História Mil Cortes de Papel - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Black Veil Brides (BVB), Hayley Williams
Personagens Andrew "Andy" Biersack, Ashley Purdy, Hayley Williams, Jeremy "Jinxx" Ferguson
Exibições 139
Palavras 1.432
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Shoujo (Romântico)
Avisos: Mutilação, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Minha Passagem De Ida


P.O.V de Hayley:

O problema sobre relacionamentos é que você completamente e de bom grado deixa alguém entrar em sua vida, com a confiança de que elas não vão te machucar.Você deixa elas saberem de todas as suas vulnerabilidades, suas inseguranças e suas falhas.E elas fazem você se sentir como se você fosse a pessoa mais importante do mundo.Você está sendo cuidada e amada, e tão bom saber que alguém lá fora pode ignora suas falhas para te amar. Elas fazem tudo o que podem, para fazer você se sentir especial e amado.

Você não se sente tão sozinha. Haverá uma pessoa sempre ao seu lado que nunca te abandonaria ... Só que nem sempre temos essa sorte, no meu caso por exemplo.

É uma experiência esmagadora e assustadora; Você deixa  de sentir tão amada, para ter tudo rasgado para longe de você assim que você é deixada. Tudo o que te fez feliz no mundo é apenas levado para longe após uma breve conversa. Assim como um toque no interruptor, a luz na escuridão que te manteve segura se foi, mas a coisa mais horrível sobre isso é perceber que elas podem nunca ter se importado ou amado você realmente. 

Agora você sente que está caindo, mas não há  ninguém lá para pegar você, assim como eu, agora, de pé no parapeito de um trilho de trem. Eu estava pronta para saltar quando o proximo trem vier. Sendo que eu estava bêbada e em uma overdose de remédios e minha mente mal lembrava como eu fiz para chgar aqui em cima, mas eu tinha certeza de que era isso que eu queria fazer. 

Eu tinha pensado sobre isso de antemão e decidi. Eu não poderia lidar mais com a angústia completa que eu senti após  ser deixada sozinha. Eu não poderia ver ou sentir como se eu fosse  realmente importante para alguém. Me senti como se fosse um pedaço de lixo que tinha sido jogado fora, e agora eu vou me jogar fora. Fecho os olhos e respiro fundo, antes de suspirar quando ouvi o som familiar de um trem chegando na  estação. 

Era tarde da noite e não havia muitas pessoas aqui, mas. Por que estaria prestando atenção em mim? Os adolescentes no outro lado da plataforma, que estavam todos rindo e desfrutando de sua juventude como eu deveria estar?, não , O senhor e senhora a meros pés de distância??, não , estavam muito ocupados em flertar um com o outro que nem notaram que eu iria morrer?, Não, eu seria simplesmente uma garota que receberia algumas palavras escritas sobre ela no jornal local enquanto todos fingiu chorar sobre como triste era eu ter ido. Eu queria ter ido, e assim eu caí para trás, meu corpo caindo com força contra os trilhos,e minha mente encontrando a paz temporária.

Eu nunca fui o tipo de pessoa que acredita em vida após a morte e é por isso fiquei surpresa quando eu acordei em uma sala. Eu vi um teto branco e uma luz forte. Uma cortina estava me fechando do mundo exterior. O que estava acontecendo? Eu estava com medo de me mover em primeiro lugar.Meu corpo não se sentia bem. Minha mente estava nublada; mais nublada do que normalmente era quando eu acordei. Eu me senti frágil e eu deveria estar com dor, mas algo estava bloqueando. Eu estava dormente. Este não era um sentimento natural. Eu pensei que eu tinha morrido. Era para eu estar morta. Esse era o plano, não era? 

Essa foi a minha passagem  para fora daqui, mas então eu ouvi o sinal sonoro regular de uma máquina. E eu soube imediatamente que era um monitor de freqüência cardíaca. Eu estava em um hospital. Não, isso não estava certo. Eu tinha caído sobre os trilhos  por uma razão. Eu queria morrer, e como com todos os outros aspectos da minha vida, eu tinha falhado. O que seria necessário para eu finalmente obter um pouco de paz? Tive vontade de chorar, mas eu estava com muito medo de fazer qualquer coisa porque eu não sabia o que meu corpo iria fazer. 

Eu não tinha idéia do que aconteceu. Eu pulei na frente de um trem, então como eu poderia ter sobrevivido a isso? Eu fiquei na cama do hospital. Eu não estava disposta a me mover , ou talvez eu era incapaz. Eu não queria falar. Eu não queria chamar alguém para vir e me dizer o que estava acontecendo. Eu simplesmente queria deitar aqui e ser tão morta para o mundo como poderia ser possível no momento. Eu não deveria existir. Eu estava pensado em tantas coisas e eu não sei quanto tempo eu estava assim até que eu ouvi a porta sendo aberta.Meu ritmo cardíaco acelera. Isso poderia ser qualquer pessoa pelo que eu sabia. Eu não me incomodei virar a cabeça. Não importava. 

