História Meu pé de amora - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Citrus
Tags Yuri
Visualizações 18
Palavras 1.355
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Ecchi, Festa, Ficção, Hentai, Suspense, Yuri
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - A verdade


Fanfic / Fanfiction Meu pé de amora - Capítulo 4 - A verdade

1° fevereiro, na quarta-feira

 

Era uma quarta-feira normal para todos na escola, bastante matéria como sempre, todos tinham dificuldade. Menos eu, sempre fui esforçada, nunca liguei para a opinião dos outros apenas de mim mesma. Minha cerejinha visitou-me como prometeu no dia anterior, conversamos como se nunca tivéssemos nos se separado. Depois de voltar para casa na segunda e melhorar milagrosamente, a rotina voltava ao normal. Eu sento em uma cadeira distante de Jam, e ela ao lado de Rock, conversando sobre as férias. Era o período de aula, mas o professor não havia chegado, não conseguia parar de pensar sobre a noite anterior, quando estava com poucas roupas intimas e fui pega de surpresa por minha cerejinha, mas não deixei estragar a noite. Coloquei uma camiseta bem larga e abracei Jam, que é mais baixa que eu, levei meus dedos ao seu queixo seu rosto e selei nos lábios, e realmente, tinham gosto de cereja. Depois disso, deitamos em minha cama até pegarmos no sono e dormindo juntas outra vez.

Ainda na sala, tocou o sinal da terceira aula, Química, meu ponto fraco. Observei que nenhum professor havia entrado na sala, todos conversavam. Então aproveitei essa oportunidade para me aproximar de Jam, o que foi um fracasso pois Fran apareceu de repente abraçando meu corpo por trás. Será que ele não entende que não significa nada para mim, ou só faz isso para ver o rosto chateado de Jam nessas situações? Um pouco nervosa me soltei de seus abraços, prendi o cabelo e sai da sala. Apesar da minha recuperação ter sido rápida dessa vez, ainda podia sentir a queimação dentro de mim e aquilo estava me matando. Era como se vivesse em um inferno mental e físico, meu corpo não obedecia ordens e a mente se sente fraca. Aproveitei esse meio tempo para andar pelos corredores Voltei a sentar na minha carteira e mandei um bilhete para Jam pedindo para conversar com ela mais tarde em casa, e que ela e Rock poderiam dormir na minha casa se fosse necessário.

Nesse momento, um homem desconhecido mais velho entrou na sala e pediu para eu lhe acompanhar até a diretoria. Notei que o cara lançou um olhar arrogante para Jam, mas logo voltou a atenção para mim. Assim que saí, a professora de Literatura entrou e fechou a porta. Eu acompanhei quieta, tentando manter minha expressão séria e evitar a tontura que voltava pouco a pouco. Não muito longe da sala, nos aproximamos de uma porta bonita e ele tirou um molho de chaves no bolso, abrindo a porta sem muito esforço e me fez entrar, as minhas mãos suavam muito, eu não queria o seguir pois estava com um pressentimento ruim sobre ele. “Sente-se, o assunto é meio longo. Meu nome é Sook e eu serei seu próximo empresário.” Mesmo nervosa, respondi: “- Eu não estou interessada,e não entendo o porquê desse suspense? Por favor, me deixe sair…”

Assim que ele percebeu minha tremedeira e pegou um copo de água, entregando-o para mim. Sook sentou-se em uma cadeira confortável ao meu lado, suspirou um pouco e falou “- Sua mãe era alguém muito importante e invejada, por isso quando ela morreu, a primeira coisa que fizeram foi tentar te destruir, então, você foi criada nessa cidade. Não só uma maravilhosa modelo, dona de umas melhores vozes, talvez do mundo todo. Ela Tinha uma agenda corrida e uma fama incrível, e deu uma pausa na carreira quando soube que estava grávida e… Doente.” A única coisa que pensei foi o motivo de terem me escondido isso por tanto tempo. Pouco a pouco interliguei os fatos, se a voz dela era maravilhosa a minha deve ser igual ou melhor. E Sook continuou, “- Posso te fazer a adolescente mais rica do mundo se você assinar um contrato com a minha gravadora. Você precisa manter sigilo e só sair da cidade ou de casa se for no carro da gravadora, deve manter poucas amizades e diminuir sua popularidade, em troca você terá tudo o que quer como por exemplo: jóias, roupas.

