História Midnight of Halloween - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Festa, Halloween, Horror, Interativa, Medo, Mistério, Originais, Pesadelo, Terror
Visualizações 110
Palavras 865
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Canibalismo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Oi oi galerinha, beleza? Uma fanfic de Halloween, eu sei que não estamos na época, mas é sempre bom ficar adiantado para não ter atrasos. Seguinte, seus personagens são crianças/adolescentes que foram convidados para uma festa pelo integrante mais novo dos Warren. E lá vai rolar a festa e tals. Por se tratar de terror, obviamente seu personagem vai sofrer. Agora, eu preciso que todas as vagas estejam cheias para que a história em si possa acontecer.

Se tiver interesse, mandem suas fichas por MP.

Capítulo 1 - Prólogo e fichas


Fanfic / Fanfiction Midnight of Halloween - Capítulo 1 - Prólogo e fichas

New Orleans – 30 de Outubro de 2015 – 04h13min PM

A casa dos Warren é o maior destaque de Switch Boulevard, sendo a maior e a mais decorada para o festivo dia de Halloween. Tendo três andares, um vasto jardim, mais de sete quartos de hóspedes, e a piscina no terraço, a mansão Warren chama atenção por ser contemporânea nas paredes externas cor de creme e ao mesmo tempo sendo clássica nos móveis rústicos na parte interna. O jardim é dono das mais belas flores e das árvores perfeitas nas noites de verão, e agora a beleza é maior por conta das caretas das abóboras.

Todos largaram seus afazeres habituais para darem atenção na decoração. A festa foi ideia da mais nova integrante dos Warren, Carolyn, esposa do herdeiro da mansão Warren. Desde criança Carolyn teve o fascínio pela data, seja pelo fato da liberdade de usar fantasia ou a melhor parte, que é, contar histórias horripilantes no entorno duma vela na casa mais assustadora do bairro. O marido fica de acordo com a idéia, o sobrinho deu a idéia de fazer uma festa fechada só para os amigos já que no ano anterior a festa foi horrível por conta das presenças maçantes dos adultos do bairro que nem se quer conheciam The Black Eyed Peas. Quem no século XXI desconhece BEP?

Convencer o tio não foi fácil, a tia, no entanto cuida de tudo incluindo as fantasias. Na sala, Carolyn faz dos cabelos longos e louros ficarem presos num coque frouxo, trazendo caixas e mais caixas colocando cada ideia num cantinho da grande sala de estar. Aranhas falsas espalhadas, fantasmas de isopor pendurados, velas iluminam potes de vidro dando vida ás múmias. Faixas pretas, roxas faziam companhias aos esqueletos nos batentes das portas. Os olhos de Carolyn brilhavam de excitação.

Na cozinha, o trabalho é outro. Os doces ficaram por conta do único cozinheiro que se permitiu ficar antes da noite, já que horas mais tarde o verdadeiro terror se espalharia na forma de adolescentes vândalos armados com papel higiênico e ovos. O cozinheiro tira doces da geladeira e coloca mais no forno, se os ajudantes não fossem medrosos estariam ajudando a decorar os marshmallow. A ajuda vinha duma figura feminina no auge dos quarenta anos, cabelos longos e negros, pele alva, olhos castanhos de pouco destaque graças ás olheiras fundas. Esther Hayes faz o serviço quieta, nem se quer tranqüilizava o colega-flerte. Sempre quieta, desde o primeiro dia que a conheceu, não é tão bonita, mas ela conseguiu intrigar tanto ele que o fez chamá-la para sair.

Quando tudo acabou, chamou-a para o cinema. Com certo pesar, a mulher recusa o convite afirmando que Carolyn pediu para que ficasse para receber os pestes, correção, os convidados. O homem assente nervoso, e se ela soubesse que os ingressos estão no bolso mudaria de idéia? Claro que não, tamanha competência de Hayes vai resultar numa noite entregando doces aos pequenos fantasiados.

Obviamente Esther fica chateada por recusar e mais chateada ainda por ter que ficar. Esther não gosta desta data, diferente da sua chefe. Não se trata de alguma religião e sim traumas. Basta o cozinheiro sair do cômodo que a cabeça da empregada começa a latejar. Massageia as têmporas tremendo com os calafrios que tomam a espinha. Esther se senta num banco respirando pela boca. Ainda trêmula, pesca o celular do bolso e logo leva ao ouvido.

- O maldito dia chegou... N-não sei se irei conseguir...

- É apenas mais uma noite, nada de diferente. Está no passado. Esqueça.  

O desdenho foi tanto que a mulher encolheu a cabeça entre os joelhos. Ao fechar os olhos se encontrava no corredor escuro a luz iluminava a porta solitária. Correr para a porta é opção, mas quanto mais parecia estar perto, mais longe fica. Ofegante não conseguia chegar lá. Virou-se lentamente quando ouviu passos de trás.

Estão chegando. Fuja.

Arranjou força o suficiente para impulsionar-se na direção da porta, ao tocar na maçaneta nem acreditou. Mas o corredor era o mesmo. A mesma pintura velha, o mesmo bolor, o mesmo cheiro. O mesmo motivo a correr á beira do desespero. Os passos que antes eram sutis e assustadores se tornaram pesados, apressados. A madeira do chão é violentada por aqueles passos e denunciavam à fugitiva.

Vão te encontrar.

A luz pisca e em seguida apaga, deixando-a na escuridão. Os passos diminuem. A gargalhada é solta. Tudo que se pode ver são dois pontos amarelos e a brancura de dentes afiados formando um sorriso. A luz torna a acender de forma precária. A sua última lembrança são das enormes garras agarrando-a.

O que deveria ser a feição tenebrosa dos piores pesadelos, é na verdade o rosto angelical e as mãos delicadas de unhas roxas de Carolyn. Carolyn não comenta nada, apenas sorri. O sorriso branco, mas nada de afiado. As bochechas de Esther ruborizam, será que ela gritou como na última vez? Ninguém sabia, e não seriam alucinações que a fariam falar.

- Vamos subir e nos aprontar, Esther? – pergunta gentilmente, ignorando a posição e a falta de ar da mesma.

Tomando postura, a mulher se levanta encarando os olhos verdes da chefe.

- Certamente, sra Warren. 


Notas Finais


Gostaram? Odiaram? Comentem e me digam o que acharam!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...