História Meus 7 pecados (Imagine: BTS) - Capítulo 45


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Dark, Harem, Hentai, Hetero, Hoseok, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kook, Longfanfic, Rapmonster, Romance, Seokjin, Suga, Traição, Yoongi
Visualizações 311
Palavras 3.588
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Colegial, Comédia, Ecchi, Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Fluffy, Harem, Hentai, Josei, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hello, espero que estejam gostando ♥
Dois hots seguidos com nosso suga e nosso rapmon, para acalmar esses corações triste pelos capitulos dramaticos até agora hahaha :B
Tenham uma boa leitura.

Capítulo 45 - Começar da maneira certa (Namjoon e Suga)


Fanfic / Fanfiction Meus 7 pecados (Imagine: BTS) - Capítulo 45 - Começar da maneira certa (Namjoon e Suga)

(...)

Minha mãe estava me ligando preocupada visto que eu estava demorando, então voltei com as mãos nos bolsos em passos arrastados, quando uma moto elétrica passa rapidamente ao meu lado quase me atropelando a mesma parou e deu ré, não dei importância.

— Ei veja por onde anda. – essa voz, não me é estranha...

Levantei a cabeça e senti um calafrio e arregalei os olhos surpresa ao ver que era Jungkook, ao me ver esboçou um sorriso de orelha a orelha.

— Quer uma carona? – continuei meu rumo o ignorando. — Não me ignore! – desceu da moto e veio atrás de mim me segurando pelo ombro.

— O que você quer? – murmurei desviando nosso olhar.

— Você não me respondeu mais, não deu mais notícias e de repente eu te vejo aqui.

— Eu precisava de tempo – retirei suas mãos de mim. — Ainda preciso, se me der licença.

— Calma eu te dou uma carona, venha.

— Não precisa se incomodar.

— Deixa de ser teimosa e vem logo. – me pegou pela mão e me entregou outro capacete, subiu na moto, eu vi que não teria jeito, coloquei o capacete e subi na garupa emburrada. — Segure-se em mim. –  bufei me abracei a ele para não cair.

Fomos em silêncio até que ele parou em frente da casa dos meus avós.

— Como sabe onde eu moro? – o fitei confusa.

— Sabendo – sorriu meigo.

— Hum... Bem obrigada pela carona, até mais. – lhe entreguei o capacete e fui em direção ao portão, mas ele me segurou pelo braço.

— Estou disposto a lutar por você, vamos nos encontrar qualquer dia desses? – revirei os olhos.

— Desista.

— De uma chance a si mesma, Jimin esta fazendo isso por ele. – nos encaramos sérios, refleti um pouco sobre suas palavras, suspirei.

— Tá bom, quem sabe...

— Seu número ainda é o mesmo?

— Não, eu mudei.

— Pode me passar?

— Acho que você não ira embora enquanto eu não der né?

— Acertou em cheio. – sorriu breve.

— Okay...

Entregou-me seu celular e eu salvei meu contato nele.

— Pronto, entrarei em contato. – acenou se despedindo e eu até pude sorrir com naturalidade ao vê-lo, meu celular vibrou, era a mensagem de um número desconhecido.

“Só queria ver se você tinha me passado o número certo”

“Eu passei”

“Obrigado”

Ri brevemente por sua desconfiança e entrei em casa.

— O que ela queria? – perguntou minha avó ao me ver.

— Queria que eu voltasse com Jimin e eu acabei tendo um encontro indesejado com ele e sua namorada. – suspirei e eles lamentaram por mim.

— É uma pena, pois ela trouxe isso de volta. – disse Omma me entregando à caixa, suspirei brevemente, eu não iria voltar para devolver.

— Aish... – peguei a caixa. — Depois eu vejo o que faço com isso.

*

Aproveitamos as comemorações muito bem, consegui afastar o sofrimento do meu peito e aproveitar, não queria que meus problemas afetassem as pessoas ao meu redor.

Jungkook e eu mantemos contato, ele falou que havia passado meu número para os outros rapazes, era como se eu tivesse revivendo aquele passado.

