História Meu Príncipe Mal Encantado - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Avenged Sevenfold, Avril Lavigne
Exibições 43
Palavras 1.089
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Famí­lia, Romance e Novela, Visual Novel
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Cheirinho de café gostinho de limão


Fanfic / Fanfiction Meu Príncipe Mal Encantado - Capítulo 2 - Cheirinho de café gostinho de limão

AVRIL POV 

Acordei no outro dia querendo que tudo fosse só um pesadelo, Brian o insuportável já tinha trazido toda a tralha dele e entulhado no quarto de visitas, eu passei a tarde trancada no meu quarto afim de não encarar aquela nova e triste realidade da minha vida, olhei na tela do meu celular eram 9:30 da manhã, como tinha quase total certeza que o cabeçudo egocêntrico do Brian não acordaria aquela hora, sai do meu quarto e desci as escadas indo até a cozinha preparar meu café. 

-You say that I'm messing with your head - Eu adorava cantar enquanto fazia qualquer coisa, era um jeito de descontrair - All 'cause I was making out with your friend – Coloquei o café na cafeteira e liguei a mesma colocando minha xícara preferida nela já preparada pra quando o café começar a escorrer. - Love hurts whether it's right or wrong – Eu confesso que fazia tudo dançando também, sou humana e sim eu acordo de bom humor as 9:30 de manhã. 

-Que cena linda, com certeza a primeira coisa que queria ver ao acordar é essa sua bunda branca. - Me virei e pra minha não surpresa olha quem veio me cutucar logo cedo. 

-Sério? Você levantou cedo só pra me encher a porra do saco? 

-Na verdade foi mais ou menos isso mesmo. 

-Quer que eu te mande a real Haner? - Eu disse cruzando meus braços, ele conseguia acabar com o dia de qualquer pessoa, de qualquer um mesmo. 

-Fala pigmeu. 

-Isso, toda essa sua... implicância, só é arrependimento reprimido, você não sabe como admitir pra si mesmo e pros outros o quanto você está arrependido pela merda que fez no ensino médio, vive mentindo pra si mesmo pra tentar se convencer que ta feliz com a Michelle, quando não está. 

-Hmmm acho que alguém andou afiando a linguinha, agora é minha vez de mandar a real, mas não vou precisar desse discurso todo que você fez. 

-Então fala já que você é o fodão. 

-A única iludida aqui é você de pensar tudo isso. 

-Será que sou eu mesmo cabeçudo? Que eu saiba eu não preciso ficar implicando com você só pra chamar sua atenção não é mesmo espertão? 

-E quem disse que eu implico pra chamar sua atenção? 

-Eu não preciso que ninguém venha me falar as coisas, eu tenho um par de olhos perfeitos e vejo que toda a vez que te ignoro você da um jeitinho de falar algo, fazer alguma brincadeirinha idiota só pra mim te dar o mínimo de atenção, pra mim falar com você nem que seja pra te mandar pra casa do caralho – Ele ficou me encarando sem dizer nada, fui até a cafeteira pegando meu café que já estava pronto – Para de se iludir, porque eu nunca seria capaz nem de beijar um cara igual você, tenha um bom dia Haner. 

Eu sai da cozinha e esbarrei no ombro dele de propósito, subi as escadas e voltei pro meu quarto, uma sensação fenomenal me invadiu, eu finalmente tinha tomado coragem de derramar todas as palavras entaladas a anos na minha garganta na cara o cabeçudo, se ele quer ficar nessa casa a banda vai tocar no meu ritmo. 

BRIAN POV 

Todos devem estar se perguntando porque bulhufas eu tinha ficado calado, e eu respondo de uma maneira simples, não quero ser preso por ter batido em uma mulher que não tem tamanho de mulher, e que além disso é irmã do meu melhor amigo, Avril conseguia ser a garota mais insuportável e antipática que eu conhecia, e me pergunto como um dia eu tive coragem de ter gostado dela nem se fosse o mínimo, a garota praticamente pedia de joelhos pra nos odiarmos até a morte. 

Matt tinha me avisado que não ia ser fácil conviver com ela, que ela era cabeça dura que sim teria dias que ela iria acordar e despejar todos os problemas na minha cara como se eu fosse sei lá, o Bin Laden, ou como se eu tivesse matado o Ronaldinho, o peixe que ela tinha ganhado no seu aniversario de 3 anos que depois de duas semanas se suicidou, mas eu disse  "sem problemas cara, quem já lidou com Michelle lida com Avril bem na boa", erro meu ter dito isso, Michelle era tipo um simulado e a Avril é a prova final, e nessa matéria eu tinha total convicção que eu não iria passar. 

Eu tinha acordado cedo por motivos que eu ainda desconhecia, eu não acordo antes das 11hrs desde que me formei na escola, logo que acordei ouvi uma cantoria vindo da cozinha e decidir ir lá ver e a garota já veio com paus e pedras na mão mesmo depois que elogiei a bunda dela, eu comeria ela de costas com a boca cheia de fita isolante pra não falar bosta. 

AVRIL POV 

-Vamos amiga não pode deixar esse idiota acabar com a festa – Estava no FaceTune falando com minha melhor amiga Taylor, hoje era aniversario dela e ela faria uma festa de arromba, o  irmão dela é fã da banda do Matt e acabou convidado eles. 

-Mas amiga, nem em festa eu consigo me livrar desse encosto! Por Deus parece macumba, impregnou na minha vida. 

-Avril eu já te disse pra não vir com essa energia lixo pra minha festa, poxa amiga você atrai o que pensa, as vezes esse seu ódio toma tanta conta de você e dos seus pensamentos que acaba atraindo ele pra perto. 

-Ai por favor ne amiga, você e essas coisas de pensamento, good vibe, não da certo, eu vou na festa só não vou ficar feliz de ver ele lá. 

-Então trate de arrumar alguma coisa que compense e te deixe feliz, agora tenho que desligar tenho muita coisa pra organizar ainda, beijos e MELHORA ESSE HUMOR MULHER! 

-Pode deixar vou fazer o possível - Eu disse rindo – Beijos. 

Ela desligou a chamada e me joguei na cama pensativa, uma coisa eu tinha colocado na cabeça, eu não ia acabar com a minha festa por causa de cabeçudo de Brian Haner, e muito menos me isolar num canto sozinha por causa de irmão ciumento e super protetor, essas coisas estavam oficialmente fora dos meus planos, levantei da cama e decidi que iria tomar um banho, me arrumar e sair pra comprar alguma roupa pra hoje na esperança de dar uma compensada nesse começo lixo de dia, vamos Avril você consegue ignorar a existência de Brian Elwin Haner Jr, você precisa ignorar...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...