História Minha Bad Girl - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Jungkook, Romance
Visualizações 65
Palavras 2.387
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olar ❤

Capítulo 16 - Chapter Fifteen


Fanfic / Fanfiction Minha Bad Girl - Capítulo 16 - Chapter Fifteen

Pov. Sook


Eu não queria levantar.

Mais foi preciso.

Se bem que meu maior incentivo daquela manhã foi pensar que veria Jeon na escola. Nunca pensei que um garoto viraria meu maior incentivo para levantar cedo.

Quem sou eu e o que fizeram comigo?

— Vai ficar aí pensando na vida ou vai levantar e tomar banho? — virei vagarosamente a cabeça para o lado vendo Dae com a mão na cintura me observando com a sobrancelha arqueada, nem havia notado sua presença até aquele momento.

— Vem cá, desde quando eu te dei tanta liberdade? — retruquei — Não bate mais na porta? E minha privacidade? — ela revirou os olhos.

— Vai, capricha no drama e se atrasa. — abafei um sorriso na almofada vendo a mesma sair.

Dae parecia me conhecer melhor que a minha mãe, era incrível o quanto apegada a ela eu estava me tornando. Porém o medo de isso tudo acabar ainda me atormentava.

Depois de uma longa demora me arrumando, desci as escadas jogando a mochila no sofá e dei de cara com Yoongi, sentado na mesa do café como de costume.

— Desculpe por aquilo na casa da Dahye. — ele disse, eu travei no mesmo lugar.

Yoongi estava pedindo desculpas? Minha vida estava se tornando estranha demais pra mim.

— Não me olhe desse jeito! — exclamou suspirando — Eu prometi que ia tentar fazer com que as coisas mudassem Sook, mas se você não cooperar nada vai dar certo! — bufou baixando os olhos pra sua xícara de café.

— É que... tudo está acontecendo muito rápido. — murmurei sentando.

— Tudo bem eu entendo. Eu sei que eu peguei pesado com todo aquele falatório antes, mas, foi surpreendente até pra mim o modo como agi por sua causa. Namjoon tinha razão quando falou que meu instinto de irmão mais velho falou mais alto. — disse, mais pra si mesmo. — Porém ,de qualquer forma você vai ter que se acostumar com meus impulsos afetivos repentinos. — não contive um riso baixo.

— Tudo bem, se eu posso aguentar o Jungkook, também posso aguentar você. — ele sorriu, foi o primeiro sorriso verdadeiro que Yoongi direcionou a mim e isso fez meu coração se sentir aquecido, acolhido; como se finalmente aos poucos eu estivesse sendo aceita.

Comecei a comer calmamente em meio ao silêncio confortável que pairava entre nóis, eu poderia realmente me acostumar com isso.

— O que 'tá rolando entre você e o Jungkook? — Yoongi questionou sério, ergui o olhar e dei de ombros.

— Não sei. É complicado nomear isso, acho que estamos ficando. — disse meio incerta.

Jungkook e eu não assumimos um relacionamento um para o outro, mesmo com as declarações e tudo mais, ainda estávamos num estágio de conhecimento um do outro.

— Hum. Espero que ele saiba o que está fazendo. — Yoongi disse voltando a comer.

Meu irmão não parecia confiar em Jeon, ele acreditava fielmente que o mesmo ainda era apaixonado pela Yang Mi, e diante dos fatos eu não podia questionar sobre suas dúvidas.

— Tenho uma novidade. — Dae falou sorridente enquanto adentrava o local com um bolo em mãos.

— Que foi? — perguntei enquanto me apressava para tirar um pedaço bem grande daquela delícia confeitada.

— Meu filho está voltando para Seul. — franzi a testa.

— Pensei que não tivesse filhos. — falei levemente curiosa.

— Eu disse que não tive “filha”, é diferente.

— Claro. — repliquei revirando os olhos rindo de lado.

— Hoseok está vindo pra cá? — Yoongi perguntou alegre.

