História Meu Romeu - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Karol Sevilla, Ruggero Pasquarelli, Sou Luna
Personagens Ámbar Benson, Ana, Jim, Karol Sevilla, Luna Valente, Matteo, Nico, Nina, Personagens Originais, Ruggero Pasquarelli
Tags Lutteo, Ruggarol, Sou Luna
Visualizações 115
Palavras 1.201
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá meus amores, hoje mesmo começa a segunda parte, nem todos os capítulos serão enormes igual da primeira parte, mas são de bastante importância, aproveitem!

Capítulo 23 - Minha Julieta - capítulo 1


Hoje

Nova York

Apartamento de Luna Valente

No Japão, eles têm o kintsugi — a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada, mas que por isso mesmo é mais bonita.

É um conceito que sempre me fascinou.

É comum as pessoas tentarem esconder suas cicatrizes, como se o mais leve dano provasse o quanto são fracas. Acham que as cicatrizes equivalem a erros e os erros, a vergonha. A perfeição para sempre desfigurada.

Kintsugi faz o oposto. Ele diz: “Há beleza que nasce da tragédia. Vejam estas preciosas linhas, quebradas pela experiência”.

Enquanto estou parada no corredor, olhando fixamente para a porta da frente, que reverbera com as batidas do meu antigo amante, ocorre-me que, apesar de o kintsugi ser um conceito nobre, não muda a realidade de que, uma vez que alguma coisa é quebrada, nada mais é a não ser isso. Um belo reparo, não importa quão elegante seja, não a deixa inteira novamente. Continua sendo uma porção de pedaços colados, uma imitação de sua forma anterior.

A julgar pelo seu e-mail desta manhã, que desnudava sua alma e incluía uma épica declaração de amor, creio que Matteo quer me remendar. Irônico, considerando que, para começar, foi ele quem me quebrou.

Sei que você acha que fui embora porque eu não te amava, mas você está errada. Eu sempre te amei, desde o momento em que coloquei os olhos em você.

Passei tanto tempo acreditando que tinha recebido o que merecia quando as pessoas me deixavam que não parei para pensar que recebi o que merecia quando te encontrei. Não consegui ver que, se eu parasse de ser um grande idiota inseguro por cinco minutos, daí talvez... só talvez... eu conseguisse ficar com você.

Quero ficar com você, Luna.

Você precisa de mim tanto quanto preciso de você.

Estamos ambos vazios um sem o outro. E levei muito tempo para perceber isso.

Lá está a batida de novo, mais forte dessa vez. Sei que preciso responder.

Ele está certo. Estou vazia sem ele. Sempre estive. Mas o que tenho para lhe oferecer a não ser a casca da mulher por quem ele se apaixonou?

Não seja idiota como eu fui deixando as inseguranças vencerem. Deixe a gente vencer. Porque sei que você pensa que me amar de novo é um tiro no escuro e que suas chances são sombrias, mas me deixa dizer uma coisa: eu sou a coisa real. Não consigo parar de te amar, mesmo que eu tente.

Ele é capaz de me amar e ainda assim me deixar. E já provou isso mais de uma vez.

Ainda estou morrendo de medo de você me magoar? Claro. Provavelmente da mesma forma que você morre de medo de que eu te magoe. Mas tenho coragem suficiente para acreditar que o risco vale a pena.

Me deixe ajudá-la a acreditar.

Corajosa é uma palavra que não uso para me descrever há muito tempo. Meu telefone vibra com uma mensagem.

Ei. Estou na porta da sua casa. Você está aí?

Excitação e medo tomam meu corpo, apostando corrida para ver qual dos dois consegue paralisar meu cérebro primeiro.

Quando terminei de ler o e-mail, precisava vê-lo. Mas, agora que ele está aqui, não tenho ideia do que fazer.

Enquanto caminho pelo corredor, é como se eu estivesse sonhando. Como se os últimos três anos tivessem sido um pesadelo e eu estivesse a ponto de acordar.

Tudo parece mais lento. Mais importante.

Quando chego à porta, aperto o robe em torno do meu corpo e expiro profundamente, em um esforço para me acalmar. Então, com a mão trêmula, abro a porta.

