História Minha, apenas minha - Capítulo 10


Escrita por: ~

Exibições 245
Palavras 6.184
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


~*Yo, Minna!
Como vão? Com saudades de capítulos novos dessa fanfic?
Ora, eu estava! Kkkkkkk
Preparem seus corações para conferir se Kakashi interferiu nas duas últimas tentativas de Sakura de se relacionar com alguém por ser um possessivo cretino egoísta ou por ter tido um bom motivo!
Esse capítulo talvez seja um pouco cansativo até vocês entrarem no clima, mas não havia outra escolha. Precisava ser narrativo e não explicativo com diálogos e tal! De qualquer maneira espero que gostem!
Ahhh e já aviso, vão se deparar com certa sofrência! Afinal, ninguém gosta de ver o crush se envolvendo com outra pessoa, certo? kkkkkkkkkkkk
Me corrijam se eu estiver errada, por favor =P
Sinceramente, eu não gostei muito desse capítulo porque é difícil escrever o Kakashi, principalmente na situação em que ele acabou ficando. Preciso que levem em conta que ele se envolveu completamente com a Sakura, a ponto de perder o controle da situação, certo? Vocês já devem ter passado por isso, essa coisa de gostar tanto de uma pessoa que quando descobre que essa está namorando o mundo desaba! Você se perde no tempo e nos sentimentos, a ponto de viver ser insustentável. Estamos falando de amor mesmo, ok? rsrs
Considerem isso e talvez vocês gostem desse capítulo! kkkkkkkkkkk
Outra coisa que eu tenho que avisá-los, é sobre o Kakashi ainda ter o sharingan aqui. Sei que nessa fase ele já tinha perdido, mas por causa de algumas coisas que havia planejado para essa fanfic (lembrando que não acompanho o mangá nem o anime, então não sabia que ele estava sem o sharingan quando planejei) decidi deixar ele ainda ter o sharingan. Vocês vão entender o motivo nesse capítulo e no próximo!
É isso!
Boa leitura!*~

Capítulo 10 - Interferências


oOo

"Estava a caminho de casa, pulando de telhado em telhado quando parou bruscamente.

- Para onde Sakura pretende ir vestida daquele jeito? - sussurrou para si mesmo, virando-se num impulso enquanto olhava para o caminho que percorreu até ali.

Obviamente voltou, seu corpo já não o obedecia mais, obedecia apenas aos seus instintos que apenas Sakura despertava em si. Chegou a tempo de ver Ino e Sakura saírem juntas e as seguiu sorrateiramente, observando elas entrarem no barzinho mais popular da Vila. Quando se deu conta do destino delas não gostara da ideia, mas realmente teve certeza e percebeu que poderia ser ainda pior do que imaginava quando viu um cara qualquer praticamente se jogar para cima de sua ex-aluna.

- Oe! Você por aqui, Kakashi?! - Genma zombou, lhe dando uma cotovelada para atrair sua atenção focada em alguém muito longe para conseguir descobrir quem era - Afim de tirar o atraso, amigo?

Olhou-o de soslaio e rapidamente voltou ao seu foco. O cara aproximava-se para sussurrar algo no ouvido dela, sorrindo maliciosamente. Com certeza não haviam boas intenções no que quer que estivesse falando.

Roubou o copo da mão de Genma, sabendo que se tratava de alguma bebida alcoólica e o virou, deixando-o vazio. Precisava se acalmar ou nada o impediria de ir até lá e dar uma boa surra naquele cara.

- Parece que alguém está irritado. - Genma observou o copo vazio que Kakashi lhe devolvera e seguiu o olhar obcecado do amigo. Um sorriso malicioso fez a habitual senbon dançar em seus lábios ao encontrar uma certa garota de cabelos róseos sendo claramente assediada por um ANBU que já cumpriu diversas missões com Hatake e ele - Certo, Kakashi. - virou-se para o amigo - Entendo que ainda se sente obrigado a protegê-la por ter sido sua aluna, mas precisa mesmo secá-los tão descaradamente assim? Deixe a garota e vá se divertir. - o cutucou com o cotovelo mais uma vez e parou assim que recebeu o olhar furioso do homem que estava a beira de explodir.

- Você sabe tanto quanto eu que Yuno é um aproveitador desgraçado, só quer se divertir. Ele não é homem para a Sakura. - respondeu, mais calmo ao observar Sakura afastá-lo e ficando mais estressado ao ver o ANBU forçar a aproximação novamente, ignorando-a.

- E quem é homem para ela? Você? - Genma questionou e rapidamente o copy-nin o olhou. Já havia pensado nisso inúmeras vezes, uma delas enquanto afastava mais um cara que se preparava para assediá-la, mas não havia resposta para aquela pergunta, não sinceramente pelo menos.

