História Meu Príncipe da Escuridão - Em revisão - Capítulo 35


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Draco Malfoy, Hermione Granger
Tags Dark, Dramione, Romance
Exibições 187
Palavras 2.214
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Estupro, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá Pessoal..

Espero que gostem desse capítulo, desculpe os erros e a demora. Haha. Gostaria de vê-los nos comentários e suas teorias sobre tudo o que estava acontecendo. Bom, apenas isso.

Boa leitura.

Bjs da Lay.

Capítulo 35 - Memórias - Chamas Negras


Fanfic / Fanfiction Meu Príncipe da Escuridão - Em revisão - Capítulo 35 - Memórias - Chamas Negras

Há Vinte Sete Anos

Abriu os olhos assustada, todo o seu corpo doía, sua cabeça latejava, os ossos pareciam ser contocer dentro de si. Piscou algumas vezes tentando focar sua visão em algum lugar, demorou alguns segundos sentindo suas pálpebras pesadas, doloridas, querendo ceder mais uma vez ao sono que dominava cada célula de seu corpo.

Piscou mais uma vez e conseguiu focar sua visão, observou um teto branco, piscou novamente girando o seu pescoço percebendo cortinas azuis penduradas em uma janela, sentia o vento gostoso entrar no ambiente e refrescar sua pele. Girou sua cabeça para o outro lado notando uma porta fechada, não demorou muito para associar que estava em um quarto.

Passou sua mão sobre sua testa tentando se recordar da sua última lembrança quando o temo passou por seu corpo, uma corrente elétrica de puro medo, sentou-se rapidamente na cama gemendo baixinho após o movimento violento. Não poderia fazer muito esforço, sentia como se tivesse apanhado e corrido uma maratona ao mesmo tempo; logicamente; sabia o motivo de está tão machucada daquela forma.

Percebeu que usava um vestido folgado rosa claro, o tecido era leve e não machucada sua pele quando entrava em contato com seus machucados, observou todas as manchas roxas que continha em suas pernas, seus braços, passou os dedos delicadamente sobre seu rosto. Antes de deixar que as piores lembranças imundasse sua mente decidiu levantar-se, girou seu corpo para fora da cama de solteiro.

As solas de seus pés foram de encontro com o chão gelado; arrepiou-se. Fez forçar para se manter em pé, seus instintos imploravam para arrumar alguma arma, não sabia onde estava, não sabia quem era naquela caminhonete, não sabia se Simon havia lhe encontrado novamente. Procurou com seus olhos algo para se proteger, mas nada parecia bom o bastante nem para fazer alguma fratura digna.

Respirou fundo tomando coragem, deu alguns passos para a porta segurando a barra do seu vestido, foi quando segurou a maçaneta da porta que notou alguns curativos em suas mãos, parecia que alguém havia tratado de si. Mesmo assim nada diminuiu seu desconforto de não saber onde se encontrava. Girou a maçaneta abrindo a porta devagar.

Ouviu uma voz baixinha vindo de algum lugar, engoliu em seco, olhou o corredor estava no último quarto do local podia-se ver outras portas naquele mísero lugar. Havia alguns quadros de pinturas sobre comida, nada revelante. Caminhou tranquilamente naquele piso gelado, quando mais se aproximava do fim, a voz ficava mais clara, era uma voz suave cantando no embalo de uma música agitada.

Segurou no corrimão de uma escada, não tinha muitos degraus, pisou delicadamente, tentando não fazer nenhum barulho. Cada vez que se aproximava ouvia a voz suave fica mais forte, era envolvente e confortável. Aproximou-se do fim da escada percebendo está em uma cozinha, notou uma mulher de costas para si. Ela lavava a louça, usava um avental por cima de sua vestido florido. Os cabelos eram ruivos e curtos, não percebeu que havia mais duas pessoas naquela cozinha.

__ Vejo que acordou.

Uma voz grave assustou-a, Mary virou-se para encontrar com um homem, ele comia algo enquanto lia o jornal. Era alto, forte e os cabelos mais escuros do que da mulher que virou-se para lhe fitar. Observou um rapaz da sua idade lhe olhar com atenção, daria apenas uns dois anos de diferença. Ele tinha os cabelos lisos caindo sob seus olhos claros.

__ O que houve?. - Perguntou Mary engolindo em seco.

__ Gostaria que você nos dissesse, querida. - Falou a mulher tranquilamente, foi de encontro com Mary que segurou o corrimão em impulso por vê-la tão próxima. A mulher parou assim que percebeu o ato. - Bom, sente-se. - Apontou para uma cadeira ao lado do rapaz que ainda lhe olhava. - Gostaríamos de saber o que houve com você, meu marido lhe encontrou na estrada totalmente machucada. Não sabíamos se chamaríamos a Polícia ou não, então decidimos ficar calados e esperar que nos conte a verdade.

