História Meu último suspiro - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Drama, Jeon Jungkook, Jung Hoseok, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Park Jimin
Exibições 47
Palavras 1.163
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Espero que gostem deste capítulo, e me perdoem pelos erros!

Capítulo 2 - Capítulo 2 - Elevador


Fanfic / Fanfiction Meu último suspiro - Capítulo 2 - Capítulo 2 - Elevador

Naquele dia você não tinha reações nem emoções, você sabia que isso aconteceria cedo ou tarde, só não sabia o lugar para onde iria. Se perguntava se iria se acostumar com aquilo tudo, com novas pessoas, se elas seriam iguais ás da escola ou ás que via na rua, isso de algum modo te assustava, Você sabia que iria ficar sozinha depois que botasse seus pés naquela clínica. Mas, pensava em possibilidades de mudar um pouco, talvez. Você ficou deitada na cama o dia inteiro ouvindo música e olhando para o teto liso de cor branca, tentava não pensar em muitas coisas. Olha pela janela e vê que já está escuro

- Como ás horas se passaram rápido. - Pensa. 

Nesse momento você ouve sua minha barriga roncar e resolvo tomar um banho e descer para comer algo. Tomo seu banho visto um vestido branco simples e desce. Seus pais não estão em casa e dá graças a Deus por isso, come alguma coisa e senta no sofá. Olho no relógio e vê que ainda são 19:34 e resolve se "animar" e dar uma volta. 

- Esse vai ser o meu último dia como pessoa normal mesmo. 

Calça seu tênis pega suas chaves na cômoda do quarto e saí por ai se rumo. Seus pensamentos voltam, e são um pior que o outro, pensamentos suicidas, ou até de fugir.

- Devo parar de pensar nisso. Pensa. 

Você vai até uma praça próxima de onde você estava, vê várias pessoas passeando, crianças com seus pais, namorados, amigos e isso faz você ficar enjoada de ver tanta felicidade e você sem nenhuma. Então resolve voltar para casa. No caminho você dá passos lentos olhando atentamente para lugares aleatórios ou até pessoas. Finalmente cega em casa, você olha no relógio na parede amarela a entrada de cozinha e ver que são 20:41. Percebe que seus pais ainda não voltaram e resolve ir pro seu quarto. Põe algumas músicas e fica sentada na cama. Você tem uma ideia, resolve escrever uma carta, como despedida, para pessoas que nunca existiram. 

"Queridos amigos e familiares que sempre se dedicaram tanto a mim, eu acho que não estou me sentindo bem e vou ir pra um castelo encontrar meu Romeu, pois é.. O outro me trocou, e óbvio que não vou perder tempo, não é mesmo?" 

Solta um sorriso de canto quando acaba de escrever. 

- Besteira. - Pensa alto. 

Você resolve ir arrumar suas coisas, põe ás poucas roupas que tem numa mala pequena.

- Adeus quarto branco sem graça, pelo menos espero que lá tenha janelas, ainda quero ver o sol nascer e pessoas andando na rua, coisa que acho que não vou ser.

Depois disso resolve ir descansar, dorme com a roupa que estava mesmo pela preguiça de tirar-lá.

- Acordar. Está na hora de irmos. - Diz seu pai em um tom calmo.

Você solta um longo suspiro e ainda deitada diz.

- Eu vou me arrumar.

- Tudo bem. - Diz seu pai. - Logo após você ouve o barulho da porta  sendo fechada 

Você fica uns 2 minutos deitada olhando para a janela, quando finalmente cria coragem e levanta. Faz sua higiene matinal, toma um banho frio e veste uma calça cintura alta preta e uma blusa cor vinho lisa e seu tênis. Deixa seus cabelos soltos e pega a mala que está dentro do guarda-roupas, 

- Adeus. - Fala olhando ao redor do quarto. 

Nesse momento você sente uma grande vontade de chorar, seus olhos se enchem de lágrimas. Mas você pensa.

- Devo ser forte! O pior ainda está por vir. 

Pega suas chaves e o seu celular em cima da cômoda e desce. Você vê seus pais na frente da porta conversando. Quando eles percebem que você está descendo levam os olhares para você.

- Acho que não vai precisar mais das suas chaves. - Sua mãe diz desviando o olhar para abrir a porta.

Você acaba de descer os últimos dois degraus da escada, respira fundo e põe a chave em cia da estante. Fecha os olhos e vai em direção a porta. Você põe a mala no porta-malas com a ajuda de seu pais. 

- Eu irei sentir sua falta minha princesa. Você sabe que é tudo para mim, eu irei te visitar. - Seu pai fala com os olhos cheio de lágrimas e logo lhe abraça. 

Sua mãe buzina como forma de parar aquela momento. 

- É pra hoje? - Diz em um tom de deboche. 

Você entra no carro e respira fundo. E pensa. 

" - É um novo dia."

Uns 30 minutos se passam. Você olha pela janela e vê que já não haviam tantas casas, eram apenas árvores e mais árvores, casas distantes umas das outras. 

- Chegamos. - Diz sua mãe lhe tirando do transe. 

Por fora era como uma casa enorme, não havia ninguém no jardim mas se dava para ouvir pessoas gritarem, conversarem, até passos dava para ouvir. 

- Gostou dá sua nova casa - Sua mãe pergunta com um sorriso de lado como se quisesse dizer " - Gostou Ah, não Não tem que gostar"

Com a ajuda de seu pai você pega sua mala e segue adiantes. Aquelas paredes marrom e janelas cobertas por panos finos brancos diziam algo. Logo na entrada havia um grande balcão branco com uma senhora que aparentava ter entre 40 a 50 anos. Assim que viu você e seus pais abriu um grande sorriso. 

- Bem-vindos a clínica Geourgs, no que poderia ajudar? - A senhora pergunta sorridente. 

Você anda a alguns passos para ver mais daquele lugar e ver várias pessoas conversando, brincando, correndo, vê várias salas algumas com equipamento médico outras com uma roda de gente, quando é interrompida dos seus pensamentos por sua mãe. 

- Dá pra vir aqui ou ta difícil? - Diz a maior arrogância; 

Você vai até ela. 

- Se você tiver com algum aparelho você deve me dar agora. - Diz a senhora escrevendo algo em um papel. 

Você tira seu celular do bolso e a senhora põe ele em u saco plástico, e cola seu nome em cima e guarda em um pequeno armário, 

- Bom podem ir agora. - A senhora diz se referindo a seus pais. 

Logo sua mãe dá de ombros e saí mas seu pai logo vendo sua mãe sair pela porta volta o olhar para você. 

- é melhor assim. - Diz seu pai 

E logo em seguida saí pela porta e entra no carro com sua mãe. Você apenas acompanha com o olhar o carro indo embora mas logo saí do transe com a voz da senhora. 

- Bom minha jovem, vá até o elevador no final do corredor, vá até o segundo andar e o Dr. Kim Seokjin irá lhe mostrar onde fica o seu quarto . E então você faz oque a senhora mandou. Quando você ia apertar o botão ouve ma voz doce masculina. 

- OPA! não fecha! 

 

 

 

 


Notas Finais


Não tenho oque dizer nas notas finais haha, qualquer coisa deixe nos comentários


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...