História Meu Padrasto — Imagine Min Yoongi - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bangtan, Bts, Exo, Faculdade, Hoseok, Incesto, Jungkook, Kook, Min Yoongi, Padrasto, Rafenhaz, Sehun, Suga, Tae, Taehyung
Exibições 1.968
Palavras 1.714
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá bebês, boa leitura <3

Capítulo 27 - Jantar


Fanfic / Fanfiction Meu Padrasto — Imagine Min Yoongi - Capítulo 27 - Jantar

— Satisfeito?! — encarei o pálido com raiva, fazendo um sorriso ladino brotar em seus lábios avermelhados. 

— Ainda não, vamos comer alguma coisa criança? — continuou com aquele maldito sorrisinho. 

— Olha aqui Min Yoongi, você não tem o direito de intrometer assim na minha vida! — fuzilei o mesmo fazendo seu sorriso gengival aparecer.

— Vamos, aqui não é lugar para conversamos. — ele disse e adentrou a sala dos professores pegando a sua pasta preta. — Eu vou na frente e você me segue! — saiu andando em direção ao estacionamento. 

— Eu vou pra casa! — rosnei. 

— Oh não, você vai jantar comigo. — virou para trás com seu sorriso gengival. — E não aceito não! — sorriu mais ainda.

— Mas... — eu realmente não sabia o que dizer.

Desliguei o alarme do meu carro e adentrei o veículo esperando Yoongi passar. O maldito passou com um enorme sorriso nos lábios.

— Para onde aquele louco quer me levar?! — bufei indignada enquanto apertava o volante com certa força. 

Depois de alguns minutos seguindo o namorado da minha mãe, vi que ele virou na rua de sua casa.

— Aish! — revirei os olhos enquanto descia do carro. — O que quer comigo? — cruzei os braços. 

— Espere criança! — respondeu com um sorrisinho enquanto destrancava a porta.

— Pare de me chamar de criança. — falei seca e ouvi sua risada nasal.

Olhei de soslaio para Yoongi e mesmo tirou seu paletó preto, sua camisa social desenhava perfeitamente seu corpo, marcava seus braços e abdômen. Desviei o olhar rapidamente quando ele virou-se para trás. 

— Fique a vontade, vou tomar um banho rápido e já venho. — assenti dando de ombros. — (S/N)?

— Hum? — murmurei. 

— Não fuja. — disse sério. 

— Eu não vou fugir. — lhe respondi. 

Sentei no sofá cruzando as pernas e rolando os olhos pela sala. Estava tudo muito organizado já que Yoongi vivia na casa da minha mãe, talvez ele tivesse contratado alguém. Mas espera... Essa casa não é de aluguel? 

— Demorei? — o pálido apareceu na sala com uma camiseta preta e uma bermuda. 

— Não. — respondi sem olhá-lo.

— Bem, quer comer o que? — perguntou enquanto sentava ao meu lado.

— Por que está sendo "gentil" comigo? — fiz aspas com os dedos e ele riu.

— Por que? — fez uma careta pensativa e eu ri. — Gosto do seu sorriso. — disse olhando-me nos olhos.

Ficamos nos encarando por alguns segundos até que quebrei o nosso contato visual. 

— Não sei, e você o que quer comer? — perguntei.

— Que tal bulgogi? — disse simples enquanto levantava e ia em direção de outro cômodo, parecia ser a cozinha. — Venha criança! — gritou e eu bufei indo até ele.

— Adoro bulgogi. — falei enquanto sentava-me sob o balcão gélido. 

Tirei os saltos, meus pés estavam começando a doer.

— O que está fazendo aí, hum? Venha ajudar-me. — o pálido disse virando-se para mim e segurando minha cintura. 

— Ei! — exclamei quando ele colocou-me no chão. 

— Tempere a carne, por favor.

— Por favor? — gargalhei de sua 'educação'.

— Aigoo, eu também sei ser educado, minha vida não é só baseada em sexo. — engoli seco ao ouvir falar aquilo. 

— Não seja desnecessário, Min Yoongi. — revirei os olhos e o maior suspirou. 