Mary respirou fundo aliviada, caminhou para a mesa sentando-se ao lado do rapaz que ainda lhe observava com atenção. Ela olhou para ele que apenas retribuiu o seu olhar.

__ O que foi?. - Perguntou Mary.

__ Qual é o seu nome?

__ Mary e você?. - Questionou ela ficando mais confortável naquela situação.

__ Arthur Weasley.

Atualmente

__ Você é um mentiroso. - Disse Hermione agitada. - Mentiroso. MENTIROSO! O Draco nunca machucaria minha mãe. - Exclamou Hermione desesperada, começou a andar pela cela, os olhos estavam lacrimejando.- Mentiroso!. - Susssurrou ela.

Simon soltou um sorriso de lado em puro deboche, fitou as unhas super limpas de suas mãos. Parecia está detestando está naquele lugar, todo sujo.

__ Ainda não acredita em mim? Que foi Hermione? Você está dessa formar porquê uma parte de você acredita que Draco poderia ter feito isso, certo? Você sabe que sim, você sabe que ele poderia ter matado sua mãe. - Disse Simon caminhando novamente para sentar-se na cadeira. Observou a morena cruzar os braços como se fosse impedir que a dor ou a dúvida fosse sementeada em sua mente. - Ele matou! Apenas por ele mesmo, um capricho qualquer. Ainda acredita que ele se importa com você?

__ Claro que ele se importa!. - Afirmou a morena virando para fitá-lo mortalmente. Odiou o sorriso debochado que surgiu naquela face, a mesma que tanto odiava.

__ Não. Não mesmo. Vamos acredite, tem que ficar ao meu lado. - Simon falou tranquilamente. - Draco não é confiável.

__ Você é?. - Perguntou Hermione ironicamente. As lágrimas molharam sua face. - Presta bem atenção em uma só coisa. - A morena aproximou-se dele ficando cara à cara sendo fuzilada pelas íris azuis que odiava o contato físico com ela, parecia um verme. A morena ignorou isso e ficou mais próxima. - Você pode fazer o que for, me mata, torturar, humilhar. Não importa, pode até me fazer duvidar do Draco mas nunca em hipótese nenhuma vai me fazer ficar ao seu lado, está entendendo? Eu me mato antes. Você é tão desprezível do que meu próprio pai. Nunca terá minha ajuda seu porco miserável.

O som que ecoou foi forte e alto, a mão de Simon foi de encontro com o rosto de Hermione que pela força inserida caiu de encontro com o chão. Pousou sua mão sobre seu rosto sentindo as lágrimas molhando seus dedos. Não teve tempo de reação ao sentir seus cabelos sendo puxados para cima, Hermione gritou quando começou a ser puxada por Simon que lhe arrastava como se fosse uma boneca.

__ ME SOLTA! ME SOLTA.  - Gritou Hermione tentando soltar seus cabelos daquela mão. O couro cabeludo doía pela força que sentia, as raízes dos fios castanhos se soltavam. - ME SOLTA!

__ Cala boca. - Disse Simon após soltá-la. A morena sentou-se rapidamente, os cabelos estavam bagunçados. Ouviu passos, levantou-se rapidamente ficando em pé, seus olhos arregalaram-se com tudo que estava à sua frente.

__ O quê?. - Perguntou a morena confusa diante daquela cena. Simon aproximou-se dela perigosamente, ficou face à face observando as íris molhadas. - VOCÊ É INSANO!. - Gritou ela voando para cima dele, Simon segurou seus pulsos para cima e empurrou o corpo dela de encontro com a parede atrás de si, a morena arfou pela força. - VOCÊ É LOUCO! SOLTA O MEU FILHO!

Mais um som foi ecoado, outro tapa foi de encontro com sua face. Outro. Outro. Mais outro. A morena gritava se esperneando, tentando se soltar da mão violenta que ia de encontro com o seu corpo lhe tirando o ar. Simon segurou a nuca dela violentamente, bateu de encontro com a parede. A morena ficou tonta imediatamente, sentia o sangue escorrer pela lateral da sua boca, sua visão estava molhada. Seu rosto ardia pelos tapas que levou.

__ Presta bem atenção garota. - Disse Simon sussurrando em seu ouvido causando um desconforto nela que ainda se debatia tentando se livrar da mão dele em sua nuca e a outra em seu pescoço interrompendo sua linha de oxigênio. - Você vai fazer o que eu mandar, vai fica na sua. Vai trabalha para mim, vai virar minha cadelinha, está entendendo? Se não fizer isso eu despacho seu filho para outro lugar.

Os olhos castanhos dela foram de encontro com alguns monitores à sua frente, as imagens neles eram reproduzidas. Seu filho estava em todas, sendo cuidado por uma outra mulher, a morena debateu-se tentando ser livrar.