Eles mandavam mensagens falando normalmente comigo respeitando meu espaço, eles falavam algo sobre começar da maneira certa.

*

Alguns dias depois voltamos para Seul para receber Yang.

Meus pais ficaram mais um mês comigo e depois voltaram ao Brasil para retomar seus compromissos.

Eu saía com os meninos um por um na semana para conversar melhor e irmos nos conhecendo, cada um estava ciente sobre isso e eles falaram que esperariam de mim uma resposta sobre quem eu escolheria sem me forçarem, eu estava em uma sinuca de bico, mas resolvi tentar.

Eu estava precisando de algum bico para fazer, mesmo tendo Mi me pagando pela sua estadia eu não conseguia ficar parada sem fazer nada.

Entrei em contato com Hyemi perguntando se ela teria algo para mim e ela falou que uma amiga dela estava precisando de uma modelo mestiça para fazer um ensaio fotográfico de joias durante um mês, pois essa loja estava crescendo, eu concordei na hora quando me disse tiraria um bom dinheiro com esse serviço.

*

Passado alguns dias Namjoon me contatou, pois queria se encontrar comigo para tomar um café, ele disse que dessa vez não seria apenas algo casual como andávamos temos e sim um encontro, com direito a vir me buscar na porta da minha casa, eu aceitei já estava preparada para um encontro e eu não tenho nenhum compromisso com ninguém, dessa vez iriamos fazer certo.

*

Terminei alguns projetos que estavam sem finalizar para mandar a alguma empresa com esperança de me contratarem, ansiava poder trabalhar em minha área. Espreguicei-me retirei o óculos e fechei o notebook, analisei meu relógio de pulso, eram 5:45pm, meu Deus Namjoon falou que estaria aqui às seis.

Levanto em um ato desesperado indo ao banheiro.

Já dentro do banho eu ouço minha campainha tocar, ai meu Deus, eu sabia que estava atrasada e que ele é pontual demais. Em desespero me enrolo na toalha e vou até a porta.

— O portão está aberto entre! – voltei para dentro, assim que entrou fechou a porta atrás de si.

— Estava tomando banho? – ele estava bem agasalhado.

— E o que parece né. – cocei a nuca e a toalha quase caiu, a segurei em um ato desesperado meu coração acelerou e ele achou graça.

— Pode ir lá terminar, eu espero. – sentou-se no sofá.

Voltei ao meu banho, estava muito frio, me distrai durante alguns segundos ao ver cair pequenos flocos de neve do vitro do banheiro... Amo neve... Sai do banho e me agasalhei bem, não fiz questão de me arrumar tanto.

Direcionei-me a onde ele estava.

Cumprimentou-me com um selinho eu fique sem graça, senti minhas bochechas esquentarem, ele apertou-a.

— Bem vamos? – eu assenti e ele entrelaçou seus dedos no meu, me guiando até seu carro.

— Você é sempre tão cheirosa!

— Acha? Obrigada. – sorri sem graça.

Dirigiu até uma cafeteria pouco movimentada no centro.

*

— Quero um expresso.

— E eu um Macchiato, por favor. – fiz o pedido.

Esperamos ficar pronto, ele pagou e nos sentamos numa mesa próxima à janela.

Puxávamos o liquido pelo canudo e eu não pude deixar de rir com o barulho que ele fazia.

— O que foi? – riu breve.

— O jeito que você bebe é engraçado. – ele ficou sem graça.

*

— Foi um encontro muito agradável... Você vai querer entrar? – pergunto já parada na frente de casa junto com ele.

— Não sei, não irei incomodar? – coçou a nuca e me fitou em seguida.

— Não, Yang deve estar estudando, mas deve estar no seu quarto, à gente fica na sala assistindo, ainda esta cedo.

— Tudo bem então.

Entramos e eu gritei por Mi, mas não obtive resposta fui até o quarto e não tinha ninguém ali.

— Tem um bilhete aqui. – me entregou o mesmo.

“Fui à faculdade para ver uma palestra, talvez demore umas duas horas. Não jante sem mim viu?”

— Aish, ela saiu.

— Então estamos sozinhos? – passou a mão no queixo e me olhou malicioso.

