História Minha amada Magnólia - Capítulo 38


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Tags Comedia Romantica, Drama, Família, Gale, Gruvia, Jerza, Nalu
Exibições 50
Palavras 2.172
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Hentai, Luta, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


E ai gnt.
N tenho muito o que falar. Demorei pra conseguir escrever qualquer coisa. Mas ppr fim consegui escrever um capitulo. N queria deixar vcs esperando mais.
Boa leitura

Capítulo 38 - Declaração cafona


°°°Autora on °°°

 

Lucy, Juvia e Erza estavam no palco cantando e fazendo todos passarem vergonha. Era óbvio que já tinham passado do ponto. Fora da casinha era pouco para as três aspirantes a cantora.

Seus respectivos namorados porém estavam apenas dando risada e arrumando brigas com quem dava em cima delas. Sting e Cana que saíram da mesa faz algum tempo ainda não voltaram, Levy havia percebido quando os dois saíram sorrateiramente, porém não se intrometeu, acha que são grandinhos o bastante para saber o que devem fazer, notou apenas o olhar triste de Yuki para eles, ela ainda gostava dele apesar de tudo. Levy sorriu complacente para a albina que retribuiu o gesto corando e disfarçou conversando com Wendy e Romeo.

Levy passou seu olhar distraído pela mesa quase vazia, a quarta torre de chopp que haviam pedido já estava pela metade, os garotos de alguma forma ainda não estavam totalmente trôpegos, enquanto observava tudo, percebeu que seus olhos se puseram em Gajeel, com quem á alguns dias ela já não falava, sequer se lembra o porquê está novamente sem falar com ele.

_ O que foi? _ ele perguntou bruscamente a tirando de seus devaneios.

_ Nada _ respondeu da mesma forma virando o rosto para o lado oposto. Segundos depois sentiu a cadeira ao seu lado ser puxada e se virou, apenas para dar de cara com o rosto do moreno próximo demais do seu.

_ Buh _ ele disse baixinho.

_ Idiota _ a azulada se moveu para trás indo para longe.

_ Vamos conversar sério, vem comigo _ disse simplesmente puxando a mão da garota que teimosa puxou a mão de volta sem sair do lugar.

_ Você não manda em mim _ disse irritada.

_ Então eu falo na frente de todo mundo. _ ele disse dando de ombros e sorriu sacana antes de ir em direção ao palco._ sai daqui suas esquisitas! _ disse tirando as garotas que ainda estavam dando um show no palco e elas saíram entre tapas e xingos com o moreno indelicado. Ele pegou o microfone e claramente alterado olhou para Levy que já estava surtando com o que ele poderia fazer ali.

_ Eu tenho certeza de ele vai fazer uma declaração cafona antes. _ Erza disse ao lado de Levy  com Juvia e Lucy rindo como três patetas.

_ O seu namorado fez algo bem cafona pra te pedir também _ Juvia disse rindo da ruiva.

_ De que merda estão falando? _ Levy perguntou se irritando.

_ Olha lá.._ Lucy apontou se sentando na cadeira que estava atrás dela. Foi quando Gajeel começou a falar no microfone chamando a atenção de todos no recinto.

_ Boa noite, eu queria dar um recado pra um garota, aquela baixinha ali de cabelo azul _ apontou para Levy e todos se voltaram para ela que estava totalmente vermelha. _ Então, já viram ela, parem de olhar! Eu quero dizer que ela adora me ignorar, mas eu gosto dela. Então quero saber se ela quer namorar comiARGH! SUA LOUCA ME SOLTA! _ o moreno gritou quando a pequena azulada subiu no palco e o puxou pela orelha.

_ Não  solto, vamos conversar em outro lugar seu brutamontes! _ gritou irritada, a essa altura o bar inteiro já dava muitas risadas da situação Juvia estava filmando tudo para não perder dessa viagem.

Já ao lado de fora com Gajeel dando risada a pequena parou perto do estacionamento e olhou para o garoto com cara de poucos amigos.

_ O que pensa que estava fazendo?! Você quase me matou de vergonha, na frente de todas aquelas pessoas e ainda por cima está bêbado, nem tem como eu saber se está falando sério e …

_ É óbvio que estava falando sério _ ele respondeu a interrompendo. _ Olha Levy, eu gosto de você,  gosto até quando fica sendo esquisita desse jeito e me ignora, você foge de mim e eu prometi que não ia ficar correndo atrás de você.

_ Mas eu só..

