para casa hoje, eu juro.

- Eu não me importo de levar.

               Letícia sorriu e passou a mão no cabelo de Fernando.

- Vamos Lety! Eu adoro essa musica! – Carolina segurou sua mão e a puxou de volta para a pista de dança.

               Fernando voltou a olhá-la, mas notou que Omar estava encarando-o.

- O que foi?

- Eu que te pergunto o que foi.

- Não entendi.

- Você está gostando dela, não é?

- Por favor, Omar. Somos amigos há três anos. Apenas amigos.

- Sei, apenas amigos... Então por que você fica olhando para ela com essa cara de bobo?

- Não estou fazendo isso.

- Está sim! Além do mais, um simples “amigo” não faria o que você faz por ela.

- É claro que faria.

- Não faria não.

- Não fale por voce, Omar. Nós dois somos diferentes.

- Eu sei disso. Só estou dizendo... Você está gostando dela e não percebeu ainda.

               Fernando preferiu não responder, e apenas virou o copo de bebida inteiro em sua boca.

 

 

                                                           ------------------------------

 

 

               Eu já encarava minha aliança há algum tempo, mas não me importava com isso. Eu não me cansaria de admirá-la e saber que eu estava finalmente casado, e com alguém que eu amava. Vi Letícia caminhar em minha direção e abri um largo sorriso, assim como ela.

- Precisamos fazer a dança dos noivos. – Ela segurou em minha mão, me puxando.

- Eu não sei dançar, meu amor... – Comentei envergonhado.

- Você sabe sim, não seja modesto.

               Assim que paramos ao centro do salão, todos olharam para nós dois e eu senti o meu rosto corar. Mas assim que Letícia pegou minhas mãos e as colocou em sua cintura, foi como se estivéssemos apenas nos dois ali. Apenas eu e minha esposa.

- Planejamos uma ótima cerimônia, não foi? – Ela perguntou entrelaçando seus braços em meu pescoço.

- Com certeza. – Sorri me movimentando ao ritmo da musica, tentando não parecer tão descontrolado.

- Valeu a pena todos esses meses de planejamento e estresse.

- E coloca estresse nisso, não é?

               Ela riu.

- Pobrezinho, acho que descontei muito em você. Prometo que não será assim todos os dias.

- Eu já estou acostumado. – Falei divertido. – Além do mais, se todas as vezes que você se desculpar for como da ultima vez, você pode se irritar comigo o quanto quiser.

- Engraçadinho... – Ela balançou a cabeça. – Posso dizer uma coisa?

- Claro.

- Eu não consegui prestar atenção na metade da cerimônia porque estava me lembrando de como nos conhecemos.

- Eu estava pensando a mesma coisa.

- Como as coisas são engraçadas, não é? Eu nunca imaginei que me apaixonaria pelo meu melhor amigo.

- Às vezes nos surpreendemos.

- Muito! Mas eu estou muito feliz. – Ela me olhou com ternura. – Foi a escolha mais certa que já fiz em toda a minha vida.

- E eu digo o mesmo. – Aproximei meu rosto do seu. – Eu te amo, Lety.

- Eu também te amo, meu amor.

 

 

“Dame esta noche tu mano, no quiero pasar un día sin ti. Quiero que sea en tus brazos donde vea llegar mis días al fin ¿Quisieras casarte conmigo?”

 

 

               Quando estávamos prestes a nos beijar, a musica terminou e todos aplaudiram. Letícia sorriu e eu quis pensar em alguma maneira de dizer à ela o quanto eu estava feliz, mas palavra nenhuma conseguiria expressar o que eu estava sentindo naquele momento.

- Sua mãe conseguiu chorar mais do que eu. – Lety comentou olhando para o lado, onde meus pais estavam sentados conversando com Márcia e Carolina.

- Ela não consegue disfarçar o quanto está feliz. – Comentei rindo. – Não sabe quantas vezes ela disse que eu fiz a melhor escolha da minha vida.

- É mesmo? Eu não sabia que ela gostava tanto assim de mim.

- Acredite, ela gosta. E acostume-se porque ela vai querer te apresentar para todas as amigas dela.

- Eu vou adorar. – Ela sorriu.

- Com licença. Posso atrapalhá-los?

               Olhamos para o lado e Marianne nos olhava animada.

- Marianne! – Letícia exclamou, abraçando-a.

- Oi, Lety! Você está linda! – Ela disse enquanto a abraçava.

