História Mi luna no brilla por ti - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Chloé Bourgeois, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nathanaël, Nino, Plagg, Sabine Cheng, Tikki, Tom Dupain
Tags Miraculous
Visualizações 72
Palavras 1.834
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi nossa gente que sufoco
Desculpe novamente por ter demorado
(De novo)mas o que é a vida
Sem mais delongas vamos pro que interessa
BOA LEITURA^_^

Capítulo 6 - O que a flor de girassol esconde


Gabriel

Eu estou nesse exato momento em pet shop, porquê? Eu pensei que minha mais nova amiga gostaria de ter uma gatinha branca

Devo confessar que essa idéia é incomum, peguei a gatinha fofa em meus braços, ela já está limpa e cheirosinha. A coloquei no banco do passageiro ao meu lado, ela é bem quieta acho que não faria mal

Liguei o carro e dirigi devagar até a casa da loira, fiquei muito concentrado, as ruas estavam muito movimentadas

– MIAUUU – parei o carro bruscamente e me virei para o lado MEU DEUS! CADÊ O GATO?

Abri a porta, não, não, não, não, procurei com os olhos e avistei meu presente correndo que nem um doido. Arregalei os olhos e corri atrás dele. Que papelão, um homem como eu correndo atrás de um gato no meio do trânsito

Peguei o gato irritado com mil sons de buzinas, reclamações e chingamentos, pra todos os lados. Joguei o gato de qualquer jeito atrás do carro e fechei todas as janelas e ligando o ar gélido. Pisei duro no acelerador, eu estava furioso e ainda por cima esse gato dos infernos não parava de miar

Cheguei em frente do apartamento, peguei o gato pelo rabo o que foi uma péssima idéia. O gato ficou espantado e começou a me arranhar

– Mas há filho duma égua! – exclamei irritado

Ouvi a voz doce de Liliam gritando mas a unha afiada do gato deu bem na minha bochecha perto da boca

– Gabriel, mas o que é isso? – joguei aquele bicho no banco do carro e a loira o pegou fazendo carinho e amansando o animal – Que coisa mais fofinha

O sorriso que ela deu fez até a ardência amenizar

– Eu ainda estou aqui, ardido que nem cão – emburrado passo a mão pelo meu rosto soltando um gemido de dor

Gato maldito

– Você se machucou coisa fofa? – o gato rorona – Vamos Gabriel entrar em casa – ela fala já indo lá pra dentro me deixando sozinho

Irritadíssimo fechei a porta do carro com força o trancando. Fui pisando duro até o apartamento da loira e entrei, me impressionei pois Liliam já estava colocando o leite e o gato bebia com cuidado

Confrontado, injuriado e ignorado, nunca pensei que o meu presente fosse a maior desgraça da minha vida. Olhei aquela cena cabisbaixo, dei meia volta já abrindo a porta

– A onde você vai? – uma voz suave bem atrás de mim me fez arrepiar. Me virei e encontrei o sorriso mais lindo que eu já vi

– Bom eu... – cocei a nuca – Você está tão entrentida com o bichano, não quero atrapalhar, então eu vou indo

– Mas é lógico que não, você precisa cuidar dos seus ferimentos – ela se virou se agachando e fazendo carinho no gato – Migal você foi muito má com seu amigo Gabigol. Peça desculpas

Eu tô vendo isso direito, ela está conversando com o gato e que nome estranho

– Migal? – fiz careta – Gabigol?

– Prefere gabi – estreitou os olhos

– Gabigol está bom – passei a mão no rosto – Hmm aí

– Senta no sofá que eu já volto – saiu correndo pro quarto dela, me sentei no sofá e esse gato miserável pulou em cima de mim

Fitei aquele bicho e ele também me encarava, fico imaginando se ele sabe que estou pensando no funeral dele. A gata levantou a pata e eu segurei, balanço como se tivessemos fazendo um acordo com um aperto de mãos 

– Estou ficando doido – digo a mim mesmo

– Voltei – afitei e a mesma estava dando um sorriso. A olhei de cima à baixo, ela estava usando um short preto curto e uma regata branca que deixa os ombros de fora. Tentei colocar a cabeça no lugar e fitei a gata. Eu estou mesmo maluco!