— Acho que sim. – fiquei sem graça.

— Ainda quer assistir o filme?

— Vamos sim. – abracei meu próprio braço sem graça, já tínhamos transado no carro aquele dia, mas é meio estranho fazer isso novamente.

Fiz pipoca e ficamos sentados no sofá assistindo. Ele se aproximou encostando a cabeça em meu ombro.

— Esta com sono? – perguntei.

— Não... Só estou sem jeito...

— Por quê?

— Porque estamos sozinhos... e eu estou tendo pensamentos pervertidos...

— Ah...

— Já faz algum tempo que estamos saindo e fizemos isso uma vez... Será que não poderíamos repetir? Se você não quiser não precisa. – fiquei constrangida com sua proposta.

— Bem... Tente me convencer – me virei o fitando, ele me olhou surpreso. — e então?

Ele segurou meu rosto com as duas mãos e me beijou eu apenas cedi, eu fui o deitando no sofá ficando sob ele, ele segurou minha cintura e a desceu até a barra da minha blusa e a retirou, sorriu malicioso entre nosso beijo, eu retirei a dele também interrompeu nosso beijo e fitou meu corpo mordendo o lábio inferior.

— Parece que eu consegui... vamos para seu quarto, sua amiga pode chegar e eu não quero ser interrompido.

— Eu também não gostaria. – me levantei e estendi minha mão a ele, ele a segurou e levantou, fui o guiando até meu quarto.

Sentou na cama e eu tranquei a porta atrás de mim, fui em sua direção me sentando em seu colo de costas para ele. Afastou o cabelo do meu pescoço e beijou aquela área, beijou minha nuca me fazendo arrepiar e arfar ele pediu para eu me levantar e abaixou minha calça eu agachei um pouco retirando a dele.

Puxou-me fazendo me sentar em seu colo novamente de costas para ele, virei minha cabeça desajeitada e ele começou a me beijar, nossas línguas brincavam uma na outra enquanto ele apalpava meu seio e a outra dedilhava minha barriga descendo em minha intimidade passou a mão sobre o fino pano de renda da minha calcinha e a adentrou, gemi baixo ao sentir seus dedos brincando com aquela área, rebolei sob seu membro que estava bem e ereto, gemeu arrastado e murmurou algo, retirou a minha calcinha e espalmou a mão sob as minhas costas fazendo me inclinar um para frente, me deixando arrebitada para ele, aproveitou para penetrar-me gemi ao sentir entrar completamente preenchendo meu interior, ele gemeu arrastado e segurou minha cintura e eu movimentei-me para cima e para baixo e ele dava pequenos impulsos, estávamos tão excitados, o som que fazia me excitava mais, num movimento rápido ele abraçou minha cintura colando nossos corpos me movimentando com rapidez, gememos desenfreadamente, uma de suas mãos desceu ao meu clitóris e o estimulava enquanto me fodia e me beijava, gemia abafado entre nossos beijos, contrai seu membro dentro de mim ele arfou abafado, ele estava me levando à loucura eu não tinha mais controle do meu corpo, só estava me entregando ao prazer com Nam, senti meu ápice chegar gemi arrastado, ele se retirou rapidamente e desmanchou-se em minha virilha um tanto perigoso, mas não estávamos raciocinando direito ele me deitou na cama e deitou ao meu lado ficamos ali com a respiração alterada, muito ofegantes, ele me deu um beijo na testa.

Assim que me recompus tomamos um banho rápido juntos e ficamos mais um pouco no quarto conversando e trocando carícias.

— (S/n) cheguei. – ouvi Mi falando.

— Estou aqui no quarto.

— Acho que já vou indo, esta tarde.

— Tudo bem eu te acompanho até a porta. – me levantei e ele fez o mesmo em seguida, o acompanhei até a porta e nos despedimos com um beijo muito gostoso, tive vontade de agarra-lo e voltarmos para o quarto.

— Cadê você Mi? – não a vi na sala onde ela estaria?

— Estou me trocando. – ouvi o som abafado vindo do seu quarto.

Abri a porta.

— Nossa que lingerie sexy. – disse com um sorriso malicioso, ela corou.