Temperei a carne e observei-o melhor. Yoongi estava concentrado fazendo o nosso jantar. Sua expressão era um pouco séria.

— Está olhando-me por que? — desviou seus olhos negros da panela e encarou-me sorrindo.

— Eu não estava te olhando. — respondi séria. 

— Tem certeza? — soltou uma risada.

— Não enche! — lhe dei língua. — Onde ficam os pratos? 

— Na segunda gaveta e não faça bagunça. — respondeu enquanto mexia a panela. 

— Oh, parece que você é organizado. — ri.

— Parece não, eu sou. — disse convencido. 

— Ok. — cessei o riso.

Comecei a mexer nos armários sem a permissão de Yoongi. Haviam várias doces, chocolates e salgadinhos.

— Depois a criança sou eu. — falei rindo enquanto abria uma barra de chocolate branco. 

— Ei! — exclamou encarando-me com os olhos semicerrados. — Me devolve! 

Coloquei o máximo de chocolate que consegui dentro da boca e saí correndo pela casa.

— (S/N)! — gritou enquanto corria atrás de mim, eu ria sem parar quase esgasgando-me com o chocolate. 

Por fim, Yoongi alcançou-me puxando meu braço fazendo com que nossos corpos se chocassem.

— Criança! — disse olhando dentro dos meus olhos. 

Nossos corpos estavam colados, respirações misturando-se.

— Idiota! — retruquei devolvendo seu olhar com a mesma intensidade. 

— Boba! — sorriu ladino.

— Cretino! — semicerrei os olhos.

Seu olhar penetrante desceu até meus lábios, respirei fundo afastando-me.

— Você tem medo de mim, (S/N)? — disse roucamente.

Yoongi estava atrás de mim, dava para sentir seu hálito de menta em meu pescoço.

— Afaste-se. — pedi num fio de voz.

— Por que? — indagou deslizando seus dedos pela lateral do meu corpo. 

— Isso foi só um pretexto, não foi? — virei-me bruscamente buscando seu olhar.

— Pretexto? — disse quebrando o único espaço vago entre nossos corpos. — Não sei do que você está falando. — sorriu mostrando-me seus dentes. 

Meu coração batia acelerado e minhas mãos começaram a suar frio. 

— Vou ver se nosso jantar está pronto. — colocou uma mecha do meu cabelo atrás da orelha e dirigiu-se novamente à cozinha.

Fui até lá e o pálido estava sorrindo enquanto conversava sozinho.

— Conversando sozinho, professor? — ri.

— Estou cantando. — respondeu. 

— E por acaso você sabe cantar Min Yoongi? — arqueei a sobrancelha. 

— Você ainda vai descobrir muitas coisas sobre mim, (S/N). — disse olhando dentro dos meus olhos e eu apenas assenti. — Está pronto.

Servimos nossos pratos e sentamos um de frente para o outro. Levei o garfo até minha boca e o gosto era delicioso, eu poderia dizer que era melhor do que o da minha mãe. 

— Muito bom! — falei trazendo seu olhar para mim.

Yoongi comia calado, ás vezes os nossos olhares encontravam-se e isso fazia meu estômago revirar.

— Quer ajuda para lavar os pratos? — perguntei, afinal ele havia me tratado bem, atitudes estranhas. 

— Não precisa, Lucy virá amanhã cedo. — disse enquanto encarava-me.

— Lucy? — curiosa como sempre, tive que perguntar. 

— Minha empregada. — deu de ombros enquanto procurava algum canal na TV. 

— Hum... — murmurei. 

O silêncio permaneceu entre nós alguns minutos e uma dúvida rondava a minha mente desde que chegamos em sua casa.

— Por que me trouxe pra cá, Yoongi? Por que não fomos para casa? 

— Porque eu queria passar um tempo sozinho com você. — disse em um tom baixo. 

Fiquei calada, eu não sabia o que dizer, apenas suspirei trazendo seus olhos negros para mim. Estávamos separados por uma distância razoável. 

— Eu e sua mãe brigamos. — murmurou. 