- Obrigada!

- Que bom que veio. – Sorri e ela também me abraçou.

- Eu não poderia deixar de vir parabenizá-los. Finalmente, não é? – Ela riu, assim como Lety e eu. – A cerimônia foi linda e a festa está fantástica.

- E como você está? Tem tanto tempo que não conversamos. – Letícia perguntou.

- Bom... Eu também estou noiva, há pouco tempo. – Ela mostrou a aliança.

- Espera... – Letícia segurou sua mão. – Isso é uma tatuagem?

- É! – Ela riu.

- Finalmente, não é? – Perguntei rindo.

- Eu estou me sentindo tão... Livre!

- Isso é ótimo! – Lety disse animada. – E onde está o seu noivo?

- Hum... Deixa eu ver se encontro ele por aqui... – Ela olhou ao redor. – Ah! Ali está ele!

               Assim que Marianne acenou, Lety e eu olhamos para a direção em que ela olhava, e tivemos a mesma reação ao ver o homem que caminhava em nossa direção. Era o mesmo homem que fez a minha primeira tatuagem, quando Letícia e eu passamos o dia juntos “resolvendo” a minha lista de desejos.

- Pessoal, esse é o Roberto. – Ela segurou sua mão. – Ele é o meu noivo.

- Acho que já nos conhecemos... – Comentei assustado com a coincidência.

- Espera... – Ele nos olhou. – Vocês... Vocês foram no meu estúdio!

- Sim! – Letícia concordou rapidamente. – Meu Deus! Eu não acredito!

- Vocês se conhecem? – Marianne perguntou confusa.

- Eles foram até o estúdio fazer uma tatuagem! – Ele riu. – E você estava noivo... Mas... Espera. – Ele olhou para Marianne. – Ele era o seu noivo?

- Sim! Meu Deus! Quanta coincidência!

- Cara... Se eu soubesse... Teria feito um estrago no seu braço. – Ele riu.

- Ainda bem que só descobrimos isso agora então. – Brinquei e os três riram.

- Mas estamos muito felizes por vocês. – Lety disse. – E... O seu pai? Como está?

- Onde deveria estar. – Marianne suspirou. – Marina está pirando cada vez mais, procurando todo o advogado possível para tentar ajudá-lo, mas nenhum quer fazer isso. E querem saber? Eu acho bem feito! Minha mãe e eu estamos muito melhores sem ele.

- Percebemos. – Letícia apontou para sua mão e ela riu.

- Mas as coisas se acertaram, e é isso que importa.

- Tem razão. – Abracei Lety pela cintura.

- Bom... Vamos deixá-los aproveitar a festa. De qualquer maneira, desejo toda a felicidade para vocês! – Ela sorriu segurando nossas mãos. – De verdade.

- Desejamos o mesmo para você. – Disse sincero. – E foi um prazer te conhecer. – Falei para o noivo dela.

- Igualmente! Ei... Quando quiserem fazer outra tatuagem... Podem me procurar. Vou fazer um desconto bacana. E prometo não fazer um estrago.

- Assim espero.

               Ele riu e Marianne segurou sua mão, afastando-se de nós dois.

- Quem diria... – Lety me olhou. – Quanta coincidência, não é?

- Ainda tem duvidas de que estávamos destinados à ficar juntos? – Perguntei abraçando-a pela cintura.

- De maneira alguma. – Ela sorriu. – A festa está maravilhosa, mas... Eu estou curiosa para saber sobre a lua de mel.

- Ah... Você só saberá quando chegarmos.

- Que absurdo! E se eu não gostar?

- É claro que vai gostar. – Sorri divertido.

- E como tem tanta certeza?

- Porque te conheço como a palma da minha mão.

- Ótima justificativa. – Ela me deu um rápido beijo. – Não vejo a hora de chegarmos.

- Logo, logo. Agora... Vamos curtir essa festa que foi tão complicada de ser planejada.

               Ela gargalhou e eu segurei em sua mão, fazendo-a girar no ritmo da musica que começou a tocar.

 

 

“Hey, mira...

Hoy el cielo entero bajé para ti”

 

 

 

                                                            --------------------------------

 

LETY

 

               Era impossível parar de olhar para aquele pôr do sol tão lindo entre as montanhas. Fernando tinha razão quando afirmou com tanta certeza que eu iria gostar da surpresa. O lugar que ele escolheu para nossa lua de mel foi uma pousada, com uma vista maravilhosa de um rio que se perdia entre as montanhas. Um lugar calmo, relaxante e romântico. Ele realmente me conhecia como a palma da mão.