— Ah ah isso não é nada... – ficou sem graça.

— Foi na faculdade mesmo? Ou teve algum encontro especial. – continue a provoca-la era engraçado deixar ela sem graça.

— E você, eu vi que não estava sozinha né. – ela revidou, eu corei.

— Tá bom você venceu – levantei as mãos em sinal de rendição e rimos juntas. — vamos cozinhar juntas?

— Sim quero Japchae. – ela terminou de se vestir e fomos a cozinha cozinhar juntas, foi divertido.

*

— O teste vai ser amanhã você precisa chegar às nove horas, não precisa levar nada apenas seu corpitcho. – rimos brevemente enquanto bebericávamos o chá em nossa xícara, terminou de passar algumas instruções. — bem é isso procure por Lee Suran nesse endereço, eu já vou indo preciso ir ao meu outro serviço. – ajeitou a bolsa no ombro e se levantou.

— Tudo bem, só tenho que agradecer por me arrumar algo nesse meio tempo, você sempre quebra meu galho Hyemi.

— Tem mesmo, você pode até se tornar famosa por isso, porque não vou mentir sua beleza e estonteante. – sorriu breve e eu não pude deixar de corar com seu comentário.

— Você também é Hyemi seus padrões são perfeitos, não sei como não quis seguir essa carreira.

— Bem ao contrário de alguns filhos que não querem herdar os negócios dos pais, eu gostaria muito, então farei o possível!

Fighting! – sorrimos e eu a acompanhei até a porta nos despedimos.

Eu estava tão feliz por aquela oportunidade, seria algo diferente em minha vida é bom experimentar coisas novas, mas não é algo que eu que eu gostaria de seguir carreira, era mais para eu não ficar parada e por diversão.

*

Acordei cedo para o teste, fui ao endereço do estúdio e procurei pela tal “Lee Suran”.

— Bom dia Senhorita Rosa*, você veio para o teste né?

— Sim Senhorita Lee.

— Por favor, só Suran, eu não sou tão velha. – sorriu breve.

— Tudo bem Suran, você que é a dona da loja para quem faremos a publicidade?

— Não, sou apenas secretaria, ela não pode vir, pois esta em uma viagem de negócios. Acompanhe-me até o camarim, por favor.

A acompanhei até o camarim onde tinham mais 20 modelos para o teste fui informada que seriam escolhidas cinco mulheres.

Senti um frio na barriga ao participar daquilo.

Começaram a me maquiar e deram uma roupa igual para todas as modelos colocarem, era uma mais bonita que a outra, Hyemi não me contou isso, ainda tinha riscos de não ser escolhida, fora que tinha mais uma mestiça americana fiquei nervosa.

Passado alguns minutos nos chamaram para desfilar, quando chegou minha vez eu tentei deixar o nervoso de lado e dar o meu melhor, analisavam-me enquanto anotavam tudo numa prancheta.

Depois que todas as 20 desfilaram ficamos em uma sala de espera, sete foram chamadas eu estava dentre elas, as outras foram dispensadas, mas eles precisavam de 5, bem eu já estava um pouco confiante.
Colocaram algumas joias e fizeram algumas fotos, depois de analisarem dispensaram duas, e eu fiquei feliz por não ter sido eu.

— Parabéns, retorne na segunda para as fotos e você irá desfilar para a joalheria durante um mês pelas cidades representando a empresa. – curvei-me e agradeci pela oportunidade.

Liguei para Hyemi empolgada pedindo para ela almoçar comigo, mas não contei que tinha sido aceita. Aquilo merecia uma comemoração, ela disse que estava livre então iria comigo, pedi para ela me encontrar no restaurante perto do rio cheonggyecheon, porque eu gostaria de caminhar perto dele depois.

*

— Qual o pedido de vocês? – perguntou o garçom eu pedi qualquer coisa e ela pediu comida italiana e para beber duas batidas de vodca com morango.

— E então como foi no teste?

— Você não imagina... – falei dramática.

— Mas você estava animada, não deu certo?