— Sim, querido. Ele conseguiu um ótimo emprego como professor de dança numa escola aqui perto. — ela dizia animada.

— Ele dança? — falei ainda mais curiosa.

— Sim. Um dos melhores dançarinos que eu já vi. — Yoongi informou.

— Interessante. — foi a única coisa que disse antes de tomar um gole do meu suco e levantar.

— Ele está chegando essa tarde, espero que goste dele Sook, ele vai adorar te conhecer. — Dae disse por fim.

— Hum, vou tentar ser simpática. — ela revirou os olhos.

— Ah, Chul teve que buscar o pai de vocês no aeroporto. Se quiser que eu chame um táxi Sook, eu...

— Ela vai comigo. — Yoongi interrompeu a fala dela, que já estava com o telefone fixo em mãos.

— C-com você? — Dae balbuciou com a boca entreaberta.

Sim, era bem surpreendente cada palavra dita por Yoongi em relação a mim. Mas eu tinha que me acostumar.

— Isso mesmo, vamos antes que nos atrasemos. — ele disse antes de pegar as chaves e atravessar a porta.

— Tchau Dae. — ri amarelo.

A mulher continuava inerte nos vendo sair, apenas dei de ombros e corri para alcançar o elevador.

— Dahye está mandando um bom dia pra você. — Yoongi falou sem tirar os olhos do celular enquanto esperávamos chegar ao térreo.

— Ah, legal. Ela é sempre tão simpática assim? — o fitei, ele desviou o olhar da tela e observou a porta de metal por alguns instantes logo dirigindo sua atenção a mim.

— Sim. Por incrível que pareça. Tive sorte em encontrar ela. — ele sorriu. — Nossos lados se completam. — o elevador se abriu e ele saiu.

Yoongi conseguia ser bem profundo quando se tratava de Dahye, era realmente um sentimento muito forte que emanava daqueles dois e eu estava bem contente por ele estar compartilhando tais sentimentos comigo.

O Porsche preto parou enfrente o portão de entrada do condomínio, quando adentrei o carro, o som de notificação do meu celular soou.

Rapidamente peguei o aparelho vendo uma mensagem de Jungkook.


Bom dia <3

Queria ter te mandado uma mensagem mais cedo, desculpa, é que eu acordei bem atrasado hoje.

— Recebida, 07:40


Um sorriso de canto se formou em meus lábios enquanto meu coração acelerava.


Você não é obrigado a me mandar um “Bom dia” Jeon. Não me peça desculpas.

— Enviada, 07:40

Respondi e apaguei o celular sorrindo, ao olhar para o lado, vi Yoongi me encarar pelo canto dos olhos.

— Sendo filha de quem é, você podia ter um celular melhor do que esse, não acha? — me perguntou apontando com a cabeça para o meu aparelho.

Era simples, não era um iPhone, apenas um Samsung daqueles pequenos e normais. Havia ganhado ele de um dos meus “amigos” um ano atrás, não vou negar que estava lento e desatualizado e queria um novo, mas eu não estava pronta para pedir absolutamente nada para meu pai.

— Acho que esse ainda é bem resistente. — falei sorrindo amarelo enquanto o mesmo vibrava.

— Relaxa que eu resolvo esse problema pra você. — disse fitando a estrada.

— Yoongi não precis...

— Tem uma coisa sua comigo. — me interrompeu.

Franzi a testa confusa.

— O quê? — ele apontou com a cabeça para o porta-luvas.

— Abre. — meio desconfiada abri o pequeno compartimento vendo o mesmo pacote retangular que meu pai havia me oferecido no primeiro dia de aula. — É seu.

— O que é isso? — peguei o objeto olhando confusa.

— Não quer descobrir? — encarei Yoongi por alguns segundos e rasguei a embalagem.

Havia uma caixinha preta de veludo, e dentro um colar de prata, nele havia um medalhão redondo com uma flor bem desenhada, era lindo.

— Pertence a minha família. É repassado de geração a geração para todas as garotas. Como minha mãe não teve nenhuma menina, ela desejou antes de morrer que isso fosse seu.