Olhei para ele rapidamente. 

— Brigaram?! — perguntei com o cenho franzido. 

— Sim. — apertou os olhos. — Ela insinuou que eu estava de olho em você.

Engoli seco. Por que tão repentinamente? A culpa veio em minha mente fazendo com que eu mordesse o lábio com força. 

— E por que ela disse isso? — arqueei a sobrancelha, Yoongi olhava-me curioso, seus olhos percorriam cada centímetro do meu rosto.

— Eu não sei. — pressionou os lábios. 

— Yoongi me diga! — lhe encarei com raiva.

— Eu fui até o seu quarto esses dias e sua mãe viu. — suspirou pesado. 

— Como assim foi até o meu quarto? — bati a mão no sofá. — O que você foi fazer lá Min Yoongi?!

— Te ver dormindo. — aquele par de olhos escuros encaravam-me sem dó.

— Me ver dormindo? — murmurei. — Ela é minha mãe Yoongi, como você teve coragem? — levantei do sofá com raiva.

— E eu quase possuí você no sofá da sua mãe. — levantou parando ao meu lado, ele estava zangado. 

— Aquilo foi um erro! — cuspi as palavras. 

— Você é adulta (S/N), sabe muito bem que seu corpo deseja o meu, assim como o meu deseja você. — disse baixo.

Nos olhávamos como se quiséssemos enxergar a alma um do outro. Yoongi deslizou seus dedos por minha bochecha e eu fechei os olhos involuntariamente. 

— Por que não esquece o que somos, e sim o que sentimos?

Eu continuava com os olhos fechados sentindo seus dedos em minha bochecha. 

— Não podemos. — falei abrindo os olhos devagar, Yoongi olhava-me de uma maneira única, ninguém nunca havia olhado para mim daquela forma.

— Podemos sim. Eu e ela estamos brigados... — sussurrou fitando meus lábios. 

— Não fala dela! — tirei sua mão do meu rosto. — Tenho que ir para casa, minha mãe deve estar preocupada.

— Não (S/N), espera! — senti sua mão em meu pulso. Yoongi virou-me bruscamente.

— O que...

Seus lábios tocaram os meus em um beijo lento, eu tentei lutar mas ele passou seus braços ao redor do meu corpo, acabei cedendo e enroscando meus dedos em seus cabelos negros. Nossas línguas brincavam uma com a outra. Separamos e colamos nossas testas. 

O peito dele subia e descia assim como meu. Ergui o olhar encontrando o seu, beijei-o novamente. Deslizei minhas mãos por suas costas largas, enquanto o mesmo alisava as minhas.

— Eu não consegui parar de pensar em você. — sussurrou contra os meus lábios. Seu cheiro era tão bom.

— Yoongi...

Shhh...

Min Yoongi raptou minha boca e caminhou comigo até o sofá. Sentei em seu colo enquanto apertava seus ombros fortemente, meu corpo pegava fogo. Separei nossos lábios e observei seu rosto, sua expressão era calma.

— Pode ir se quiser. — murmurou enquanto brincava com uma mecha do meu cabelo. — Mas se quiser dormir aqui, será bem vinda. — sorriu de lado.

— Yoongi! — dei um tapa fraco em seu ombro. 

— Não iremos fazer nada que você não queira, (S/N). — eu não conseguia desviar meu olhar de seus lábios inchados e vermelhos. — Já está tarde também. — roubou-me mais um selinho. 

— Desde quando se preocupa comigo? — fiz bico.

— Desde sempre... — roçou seus lábios nos meus, soltei um gemido involuntário fazendo-o sorrir. — Vem, vou arrumar a cama pra você. 

— Pensei que estivesse com segundas intenções. — semicerrei os olhos enquanto passávamos por um corredor.

— Com você é diferente...


Notas Finais


Eu estou vomitando arco íris!!! >< Será que o Yoongi gosta dela? E por que ele está sendo tão bonzinho? Hahaha.

https://spiritfanfics.com/historia/dance-teacher-jungkook-oneshot--hot-8750995 (OneShot com o Jungkook, hentai)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...