Ela veio se aproximando e eu ficava mais nervoso, será possível que nem paz eu vou ter, ela se abaixou na minha frente preparando os curativos

– Deixa-me ver – ela se curvou em minha direção pegando minha cabeça e averiguando se tem algum corte mais profundo – Meu Deus Migal o que você fez!

A olhei aterrorisado

– O que foi? O que tem na minha cara? Seu gato desgraçado você vai virar pudir estragado – apontei para o gato que só foi embora balançando a bunda branca que ela tinha

Ela vai se ver comigo

Aguarde....

– Calma Gabriel, não houve nada, só temos que limpar antes que piore – ela disse tranquila

– Tudo bem! – tranqüilidade é o que não falta

– Porquê você trouxe uma gatinha?

– Porque eu tive a brilhante idéia de ir em um pet shop para comprar uma bola de pelos para dar à você – digo com raiva de mim mesmo – Aí devagar

– Desculpe – disse envergonhada 

Ela está nervosa e eu não sei o porquê ela limpava com tanto cuidado que achei que fosse sério. Olhei pra ela e inevitavelmente fitei seus lábios carnudos e vermelhos. Ela mordeu o lábio inferior

Ela estava vermelhinha o que a deixava mais fofa, meus olhos foram baixando até chegar em seus seios que estavam um pouco à mostra, mas que idiota pervertido eu sou. A olhando descaradamente, para Gabriel isso é uma falta de respeito

Tentei focar minha visão em outro lugar, suas mãos percorreram meu rosto, finas e delicadas. Meu pai Gabriel. Fechei meus olhos mas foi inútil, ela mechia nos meus lábios e eu não tinha mais forças para aguentar tal processo. Segurei suas mãos e abri meus olhos

Eram como se eu só enxergasse ela, somente ela, como ela é linda, tive uma idéia inusitada

– Liliam, quer dar uma caminhada – pedi a ela gentilmente

– Quando? – os olhos dela brilharam

– Agora mesmo! – dei um largo sorriso

– Espere só um segundo – ela entrou dentro do quarto, uns 5 minutos ela voltou com um tênis e o gato nos braços. Ela calçou o sapato e colocou uma cólera na gata

– Pera aí... Vamos levar esse animal – falei incrédulo

– Vamos – disse com uma naturalidade que até eu me assustei – Vamos meu gato gostosão

Fechei a cara, o gato mal chegou e ela está mimando muito. Que droga!!

– Isso é uma fêmea – falei na cara dura 

– Eu sei, mas vou fingir que é um machão

Ela correu com o bichano lá pra baixo

E eu na estaca zero

De novo!

Suspirei e desci também , abri a porta do carro e entrei e ela e o gato também, não sei porque tanta birra por causa desse animal horrento, fechei a porta e liguei o motor e fui para mesma pracinha que a conheci

Não demorou muito para chegarmos, estou com os ouvidos à flor da pele, esse gato tem uma frescura, só vive cantando horrores

Descemos do carro e começamos a caminhar lentamente aproveitando o fim da tarde. Fomos pegos de surpresa por uma repórter vindo em nossa direção. Quer dizer, em minha direção

– Senhor Agreste... – ela olhou para a Liliam estranhamente – Meu Deus – colocou as mãos na cabeça

Liliam se escondeu atrás de mim

– É ela – falou o câmera

– Senhorita Acerpeur – ela veio até mim e Liliam saiu correndo

– LILIAM – gritei e a repórter estava falando no celular. Desligou e olhou pra mim

– Desculpe senhor Agreste, mas nosso assunto é com Liliam

– Porquê estão atrás dela? – fui direto, porque isso está acontecendo

– Há o senhor não sabe – ela começou a rir – Ela saiu sem que ninguém do grupo soubesse

– Do que vocês estão falando? 

