História Meu Padrasto — Imagine Min Yoongi - Capítulo 55


Escrita por: ~

Visualizações 3.931
Palavras 1.692
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Incesto
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLÁÁÁ. <3

Capítulo dia de Quinta, hein?

Boa leitura, xuxus.

Capítulo 55 - Desconfiança


Fanfic / Fanfiction Meu Padrasto — Imagine Min Yoongi - Capítulo 55 - Desconfiança

Yoonie saiu da cozinha, me deixando a sós com a minha avó. Ela me olhou, olhou e olhou. Ri fraco e desviei o olhar.

— (S/N), sabe que o que vocês faziam com a sua mãe é uma coisa muito feia, não sabe? — Assenti. — Por que não disse a ela?

— Vovó não me julgue mal, mas eu não escolhi me apaixonar por ele. — Suspirou. Ela me olhava atenta. — O prazer falou mais alto e-

— E você dormiu com o homem que sua mãe estava apaixonada?! — Balançou a cabeça em negação.

— Eu me culpo por isso. — Choraminguei. — Mas nós nos apaixonamos.

— Por que não disseram a ela logo no começo, (S/N)? Eu estou muito decepcionada com você.

— Eu nunca quis machucar a minha Omma. E olha como estamos hoje, nos tratando como se fôssemos duas estranhas. — Meus olhos marejaram. — Eu a amo muito vovó. E espero que ela me perdoe algum dia.

— Dê mais um tempo, querida. — Fez um pequeno carinho em minha mão. — Vocês já marcaram a data do casamento?

— Não. — Ela assentiu. — Nós estamos morando juntos, sabe?

— Sei. — Sorriu mínimo. — Mesmo com toda essa confusão, vejo o jeito que o Yoongi olha para você. — Sorri, mordendo o lábio.

— Ele é carinhoso, um verdadeiro homem. — Ri baixinho. — Então tudo certo, vovó?

— Tudo querida. Só não minta mais, ouviu?

— Ouvi, vovó.

(...)

Ajudei a mais velha a arrumar a cozinha e depois voltamos para a nossa casa. Yoonie não disse uma só palavra, parecia pensativo. Resolvi não perguntar nada, apenas segurar a sua mão que estava em minha coxa. O clima estava um pouco pesado devido ao jantar.

Assim que chegamos em casa, ele guardou o carro e adentramos a sala. Suga ligou as luzes e tirou a sua camiseta, indo diretamente para o quarto. Fui atrás do pálido e fechei a porta já que o ar condicionado estava ligado. Troquei de roupa, colocando uma de suas camisas sociais e deitei ao seu lado, encolhida.

Yoongi me abraçou e depositou um selinho em meus lábios, virou-se para o lado, dando as costas para mim. Não entendi o que estava acontecendo, já que ele sempre dormia abraçado a mim. Abracei a coberta e peguei no sono.

Na manhã seguinte, acordei sozinha no quarto. Suspirei frustada e arrumei a cama, dobrando a coberta e esticando a colcha vermelha. Saí do cômodo e fui atrás do Yoonie, ele estava sentado no sofá com o notebook no colo.

— Bom dia, Oppa. — Falei e dei a volta no sofá, sentando ao seu lado e depositando um beijinho em sua bochecha.

— Bom dia. — Disse um tanto sério, sem tirar os olhos da tela do notebook.

Sorri triste e fui para a cozinha. Tomei café sozinha, enquanto o meu homem continuava na sala.

— Eu preciso ir na faculdade, voltarei mais tarde. — Pronunciou baixo e rouco.

— Yoongi-Ah, o que foi? — Perguntei chorosa.

— Nada, eu só estou nervoso com umas coisas. — Respondeu sem me olhar.

— Ei, espera! — Corri atrás do mais velho, subindo em suas costas. — É por causa da vovó, huh?

— Nada disso, (S/N)!

Eu não entendia o porquê dele estar daquela maneira.

— Então me diz o que foi, Oppa!