— Claro que deu, eu consegui! Da para acreditar? Ainda vou viajar de graça durante um mês. – recostei na cadeira jogando a cabeça trás.

— Eu sabia parabéns. Eu não te disse que seria molezinha?

— Mas com tantas mulheres lindas eu pensei que nem teria chances! – beberiquei meu drink.

— Eu já te disse, você é uma mulher linda (S/n).

— Agora eu sei disso. – sorri convencida e ela me deu um tapinha nas costas.

Nosso pedido chegou, almoçamos e conversamos bastante, pagamos e caminhamos pela extensão do rio e depois cada uma foi para o seu lado.

*

Estava entretida em meu aparelho eletrônico quando sou interrompida por alguém tocando em minha campainha.

— Já vou – gritei.

Abro a porta e vejo dois carros estacionados em frente de casa e um homem desconhecido aparece.

— Yang Mi esta ai? – fito o coreano bonitão dos pés a cabeça.

— Mi e para você. – ela apareceu como um vulto envergonhada.

— Vou indo. – encostei-me à porta e a olhei maliciosa.

— Não me disse que estava namorando.

— E nem você! – olho melhor o outro carro e vejo outro homem de capuz e mascara, dava para se ver apenas os olhos, mas aquele olhar, eu reconheceria em qualquer lugar, Yoongi!

— E não estou... é apenas um amigo. – mostrei à língua a mesma riu e entrou no carro que saiu logo em seguida.

— Vai me deixar morrer congelado aqui fora?

— Como sabe onde eu moro?

— Namjoon me disse, eu estava entediado e vim. – deu de ombros.

— E se eu tiver algum compromisso?

— E por algum a caso tem?

— Bem sou uma jovem solteira com hormônios a flor da pele numa sexta à noite a que acha?

— Me responda você.

— Tá bom você venceu eu não tenho. – reviro os olhos.

— Posso entrar?

— Pode.

Abriu o portão e entrou dei espaço na porta para que ele passasse.

— Quer sair para jantar?

— Seria um encontro?

— Talvez. – estalou a língua.

— Olha! Yoongi Oppa me chamando para um encontro é isso mesmo?

— Quer ou não?

— Quero – lhe dei um beijo na bochecha, mas ele se virou rapidamente me roubando um selar. — Você é imprevisível – sorriu breve. — Bem vou me arrumar então, já estou de banho tomado.

— Tudo bem eu espero – se sentou no sofá. — Casa legal gostei dos moveis pretos, você tem bom gosto.

— Obrigada. – fui para meu quarto e estava em dúvida do que escolher.

— Esta demorando. – apareceu na porta com uma expressão de tédio e eu me assustei.

— Me desculpa não sei o que escolher. - lamentei

— Coloca o que vai ser mais fácil para eu retirar mais tarde. – eu o olhei surpresa por suas palavras, ele sorriu malicioso lhe dei um fraco soco no ombro.

— Me deixa terminar de me arrumar.

— Tá bom.

Passei uma maquiagem básica e escolhi um vestido, coloquei meia calça e um casaco* já que estava frio.

— Seu cabelo cresceu bastante está bonito. – passou os dedos entre os fios.

— E você fica muito bonito com cabelo preto. – baguncei sua franja rimos breve.

— Eu sei, eu também prefiro preto... Vamos? –  revirei os olhos por sua sinceridade, assenti fomos até seu carro.

*

— Eu já vim aqui hoje. – falei enquanto admirava a paisagem pela janela.

— Hum... Com quem? – pareceu enciumado.

— Calma, uma amiga para comemorar.

— Serio? Comemorar o que?

— Quantas perguntas, mas como eu sou boazinha vou te contar, eu passei em um teste de modelo, vou viajar durante um mês.

— Nossa! Parabéns, mas porque não comentou nada comigo ou com os meninos?

— Não pensei que fosse do interesse de vocês.

— Claro que é. – chamou o garçom e pediu um espumante.

— Você merece, que de tudo certo, mas é uma pena ficar longe por um mês...

— Vocês ficam fora mais tempo que isso, um mês não é nada! – cruzei o braço.

