História Mine - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Candice Swanepoel, Maxwell Andrade, Thiago Silva, Zlatan Ibrahimovic
Personagens Candice Swanepoel, Zlatan Ibrahimović
Exibições 302
Palavras 1.515
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa Leitura!

Capítulo 14 - Capitulo 14


Fanfic / Fanfiction Mine - Capítulo 14 - Capitulo 14

Alguns dias depois:

Antes de partir para Saint Denis eu abri o resultado do meu exame de sangue e como minha mãe havia dito, eu estava gravida. Agora minha gravidez era uma realidade.

Ao chegar ao estádio fui direto para o meu acento me acomodar e como o destino estava gostando de brincar comigo, eu estava ao lado de Helena.

- Max, Vin. – chamo as crianças ao me aproximar do meu lugar.

Eles olham logo e sorriem. Vin, como sempre, vem logo me abraçar já Max permanece naquele estilo do pai.

- Eu pensei que você não vinha. – Vin fala.

Dou risada.

- Acha mesmo que eu ia perder os últimos jogos do seu pai pela seleção? – pergunto passando a mão no cabelo dele.

- Papai não iria deixar. – ele diz e ri.

Faço um toque com Max e me acomodo.

- Como vai Joana? – Helena pergunta.

Fico sem saber distinguir se é falsidade ou se ela estava apenas me cumprimentando.

- Muito bem e você? – respondo.

- Maravilhosamente bem. – ela diz.

- Joana, olha. – Vin começa a me mostrar um jogo que ele havia instalado no tablet.

Fico entretida com ele até os jogadores subirem para aquecer.

Zlatan sabia o lugar que estaríamos e logo nos procurou. Acenei para ele e mandei um beijo e isso não passou despercebido pelo telão. Vimos o aquecimento dos jogadores e depois eles voltaram para os vestiários.

Estávamos esperando a volta das seleções quando passou alguém por nós com batatas fritas. Meu estomago revirou na hora e foi impossível disfarçar o meu enjoou.

- Joana? Você está passando mal? – Max pergunta.

- Não Max, foi só uma coisa de momento. – digo e tento sorri para ele.

Helena me observava.

- Já entendi tudo. – ela diz para mim.

Me limito a olhar para ela.

- Já passei por isso duas vezes, sei como é... e não adianta querer esconder, eu sou experiente o suficiente para não acreditar. – ela diz.

- Por que tentaria esconder alguma coisa de você?

Ela fica com aquele ar de riso.

- Vai saber...

Quando as seleções voltam, nos concentramos no jogo. O primeiro tempo foi fraquíssimo, poucos lances de perigo para ambos os lados e um Zlatan nervoso. Assim que o segundo tempo começou a Suécia levou o um gol e mesmo abatido pelo gol sofrido, Zlatan olhou para o time e tentou passar confiança para eles. Só aos vinte e seis que conseguimos arrancar um empate dos Irlandeses. Foi uma jogada de persistência de Zlatan que culminou no gol contra.

O momento estranho ficou por conta da gente nas arquibancadas, eu, os meninos e Helena comemorando o gol. A ex e a atual lado a lado e ainda por cima comemorando o gol da seleção de Zlatan.

O jogo ficou nisso mesmo e logo após o fim Helena seguiu com os meninos para Paris, enquanto eu fui direto para o hotel onde a seleção estava hospedada. Fui para o quarto de Zlatan e fiquei esperando ele.

A cada minuto que passava eu ficava nervosa, queria contar a ele da minha gravidez mais não sabia como, cheguei até a pesquisar na internet como fazer isso mais não me ajudou muito.

- No que tanto pensa? – escuto a voz de Zlatan.

Olho para ele e sorrio.

- Nada demais. – digo.

- Ultimamente “nada” é o que mais tem te deixado estranha. – ele observa.

Ele me conhece.

- É besteira, não é nada demais. – digo.

Ele vem até mim e para na minha frente.

- Tem certeza? – ele pergunta.

- Depois falamos disso. – digo.

Eu perdi toda a coragem para contar.

- Parabéns pelo jogo. – digo mudando de assunto.

Ele revira os olhos.

- Empate com a Irlanda... minha despedida vai ser um fiasco. – ele diz.

- Não é para tanto Zlatan. – digo.

- Não estou com vontade de falar do jogo. – ele diz.

- Ok.

Ele fica insuportável depois de uma partida perdida ou que acaba empatada.

Ele fica andando pelo quarto fazendo não sei o que enquanto eu fico deitada na cama mexendo no celular.

- Trouxe aquele negocio do Brasil? – ele pergunta.

- A paçoca de amendoim? – pergunto.

- É, isso ai.

Ele nunca lembra o nome, mais adora.

- Está na minha bolsa, pega ai. – digo.

A bolsa estava largada no sofá do quarto e como ele estava perto ele podia pegar.