"Você está acordada." Uma voz feminina que eu não reconheci disse.

Meus olhos foram até a pessoa. O jaleco que ela estava usando deixou-me adivinhar que ela era um médico. 

"Srt. Williams, você sabe onde você está?" Ela perguntou com uma voz gentil. 

Claro que eu sabia. Não era difícil de notar. Tentei assentir, mas assim que eu fiz, senti uma mistura de dor e tontura. Eu rapidamente parei.

"Tente não se mover muito.Você teve uma queda feia. "Ela me disse. 

Eu tive. Foi talvez oito pés a partir da plataforma até os trilhos do trem. Eu não conseguia lembrar de sentir o impacto.Eu não conseguia me lembrar de nada depois que eu caí. 

"Você consegue lembrar o que aconteceu?" Ela perguntou. 

Eu não disse nada. A última coisa que eu queria fazer era falar, então eu não fiz. Eu estava fechando-me do mundo. 

"Você é incapaz de falar, ou você simplesmente não fala?" Ela perguntou. 

Eu mantive minha boca fechada, nem mesmo  tentando dizer qualquer coisa, o que deu a médica uma resposta.

"Você vai falar comigo ?" Ela perguntou.

Silêncio. 

"Vou tomar isso como um não," Ela falou e escreveu algo em um pedaço de papel preso a uma placa de grampo. "eu vou conta-lhe sobre o que aconteceu.Na noite passada, um casal viu você propositadamente cair na frente de um trem.Eles foram rápidos a reagir e, felizmente,  te salvaram  a tempo com a ajuda de alguns adolescentes. Sua cabeça tomou um golpe duro e você ficou inconsciente .Fisicamente, você está bem.Você tem uma concussão, mas os exames no cérebro mostram nenhuma anormalidade. Você deve apenas ter uma dor de cabeça por alguns dias. Nós também tivemos que bombear seu estômago por causa das grandes quantidades de pílulas para dormir e álcool que você tomou de antemão. " 

O casal que estava flertando um com o outro, a poucos passos de mim. Isso era o que eu tinha para condenar por arruinar meus planos, e os adolescentes. Amaldiçoei-me por cair sobre os trilhos muito cedo. Eu não deveria ter dado qualquer tempo suficiente para me salvar. "Salvar" não era uma palavra que eu queria usar. Eu não estava salva. 

"Você tentou suicídio na noite passada." A médica afirmou. 

Ela estava tentando obter uma reação fora de mim, mas eu simplesmente não senti nada. 

"Você não vai responder ?" Ela perguntou, e quando eu não respondi, ela suspirou,
"Tudo bem, eu vou obter o seu psicólogo. " 

Ela saiu da sala. Eu não estava ciente de que eu tinha um psicólogo.Eu iria ser forçada a falar com ele? Eu não preciso de um psicólogo. Eu precisava ter morrido. Eu estava com medo do que poderia acontecer para mim agora, mas na maioria eu não ligo para o que acontece. Eu ainda queria morrer. Pouco tempo depois que a médica saiu, ouvi mais pessoas entrarem na sala. Eu senti como eu poderia mover um pouco agora e olhei para a porta.Eu vi um homem que eu não conhecia e meus pais me olhando com expressões de coração partido. Meus pais estavam bem. Eles simplesmente não eram um amor de pessoa. E eu não ia exatamente falar sobre meus sentimentos com eles, porque eles não eram muito abertos ou reconfortantes.Isso não foi culpa deles. Isso foi apenas como eles eram. 

"Hayley," Minha mãe murmurou, "O que você estava fazendo?"

Eles não iriam entender. Eles eram pessoas normais. Eles não foram expostos a coisas como esta. Provavelmente nunca passou pela sua mente. Eles não tinham idéia do que eu estava sentindo.Acho que eu deveria estar sentido vergonha pelo que fiz, mas não o fiz. Murmúros.Eu só podia ouvir murmúros em torno dos meus pais e do psicólogo. Era como se houvesse um zumbido constante em meus ouvidos que me impedisse de prestar atenção. Eu estava bloqueando tudo. I eu finalmente entender algumas palavras; uma frase. 

"amanhã você será transferida para um hospital de saúde mental, onde você estará sobre o suicide watch até que o psiquiatra entenda que você não é mais um perigo para si mesma." Ele explicou.

Não importa para onde eles me enviem ou por quanto tempo.Uma vez que eu estiver fora, eu vou terminar o que comecei.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...