Nesse momento nosso pedido chegou e o espumante também.  O garçom abriu a garrafa e nos serviu, brindamos por tudo ter dado certo para mim, foi muito legal de sua parte.

*

— Você não bebeu tanto. – comentei já dentro do carro, ele parou um pouco perto da praia e ficamos olhando o mar anoite.

— É porque eu gosto sempre de lembrar-me dos mínimos detalhes quando estou com você... 

— Fico feliz de ouvir isso. – ri breve.

— Sabe... Estamos sozinhos... Por que...

— Quer fazer dentro do carro?

— Para um bom entendedor meia palavra basta não é (S/n)? – reclinou nossos bancos nos dando um espaço maior. Tinha pouco movimento onde estávamos, mas se qualquer um visse seria vergonhoso teríamos de ser rápidos.

Já sem nossos agasalhos ele fitou meu vestido.

— Ainda bem que seguiu meu conselho. – subiu desajeitado em cima de mim e começou a me beijar, que beijo meu Deus, sua língua percorria na minha levantou minha perna colocando sob seus ombros e roçou minha intimidade com o membro já rígido, gemi arrastado ao senti-lo, num gesto desesperado resmungou algo e rasgou minha meia calça eu o olhei incrédula, mas ele pareceu não ligar, continuou fazendo o que queria comigo, dedilhou-a um pouco e eu gemi abafado entre nossos beijos, ele abaixou um pouco sua calça e encapou seu membro, passou o mesmo entre os lábios da minha intimidade brincando um pouco com a mesmo e me olhando provocador.

— Enfia logo! – ordenei cansada de suas brincadeiras.

— Pensei que não pediria nunca. – falou de maneira sexy umedecendo os lábios com a lingua e me penetrou em seguida sem piedade praticamente gritei e contrai meu interior apertando seu membro ele pareceu gostar e começou a me foder mais rapidamente, eu gemia chamando-o. — Gostosa! – disse rouco e atacou meu pescoço enquanto nossos quadris se chocavam, eu estava a ponto de me derreter por ele, personalidade tão calma e feroz, eu amava isso...
Apertei meus olhos e gemi estridente, o abracei e apertei o pano de sua camisa eu poderia rasga-la facilmente, mas não o fiz apenas me desfiz em seu membro e ele dentro de mim com a camisinha.

—Tão molhadinha e quentinha. – disse ofegante e eu sorri de canto.

Saiu de cima de mim indo para o banco de motorista. Retirou aquilo do seu membro e se limpou com alguns lenços umedecidos que tinham ali, levantei meu banco e me ajeitei melhor, ainda estava me recompondo.
Ele me olhou satisfeito sorrindo lindamente e eu apenas revirei o olhos sorrindo fechado, como é convencido.

*

Já em frente de casa eu retiro o cinto de segurança.

— Vai me convidar para entrar?

— já esta um pouco tarde e eu sei muito bem o que se passa nessa cabeça, ou melhor, nas duas. – ri breve.

— Ainda bem que sabe. Esta tarde mesmo, esqueci que agora você precisa estar em boa forma.

— Sim isso mesmo.

Despedimo-nos com um beijo caloroso e eu saí de seu carro.

— Ah! E eu irei cobrar por uma meia calça nova.

— Quantas você quiser para eu rasgar quantas vezes eu quiser. – enfatizou a palavra eu e sorriu malicioso.

— Tchau pervertido. – mostrou a língua e saiu com seu carro.

Eu entrei em casa suspirando de alegria pela noite, Yoongi tinha uma maneira diferente de me fazer sorrir e eu gosta disso, gostava de seu jeito, não mudaria nada nele.

(...)


Notas Finais


Rosa é o sobrenome como podem ver (senhora obvius kkkkkkk)
*
Look: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/a9/e9/6f/a9e96f08da4678d98128919411aeee7c.jpg
*
Já deu uma olhada na minha outra fanfic? Da uma passadinha quem sabe você gosta :D
My teachers (Imagine: J-hope e Rap Monster)
https://spiritfanfics.com/historia/my-teachers-imagine-j-hope-e-rap-monster-8805934
*
Foi mais descontraido, o proximo também será, até segunda amores byee :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...