– Liliam Acerpeur saiu sem mais nem menos de um grupo coreano e veio pra Paris

– Eu ainda não entendi – eu sei, eu sei  eu sou muito lerdo

– Vou desenhar – a fuzilei – Bom... A senhorita Liliam é uma dançarina kpop muito famosa, que do nada fugiu parando bem do seu lado. Todos estão preocupados com o sumisso repentino dela, e como vê ela está fugindo – explicou apontando para frente

– Mas o qu..

Nem me importei, saí logo dali procurando por todos os lados os olhos esmeraldinos de Liliam, para que a mesma me explicasse sobre esse assunto que tanto me intriga 

Procurei e procurei e nada, onde será que ela estar. Desistir depois de mais de meia hora, voltei ao meu carro e fui para seu apartamento, talvez ela esteja lá. Cheguei e fui direto para sua casa e entrei, estava destrancada

Escutei soluços e fui ver o que era, o barulho ficava mais forte a cada passo que eu dava. Parei de frente ao quarto e imediatamente eu entrei, abri a porta o escancarando. A encontrei na cama e...

Meus olhos se arregalaram na mesma hora e engoli em seco, abri minha boca várias vezes mas nada se formulava. Só olhar uma loira jogada na cama fazendo carinho no maldito gato, bebendo pelo visto um uísque na... Mamadeira, só de blusão e calsinha. Eu não me mechia, muito menos parava de olhar aquela visão, ela está muito corada o que a deixando mais atraente

O que eu estou pensando!

Estou ficando doido. Maluco! Coloquei as mãos na cabeça me virando de costas e corando também

– d-desculpe – saiu num fio de voz e ela riu 

– Desculpe ter te deixado sozinho Gabriel

– Era isso que eu queria saber sobre esse assunto Liliam – tremi só de pensar em me virar

– Claro, venha aqui – pediu nem se dando conta do meu nervosismo, agradeci aos céus por isso mas, que droga!

Me virei a encontrando com um sorriso... Que só Deus sabe, acariciando o inconveniente do gatuno que  miseravelmente estava entre seus, seus, seios. Burro, burro, burro, burro

Pare de pensar só ande

Andei de cabeça baixa até sua cama e me sentei na beirada, até porque, já tem algo duro e dolorido

– O que você quer saber Gabigol? – perguntou com a voz suave mas dava pra sentir seu nervosismo. Olhei pra ela seriamente

– O que você tem haver com esse grupo coreano? – ela baixou a cabeça e vi uma lágrima rolar e me desesperei – Perdão meu girassol eu não queria...

Senti seu corpo contra o meu e um de seus braços envolveu minha cintura e outro como sua cabeça em meu peito. Eu é claro, não perdi tempo e a abraçei apertando ainda mais seu pequeno e delicado corpo contra o meu

– Shhh – passei as mãos levemente em seus cabelos e ela chorou mais ainda – Meu pequeno girassol me desculpe

– V-Você não tem culpa biel, eu vou te contar tudo

Ela se levantou e reclamei mentalmente por por estar longe do calor de seu corpo

– Eu fui separada de minha família. Quando dei por mim eu já atravessava o continente, no começo eu sofri muito por ficar longe de minha família e tudo mais, aí eu fiz poucas amizadesas verdadeiras. Éramos quatros e eles viram que tínhamos talento para dançar e cantar, fizeram um acordo com os traficantes da Coreia do sul e fomos levadas pra lá – com certeza ela estava chorando. Eu queria tanto fazer alguma coisa por ela, mas esse tipo de tráfico é muito complicado – Chegando lá fizemos vários ensaios e fomos chamadas para um show e fizemos muito sucesso e caímos na boca do povo isso fez muita repercussão e ficamos conhecidas pelo mundo inteiro. Mas eu vi que não estava feliz e dei um geito de vim pra cá. E foi no meio de todo esse embarasso que eu conheci você é até hoje eu te agradeço profundamente por ter me ajudado.... Muito obrigado!!!








Notas Finais


Continuaaaaaaa


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...