História Meus olhos encontraram os seus. - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias UNIQ
Personagens Cho Seung Yeon, Personagens Originais
Tags Amor, Corações Partidos, Destino, Drama, Luizinho, Luizy, Ódio, Romance, Sofrimento, Tragedia
Exibições 28
Palavras 864
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Festa, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 4 - A casa é minha!


Linnie ficou três dias trancada em seu quarto, não saiu nem para comer.

Olhei a hora no celular, 22:40. Estava vendo vídeos no notebook, quando estrondos vieram do quarto da garota. Corri até lá, bati na porta, ainda trancada.

- Lin! Abre essa porta! - Minha voz saiu alterada, mas nem por isso a porta foi aberta. Bufei socando a mesma. Sem pensar duas vezes a arrombei, adentrei olhando em volta.

Franzi o cenho a vendo sentada no chão escorada na cama de costa para a porta. Me acerquei. A sua volta um caderno, papéis e lápis, ela estava escutando música nos fones, Lie de Park Jimin. Me agacho, toco seu ombro, ela me fitou e me empurra, seu olhar estava longe, sem o brilho habitual.

- Ei! - Cai sentado ao seu lado. A observei dá de ombro. A fitei de cima a baixo, estava apenas com uma blusa verde masculina. - Linnie!? - Fiquei sobre meus joelhos, a puxo para uma abraço, ela não retribuiu apenas levantou o rosto, tocou meus lábios e sorriu.

- Você é bonitinho... - Franzi a testa enquanto um leve sorriso de forma em meus lábios carnudos.

- Você está bem? - Confirma num aceno de cabeça. Dou outra olhada em volta, vejo uma garrafa de cachaça vazia debaixo de sua cama. - Você bebeu? - Riu sapeca e fez um sinal de pouco com os dedos.

- Sem ser-sermão, t-tá? - Se aconchegou em meus braços, fechou os olhos e caiu num sono profundo com as acaricias que fiquei a fazer em seus fios carmesins. A coloquei na cama e voltei para meu quarto, antes coloquei o alarme para acorda-la no dia seguinte.

. . .

Acordei as oito para fazer café, torradas, achocolatado pra mim e suco pra ruivinha.
Com as bandejas em mãos fui pra sala ver algo sobre esportes.

Linnie saiu do quarto com a cara emburrada, ainda com a blusa verde, me fitou, fitou as bandejas de comidas e sorriu. Se jogou do meu lado no sofá de três pronta para pegar o achocolatado, golpeei sua mão antes de chegar perto dele. Ela fez uma carinha triste.

- Eu quero! 

- O seu é o suco. - Peguei o achocolatado e tomo um gole, ela me olha incrédula. - Chocolate é meu.

Deixou de me fitar, pegou o controle que estava no meu colo e mudou de canal.

- Sério? Desenho? - Franzi a testa, Lin deu de ombros.

- A casa é minha, assisto o que eu quero! Eu que pago o aluguel, posso te expulsar. - Sorriu superior, sem desviar os olhos do Pica Pau que estava preste a aprontar algo com um carinha barbudo.

- Seu chefe, meu pai, está pagando agora, ou seja, o dinheiro que você usava para pagar o aluguel está comigo, por precaução.

- Não! É meu dinheiro! Meu! - Cruzou os braços, desligando a TV.

- Vai fazer greve agora? - Sem respostas, nem me encarou.

A tarde se resumiu na ruiva me cutucando ou fazendo perguntas óbvias. 

Fui comer, ela pegou meu prato e o jogou fora. 

Fui ver TV, ela a desligava. 

Fui mexer no celular, ela não me deixou fala nem com a operadora telefônica sem ficar colocando o indicador na telinha.

Fui tomar banho, ela desligou o chuveiro antes que eu tirasse as roupas e saiu do quarto de nariz empinado. 

Fui mexer no notebook sentado em minha cama, ela o fechou sobre minhas mãos e ficou parada me fitando de braços cruzados, sorrindo.

- Lin! Chega! - Colodo o laptop no criado mudo e a encaro sem paciência, ela ergue as mãos demostrando inocência. - Se fizer mais alguma gracinha juro lhe castigar! - Se pós a pensar, em questão de segundos seu rosto ficou da cor do seu cabelo e sua expressão confiante desapareceu. Deixei um sorriso sapeca se forma nos meus lábios e os lambi, Linnie corou e saiu do quarto sem dizer nada.

Abri o note, entrei no netflix e coloco The 100 para assistir. Vi até o nono episódio quando a fome bateu, são por volta das quatro da manhã.

Antes de sai notei que minha única vestimenta é uma bermuda de surfista. Dou de ombros e vou a cozinha, único cômodo de luzes ligadas.

- Ah, não... - A voz da garota saiu fraca, enquanto come um pedaço de bolo ninho. A fitei incrédulo por estar comendo besteira e por sua vestimenta, uma camilosa rosa transparente curtíssima, deixando sua lingerie azul de pintinhas branca visível.

- Realmente quer ser punida... - Sussurro. Me aproximando, Lin coloca o prato com o doce atrás de si no balcão sem desviar o olhar do meu.

- Me deixe, ok!? Estou morrendo de fome!

- Eu também... - Sorri e a prendi contra meu corpo e balcão. - O que acha de... - Seu corpo ficou tenso com a aproximação, com os olhos arregalados. Rindo abri o armário acima de nossas cabeças e tiro um pacote de salgadinho. - isso aqui? - O sacudi diante seus olhos cinzentos confusos. - Menininha suja! - E voltei para meu aposento sorrindo superior, enquanto ela ficou paralisada sem entender o ocorrido.

 


Notas Finais


🐰Desculpem os erros, não revisei~
🐰Desculpem o tamanho~
🐰Até a próxima! Beijokas~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...