- E então? – Senti ele se aproximar, me abraçando por trás, repousando sua cabeça em meu ombro. – O que achou?

- Acho que já não tenho mais elogios para esse lugar. – Falei sorrindo. – É simplesmente maravilhoso.

- Então... Surpresa aprovada?

- Aprovadíssima. – Me virei de frente pra ele, tocando carinhosamente em seu rosto. – Não poderia ter pensado em um lugar melhor.

- Bom... Na verdade eu pensei em outros lugares, mas achei que esse seria o mais ideal.

- E como sempre você acertou em cheio. – Sorri. – Um lugar maravilhoso, com uma vista maravilhosa, e com o meu marido ao meu lado. Eu não poderia desejar mais.

- Pode dizer de novo? – Ele riu manhoso.

- Qual parte?

- A que eu sou seu marido e estou ao seu lado.

               O olhei rindo e aproximei meu rosto do seu.

- Acha que podemos estrear o quarto? – Sussurrei olhando para seus lábios.

- Acho que devemos.

- Eu também acho.

               Rapidamente Fernando me pegou seu colo e eu gargalhei, deixando que ele me conduzisse até a cama. Assim que me deitou sobre ela, Fernando se inclinou sobre mim e me olhou com ternura por um tempo.

- Eu te amo. – Sussurrou.

- Eu te amo muito mais. – Respondi sincera.

               Ele se aproximou e me beijou sem perder tempo. Retribuí o beijo com paixão, tentando demonstrar o quanto eu estava feliz com aquele momento. Logo os beijos se intensificaram, e não demorou para que eu sentisse uma das mãos de Fernando por baixo do meu vestido, repousando sobre minha coxa. Agradeci em silencio por ter preferido mudar de roupa antes de sairmos para a lua de mel, embora Fernando insistisse que o vestido de noiva era bonito demais para ser usado por tão pouco tempo. Eu sabia que teríamos dificuldade na hora que eu precisasse tirá-lo, e achei melhor facilitar as coisas. Além do que eu havia escolhido uma lingerie especialmente para aquela noite, e era imprescindível que Fernando a visse.

               Assim que ele ergueu o meu vestido até a altura da cintura, eu o conduzi para que ele deitasse à cama, e assim me sentei sobre ele. Fernando sorriu malicioso e eu mordi o lábio inferior, me divertindo com a situação.

- Tenho uma coisa para você. – Falei olhando-o.

- É mesmo? E seria outra tatuagem escondida? Talvez com o meu nome?

- Não exagere. – Respondi divertida. – Não fiz nenhuma outra tatuagem recentemente.

- Que pena.

- Mas acho que você vai gostar.

- Me surpreenda!

- Por que não experimenta terminar de tirar o meu vestido?

               Imediatamente Fernando sentou-se à cama, deixando nossos rostos próximos um do outro. Ele voltou a me beijar, mas rapidamente transferiu os beijos para o meu ombro, no mesmo instante que baixava a alça do meu vestido. Fechei os olhos sentindo o meu corpo inteiro se arrepiar, e sem que eu percebesse, Fernando já havia se livrado das duas alças do meu vestido. Assim que o tecido escorregou pelo meu corpo, ele cessou os beijos e tomou um tempo para me olhar.

- Já estou gostando disso. – Ele sorriu.

- Essa é só a primeira parte. – Falei rindo.

               Fernando voltou a me deitar à cama, e lentamente terminou de tirar o meu vestido pela parte de baixo. Assim que conseguiu, ele me admirou de cima a baixo, e pelo seu sorriso, percebi que ele gostou da minha escolha.

- Você consegue ficar ainda mais linda? – Ele perguntou voltando a se aproximar.

- Você merecia algo especial para hoje.

- Já é especial todas as vezes porque é com você.

               Fernando conseguia ser ainda mais romântico à cada frase e à cada atitude. Desde sempre eu notei que ele era assim, mas era totalmente diferente quando isso estava relacionado à mim. Algumas vezes eu me sinto mal por não conseguir retribuir todas as coisas lindas que ele faz por mim, mesmo que ele insista em dizer que eu o faço feliz. Eu dou o meu máximo, e sou capaz de fazer qualquer coisa por ele. E assim seria por todos os dias de nossas vidas. Minha vida seria resumida em fazer o meu marido feliz, assim como ele me faz.