Volto a me concentrar no meu celular e nas imagens do Instagram quando ouço ele se engasgar.

Ao olhar para ele vejo a garrafa de água caída no chão e o meu exame nas mãos dele. Meu corpo gela na hora.

- Exame de gravidez? – ele pergunta ainda tossindo.

Ai meu deus. Eu esqueci que o exame estava na bolsa.

- É... eu... – eu começo a gaguejar.

- Mais que diabos está acontecendo? – ele pergunta sério.

Ele não parece ter gostado da noticia.

- É o que está escrito ai Zlatan. – digo.

- Como assim? – ele parece não acreditar.

Suspiro e me sento na cama.

- Eu estou gravida Zlatan. – digo.

Ele fica me encarando sem dizer nenhuma palavra. Ele faz isso por longos minutos e eu me arrependo amargamente por ter mandando ele procurar algo na minha bolsa. De todas as reações que eu imaginei essa com toda certeza foi a pior, o silencio machuca muito.

Me levanto, calço meus pés e vou até ele pegar minha bolsa e meu exame. Ele não solta o exame.

- Dá para me devolver isso? – pergunto.

- Você vai embora agora? – ele pergunta.

- O que você quer que eu faça? Eu não vou ficar aqui com você me olhando estranho a noite inteira. – digo.

Ele suspira.

- Você quer que eu faça o que? Eu descubro isso assim e você quer que eu ache normal? – ele me questiona.

- Eu não quero nada Zlatan. – digo.

- Você não vai embora agora, a cidade está perigosa, está cheia de bêbados e corremos o risco de atentado. Eu não vou deixar você sair. – ele diz autoritário.

- Eu já disse para você não me dar ordens. – digo irritada.

- Eu estou cuidando de você e mesmo você não querendo aceitar isso, eu ainda vou fazer. – ele diz.

- Quer ficar com o exame, então fica. – digo soltando o papel e tentando sair mais ele me segura.

- Você não vai sair. – ele diz se levantando.

- Me solta. – peço.

- Não.

Olho para ele.

- Se você sair por aquela porta, eu vou te buscar e te trago de volta... nem que seja arrastada. – ele diz.

Abro a boca para falar algo mais nada sai.

- Você sabe que eu faço. – ele diz sério.

Que ódio dele.

Jogo a bolsa com ódio no sofá e arranco os sapatos com raiva.

- Tem umas peças para você na minha mala. – ele diz.

Olho para ele.

- Vá se ferrar. – digo.

Ele volta a se sentar no sofá com o exame nas mãos.

Não havia muito o que fazer, eu iria ficar porque sabia que havia casado com um maluco que não conhece limites. Mexo na mala dele e pego minhas peças intimas.

- Pode pegar uma camisa, caso queira. – escuto ele falar.

O ignoro por completo e sigo para o banheiro. Me tranco lá e tomo meu banho. Bem que minha mãe me avisou sobre esse mar de hormônios que eu iria me afogar, eu estou sentindo raiva, estou magoada e com vontade de chorar.

- Eu não vou chorar. – digo para mim mesma.

Respiro fundo, visto minhas peças e volto para o quarto e me deito na cama. Me cubro dos pés a cabeça e apesar de não estar com um pingo de sono eu fecho os olhos e tento dormir.

Quando sinto a coberta ser levemente puxada eu decido fingir que estou dormindo.

- Eu sei que você não está dormindo... – escuto Zlatan falar.

Continuo com os olhos fechados.

- Eu estou assustado com a noticia mais... mais eu gostei. – ele diz.

Abro os olhos.

- Convenhamos que abrir a bolsa da sua mulher e encontrar um teste de gravidez é assustador. – ele fala.

- Depois falamos disso, agora eu quero dormir. – digo.

- Não fica chateada... eu não soube como reagir na hora, mais eu estou feliz. – ele diz.

- Mais foi um ogro. – digo.

Ele ri.

- Me desculpe.

Ele parecia está sendo sincero e isso me amolece.

- Você está feliz mesmo? – pergunto.

Ele sorri.

- Claro que sim, fiquei surpreso porque nunca falamos sobre uma gravidez e você nunca se mostrou com vontade de ser mãe, mais eu estou feliz, eu amo meus filhos e com certeza irei amar o nosso. – ele diz.

Respiro aliviada ao ouvir isso.

- Quando vamos ao medico? Eu quero participar de tudo. – ele diz e passa a mão na minha barriga.

Sorrio com tal ato.

- Eu vou pedir a Belle o nome da obstetra dela e vou marcar a consulta. – digo.

Ele se deita ao meu lado e eu me aconchego nele.

Zlatan virou a minha bússola nos últimos anos e eu acho que esse foi o motivo do meu desespero.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado!!!
N teve briga na arquibancada, mais teve a reação do supremo!
Bjsss!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...