— Nada. — Desci de suas costas, o encarando. — Até mais tarde, Jagiya.

— Seu... idiota! — Gritei com raiva.

(...)

Depois que ele saiu, fiquei sozinha jogada no sofá da sala. Yoonie estava sim estranho comigo, como se algo estivesse o incomodando. Já que ele não queria me dizer, resolvi esperar mais um tempo, mas se o mesmo continuasse me tratando daquela maneira, eu iria surtar. 

Tomei banho e me arrumei para ir para a faculdade. Dei uma pequena arrumada no quarto e peguei minha bolsa, saindo de casa. Yoongi disse que voltaria antes do horário, mas ele não voltou e nem atendeu as minhas ligações. Eu o escolhi, e no relacionamento que quero para nós dois, mentiras não existem.

Assim como decepções. Por mais que ele tenha mudado, há algo dentro do mesmo que me faz lembrar do Senhor Yoongi. Aquele rude e insensível. Tenho medo de simplesmente perdê-lo, eu não suportaria.

— Já está indo? — Me surpreendi com a sua voz rouca.

— Sim. Faltam trinta minutos. — Sorri fraco.

— Me desculpe. — Seus braços cobertos por uma camisa social, rodearam o meu corpo firmemente. — Me desculpe, Jagi.

— Está tudo bem, Oppa. — Faço carinho em sua nuca e fecho os olhos. — Todos temos dias ruins.

— E eu descontei em você. — Suspirou frustado. — O que eu posso fazer para lhe recompensar?

— Me levar para jantar. — Beijei a sua bochecha. — Não precisa ser em um restaurante caro, sim?

— Amanhã? — Sugeriu sorrindo.

— Uhum. — Lhe dei um selinho. — Conseguiu o emprego de volta, amor?

— Claro que sim. — Riu convencido. Revirei os olhos. — Onde ela iria achar um professor tão gato feito eu, huh?

— Eu te odeio, Min Yoongi. — Dei um tapinha em seu peitoral.

— 'Tá. Agora vamos, eu irei te levar. — Nos conduziu até a garagem.

— Não vai ministrar aula hoje?

— Hoje não. — Abriu a porta do carro para mim. — De todo jeito, hoje eu não teria aula na faculdade.

— É só aquelas palestras, não é? — Me acomodei no banco.

— Sim, Jagi. — Deu partida no carro em direção do Campus. — No intervalo, irei te ver.

— Tudo bem, Oppa. — Inclinei o corpo e lhe dei um beijo na bochecha.

(...)

As garotas do último período de letras passaram por mim e começaram a cochichar. Respirei fundo e resolvi ignorá-las, mas uma delas tirou o celular do bolso para tirar uma foto minha.

— Ei! — A olhei feio. — Por que ia tirar uma foto minha?

— Para o álbum das iludidas do Senhor Min. — Ela riu junto a suas amigas. — (S/N) né?

— Te interessa? — Cruzei os braços.

— Olha (S/N), todas nós aqui já estivemos naquela cama onde o Yoongi Oppa te promete a lua e o sol. — Riu novamente.

— Eu duvido. — Sorri.

— Você já mediu o pênis dele?! — Fez uma expressão maliciosa.

— Eu não mereço isso! — Fiz ânsia de vômito.

— Mostre as fotos que temos dele, Jisoo.

Arregalei os olhos e uma garota um pouco maior que eu, apontou o celular em minha direção. Eram fotos de todas elas com o Yoongi, estavam nús e ele dormia calmamente, enquanto as quatro garotas sorriam como se tivessem ganhado o Óscar.

— Homem que dorme com quatro, dorme com mais, querida. — Jisoo passou a mão em meu rosto. — Você não é a única, (S/N).

— Sou sim! — Vociferei.

— Ele dormia com você e com a sua Omma garota. Se toca! — Estalou os dedos. — Nunca será a única dele, fique ciente disso.