— Mais Yoongi eu.. Eu não posso aceitar..

— Claro que pode Sook. Você não sabia mais era minha mãe que sempre cuidava de você, mesmo de longe. Ela mandava o dinheiro pra suas fianças, escolhia as escolas e obrigava meu pai a ir até você.
 

Eu estava surpresa, jurava que a sra. Min me odiava pelo fato de eu ser a bastarda e tals, porém eu tinha uma mãe e nem sabia.

— Sua mãe devia ser uma pessoa maravilhosa. — murmurei olhando a jóia tão fina.

— Sim, ela era. — ele sorriu. — Ela fez meu pai jurar que te tiraria da sua mãe, mas você nunca quis, ele não pôde fazer nada. Até que por acaso sua mãe te mandou, que ironia. — ele riu. — Mamãe deve estar decepcionada pelo modo como te tratei, mas eu vou me redimir. — sorriu amarelo sem tirar os olhos da estrada.

— Obrigada por me aceitar como parte da família. — curvei os lábios num sorriso sincero, eu me sentia feliz, muito feliz.

— Como assim? Você sempre foi da família. — ele sorriu de novo, dessa vez me encarando, e eu pude ver toda a sinceridade no seu olhar então retribui da mesma forma.

Meu celular vibrou novamente.

Não seja tão insensível e me mande um bom dia também : (

— Recebida, 07:41

Hey, valeu pelo vácuo. Isso me deixou magoado.

— Recebida, 07: 50


Não evitei rir.


Tá bom. Bom dia <3

Ps: O quão dramático você pode ser Jeon?

— Enviada, 07:51


Não demorou dois minutos e me veio a resposta.


Talvez um pouco <3

— Recebida, 07:51


Eu não respondi,apenas guardei o celular e esperei até chegarmos na escola.

                         x          

 O céu parecia até mais azul naquele dia, meu bom humor parecia me fazer olhar o mundo com outros olhos.

No momento que Yoongi estacionou, tratei de descer rapidamente, pois eu tinha um certo receio sobre ele querer ou não ser visto comigo. Porém quando ele se pôs ao meu lado e começamos a andar em direção a entrada, todo o meu receio se foi.

Os olhares julgadores dos alunos sobre mim – como eu já esperava – estavam me deixando incomodada como sempre, mas eu não iria demonstrar que estava sendo intimidada por isso; eu nunca deixava.

— Se eles fizerem alguma coisa, me chama que eu resolvo. — meu irmão susurrou.

— Eu sei me defender sozinha Yoongi. — disse fechando a cara enquanto mirava aquele povo todo que não sabia nem disfarçar.

— Deixa de ser orgulhosa, Sook. — ele pôs a mão no meu ombro me encarando sério. — Qualquer coisa me chama. — bufei e assenti, ele deu uma última olhada pros adolescentes e saiu pelo corredor.

Revirei os olhos e fui aguentar minha primeira aula do dia.

                         x


Não foi tão ruim assim.

Eles não sabiam disfarçar o olhar sobre mim, porém, não riram, não falaram ou zoaram, isso me deixou um pouco confortável na aula de matemática.

Quando o sinal tocou para o intervalo, nunca me senti tão livre por estar longe de pessoas.

— Então como foi a festa? — Gi surgiu do além.

— Como se você não soubesse. — ri soprado enquanto pegava o celular.

Ainda não tinha visto Jeon hoje, isso estava me incomodando.

— É normal beber e agir daquele jeito Sook. Mas você se divertiu? — arqueou uma das sobrancelhas.

— Bebi demais. Se me diverti eu não lembro, mas que eu sofri com dor na cabeça, ah eu sofri sim! — ela riu.

— Você parece bem humorada. O que houve? — me encarou curiosa, dei de ombros abrindo um sorriso pequeno.