- Não diga bes-... - a frase ficou presa na boca quando viu que Yuno estava se aproximando perigosamente de Sakura. Ia beijá-la. Beijá-la. Beijá-la. No eco em sua cabeça, o instinto o guiou. Rapidamente olhou em volta e encontrou uma solução. Puxou o garçom que estava passando ao seu lado, o socou simulando o golpe como se tivesse sido Genma a dá-lo e roubou sua bandeja - Foi mal por isso, Genma. - lamentou ao ninja que sibilava uma ofensa qualquer enquanto o olhava horrorizado e aproveitou-se da confusão que criara para em segundos se transformar no garçom que atingira, através do Henge no Jutsu. Seguiu na direção dos dois. Não racionara e não se dera conta de que estava indo longe demais. Nunca imaginou que um dia interferiria diretamente na vida de alguém, impedindo um avanço no meio de um encontro, principalmente de sua ex-aluna e ainda mais grave, por ciúmes, já havia impedido encontros de acontecerem antes, mas era porque os homens que a assediavam não prestavam. A quem queria enganar? Nada mais interessava a não ser tirar aquele maldito de perto dela desde que chegara - Há uma pessoa te chamando do outro lado do salão, Senhor. - advertiu em uma voz diferente da própria, o levantou bruscamente e o puxou para o outro lado, ignorando totalmente o que ele falava. Arrastou-o para os fundos do local e o jogou contra a parede quando conseguiu privacidade, pressionando com o antebraço sua garganta - Vai se afastar dela e fará isso em sigilo absoluto. Se encontrá-la acidentalmente, será cordial e respeitoso, se afastará com naturalidade e nunca, repito, nunca mais vai procurá-la ou assediá-la. Fui claro?

O ANBU riu maliciosamente, mesmo que estivesse estampado em seu rosto o medo que sentira com a ameaça - E quem é você para ordenar isso, seu merda?

Desfez o Henge e sob sua identidade, imponência e poder agarrou o colarinho da camiseta dele, o erguendo até que rosto ficasse contra rosto - Hatake Kakashi.

Se sua máscara não estivesse em seu rosto, Yuno veria o canto de seus lábios erguerem-se em um meio sorriso sombrio e insano. Havia advertências de perigo em seu cenho prateado franzido em fúria, olhar psicótico, postura violentamente agressiva e no tom de voz superior e confiante, e aquele que pretendia apenas usar Sakura estava consciente de que havia perdido nessa. O conhecia por rumores e era o suficiente para nunca querer cruzar o caminho dele e se Sakura causava isso, Yuno mudaria seu rumo.

- Tudo bem, você quem manda. - o ANBU respondeu, tentando se soltar do copy-nin, mas não conseguira, Kakashi não o soltava e o encarava enquanto tentava se concentrar para não matá-lo.

A fúria pulsava fortemente em seu corpo, espalhando-se como uma praga. Depois de segundos, o soltou. Continuou encarando-o, até que Yuno abaixou a cabeça e se retirou. O confronto teria acabado ali, se um amigo de Yuno não tivesse aparecido e perguntado em um tom alto demais para quem estava sóbrio se Yuno tinha conseguido "Desabrochar a flor de Konoha". Como se esse erro não fosse o suficiente para condená-lo a fúria do copy-nin, completou a frase com "Aquela vadiazinha só finge que é difícil.". As coisas saíram do controle, antes que Kakashi percebesse o que havia ocorrido Genma e Yuno estavam o segurando e tentando impedi-lo de socar o amigo dele pela décima vez. Yamato se juntou a dupla e através de um Doton conseguiu pará-lo. Não fora fácil, Kakashi em estado insano era bem mais arisco que em seu estado normal de luta.

- Senpai, deve parar agora! - Yamato gritou, aliviado por ter conseguido obter a atenção de Kakashi.

Um misto de sentimentos constrangedores o aplacou e o fez parar de lutar contra o Doton que o tentava imobilizar. De repente, dera-se conta de que havia passado dos limites e se isso chegasse a Hokage estaria seriamente encrencado e o pior é que nem havia uma justificativa plausível para tal, não sem comprometê-lo, porque chegar aquele ponto porque sua ex-aluna fora ofendida não era lá muito convincente se não ligassem essa explosão a um ataque de ciúmes, mas talvez conseguisse usar a super proteção da Godaime para desviar a atenção de si, contando o que os bastardos falaram da discípula dela. Eles se ferrariam, muito mais do que se tivesse os matado, porque a Hokage tinha uma boa fama de ser inescrupulosa com seus inimigos e inimigos da Sakura também eram seus.

- Te conheço, Kakashi. O que está planejando? - Genma disse, obtendo sua atenção.

O homem de cabelos prateados acenou para que Yamato desfizesse o jutsu - Nada. - esfregou os braços que foram presos por madeiras e virou o rosto na direção contrária dos dois.

- O que te deu para surtar desse jeito? Ficou louco? E quanto ao garçom? Eu fui expulso porque aquele idiota achou que fui eu que o soquei! - Genma insistia em tirá-lo do sério mesmo quando ainda não tinha estabilizado seu humor. A repreensão levou mais alguns minutos até que ele desistisse de se comunicar e fosse embora, completamente estressado.

- Genma-san tem razão, Kakashi-Senpai. - Yamato disse, mas não esperou por uma resposta, somente acenou e desapareceu em segundos.

Sozinho, Kakashi olhara a sua volta. Teve sorte de sua vontade de dar uma surra com as próprias mãos no amigo de Yuno ter sido maior do que sua vontade de esquartejá-lo com seu Raikiri, se tivesse utilizado algum jutsu certamente seria preso. 

