História Meu querido diário - Capítulo 38


Escrita por: ~

Postado
Categorias Turma da Mônica Jovem
Tags Amor, Cebonica, Escolar, Meuqueridodiário, Tmj, Turmadamônicajovem
Exibições 188
Palavras 1.631
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Escolar, Festa, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá amorzitooosss ♥ ♥ ♥ Tudo bem????????
Aqui vai mais um capítulo cheinho de amor direto do forno para vocês ♥ ♥ ♥ Estão preparados para muita coisa surpreendente acontecer???? ♥ Hihihihihi
Quero agradecer muito pelos comentários incríveis e lindos que deixam, pelos favoritos, pelo carinho ♥ ♥ ♥
Amo muito vocês ♥

Capítulo 38 - Que tal Mel?!


Fanfic / Fanfiction Meu querido diário - Capítulo 38 - Que tal Mel?!

Na verdade eu não sabia se esse era o real motivo de eu ter ficado por lá, no fundo, bem no intimo, acho que eu queria poder abraça-la daquela forma, mesmo que não houvesse comemoração alguma, simplesmente sem precisar de motivo, só para senti-la novamente em meus braços.

Assim que o refeitório se esvaziou e eles saíram conversando animadamente, me levantei um tanto quanto cabisbaixo, caminhei até a porta para deixar minha bandeja e foi ai que reparei um caderninho rosa jogado debaixo da mesa.

Agachei e o peguei curioso, abri e na hora identifiquei de quem era, em sua segunda capa lia-se caprichosamente escrito em letras cursivas inconfundíveis, “Meu querido diário – Monica Sousa”.

--

POV Monica

Se eu pudesse gravar os dias mais incríveis da minha vida com estrelinhas de favoritos, com certeza aquele teria entrado pra história.

Assim que girei a maçaneta de casa e abri a porta para a sala vi em torno de uns 7 pares de olhos dos quais eu mais amava na vida toda olhando para mim, dentre eles dois de cor mel, idênticos aos meus se destacaram, imediatamente eu joguei minha mochila no chão e sai correndo em direção a eles de braços abertos.

Minha mãe estava ali, exatamente ali, com o maior sorriso que eu já tinha visto estampado em seu rosto, um sorriso orgulhoso. Não sabia como, mas eu não precisei falar nada, nem dar noticia nenhuma, porque quando olhei para a mesa da sala, bolos, salgados e refrigerantes já as preenchiam, com alguns dizeres escritos a mão, perceptivelmente feitos recentemente, com diversas frases carinhosas, como “parabéns pela conquista”, “você merece” e “te amamos”.

Confetinhos e uma gritaria tomaram conta do local quando comecei a chorar emocionada, queria gritar de alegria mas acredito que meu silencio tenha falado o quanto eu estava feliz, quase toda minha família da cidade estava por lá, tios, tias, primos, o Tit, a Aninha.

Somente após uns 15 minutos de choro, consegui me recompor e só então minha mãe começou a explicar como tudo aconteceu.

Rapidamente entendi, ela já estava programando uma vinda ao Brasil, e com isso iria me fazer uma visita surpresa, como o papai a avisou que o resultado da prova sairia no decorrer da semana, e ela queria estar aqui quando eu recebesse a noticia, veio o quanto antes, e exatamente quando desembarcou no aeroporto o papai a ligou avisando sobre minha aprovação, na hora decidiram que precisavam comemorar.

- E como ele soube? – Perguntei ainda emocionada.

- Como você é menor, ligaram aqui para contatar a família sobre a república que eles oferecem... Ai seu pai descobriu por tabela – Ela contou com os olhos marejados – Ainda lembro quando você tinha oito anos e me disse pela primeira vez que queria ser jornalista, filha, você lembra? E quando você cresceu mais um pouquinho e decidiu que era na UOP que queria entrar...  – Me abraçou novamente.

- Oh mãe... – Retribui permitindo as lágrimas escorrerem novamente – Não acredito que fizeram tudo isso para mim, não precisava.

- Você merece filha – Papai se aproximou sorridente.

- Amo vocês, e você está incluso nisso Titi – Falei para ele que se aproximava sorrindo.

- Também te amo, parabéns baixinha, uma nova vida vai começar para você a partir de agora – Ele me parabenizou entrando no abraço.

--

Fui deitar tarde naquele dia, por volta das 2h00 da manhã, mamãe ficaria até o final do mês com a gente para me ajudar a colocar as coisas em ordem até eu me mudar para Ouro Preto, as coisas burocráticas como cadastro para república da faculdade, matricula, conhecimento do local, tudo isso teria que ser feito com meus pais, então nada mais justo que ela também estar presente. Depois pelo que entendi, teria que voltar para Paris, teve seu contrato renovado por mais um tempo e cobriria os desfiles de final de ano, ou seja, sem chance de passar aqui com a gente, mas eu entendia, sempre torci pela carreira dela.

Ficaria na casa do papai mesmo, no meu quarto, como já disse antes, e sempre afirmo, eles mantiveram, apesar de tudo, uma amizade bonita, acho que com o tempo superaram a separação e concluíram que o melhor seria manter essa união que tínhamos.

Minutos antes de dormir lembrei num repente da Magali e corri até meu celular que estava há aproximadamente sete horas esquecido no bolso da mochila, assim que o desbloqueei percebi quatro chamadas perdidas dela, droga! O que isso significaria? Que ela estava muito feliz pra me contar que também tinha passado, ou muito triste e precisava desabafar com a melhor amiga desnaturada?
Briguei mentalmente comigo mesma por não ter atendido. Chequei as horas novamente e com certeza ela estaria dormindo, eram quase três da madrugada. Mandei uma mensagem me desculpando e deitei, falaria com ela assim que acordasse.