Um pigarro se fez ouvir por toda a sala vazia, meus olhos se direcionaram para a porta de entrada e ver Jungkook encostado nela de braços cruzados me encarando, fez meu corpo todo se aquecer e as borboletas se ativarem.

Vi Gi alternar o olhar entre mim e ele.

— Acho que sei o que está acontecendo. Finalmente se resolveram. — ela riu. — Vou buscar um suco pra você. — assenti e ela saiu andando, acenou pra Jeon e logo sumiu por aquela porta,eu sabia que ela não iria voltar com meu suco.

Ele se aproximou puxando uma cadeira e sentando a minha frente com um sorriso de orelha a orelha.

— Olá. — disse selando rapidamente nossos lábios.

— Olá Jungkook. — respondi visivelmente corada.

— Tenho uma proposta pra você. — ele segurou uma de minhas mãos fazendo um carinho na costa da mesma. Era bom.

— O que seria? — entrelacei nossas mãos.

Jeon parecia ficar cada vez mais feliz com meus atos de aproximação com ele e isso me deixava feliz também.

Arrastei a cadeira ficando mais perto dele e encarando seus olhos que me faziam perder a noção do tempo.

— Golpe baixo Min. — ele disse encarando meus lábios, senti sua mão passear pela minha nuca me causando arrepios e logo seus lábios estavam colados aos meus.

O gosto era tão bom, nunca havia provado coisa igual como a boca de Jungkook na minha; sua mão estava comportada na minha cintura e eu explorava seus cabelos com a minha enquanto a outra estava posicionada em seu peitoral.

— Jungkook... — afastei, o ouvindo reclamar — Não deveríamos fazer isso aqui.

— Por que você decidiu ser certinha logo agora comigo? — ri da cara emburrada dele enquanto cruzava os braços.

— Porque eu gosto de você. — disse meio insegura.

Era difícil dizer aquilo sendo eu, mas eu me arriscaria, até porque não é todo dia que alguém estava disposto a aceitar seus defeitos e suas confusões.

— Sério mesmo? — ele parecia maravilhado com aquelas palavras.

— Sim Jeon,muito sério. — disse passando a mão pelo seu rosto.

— Deixa eu te beijar de novo? — pediu manhoso.

— Não, idiota. — ri. — Qual a sua proposta?

— Não é bem uma proposta. É mais um convite. — o encarei ansiosa. — Quer conhecer a minha mãe? — perguntou animado.

— Mas eu já conheci sua mãe, lembra? — me afastei um pouco pondo o cabelo atrás da orelha.

— Mas o clima tava bem tenso. E eu não te apresentei como... — ele parou como se medisse suas palavras.

— O que? — o encarei rindo torto.

Jeon coçou a nuca, ele parecia perdido no que ia falar.

— Olha Sook,eu quero deixar as coisas fluírem devagar entre a gente por você. Porque se fosse por mim já estávamos namorando e tudo. — ri. — Que tal, a garota por quem estou apaixonado? — sorriu se aproximando.

— Tudo bem. — disse afastando seu rosto, ele fez beicinho e acabou ganhado um selinho demorado.

— Depois da escola? — perguntou.

— Depois da escola. — confirmei ganhado um sorriso.

— Vem, vamos comer. — me puxou sala a fora.

— Eu não quero entrar naquele lugar. Não suporto eles me olhando. — revirei os olhos.

— Não liga pra isso. Você está comigo agora. — ganhei um beijo na ponta do nariz.

Quando adentramos o refeitório, os olhares de todos caíram sobre minha mão e a de Jungkook juntas. O mesmo parecia não se incomodar, porém eu não podia dizer o mesmo sobre mim.

— Eles vão ter que saber mais cedo ou mais tarde. — ele murmurou sorrindo.

Certamente, a partir de agora, o sorriso de Jungkook é que vai me dar força e coragem para enfrentar as pessoas.


Obrigada por isso Jeon.



Notas Finais


Estou uns trinta minutos atrasada.
Mas eu sei que vocês vão me perdoar.
Né,amores?

Até sábado.
Bejas 💋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...