História Minha doce tentação. - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Agustín Bernasconi, Carolina Kopelioff, Karol Sevilla, Lionel Ferro, Ruggero Pasquarelli, Sou Luna
Personagens Agustín Bernasconi, Carolina Kopelioff, Gaston, Karol Sevilla, Lionel Ferro, Luna Valente, Matteo, Nico, Nina, Personagens Originais, Ruggero Pasquarelli
Tags Amor, Amor Proibido, Lutteo, Mel_fanfics, Ódio, Romance, Ruggarol, Sexo, Sou Luna, Soy Luna
Visualizações 492
Palavras 752
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Hentai, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mamãe ❀Mel❀ aqui.

Boa leitura💠❀
Espero que curtam💠❀
Deixem seu comentário💠❀

Até acula embaixo❀ೋ

Capítulo 3 - Parece que a menininha cresceu.


Narrative Matteo Balsano on' s.

Acho que Luna não teve muito tempo para assimilar o que estava acontecendo naquele instante. Minha pequena por mais inocente que fosse, aos poucos foi se entregando a aquele nosso maravilhoso beijo. Claro, minha doce tentação só era inocente em minha mente, porém ela não ter resistido e se entregado ao beijo estava acabando com a inocência que eu acreditava que aquela garota ainda tinha.

Invadi sua boca com minha língua e vasculhei cada centímetro de sua boca, pois para mim aquilo que tanto quis e quero, era desconhecido, e inexplorado. 

Agarrei sua cintura com mais força, e a prendi mais contra aquela porta na tentativa desesperada de sentir seu corpo junto do meu. Para minha sorte - ou azar - dependendo do ponto de vista, minha irmãzinha não aguentou e soltou um gemido. Não sei ao certo como pode ser possível, mais com apenas aquele mísero gemido, Luna me deixou completamente duro. Feito pedra. 

Suas mãos rodearam meu pescoço, e eu ainda estava concentrado em chupar, morder, e vasculhar sua boquinha. 

Ah Luna, cadê aquela menina inocente? Cadê nossos pais ou alguém para nos atrapalhar? 

Eu estava amando o sabor de seus lábios rosados e meio carnudos, mas eu precisava ter um limite. Por que se não, eu ia perder o restante que sobrou de minha pouca sanidade e auto - controle e ia foder ela até nossos corpos deixaram de resistir a tanto prazer e chegassem num intenso e maravilhoso orgasmo.

Aquela sua língua macia, rápida e gostosa estava me tirando do serio (junto com o restante de seu corpo, que pareciam terem feito um acordo perigoso e tentador demais para eu não poder resistir a ela.)

Sua perna, aquela que costumava ver seminua, estava subindo e descendo roçando na minha. Dentro de segundos eu segurei a sua coxa "sapeca", e comecei a aperta - lá com desejo e vontade.

Sua lingua começou uma batalha com a minha, e parecia que ela queria a vitoria a todo custo. Eu não estava conseguindo mais resistir sem o ar fresco, porém eu também não queria deixar de sentir o sabor de sua boca. 

Sem aguentar mais ambos deixamos o beijo como se tivéssemos combinado o instante que podíamos parar.

Não queria ter que encarar seus olhos verdes desafiantes, e nem suas perguntas de por que eu tinha feito aquilo. Então apertei mais ela contra a parede e deixei nossos narizes roçando, lado a lado como se dissesse: "Se prepara, daqui a pouco eu vou te beijar de novo, e provavelmente te foder com força."

– Hum... Matt... — Meu Deus, ela precisava mesmo gemer? E eu tinha mesmo que me sentir tão provocado por um ato tão simples? Ah... Eu com certeza devo ter atirado pedra na cruz, ou ter feito uma coisa terrível em outra vida para receber algo tão tentador como irmã.

Sem querer acabo roçando minha ereção em sua intimidade por cima dos tecidos finos de sua roupa, e ao perceber que aquela sua boquinha maravilhosa soltaria outro gemido, eu ponho o dedo na frente de sua boca como se a mandasse se calar.

— Shii... Por favor Luna, não geme de novo... Não vou aguentar bebê...

Falei como um covarde que implorava para não ser morto. Ela ainda estava de olhos fechados, mais eu... Ah essa altura já encontrava - me olhando e admirando seu rostinho perfeito. Ela mordeu o lábio, e aquilo me provocou mais.

— Luna... Faz um favor para o seu Oppa? — Usei o tal apelido pelo qual agora essa tentação ambulante me chamava. Esperava um sim, tinha que receber um sim. Ela balançou a cabeça positivamente, e eu suspirei aliviado. — Por favor não comenta nada disso que fizemos agora com ninguém, por que se contar pra alguém eu vou ter problemas seríssimos, Luna.

— Ta Oppa, eu prometo,mais eu tenho uma condição... — Ela abriu os olhos verdes lindos que possuía, e me fitou com uma repressão que pelo menos para mim era maliciosa. E então disse: — Você me satisfaz uma noite inteira... E aí eu prometo que ninguém nunca vai saber do que aconteceu aqui Matt...

Eu arregalei os olhos. Porra cadê aquela menininha inocente que sentava no meu colo e rebolava para me acordar? 

— O... O que...? — Perguntei gago.

— Vamos lá Matt, não será tão difícil, até por que eu só tô te pedindo isso por que preciso perder minha virgindade com alguém a quem eu desejo... — Ela falou manhosa e sensual.

"Parece que a minha menininha cresceu, e eu só tinha notado seu corpo."


Notas Finais


Ehhhhtah porra.
Fudeu tudo pro Matt😂❤💠
Mamãe Mel já vai, bey bey💠❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...