               Depois de me admirar por um tempo, toquei no rosto de Fernando e voltei a beijá-lo com gana. Era impossível conseguir me controlar perto dele, principalmente porque além de me agradar no dia à dia, ele também conseguia fazer isso na cama. Enquanto o beijava, as lembranças de nossa primeira noite de amor veio em minha mente, e mesmo que tivesse sido uma total loucura, foi um momento inesquecível tanto para mim quanto para Fernando.

 

 

 

                                            -------------------------------

 

 

 

- Eu juro que eu quis matar aquela irmã da Marianne! – Márcia comentou à mesa.

- Todos nós queríamos. – Fernando riu.

               Estavam todos reunidos no apartamento de Lety três semanas depois de todo o ocorrido do casamento. Depois de tanta confusão, o que aconteceu era motivos de risadas enquanto os amigos estavam reunidos com bebidas, ótima musica e aliviados por no fim tudo ter dado certo.

- E eu acho bom que vocês dois se casem agora! – Omar apontou o dedo para Fernando, já alterado por causa da bebida.

- Podemos não falar sobre casamento por pelo menos alguns meses? – Letícia riu.

- Tem razão. Vocês precisam aproveitar! – Disse Carolina.

- Aproveitar mesmo! – Antonio concordou. – Com tudo o que tem direito.

- Antonio! – Letícia abaixou a cabeça envergonhada.

- Não estou dizendo mentira! Imagina o quanto esses dois tiveram que segurar todo esse tempo?

- Muito bem... Acho que precisamos comer um pouco mais, porque a bebida já está afetando. – Márcia se levantou. – Lety, me dê licença para usar a sua cozinha.

- À vontade. – Lety riu.

- Eu também vou! – Carolina se levantou.

- Eu também! – Omar as acompanhou.

- Eu não vou ficar aqui segurando vela. – Antonio disse ao se levantar.

               Os quatro caminharam em direção à cozinha, fazendo Letícia pensar como caberiam todos em sua cozinha, que não tinha espaço suficiente para eles. Mas ao ouvir as gargalhadas, percebeu que estava tudo bem. Ela virou-se para Fernando, mas desastradamente derrubou o copo de cerveja em toda a sua blusa.

- Ai droga! – Exclamou levantando-se. – Se não tiver algum desastre, não é Letícia Padilha.

- Eu vou buscar um pano. – Fernando riu levantando-se.

- Não, não precisa. É mais fácil eu trocar de blusa. Eu não demoro.

- Tudo bem.

               Enquanto seguiu para o seu quarto, Letícia agitava a blusa para que não molhasse ainda mais o seu corpo. Ao entrar no quarto, ela empurrou a porta mas não a fechou totalmente. Imediatamente ela tirou a blusa molhada e não se preocupou em procurar outra antes, fazendo isso apenas quando já estava despida. Enquanto abria as gavetas da cômoda à procura de outra blusa, Fernando abriu a porta do quarto, fazendo-a se assustar abraçando ao próprio corpo.

- Fernando!

- Desculpe! – Falou rapidamente, mas sem tirar os olhos dela. – A porta estava aberta eu achei que... Você...

- Quer parar de me olhar? – Exclamou. – Eu ainda não me troquei!

- Estou vendo.

- O que você quer?

- Vim ver se precisava de ajuda.

               Letícia suspirou e não pôde deixar de notar os olhares de Fernando sobre ela. Não era a primeira vez que ele a via sem a parte de cima, e dessa vez ela não conseguia negar que estava adorando ele ter invadido o seu quarto. Desde que Fernando voltou para a cidade, eles já tiveram alguns momentos íntimos, mas nunca chegaram nos “finalmente”. Não porque não queriam, mas porque tinham medo de parecer estranho demais, já que tudo ainda estava muito recente.

- Você vai continuar me olhando? – Ela perguntou com a voz mansa.

- Desculpe, é que... Eu não consigo evitar. – Ele sorriu se aproximando.

- Fernando, você sabe que... Nós... Ainda...

- A única coisa que eu sei é que eu te amo, e para ser sincero acho uma besteira acharmos tudo isso tão estranho. Já deixamos claro que queremos ficar juntos.

- Mas e se... Algo der errado nessa história?