Soltou um suspiro resignado e decidiu sair dali. Fora para casa, mas estava inquieto e irritado, alguns minutos sentado em seu sofá foram o suficiente para fazê-lo querer destruir a própria casa, então decidiu ir treinar, destruir um campo de treinamento parecia uma solução melhor.

O copy-nin formava sua versão do Chidori enquanto encarava o alvo. As imagens de Yuno assediando Sakura e o amigo dele a desrespeitando repetiam-se em sua mente, brincando com sua sanidade. Estava tão mergulhado naquelas lembranças que não percebera que seu Raikiri havia se transformado em uma natureza sombria como sua fúria. Mirou o alvo, imaginando que fossem os dois idiotas e o atingiu, destruindo-o em pedaços que voavam para todos os lados. Sua fúria aumentava a cada segundo, sem uma explicação decente que a justificasse, mas percebera que tudo que envolvia Haruno Sakura era assim, sem explicação. Por que diabos ficara tão irritado com a aproximação daquele bastardo com ela? Por que ficara possesso ao ouvir falarem dela daquele jeito? Por que estava se envolvendo nisso tudo?

Sem perceber estava estraçalhando outro alvo com seu Raikiri, inúmeras vezes e inúmeros alvos. O campo de treinamento ficaria inacessível para treinos por um bom tempo graças ao estrago que causou.

Dias se passaram enquanto Kakashi se enfiava em missões afastadas da Vila e o motivo disso era que Haruno Sakura não saía de sua cabeça e suas tentativas de seguir em frente com a vida amorosa também. Ficava realmente perturbado com a ideia de vê-la com outro homem, mas depois do encontro dela com Yuno que arruinou completamente, a coisa piorou. Sua mente lhe submetia a tortura de imaginar o que poderia ter acontecido a ela caso não tivesse interferido e o resultado eram inúmeras situações monstruosas a envolvendo. Tudo bem que era um grande exagero de sua mente estúpida, infelizmente muitas mulheres passavam pela maioria daquelas situações graças ao número lamentável de homens com um caráter questionável, e a maioria das mulheres sobreviviam e até se reconstruíam com novos relacionamentos, mas não conseguia nem imaginar deixar Sakura sofrer outra desilusão amorosa, não quando um certo Uchiha quase a matou de tanto desgosto.

- Kakashi. - Genma o chamou, desacelerando a velocidade de sua corrida - Vamos fazer uma parada.

O copy-nin não queria parar, não queria se dar tempo para pensar e muito menos brechas para começar a imaginar coisas, como acontecia sempre, mas faziam praticamente vinte e três horas que seguiam a viagem sem pausas e Genma não o esperou concordar para cessar a corrida e levantar acampamento, deixando claro que a parada seria por mais de cinco horas no mínimo. Silenciosamente Kakashi fazia o mesmo, além de ignorar as baforadas e os olhares furiosos que o amigo lhe mandava.

- Por quanto mais tempo vai agir assim? - Genma questionou, jogando o colchonete no chão ao lado da fogueira, fazendo Kakashi olhá-lo - É sério, isso já está ficando insuportável. Você mal falou durante a viagem inteira, está agindo praticamente como um morto-vivo! E quanto a essa obsessão em trabalhar? Desde quando você se enfia em tantas missões seguidas?! - extravasou a raiva gesticulando exageradamente a cada acusação, andando de um lado para o outro - Fora que está perdendo a cabeça a cada vez que precisa confrontar algum inimigo! Você PERDENDO A CABEÇA, KAKASHI! Tem noção do quanto isso é estranho?! - depois de aumentar alguns decibéis do tom normal, Genma respirou fundo, numa tentativa de se acalmar - Mas que porra está acontecendo com você?! 

Kakashi suspirou e se deitou de costas para ele. Estava cansado demais psicologicamente para conversar, ainda mais para aguentar os surtos de Genma. Sabia que ele tinha razão em todas as acusações, mas não podia fazer nada quanto a isso, Sakura estava o enlouquecendo.

Caiu no sono sem perceber e acordou com mais um pesadelo envolvendo Sakura e outro homem qualquer. Era possível sua própria mente atormentá-lo daquele jeito? Sentou-se e observou que Genma ainda dormia pesado, certamente estava ainda pior fisicamente que ele próprio. Começou a pensar em coisas que não devia quando decidiu levantar e procurar por água e algo para comer. Havia encontrado tudo o que pretendia em menos de uma hora. Voltara e acordou seu companheiro para tomarem café da manhã e retomarem a volta para a Vila. Fora exaustivo, ainda mais porque Genma estava recuperado do cansaço e havia matracado o percurso todo tentando tirá-lo daquela inércia que havia conseguido se manter com muito custo. Depois de reportar a Hokage e tentar convencê-la a mandá-lo em outra missão rank-S, mas dessa vez solo, fora para casa, indignado pela Hokage tê-lo dispensado por uma semana. Teria muito tempo para enlouquecer e isso previamente o deixava desesperado.