_ Eu não terminei, me deixa falar primeiro. Mas eu não quero ficar longe de você, não quero sentir ciúmes e não poder dizer nada, não se pode cobrar nada de alguém que não é seu, mas nós vivemos nos cobrando, então porque não fazemos isso? _ ele se ajoelhou de frente para ela que apenas suspirou de surpresa, nunca havia pensado em ver Gajeel o cara mais turrão que conhece ajoelhado em frente a ela._ Levy, eu não te prometo que tudo será perfeito, porque nenhum de nós é perfeito e eu nem quero que seja, eu te prometo que vamos brigar sempre pelas mesmas bobeiras e que vamos continuar sendo amigos, prometo que te farei rir e que também vou me esforçar pra nunca te fazer chorar de novo, como já fiz tantas vezes, e prometo também que não vamos ter um final feliz, porque se você aceitar pra valer, eu não quero que tenha um fim._ ele parou um segundo avaliando o rosto ainda paralisado de Levy que agora tinha os olhos aguados, antes de continuar seu pedido. _ Namora comigo.

O silêncio se arrastou por alguns intermináveis segundos antes que ela dissesse algo.

_ Nunca imaginei você se ajoelhando pra me pedir em namoro. _ ela disse agora com um sorriso que ele retribuiu.

_ Então aceita logo, aqui tá meio molhado._ ele disse olhando para o chão lamacento do estacionamento.

_ Aceito!_ ela disse pulando em cima dele e derrubando os dois no chão. _ aceito… aceito... _ ela dizia dando beijos por todo o rosto do moreno que a abraçava e beijava cada pedaço de pele que alcançava.

_ Até que enfim! _ Natsu gritou da porta do pequeno bar onde todos estavam olhando a cena sem acreditar no que Gajeel foi capaz de fazer pela garota que gosta. Então todos deram um grito animado e correram até o novo casal abraçando ambos.

Levy que até então achava que os amigos já não eram tão unidos, mudou de ideia ao receber o abraço coletivo e o apoio dos amigos.

_ Obrigada gente _ ela disse abraçando a todos. Antes de voltarem ao bar Levy só pôde reparar em Lucy saindo com o celular no ouvido.

 

°°° Sting on °°°

 

Quando acordei com ela nos meus braços sorri imensamente, e cheirei seus cabelos castanhos. É a segunda vez que acordo assim com ela, posso me acostumar com isso. Ela nunca aceitaria. Ri com o pensamento. Cana se remexeu um pouco e percebi que havia acordado.

_ Bom dia.

_ Bom… que hora são?

_ Hmmm… nem imagino, porque estamos dormindo no meu carro?

_ Eu abusei sexualmente de você ontem _ ela respondeu séria, tinha um humor estranho pra quem havia acabado de acordar, estava fazendo piada, mas o rosto permanecia sério.

_ Verdade?

_ Não, nós só dormimos e.._ ela foi interrompida por uma batida em nossa janela. Lucy. Ela estava sorrindo, mas eu a conhecia bem o bastante para saber que era um sorriso forçado. Levantei e abri a porta para ela.

_ Não quero saber o que estavam fazendo aqui a noite toda _ ela levantou as mãos impedindo que dissemos qualquer coisa._ Eu só preciso de cobertura.

_ Cobertura? De que? _ Cana perguntou provavelmente imaginando que era cobertura de comer. Eu revirei os olhos.

_ Cana vai lá pra casa da Levy e toma um banho pra acordar.

_ Está me expulsando?

_ Só preciso descobrir o que ela está aprontando.

_ Eu não estou aprontando nada! _ Lucy se defendeu e Cana que parecia mais mal humorada a cada minuto se levantou.

_ Argh se resolvam aí, tá muito cedo pra me estressar! _ se levantou e foi embora saindo do quintal onde o carro estava estacionado e indo até a casa. Lucy suspirou e logo começou a falar.

_ Preciso ir embora!_ disse sem delongas finalmente mostrando seu verdadeiro estado de espírito. Foi quando Sting reparou no estado da prima. Os olhos avermelhados indicando que havia chorado, olheiras rodeando os enormes olhos castanhos. Ela não havia dormido.

_ Aconteceu alguma coisa? Olha Lucy se o Natsu fez alguma coisa eu juro que…

_ Não!  Ele não fez nada, eu só preciso que me leve para a rodoviária. Por favor

_ Me diga o porquê.

_ Não tenho certeza ainda, mas não posso ficar aqui. Recebi uma ligação de alguém ontem, preciso voltar, algo não está certo.

_ Eu volto com você.

_ Não Sting, preciso que cuide do Romeo.

_ Não vai voltar sozinha.