__ ME SOLTA!. - Gritou ela usando uma de suas mãos para socar o rosto dele. A morena estava descontrolada. - VOCÊ NÃO VAI FAZER NADA CONTRA O MEU FILHO. - Gritou ela pulando em cima dele o tamanho da sua fúria era tanta que Simon se desquilibrou-se soltando o pescoço dela e caindo ao chão com Hermione por cima de si. A morena socou mais uma vez o rosto dele. - EU VOU MATAR VOCÊ! VOU MATAR!

Simon usou sua força tentando segurar os pulsos dela que socava seu rosto e peito, ela nem percebeu quando mãos fortes seguraram sua cintura tirando de cima dele. Ela gritou se debatendo nas mãos de dois homens de Simon; outro dele foi tentar ajudar Simon a levantar do chão que apenas levantou sua mão impedindo o ato.

Levantou-se sozinho e passou a ponta do seu dedo na lateral da sua boca percebendo um filete de sangue. O sorriso surgiu naquela face, a morena estava tentando se soltar mas não conseguia. Encarou Simon que sorria de formar debochada como se não tivesse sangue em seu rosto, os passos nele em sua direção lhe causou um arrepio apavorante surgir em seu corpo. Segurou o rosto dela em sua mão apertando fortemente.

__ Você é igualzinha a sua mãe. Ela tinha me dado um trabalho enorme quando eu possuir ela. - Disse ele soltando seu rosto para passar sua mão na face dela e dando mais um tapa que causou dor na morena que mordeu seu lábio para impedir de gemer de dor, não daria esse gostinho à ele. Simon passou sua mão tirando os fios castanhos de seu rosto. - Quem você vai escolher, querida? Uma resposta e uma escolha irá decidir seu destino. Eu ou o Draco?

A morena virou sua face toda avermelhada pelos tapas e molhada pelas lágrimas. Encarou o rosto inexpressivo de Simon, cuspiu na face dele.

__ Eu escolho o Draco, sempre será o Draco.

Simon fechou os olhos e pegou um lenço que foi entregado para si. Passou delicadamente tirando todo o cuspir que venho da morena. Abriu os olhos e fitou as íris castanhos.

__ Mate-a.

A morena gritou se debatendo antes de ouvir uma explosão em algum lugar. Hermione assustou-se com a fumaça que saiu da porta que ficava alguns metros dali, tentou se soltar mas não conseguiu. Os homens que estavam perto da porta caíram ao chão quando tiros ecoararam pelo local. Simon sorriu de lado colocando sua mão dentro dos bolsos da sua calça social. Ficou ao lado de Hermione que não entendia nada.

Observaram uma luz iluminar a entrada, passos foram escutados até que uma silhueta bem conhecida surgiu. A morena sorriu quando observou Draco arrumando a manga da sua jaqueta, ele segurava uma arma. Cho,  Theo e Harry estavam atrás de si com armas em mãos.

__ Pensei que ia demorar mais. - Disse Simon calmamente. Os olhos de Draco vagaram pelo local e focou na morena que parecia bem machucada.

__ Gosto de ser imprevisível. - Falou Draco dando um sorriso de lado. - Solte-a!

Simon levantou seus dois dedos e os homens soltaram Hermione que correu em direção de Draco jogando-se em seus braços. Draco circulou sua cintura, percebeu que havia monitores desligados ali. Voltou seus olhos para Simon que não estava nem um pouco desconfortável com a situação que poderia ser morto à qualquer instante. Mas ele sabia que não iria.

__ Acho que você conseguiu o que queria, certo?. - Perguntou Draco encarando-o.

__ Eu acho que sim! Temos que colocar um fim nisso, não acha? Na véspera da Primavera onde tudo começou em plena meia-noite vamos descobrir quem continuará vivo. - Falou Simon virando-se e saindo andando em direção ao contrária. - Se até lá você ainda estiver vivo. Ah!. - Simon exclamou; virou-se para fitar Draco que continuava pensativo observando o local onde estava. Voltou sua atenção para Simon. - Annabelle te mandou lembranças!

__ Posso dizer o mesmo da Aurora. - Disse Draco vendo-o lhe olhar intensamente. Mesmo que ambas faces não tivesse nenhuma expressão. - Pensava que eu não tinha nenhuma carta na manga, acredita mesmo que não ficaria de braços enquanto você estava com o meu filho, certo?

__ Ela está morta. - Exclamou Simon olhando-o como se tivesse um detecto de mentiras estivesse ligado e voltado para Draco.

__ Não. Mas ela vai está. - Afirmou Draco dando um sorriso de lado. - Meia-noite, como você disse onde tudo começou.

Draco puxou Hermione e saiu por onde tinha vindo sendo seguidos pelos seus amigos. Mas antes de passar pela porta virou-se para Simon que ainda estava no mesmo lugar, paralisado.

__ Só para informar acho que você foi negligente em relação à segurança dela. Ela é sua filha, você é um péssimo pai.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...