O primeiro dia de folga passou limpando e arrumando seu apartamento. Não era um homem porco, muito menos desordenado, porém não tinha condições psicológicas para mantê-lo impecavelmente limpo e arrumado nas últimas semanas, como sempre mantinha. No segundo dia decidiu arrumar seus pergaminhos em ordem alfabética e suas armas em estilos, muita falta do que fazer em sua opinião. No terceiro, dedicou-se a terminar de ler seu velho amigo Icha Icha, não com total foco e atenção como deveria, já que sua mente insistia em se distrair com uma certa kunoichi de cabelos róseos. No quarto dia estava em pânico, não havia mais nada a fazer dentro de seu apartamento e não havia mais comida. Teria de fazer o que evitou desde que havia sido obrigado a tirar folga, sair do apartamento e correr o risco de cruzar com aquela que lhe roubara sua sanidade.

Respirou algumas boas vezes, duzentas no mínimo, antes de abrir a porta e sair. Pensou em se teleportar para o mercado, rapidamente comprar o que precisava e se teleportar novamente para seu apartamento, mas seria idiota demais utilizar um jutsu desse nível por algo tão ridículo e levaria menos de cinco minutos, o que ainda seria um problema já que precisava que o tempo passasse mais rápido. Desde quando fugia?

Seguiu calmamente pelas ruas de Konohagakure, obrigando-se a se prender no presente e no que acontecia a sua volta. Muitos cidadãos ainda reconstruíram suas casas, assim como havia muitos patrimônios sendo restaurados por ninjas. Não percebera até aquele momento o quanto a Vila havia sido atingida pela Quarta Guerra, talvez muito mais do que nas guerras anteriores.

- Finalmente saiu daquele apartamento, Kakashi. - ouviu na voz de Genma e contou mentalmente até dez. Era o penúltimo ser que queria encontrar naquele momento, sendo o último Sakura.

- Yo, Genma. - o cumprimentou com um aceno e retomou os passos, o vendo segui-lo.

- Que tal bebermos algo? Tem uma coisa que você precisa saber.

Sabia que vinha má notícia por aí, mas Genma não lhe dera escolha, caminhou para um dos bares que sempre iam, conferindo de minuto a minuto se ele o seguia.

- Diga. - disse, após sentar num banco de frente para o balcão.

- Estava pensando. - Genma pausou a frase, observando o copy-nin suspirar cansadamente. Isso porque ele mal havia começado - Você ficou assim depois daquela noite com Yuno, mas não vim falar sobre isso, acredito que se quisesse conversar sobre já teria desabafado. - acrescentou, vendo seu amigo pedir Sakê ao barman. Hesitou, mas iniciou o que realmente precisava falar, com muita cautela - Sakura talvez significa para você muito mais do que você admite e eu até te entendo, porque ela é realm-...

- Diga logo o que tem para dizer, Genma. - suspirou e discretamente num piscar de olhos virou o masu com o sakê que havia pedido.

- Tem uns rumores por aí e eu até confirmei a veracidade para você. Como seu amigo, me sinto na obrigação de te contar. - Genma parecia mais afetado pelo que estava prestes a falar do que já o vira antes. Seria enviado para alguma missão suicida? Alguém havia morrido? Uma quinta guerra Ninja estava prestes a começar? Tudo passara em sua cabeça, menos o que ouviu em seguida - Sakura está namorando.

Um silêncio se arrastou por longos minutos enquanto Kakashi tentava processar aquela frase. Sua capacidade de entendimento estava arruinada. Logo sentiu as mãos suarem frio, o corpo adormecer, o coração vacilar em suas batidas e o rosto esquentar como se fosse explodir. Estava a beira de uma parada cardíaca por acaso? Questionou-se até se havia se alimentado nas últimas horas, pois de repente se sentia fraco, mas não era isso, era apenas seu mundo ficando de cabeça para baixo mais uma vez.

- Kakashi? - Genma o chamou, fazendo-o olhá-lo - Diga alguma coisa, está me preocupando.

Tirou do coldre traseiro dinheiro e o deixou sobre a bancada antes de se levantar e sumir dali usando seu teleporte. Fora para casa e ali ficou por mais uma semana, até um ANBU ir até la com uma convocação da Hokage para uma reunião.

- Diga, o que está acontecendo com você, Kakashi? - a Godaime exigiu, olhando-o como se fosse matá-lo apenas com o olhar.

- Não compreendo o que quer dizer, Hokage-sama. - respondeu automaticamente, como fazia para viver desde que Genma lhe dissera que Sakura estava namorando.

- De forma inconsequente você queria que eu lhe desse uma missão após a outra e depois de ser obrigada a lhe dispensar para descansar por uma semana você some por mais de cinco dias? O que está acontecendo? - exigiu novamente, mostrando o motivo de ter a fama de ser uma mulher instável. Já estava impaciente e a beira de um ataque de estresse.

- Me desculpe, Hokage-sama, prometo que não se repetirá.

- Obviamente não se repetirá, sairá daqui com uma missão para garantir isso.