Os olhos verdes ofuscante e seu sorriso me deixam tão maravilhada. Sua voz parecia sair perfeitamente dos seus lindos lábios, existia um enorme clima no pequeno escritório era como se estivesse presa em um universo onde só existiam nos dois, e eu nunca mais quisesse sair de lá. Reparei que havia um ar condicionado, e era por isso que o ambiente estava tão aconchegante, Alguém bateu na porta algumas vezes e finalmente Sook tomou sua atenção para algo que não fosse apenas eu, o empresário arrumou o cabelo, e ele abriu a porta. Era apenas uma faxineira, perguntando se podia limpar a sala mais tarde, ele permitiu e logo depois que ela foi embora trancou a porta novamente.

-É melhor você ir embora. Pense no contrato e me ligue se puder - Kita entregou o papel do contrato e levantou a menor.

Não respondi, apenas deixei o papel e saí do pequeno cômodo. Li a primeira cláusula e parei, sei que por ser menor de idade precisaria falar com meu pai, ele era a pessoa mais próxima de minha mãe, então como deixou tudo aquilo acontecer com ela? Entrei calmamente na sala de aula faltando menos de meia hora para o último sinal, e Jam me enviou uma mensagem perguntando o que ele queria. Eu ignorei a mensagem dela, e isso a deixou claramente irritada, então, no final da aula evitou olhar para qualquer direção que fosse perto de mim. Entregou um bilhete e foi embora, cortando qualquer meio possível de conseguir falar com a mesma. “Rock disse que vai poder ir na sua casa, às cinco horas estarei lá contigo, ok? P.S: Se por algum acaso você ignorou minhas mensagens propositalmente, nunca irei lhe perdoar.” Após terminar de ler, amassei o papel e joguei no lixo, Rock se aproximou e perguntou se eu podia emprestar algumas roupas, normalmente sou ciumenta com as minhas roupas, mas se for por ela é uma boa causa. “- Você se recuperou da recaída, não é mesmo?” perguntou inquieta, e eu concordei com a cabeça. Descemos a escadas e fui até o carro, que estava estacionado em frente ao colégio.

Cheguei e tentei ligar várias vezes para Sook, e ele não a atendeu, o desespero tomou conta de meu corpo. Corri até a sala de escritório que se localiza no sótão da casa e chamei por meu pai.

“Quando iria me contar sobre minha mãe?”

Ele ficou calado e ignorou minha pergunta, covarde como sempre, decidi falar sobre as meninas dormirem em casa e ele também não respondeu. Depois disso, cruzei o braço e desencostei da porta, o melhor seria preparar e organizar todo o quarto para que as meninas se sentissem confortáveis. Ele não disse sim, e com certeza não disse um “Não”, então não deve ter problema. Finalmente deu 5 horas da tarde.

“- Eu vou poder entrar no quarto para te dar boa noite?” Mary me disse, enquanto eu trocava de roupa.

“Não precisa, obrigada.”

Olhei pela janela e avistei as duas e elas entraram no enorme casarão impressionadas com tudo o que viam, apresentei todos os cômodos e fomos ao quarto.

Ficamos conversando durante um longo filme em preto e branco, expliquei sobre o contrato e como ele influencia nos estudos.  Já eram quase oito horas da noite e abrimos alguns salgadinhos. Rock falou de boca cheia e acabou engasgando com uma batatinha frita.

Rimos da situação e começamos a falar de empregos, Jam é de Biólogas e pretende cursar alguma área ambiental. A morena não, é mais chegada em arquitetura ou artes. E quando me perguntaram o que eu pretendia fazer, não soube responder. Usei a desculpa que estava cansada e me arrumei na cama para dormir, antes disso contei sobre o passado de minha mãe, mas nada sobre o jeito do empresário enquanto estávamos sozinhos. Não era o momento certo pra isso e tive medo da maneira em que reagiriam. Disse que estava tomando remédio pra dor. No fim, escrevi esta carta, a qual guardo só para mim.

Com muita dor,

Sua Kitty.

 


Notas Finais


Espero que continuem gostando da História <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...