- Não vai dar nada errado nessa história, Lety. – Quando ele se aproximou o suficiente, Letícia sentiu seu corpo inteiro se arrepiar ao sentir o cheiro do perfume dele impregnar todo o ambiente. Ela não seria capaz de negar nada à ele naquela situação, princnipalmente quando ela queria tanto quanto ele.

- Os outros estão na sala... – Ela sussurrou fechando os olhos, entregando-se antes mesmo que ele implorasse.

- Eu não me importo.

               Sem esperar mais tempo, Fernando a puxou pela cintura e a beijou. Letícia se entregou imediatamente ao beijo, sem se preocupar se estava semi despida na frente de Fernando. Diferente dos beijos que os dois costumavam trocar naquelas ultimas semanas, aquele beijo foi intenso, cheio de calor e excitação. Assim que sentiu o contato das mãos de Fernando em sua barriga, Letícia sentiu o seu corpo inteiro se arrepiar. Sem pausar o beijo, ela afagou suas mãos entre os cabelos dele, fazendo-o puxá-la para mais perto, apertando sua cintura. Fernando enlaçou seus braços à cintura dela, ao mesmo tempo em que a guiou até a cama. Letícia se deitou e olhou maliciosa para ele, sem conseguir disfarçar o quanto estava empolgada para aquele momento.

- A porta... – Ela sussurrou antes que ele voltasse a beijá-la. Imediatamente Fernando caminhou até a porta e a fechou, voltando a se aproximar, dessa vez inclinando-se sobre Lety. Sem perder tempo ele rapidamente tirou sua camisa e a jogou do outro lado do quarto. Ela sorriu maliciosa e tocou em seu abdômen, fazendo-o contraí-lo quando sentiu o seu toque. – Ainda não acredito que você diz não ter gominhos...

               Fernando riu e voltou a beijá-la, dessa vez encaixando-se entre as pernas dela. Letícia fechou os olhos sentindo toda a excitação do momento, e por um instante foi como se estivessem completamente a sós no apartamento. Fernando se apressou em terminar de despi-la, e tirou o seu short, sorrindo malicioso logo depois.

- Viva la vida? – Ele a olhou divertido.

- Não acredito que está preocupado com a minha tatuagem em uma hora como essa.

- Preciso dizer que ela é realmente excitante.

- Que bom. Agora continue o que estava fazendo.

               Fernando riu e voltou a beijá-la, dessa vez alisando todo o corpo de Letícia. Mordendo o lábio inferior ela agarrou-se aos lençóis, sem conseguir controlar o calor que aquele momento lhe causava. Fernando sabia exatamente o que fazer e como fazer, e aquilo estava fazendo-a subir pelas paredes. Praticamente implorando para que ele terminasse o que começou, ela deixou escapar um suspiro que chamou a atenção de Fernando. Ele a olhou divertido e ela colocou uma das mãos à boca, se policiando. Fernando logo percebeu que ela estava totalmente excitada, assim como ele, e sem esperar mais, abriu o zíper de sua calça. Ao ouvir o barulho do zíper Letícia se arrepiou, sentindo um forte calor impregnar todo o seu corpo.

               O medo e tenção de quais seriam as conseqüências daquele ato não os incomodava mais, principalmente Letícia, que por todos esses dias temeu o que sentiria ao saber que estava fazendo amor com o seu melhor amigo. Mas para a sua surpresa, assim que o sentiu dentro dela, a única coisa que ela teve certeza foi de que era uma sensação maravilhosa. A cada movimento que Fernando fazia, ambos se seguravam para não deixar qualquer gemido escapar de suas bocas, o que foi difícil já que a adrenalina e excitação estavam em alta naquele momento. Letícia optou por demonstrar toda a sua excitação segurando fortemente nos ombros de Fernando enquanto ele se movimentava sobre ela. A cada vez que os movimentos aceleravam, ela cravava suas unhas nos ombros dele, deixando-o ainda mais excitado.

               Sem que percebessem, já estavam juntos chegando ao auge, e por alguns segundos foi como se tudo escurecesse à sua volta. De repente a única coisa que ambos sentiam era o calor preencher todo o seu corpo, fazendo com que o espaço entre os dois fosse mínimo. Quando Fernando apertou a cintura de Letícia prensando seu corpo contra o dela, ele enfim a olhou e os dois sorriram cúmplices.

- Não acredito que fizemos isso. – Ela sussurrou com a respiração ofegante.

- A culpa foi toda sua. – Ele riu.

- Minha? Por que?