Assentiu, sem realmente ouvir o que sua superior falava em seguida. Fora expulso da sala, depois de receber instruções de ir até a torre buscar detalhes de sua missão. No caminho refletiu sobre como sua vida ficou no último mês, um caos, um completo caos. Não se sentia mais como ele mesmo, não fazia mais o que costumava fazer, não havia um pingo de Hatake Kakashi naquele corpo que se movia no automático e vivia como um completo ninguém. Pelo que Genma havia lhe dito, Sakura estava feliz e ele deveria ficar feliz também, não? Então por que parecia que havia morrido quando soube que ela estava namorando? Ela era uma jovem adorável, uma kunoichi excelente, uma mulher maravilhosa e...

O raciocínio se perdeu quando ao virar o corredor para sair da torre de missões viu há alguns metros dali Sakura sendo beijada por um homem que deduzira que era o tal namorado dela. Ficou ali observando explicitamente o casal trocar carícias, conversarem e Sakura rir de alguma coisa que foi dito. Ela riu. Na presença de outro homem, ela riu. Comprovou que ela estava mesmo feliz, mas ele não estava feliz. Como podia ficar feliz vendo a mulher que desejava para si com outro homem?

Os viu ir embora, a noite cair e os ninjas que trabalhavam na torre irem embora, fechando o estabelecimento. Não havia mais nada para fazer, nem para sentir e nem para pensar. Havia perdido essa.

Saíra dali e fora embora, imaginando como sobreviveria dali pra frente. 

Fora para a missão que a Hokage o havia escalado, eram por apenas alguns dias, mas bem longe da Vila. Aproveitou esse período para se convencer de que deveria ser um homem decente e ficar feliz por sua ex-aluna finalmente ter encontrado a felicidade, era isso que desejava para ela quando a aconselhou deixar Sasuke para trás. Por fim a dor estava atenuada, já não sofria como se tivessem lhe arrancado a vida, mesmo que ainda não tivesse recuperado a vontade de viver em um mundo sem ela.

Voltara para a Vila e dera de cara com ela. Conversaram formalmente, se despediram formalmente e nos encontros que ocorreram no decorrer da semana toda aquela formalidade se repetia. Nesse meio tempo soube por fofocas que ouvia a contragosto que o rapaz que namorava com Sakura era um bom homem e que estava realmente se empenhando para fazê-la feliz.

As coisas iam muito bem até pegá-lo conversando com um grupo de amigos em um bar quase na entrada da vila. Visivelmente voltava de uma missão também e não estava sóbrio o suficiente para percebê-lo próximo. Escondeu-se atrás de um pilar, próximo o suficiente para ouvir a conversa.

- Ei, Raito! Acha que Sakura ainda é virgem? - um dos amigos questionara.

- Com certeza! Minha namorada é do tipo virgenzinha romântica. O único homem que amou foi o assexuado do Uchiha. - o desgraçado do namorado da Sakura respondeu.

- Isso explica você estar aturando todas essas viadices de namorado apaixonado. - outro amigo falara em tom irônico e sugestivo, fazendo-o fechar os punhos fortemente.

- Claro. Eu serei o único homem que vai conseguir transar com ela, vale a pena o trabalho. - vangloriou-se como se Sakura fosse apenas um prêmio e bebeu seu sakê - Hoje a noite reuniremos nossas famílias para um jantar depois do festival. Planejei tudo para impressioná-la. Com certeza de hoje não passa! - riu escandalosamente, acompanhado dos amigos.

- Você realmente está levando isso a sério, Raito. O que pretende depois de conseguir o que quer? - a essa altura, Kakashi ouvia a conversa em segundo plano, pois em primeiro plano se concentrava em respirar fundo e se impedir para não ir até lá acabar com todos.

- Obviamente terminar essa palhaçada. - riu mais um pouco - Soube que Matsuna está solteira de novo, aquele corpo com certeza é um que vale a pena repetir o sexo. - comentou, obrigando o copy-nin se teleportar dali antes que o matasse com as próprias mãos.

Estava completamente transtornado. Raito não só provou ser um lixo traidor pérfido como já até tinha planos de ficar com outra mulher. Era o auge do paroxismo para si. Quase morreu de desgosto para que o desgraçado apunhalasse Sakura daquela forma sórdida. Andava de um lado para outro em sua sala, sentindo o corpo convulsionar com a raiva. Tremia dos pés a cabeça. As mãos há muito fechadas. A respiração entrecortada provando-o que estava prestes a perder a cabeça, que meneava negativamente compulsivamente. Não conseguia acreditar no que ouvira. Parecia tão surreal que chegou a se perguntar se estava louco o suficiente para criar aquilo em sua cabeça numa tentativa de conseguir um motivo para interferir no relacionamento de Sakura mais uma vez.

O dia passou enquanto estava preso há possibilidades. Mesmo que tivesse ido relatar a Hokage os acontecimentos de sua última missão, a que fez antes de pegar Raito conversando com os amigos no bar, a mente girava em torno do que ouvira. Decidiu conferir a veracidade das informações daquela conversa.

Seguiu o desgraçado e o observou buscá-la, depois levá-la para passear no festival, encontrar as famílias num restaurante onde iam jantar e levá-la para casa, como realmente disse que ia fazer. Antes de voltar, Raito havia encontrado um amigo no caminho e aproveitou que Sakura conversava com a mãe dele para se afastar e marcar com o amigo de encontrá-los no bar depois de concluir seu plano de tirar a virgindade de Sakura, previamente se mostrando disposto a procurar a mulher que havia citado antes. O copy-nin não havia enlouquecido. Raito provou ser o pior tipo de homem possível, daquele que come pelas beiradas, que não mede esforços para conseguir o que quer, que não tem um pingo de caráter e o pior, que finge ser totalmente o oposto do que realmente é.