Observei por mais alguns instantes a mamãe que já dormia, eu estava nas nuvens, pensei em escrever no diário naquela noite, colocar toda essa felicidade para fora em forma de escrita, mas o cansaço e a preguiça não me permitiram, escolhi dormir, e foi gradualmente enquanto ainda olhava a mamãe que peguei no sono. Um sono leve e tranqüilo!

--

POV Cebola.

 Folheei mais algumas vezes o caderninho recém encontrado, e por alguns segundos não acreditei no que via, era o diário da Monica em minhas mãos. Quantos segredos existiam em diários?!

Rapidamente o coloquei na bolsa, e sai do refeitório, voltei tranquilamente para meus afazeres na sala dos professores, resolveria o que fazer com ele mais tarde.

--

O tempo não demorou a passar, cheguei em casa exausto depois da faculdade e a única coisa que eu queria era me jogar na cama, o TCC estava consumindo nossa alma, e antes de dormir ainda teria que repassar boa parte do trabalho de musculatura, abri a mochila para pegar os livros e assim que os tirei o diário cor de rosa veio junto.

O peguei cuidadosamente, e pousei sobre meu criado mudo, como se fosse um objeto perigoso o observei de longe indeciso sobre o que faria, com certeza o devolveria, mas e antes disso?!

Não demorei muito para terminar de revisar mais uma parte do TCC, olhei o relógio sobre o criado mudo, eram 2h00, arrumei minhas coisas, apaguei a luz e deitei sentindo cada músculo do meu corpo relaxar dolorosamente, acendi a lanterna do meu celular e peguei o diário dela em mãos, analisei um pouco, e por fim resolvi abri-lo, afinal era sexta feira e eu não precisaria acordar tão cedo no sábado.

Folheei um pouco, e parei em uma das paginas que me chamou atenção.

 “Meu querido diário, estava com saudades? Resolvi voltar a escrever, minha vida anda meio parada, mas sinto falta de conversar com você.
Voltei a escrever aquele romance que estava parado há quase um ano, acho que está ficando bom, ainda não sei como vou concluir ele, mas sonho em um dia publicá-lo.
Hoje o Toni veio atrás de mim, eu sabia que viria, é só eu dar um chá de canseira que ele aparece, me chamou para sair, tive que negar, infelizmente não poderei, ele achou que eu o estava evitando, pelo menos foi isso que a cara de decepção dele transpareceu, mas não foi uma desculpa, eu realmente tenho treino de vôlei, alias nosso time está melhor, todas são boas, estamos super focadas, tenho certeza que ano que vem seremos campeãs e o treinador ficará orgulhoso.
Hoje pensei no papai, faz tempo que não vou para lá, em meio a provas e treinos acabei cancelando algumas idas, mas semana que vem já marquei do Titi vir me buscar, confesso que não estou muito ansiosa para viajar com ele, ando sem saco para o meu irmão, só que a saudade do papai e do Monicão é muito maior que isso."

Parei para rir, lembrei das vezes que o Titi dizia que ele e a irmã viviam implicando um com o outro, mas que eram unidos acima das discussões, agora fazia sentido. Naquele tempo jamais imaginaria que me apaixonaria por ela, bem aquela que o Titi reclamava, chamava de pirralha, mal sabia ele o quanto estava errado, a Monica era talvez a menina mais incrível que eu já tinha conhecido.

Por falar nisso, descobri de onde veio o talento no vôlei, ela fazia parte do time do colégio. Senti um remorso ainda maior por tê-la tirado do nosso.

Será que esse romance no qual ela mencionara, era o mesmo que tinha me mostrado? Se fosse, era incrível. Em pensar que cheguei a desconfiar se ela realmente escrevia... Fui um tolo.

Virei mais algumas folhas, já com o olho pesado, meu corpo pedia descanso, mas meu cérebro e minha curiosidade pediam para eu continuar com a leitura.

“Meu querido diário, estou aqui no meu pai, acabei de saber que vou ficar sozinha em casa, não sei pra que vim, enfim, pelo menos liguei para a Denise e ela teve uma ideia, que não sei muito bem se concordo. De qualquer forma eu topei, meu irmão tem festa da faculdade mais tarde, eu tentei, juro que tentei pedir para ele me levar, e não obtive sucesso. Sendo assim a De arranjou um jeito de irmos, pediu para eu pensar em um nome para usar lá, que tal Mel?”

Instantaneamente parei de ler, era como se meu coração bloqueasse o que viria a seguir, uma indecisão e um frio na barriga percorreram meu corpo, não sabia até que ponto era correto o que eu estava fazendo, fechei o diário e o coloquei sobre minha barriga, o teto de repente virou meu ponto de foco, analisei-o perdido nos meus pensamentos, não saberia dizer quanto tempo passei assim, até por que um torpor invadiu minha mente e antes que pudesse concluir qualquer coisa, peguei no sono.


Notas Finais


Bom pessoal, espero que tenham gostado ♥ ♥ ♥
Se puderem deixem seus comentários, são super bem vindos, e lidos com muito carinho ♥
Parece que o Ce está se aproximando de descobrir a verdade, vista pelos olhos da Mo... Será que agora vai???
Beijãooo e até o próximo capítulo ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...