Eu me obrigo a respirar enquanto a porta abre para revelar Matteo, com o celular na mão. Tão lindo, mas cansado. Nervoso. Quase tão nervoso quanto eu.

— Ei — ele diz baixinho. Como se estivesse com medo de que eu o mandasse embora.

— Você está aqui.

— É.

— Como? Quer dizer, eu acabei de mandar a mensagem. Você já estava aí?

— Hum... é. Eu... bem, eu fiquei aqui um tempo. Depois que enviei o e-mail, não consegui dormir. Não conseguia parar de pensar em coisas. Em você. — Ele olha para o celular e o enfia no bolso. — Eu queria estar por perto, caso você...

— Sorri e balança a cabeça. — Eu queria estar aqui. Por perto.

Seu paletó está no chão, amassado, ao lado de um copo descartável de café.

— Matteo, há quanto tempo você está aí fora?

— Eu já disse, um temp...

— Quanto tempo exatamente?

Seu sorrisinho disfarça algo mais profundo. Algo desesperado.

— Algumas horas, mas de certo modo... — Matteo baixa os olhos e balança a cabeça novamente. — Eu meio que me sinto como se estivesse esperando aqui fora há uns três anos, tentando criar coragem para bater na porta. Acho que aquele e-mail foi o jeito que encontrei de fazer isso.

Quando Matteo ergue os olhos novamente, pela primeira vez em muito tempo, eu vejo medo em seu olhar.

— Mas a pergunta é: vai me deixar entrar?

Percebo que estou agarrando o batente com a mão direita enquanto seguro a porta com a esquerda. Meu corpo inteiro bloqueia a entrada. É como se tudo que sou estivesse inconscientemente no meio do caminho dele.

Ele se inclina devagar, com cuidado.

— Você leu meu e-mail, certo?

De repente o espaço entre nós parece muito pequeno.

— Sim.

Ele põe as mãos nos bolsos, com expressão cautelosa.

— E? Adiantou?

Não sei o que dizer. Será que ele espera algum tipo de declaração? Qualquer coisa que combine com seus mil “te amo”?

— Matteo, aquele e-mail foi... incrível.

Parece que isso é tudo o que ele quer ouvir, porque seu rosto se ilumina.

— Eu amei. — Sinto um nó na garganta quando digo essas palavras. — Você realmente digitou os... aquelas frases... uma por uma?

— Foi.

— Levou quanto tempo?

— Não sei, não marquei. Só queria que você soubesse. Ainda quero que você saiba.

Seguro a porta com mais força.

Sei que não é uma conversa para se ter num corredor, mas, se o Matteo entrar, ele vai tocar em mim, e então qualquer tênue força que eu ainda tenha vai se estilhaçar.

— Então... como a gente fica depois disso? — Ele dá um passo à frente. — Quer dizer, eu sei o que quero. — Ele está tão perto que seus pés quase tocam os meus.

— Acho que deixei tudo bastante claro. Mas, e você? 

Fico tensa com sua proximidade.

Esse homem significa tanta coisa para mim. Ele foi meu primeiro amigo de verdade. Meu primeiro amor. Primeiro amante. Me deu mais prazer do que eu podia imaginar, e é o arquiteto de uma dor que jamais pensei ser capaz de suportar.

Parece quase impossível transformar todos esses homens em um, no homem que ele quer ser. Aquele que quer apenas ser um só para mim.

Meu.

— Luna... — Matteo toca minha mão, e então desliza os dedos pelo meu pulso e antebraço. Eles deixam uma explosão de arrepios por onde passam. — O que você quer?

Eu quero você. Não posso querê-lo. Preciso dele. Odeio precisar dele.

— Não sei — murmuro.

— Eu sei — diz Matteo, inclinando-se na minha direção. — Me deixe entrar. Prometo, dessa vez estou aqui para ficar.


Notas Finais


Sim, era ele batendo a porta, Luna ainda processando o e-mail, e um Matteo preparado para conquistar ela de vez...
Até amanhã, meus amores, beijos!❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...