Seus ônix acompanhavam pela janela, do lado de fora da casa, Raito e Sakura em momentos íntimos demais para serem observados, porém não se sentia nem um pouco mal por estar ali, fazendo o que estava fazendo. Iria proteger Sakura do que estava prestes a acontecer. Não a deixaria sofrer com a realidade que a esperava.

Observou-os se despir, aguardando que o maldito de alguma forma se arrependesse de magoá-la daquela forma ou rever seus planos, mas não acontecera, então utilizando sua assinatura de chakra, de forma que Sakura não pudesse perceber o alertou de sua presença. Raito e Sakura haviam parado de se beijar alguns segundos antes, mas não se dera conta disso, estava ansioso demais para que Raito fosse até ele.

- Quem é? - Raito questionou, empunhando defensivamente a kunai contra si.

Não houve uma palavra sequer. Na calada da noite e na escuridão do ambiente, Raito pôde ver apenas um olho negro e outro carmesim com um catavento negro girando antes de se perder em uma dimensão paralela.

- Onde estou? - o ninja questionava, recuando passos num lugar onde não havia nada além de um céu e terra. Céu vermelho com nuvens negras e terra lamacenta que envolvia seus pés e afundava conforme passava o tempo.

- Você é um desgraçado, Raito. Acreditou mesmo que conseguiria o que planejava e sairia impune? - a voz de Kakashi soou, ecoando o espaço-tempo na realidade que criou.

- Quem é você? Do que está falando? - Raito olhava para todos os lados, como se pudesse encontrar uma explicação para aquilo.

- Se não quer vivenciar a dor eternamente, voltará para o quarto e terminará seu relacionamento com a Sakura sem dizer uma palavra sobre nossa conversa.

Genjutsu, Raito concluíra, estava preso em um genjutsu. Inconscientemente os lábios formaram um sorriso autoconfiante. Estava seguro de que era um ninja formidável e determinado a desfazer aquele genjutsu. Tentara e evidentemente falhara.

- Isso não é um genjutsu comum. - Kakashi explicara e de repente aparecera a frente de Raito, que recuou alguns passos quando viu quem era seu oponente. Hatake Kakashi, o famoso Ninja Copiador, prodigioso ninja de elite que tinha total reconhecimento em todo o mundo ninja e uma reputação pulsante de ser sangue frio e impiedoso - Onde está sua confiança de segundos atrás, Raito? - o copy-nin apreciou o silencio de seu inimigo e se divertiu com a expressão apavorada do mesmo.

- Eu não quero problemas, Senpai. - desesperado, largou a kunai, a deixando cair e afundar como afundava na terra lamacenta.

- Então quando liberá-lo vai voltar para o quarto, terminar seu relacionamento com Sakura e nunca mais aparecerá e nem a procurará. Compreendeu?

- Sim. - respondeu prontamente, temendo por sua vida.

Desfez o jutsu e o assistiu obedecê-lo. Sorriu vitorioso o vendo passar por si com pressa, sem nem encará-lo e desativou o doujutsu. Estava cansado, utilizar o Mangekyou drenava grande parte de seu chakra limitado e estressava sua mente e corpo, no entanto não estava arrependido, apesar de pensar que deveria tê-lo torturado um pouco antes de liberá-lo.

Saiu dali para descansar um pouco e algumas horas depois decidiu procurar a única mulher que o tinha por inteiro e a segunda que amou em toda sua vida.

Diferente do que imaginara, a encontrou no antigo campo de treinamento do Time 7 que havia sido reformado depois do estrago que causou. Ela esmurrava o alvo sem suas habituais luvas de combate e isso causava ferimentos sérios em suas delicadas mãos.

- Estava treinando ou destruindo o campo de treinamento? - disse, saindo da anonimidade. Observou-a se virar e se aproximou - Você está bem? - a viu assentir - Devo fingir acreditar nisso? - questionou, depois de hesitar um pouco. Sabia que ela não estava bem, os olhos vermelhos e inchados, o nariz avermelhado e a tez úmida provavam que não.

A kunoichi soltou um riso curto e meneou a cabeça negativamente. Abraçou-se, desfazendo lentamente o sorriso triste que havia se formado depois do riso. Suspirou e o olhou - O que faz aqui a essa hora, Sensei?