- Estava sem blusa e com a porta aberta.

- Você deveria saber se controlar mais, Fernando.

- Eu já me controlei por tanto tempo.

               Ela riu e enfim ele caiu cansado ao seu lado na cama. Os dois encararam o teto por um tempo, até ouvirem as gargalhadas do pessoal vindas da sala. Eles se olharam divertidos e gargalharam logo depois.

- Que desculpa vamos usar? – Lety perguntou.

- Não vamos precisar. Acha que eles não sabem?

- Tem razão.

- A propósito. – Ele virou-se para ela. – Adorei a tatuagem.

- Agora vai parar de me azucrinar falando sobre ela?

- Sim. Mas agora vou te azucrinar querendo vê-la sempre que possível.

- Eu posso sobreviver com isso. – Ela riu, beijando-o carinhosamente.

- Eu te amo. – Ele sussurrou entre o beijo.

- Eu te amo mais.

- É melhor voltarmos para lá.

- Eu ainda tenho que encontrar uma blusa limpa. – Ela sentou-se à cama.

- E eu preciso de um tempo para me recuperar. – Ele se deitou pesadamente no travesseiro e Letícia gargalhou.

 

 

-------------------------------------------

 

 

 

               Estávamos deitados à cama depois de um desempenho maravilhoso, como sempre. Fernando estava com um dos braços por trás de sua cabeça, e o outro estava em volta do meu ombro, enquanto eu repousava sobre o seu peito despido. Ainda estávamos recuperando o fôlego depois de estrearmos o quarto da lua de mel, e provavelmente estávamos descansando para um segundo round mais tarde, se eu bem o conhecia.

- Por que escolheu essa frase? – Ele perguntou quebrando o silencio.

- Hum?

- Da tatuagem.

- Ah... Eu não sei. Para dizer a verdade eu tinha bebido um pouco quando decidi fazê-la.

- Você nunca me disse isso.

- Não é uma história que me orgulho.

               Ele riu.

- Márcia e Carolina estavam duvidando que eu faria uma tatuagem depois de tomar algumas tequilas, e eu aceitei o desafio. Acabei escolhendo um lugar estratégico porque se ficasse ruim ninguém poderia ver.

- Exceto o seu marido.

- Exceto o meu marido.

               Nós dois rimos.

- Mas é uma bela tatuagem. É bem sexy se quer saber.

- Que bom que acha isso.

- Pelo menos você não tatuou uma pimenta ou uma cereja.

- Acho que nem depois de cinqüenta tequilas eu teria coragem de tatuar isso.

- Que bom! – Ele riu.

- Mas você pode tatuar uma pimenta bem aqui. – Apontei para o peito dele. – Já que agora você virou um tatuado nato. Daqui à alguns tempos não terá mais lugar no seu braço para tatuar.

- Eu ainda tenho o outro. – Ele riu. – E não vou tatuar uma pimenta.

- Pode tatuar meu nome se quiser.

- O que é um rabisco no corpo se você já está tatuada no meu coração?

               Me ergui para olhá-lo.

- Você está ficando cada dia mais profundo. – Falei divertida, aproximando meu rosto do seu.

- Desculpe, é quase inevitável.

- Espero que não pare nunca.

- Não vou, não se preocupe. – Ele sorriu me puxando para um beijo.

               Era o início perfeito de uma vida inteira juntos. Fernando agora é o meu marido, meu companheiro, meu cúmplice e continua sendo o meu melhor amigo. Eu sei que posso contar com ele, assim como ele pode contar comigo em tudo o que precisar. A única coisa que mudou entre nós dois foi que, a cada dia que passa, nós nos amamos ainda mais. Um sentimento incontrolável, e que agora poderíamos mostrar e dizer para todos. Eu me apaixonei pelo meu melhor amigo, e foi a melhor coisa que aconteceu em toda a minha vida.


Notas Finais


E então amores? O que acharam? Sei que a fic foi curtinha, mas esse era o plano desde início. Espero que tenham gostado e que não tenham ficado com muita raiva do Fefê haha. No fim tudo se acertou e acabou dando tudo certo. Espero que tenham gostado da história, foi feita com muito carinho. Queria agradecer por todos os comentários, elogios, críticas e sugestões. Cada um foi muito importante para mim. Continuem acompanhando "Love Inside Out", e pretendo não demorar muito à postar uma nova fic para vocês haha. Muito obrigada à todas! ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...