Uma imensa vontade de chorar me consumiu. O intervalo havia começado e o Yoonie iria me ver. Respirei fundo e deixei as quatro garotas para trás. Meu estômago estava virado do avesso e logo senti lágrimas molhando as minhas bochechas.

— Você está bem, (S/N)? — Era o Jeongguk.

— Oh, claro. — Limpei o meu rosto rapidamente.

— Por que está chorando? — Se aproximou, me olhando preocupado. — Foram aquelas garotas do oitavo período?

— Não. — Menti, desviando o olhar.

— Não chore, pequena. — Jeon tocou o meu rosto e eu fechei os olhos, aproveitando de seu toque.

— Kookie, ele disse que mudou... — Choraminguei e o moreno me abraçou.

— O Yoongi?

— Uhum. — Solucei triste.

— Talvez ele tenha mudado mesmo... — Fez carinho em meu cabelo.

— Transar com quatro e depois pedir uma em casamento é normal? — Ri sem graça.

— É estranho, mas... — Fez uma pausa. — Converse com ele, (S/A).

— Min Yoongi sempre vai ser o desejado, Jeongguk. — Separei nossas físicas.

— Você também. — Me olhou nos olhos. — Você é linda, sabia?

— Obrigada. — Sorri fraco. — Kook?

— Sim?

— Você e a Hyuna estão juntos mesmo?

Ele arregalou os olhos e tocou a nuca.

— Digamos que sim. — Suspirou. — Como sabe?

— Tenho alguns informantes. — Nós dois rimos.

— Viu? Você já está sorrindo. — Acariciou a minha bochecha.

Afastei sua mão rapidamente.

— (S/N)? — Tocou o meu queixo. Fiquei imóvel encarando seus lábios.

Estávamos em um corredor praticamente vazio.

— Eu preciso ir, Jeon. — Falei rápido e o moreno riu.

— Você sempre fala rápido quando está nervosa. — Fez biquinho.

— Não estou nervosa. — Suspirei, dando alguns passos para trás.

— Se eu estivesse sozinho e você também, me daria uma chance?

Direto.

— Talvez. — Murmurei. O maior me olhou surpreso.

— Gosto de você, baixinha. — Bagunçou meu cabelo e nos abraçamos. Jungkookie era um ótimo garoto.

— Também gosto de você, coelhinho. — Descansei meu rosto em seu peito.

— Gosta dele, (S/N)?!

Yoongi gritou e eu me afastei do Kook depressa.

— Y-Yoongi. — Meus lábios tremiam.

— E você, Jeongguk? — Segurou o último citado pela gola da camisa. — Por que estava abraçado em minha noiva?

— E você, Yoongi? — Proferiu no mesmo tom. — Por que não presta atenção na (S/N)? Não está vendo que aquelas garotas... — Apontou para o corredor. Segui com o olhar. — Elas tem fotos com você. Todas elas, nuas. Nuas na sua cama.

Meu estômago embrulhou ao lembrar das fotos.

— (S/N)? — Soltou o Jeon e me encarou. — V-Você viu essas fotos?

— Por que? — Ri sem ânimo. — Eu não podia ver você com quatro garotas? Hum?

— Aquelas fotos não são recentes. Eu estou com você, Jagiya. — Segurou as minhas mãos.

— Eu sei que não são recentes... — Abaixei a cabeça. — Mas o que me garante que você não vai me trair?

Ele ficou em silêncio. Algumas pessoas começaram a fazer um círculo ao nosso redor.

— Você não sabe o que diz, (S/N). — Tirou a aliança do dedo. — Isso aqui é a prova, sua tola!

— Eu... não acredito. — Olhei para o Kook.

As garotas sorriram vitoriosas ao me ver afastando dali, em passos rápidos. Corri até o corredor da minha sala e arrumei minhas coisas.

— Vem, eu te levo pra casa. — Jeongguk tirou a bolsa da minha mão.

— Não quero ir pra minha casa, Kookie.

— Quem disse que é para a sua que nós vamos?


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...