Num impulso Kakashi quis dizer que viera por ela, para abraçá-la e confortá-la, mas apenas deu de ombros - Acho que o mesmo que você. - mentiu e pegou uma das mãos cuidadosamente - Vamos cuidar disso. - refletia sobre as consequências de suas ações, mas não havia feito nada que o comprometesse ainda. Cuidar dos ferimentos de sua ex-pupila ainda era aceitável, não? Sem soltar a pequena mão, a guiou para um parque infantil que tinha um bebedouro. A viu se sentar em um dos bancos do balanço infantil e dar um pequeno impulso para se balançar levemente, antes de anunciar que voltaria logo. Foi até o bebedouro e umedeceu um lenço de pano que tinha em seu coldre. Voltou até o balanço e se sentou ao lado dela, virando o banco e torcendo as correntes para ficar de frente para ela - Dê-me sua mão. - estava tão perdido na calmaria que ela sempre causava em seu coração que não se dera conta do quão idiota estava sendo. Ela era uma ninja médica, poderia se curar sozinha, mas era tarde quando percebeu, já havia limpado e enfaixado as duas mãos. Levantou o olhar e encontrou as grandes esmeraldas que tiravam seu fôlego. O olhar era tão límpido e intenso que o hipnotizava. A mão reagiu sem seu consentimento indo de encontro a lateral da face delicada e a acariciou cuidadosamente - Ficará tudo bem. - as palavras saíram antes mesmo de perceber e a boca sorriu com a sensação de plenitude que sentiu ao vê-la assentir e sorrir verdadeiramente, um sorriso que ela só dava a ele. Apreciou-a ruborizando levemente e assustou-se levemente ao senti-la tocar sua mão e levar um pequeno choque, daqueles leves, que faz recuar rapidamente, mas apesar de ter recuado, ela avançou novamente deixando a pequena mão sobre a dele no rosto feminino. O corpo e a mente pela primeira vez em anos estavam sincronizados, ambos desejavam a mesma coisa, beijá-la, jogando ao alto a moralidade e tudo que beijar sua ex-aluna envolvia. Engoliu a seco observando os lábios levemente avermelhados da Kunoichi que ainda mantinha as esmeraldas o fitando. O corpo impulsionou a aproximação e lentamente o rosto viril estava próximo do delicado. As respirações se misturando, os olhos fechando. A mão dela deixou a sua, mas isso não o parou, estava tão ansioso por aquele momento que sonhara tantas vezes que mal conseguia raciocinar, era apenas o instinto que o movia. Os lábios roçaram um contra o outro, até que Sakura se levantou bruscamente.

- Preciso ir. - disse, agitada - Obrigada, Sensei. - completou e saiu correndo, sem olhar para trás. 

Ele a observou desaparecer de sua vista, imaginando se a confusão que existia em si era a mesma que a atormentou a ponto de fazê-la fugir. Talvez ela não quisesse correr o risco de destruir a relação que construíra com ele de Sensei e aluna, ou talvez estivesse com medo das consequências.

Semanas haviam se passado sem que se encontrassem novamente, mas sua mente, ela havia congelado naquela noite. Eram tão vívidas as lembranças que o preenchiam, que as vezes achava que o tempo havia voltado para aquela noite. Sakura não o deixava só nem por um instante em sua cabeça e isso só o fazia ter certeza de que precisava resolver aquilo. Arcaria com as consequências que fossem, mas valeria a pena, pois a teria para si.

Era noite e já estava se preparando para dormir quando decidira caminhar para espairecer as ideias, a Godaime lhe convocou para uma missão diplomática extremamente importante e perigosa com a Vila do som, com uma alta porcentagem de risco de vida. Como se sua vida já não estivesse bagunçada o suficiente, havia mais um motivo para se preocupar. Tinha decidido conversar com Sakura, mas não conseguira tempo para isso e quando finalmente conseguira, recebera tal notícia. Precisava falar com ela, mas não poderia fazer isso sabendo que havia um sério risco de não voltar dessa missão. O que seria de Sakura com mais uma decepção? Lembrava-se muito bem de como ela ficou quando Sasuke e Naruto deixaram a vila.

Sentiu o chakra tão familiar e o seguiu. Sakura estava no mesmo lugar de sempre. Sorriu por baixo da máscara e empunhou sua kunai, a atacando de surpresa.

- Acho que preciso ser mais discreto em meu próximo ataque surpresa. - disse despreocupadamente, como nos velhos tempos.

Ela forçou a kunai o fazendo recuar e desfez o confronto entre as armas - Kakashi-Sensei! - exclamou, recuando alguns passos.

Ficara realmente feliz a vendo sorrir por vê-lo. Retribuiu o sorriso e observou-a encará-lo com malícia. Sentia o desejo dela por ele e isso lhe deu coragem e ousadia para resolver as coisas.

- Precisa apenas melhorar seu equilíbrio. - disse e a viu ruborizar ainda mais.

Ela desviou de seu olhar e virou-se, dando as costas a ele - É... Eu sei. - respondeu, colocando ambas as mãos na cintura. Respirou fundo enrijeceu dos pés a cabeça quando ele se aproximou.