_ Só me leva pra rodoviária, por favor!_ A loira suplicava.

_ Seu namorado sabe disso?

_ Deixei um bilhete

_ Isso é errado, ele vai querer ir atrás de você.

_ Diga a ele que minha mãe me ligou e que o meu pai teve um pequena reação, e por isso eu quis voltar.

_ E essa é a verdade?

_ É uma parte dela, vai me ajudar ou não? Sabe que eu não gosto que se meta nos meus assuntos.

_ Eu ajudo, como sempre._ ele passou as mãos impaciente pelos cabelos. _ já  está pronta?

_ Estou._ ela respondeu apontando para a bolsa em seu ombro.

_ Vou apenas lavar o rosto lá dentro e já volto. _ Sting disse entrando na casa. Quando estava na porta encontrou com Cana que voltava ao carro a fim de chamar os loiros para tomar um café. Apenas eles estavam acordados a aquela hora da manhã. Sting disse algo no ouvido da morena e lhe deu um selinho antes de entrar na casa. Eles estão sérios. Lucy pensou.

_ Sabe você não devia fazer isso..._ Cana disse para Lucy encostando ao lado dela no carro.

_ Fazer o que?

_ Sair assim, inventar alguma história e sair. Todos vão ficar preocupados.

_ Acho que não tenho muita escolha hoje.

_ Quer falar sobre isso?

_ Não,  ainda não. Eu preciso entender o que houve.

_ Tudo bem, Sting pediu que eu fizesse você mudar de idéia. Sei que não posso fazer isso. _ ela deu um riso fraco.

_ Obrigada.

_ por…?

_ Compreender.

 

~°~

 

_ Ela está vindo _ o homem de cabelos negros para ninguém em especial. Na ponta da mesa uma garota revirava os olhos para ele e respondia.

_ Não entendo o seu interesse em uma garota como essa, ela parece tão…. Comum.

_ Você não precisa entender, tenho planos para ela, planos que vão me deixar podre de rico.

_ E isso o senhor já não é?

_ Bom minha cara,tem algo que ela pode me oferecer, algo que somente ela me dará o prazer de conseguir.

_ E o que seria isso? _ respondeu já enciumada.

_ Tenha paciência criança, logo você saberá._ lhe deu um sorriso gentil e passou as mãos pelos cabelos dela. Zeref tinha conseguido o que mais queria desde que a tinha reconhecido ao lado de seu irmão. Ele estava certo de que conseguiria se vingar dos dois homens que destruíram a sua vida.

 

~°~

 

_ Como você pôde deixar ela ir? _ Natsu gritou indignado com Sting, que apenas revirou os olhos para o amigo.

_ Você acha realmente que eu ou você a faríamos mudar de idéia depois que ela já tinha decidido? Sinto muito.

_ Mas ela nem me disse nada? Porque não me acordou ? Eu iria com ela.

_ Vai ver ela não quer você com ela nisso, é algo entre ela e a mãe dela. E a Lu não gosta quando se intrometem nos assuntos dela.

_ A Lu não tem que gostar de nada, ela não pode deixar todo mundo preocupado  desse jeito._ resmungou irritado na mesa de café da manhã, não era apenas ele que estava preocupado com Lucy, mas apenas ele estava dando um chilique.

_ Cara relaxa, ela já liga.

_ E porque ela não simplesmente atende?

_ Ela nunca atende se você ainda não percebeu.

_ Argh! Tem razão _ soltou o celular na mesa e se sentou finalmente.

_ Café? _ Levy se apressou em oferecer.

_ Quero, sem açúcar.

_ Eca _ Yukino disse olhando para a xícara fumegante nas mãos do rosado._ Porque sem açúcar?

_ Eu gosto assim, bem amargo.

_ Estranho.

_ Gosto de pensar que é diferente.

Depois do café o dia passou rápido para Natsu,Levy os levou para a cachoeira. E apesar do dia agitado, ele pensava apenas em Lucy,  que não atendia o telefone e também não respondia suas mensagens. Ele agradeceu mentalmente quando chegaram de volta na casa dos avós de Levy.

Deitou na cama e deixou bem claro o seu mau humor. Não queria ser incomodado. Olhou a tela do celular e as mensagens não respondidas da namorada, até a tela piscar com um ligação. Era ela.

_ Alô? _ atendeu incerto, de certa forma tinha medo do que iria ouvir ao atender.

_ Oi amor, sou eu _ o alívio o inundou ao ouvir a voz calma de Lucy. Estava tudo bem.


Notas Finais


Espero seus comentários.
Beijos❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...