Kakashi ousou encurtando totalmente a distância entre os corpos. Suas mãos grandes envolviam a cintura fina, a apertando. Encostou o queixo escondido pela máscara contra a lateral do rosto da kunoichi. Segundos depois, ele delineou a perna na dela, a forçando a se arrastar para a frente - Tente espaçar um pouco mais as pernas. - sussurrou em seu ouvido, com a voz perigosamente mais grave e rouca que o normal - E concentre seu equilíbrio no quadril. - acrescentou, enquanto as mãos grandes apertavam a cintura e a movimentava em giros pequenos para a direita e esquerda. As mãos deixaram a cintura passeando pelas curvas, até pararem entre o peito e abdômen - Controle o diafragma, para que seu chakra circule perfeitamente pelo corpo. - a sentiu engatar a respiração quando devolveu uma das mãos a cintura e a outra se espalmou, a apertando contra si. O corpo ansioso por mais contato estava o enlouquecendo, precisava de mais, mas ainda havia algo para resolver primeiro - Amanhã sairei em missão e só voltarei em um mês. - finalmente disse, desejando que ela o compreendesse - Eu não podia ir sem vir te dizer que quando voltar quero conversar com você. Me espere. - independente do risco certo de que correria nessa missão voltaria, voltaria por ela, para finalmente tê-la e como um homem de palavra, fará qualquer coisa para cumprir essa promessa que fez para si mesmo.

Pela visão periférica a viu assentir e logo sentiu a mão dela sobre a sua. Algum tempo se passou enquanto estavam presos naquela intimidade intimidante. Era um contato que não poderia existir, era errado por ele ser seu ex-Sensei e porque ela era jovem, a vira crescer e ter deixado que a mudança ocorresse no laço que construíram era imoral, mas estava ciente de todos os contras e há muito já havia aceitado as consequências. Se Sakura o queria como lhe mostrou a pouco, ele moveria céus e terras para que ficassem juntos.

Deixou um beijo casto no topo de sua cabeça e desapareceu dali. Por sorte o tempo passara voando. A missão realmente foi complicada, quase perdeu a vida por duas vezes, mas de fato estava empenhado em voltar para Sakura. Sonhara todas as noites com ela e pensava nela todos os dias. A aproximação acontecera de forma sorrateira, mas tão intensa e ubíqua que tinha certeza de que aquele relacionamento poderia dar certo.

Kakashi finalmente havia voltado, mas nenhum dos dois conseguiram um tempo para terem aquela conversa. A Hokage o prendeu no hospital em uma ala especial por causa dos ferimentos graves nas primeiras semanas e depois em reuniões extensas e soube que Sakura também estava sufocada de tanto trabalho. Era irônico como o destino trabalhava, já que estavam no mesmo prédio, porém não conseguiam se encontrar. No meio de tantos desencontros, Sasuke retornou de uma de suas viagens e isso não o preocuparia tanto se o Uchiha não a tivesse procurado. Presenciou ele chamá-la para jantar e depois pedi-la em casamento e o pior era que Sakura havia aceitado, mesmo depois de ter interferido em um pedido desesperado de que não fizesse aquilo. Sabia que ela não aceitou por amor, a reação dela fora bem clara de que estava arrasada, mas Sakura era altruísta demais e o Uchiha sabia disso e usou isso a seu favor.

Dias se passaram enquanto ele tentava insistentemente falar com ela, mas ela não permitia. Sempre havia uma desculpa para fugir dele, até que certa noite ela aceitou conversar.

- Sakura... - hesitante, iniciou a conversa. Estava desesperado, tenso, impaciente e preocupado. As coisas não poderiam ter acontecido assim - Eu precisava falar com você...

- Eu não posso mais, Kakashi. - ela o interrompeu. A voz estava trêmula, insegura e embargada. A conhecia muito mais do que conhecia a si próprio e sabia que ela queria chorar, que ela estava infeliz com esse casamento. Via nos olhos dela o desespero por sacrificar a própria felicidade. A viu respirar fundo - Estou comprometida. - disse sem rodeios, antes de se virar e ir embora. Não houveram mais palavras, nem olhares e nem nada que os impedissem de se afastar, porque ambos sabiam o que era certo ser feito dali pra frente.

Não se viram mais depois daquilo, até a festa de noivado."

oOo


Notas Finais


~*Ora... Parece que foi um pouco dos dois hein... Kakashi Dark parece ser a mistura exata de um altruísta com um possessivo cretino egoísta! Ou não? O que importa é o que vocês acham então desembuchem! Kkkkkkkkkkk
Ficaram com dó do Genma? Por ele ter aturado o mal humor do Kakashi por todo esse tempo? Que amigão hein! Coitado, foi até expulso do bar por causa de uma encrenca que nosso Sensei favorito arrumou Kkkkkk
Ahh outra coisa, vi que algumas pessoas acharam que o Kakashi tinha treinado sem camisa de propósito para assediar a Sakura, mas vocês viram? Ele nem percebeu que ela estava espiando ele Kkkkkk
Raiva e ciúmes são f***! Pessoa fica cega, surda e muda Kkkkkkk
E quem diria que o Raito não valia nem o ramén que comia?! kkkkkkkkkkk
Alguns leitores elogiaram tanto ele! Quero saber com detalhes como se sentem agora que sabem o que realmente tinha acontecido! =P
Bom gente, como você viram consegui fazer o encontro do passado com o presente! Então daqui por diante, veremos o que já havia planejado para essa fanfic, ou seja, vamos retormar o caminho para o final dela, ok?
Próximo capítulo trarei eles na caverna e um acontecimento que mudará bruscamente o clima de romance e sexo selvagem! Kkkkkkkkkkkkk
Comentem e me motivem! Estou ansiosa para saber a opinião de vocês!
Bom final de semana! =P
Até a próxima!*~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...