História Minha história. - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 10
Palavras 1.374
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 15 - Aceito!


Quinze

Saí do banheiro sem pensar mais em Vitoria pois tinha a certeza de que tudo aquilo nunca mais iria voltar, e também percebi estar apaixonado por Andy, e que ela era o meu presente. Sentei-me a mesa.

—Está tudo bem? —perguntou Igor.

—Agora está. —respondi com um sorriso no rosto.

Igor percebeu que eu estava melhor. Andy e Vitória estavam conversando sobre o casamento dela com Gabriel.

Minha história com ele é meio complicada, mas para resumir, éramos amigos, melhores amigos, daria minha vida por ele, e eu achava que ele daria a dele por mim. Eu tinha uma namorada, mas quando terminamos, eles começaram a namorar. Ate ai tudo bem, não ligava dele estar com ela, contanto que ele estivesse feliz, tudo bem. Mas pra ele, minha amizade não fazia parte desse novo rumo que a vida dele tinha tomado, então ele me excluiu, me apagou de sua vida como se nem tivesse me conhecido. E então me afastei também, e a amizade acabou.

—E o buque Bia? —Perguntei. —Não vai joga-lo?

—Ih, é mesmo. —disse ela. —Tinha esquecido.

Bia se levantou.

—Vamos meninas.

Todas se levantaram, inclusive Andy, mas Vitória continuou sentada.

—Não vai Vitória? —perguntou Igor.

—Já estou casada. —respondeu.

—Mas dizem que dá sorte pra mulheres casadas. —disse Rafael.

Então Vitória se levantou e foi até a multidão de mulheres que estavam à espera do buquê.

—Então Fred. —disse Gabriel. —Estamos na mesma situação de Seis anos atrás.

Rafael ficou assustado por Gabriel falar comigo.

—Na verdade não estamos. —respondi. —Estou feliz por vocês, e também estou feliz com Andressa.

—Que bom. —disse ele. —Fico feliz de não termos mais nada entre nós.

—É.

—Preparem-se moçada. —disse Bernardo. —Se Kathleen pegar eu tô na merda, se Vitória pegar.. Você já esta na merda. Agora, e se Andy pegar?

Eu apenas dei um sorriso pra ele, não sabia o que aconteceria dali em diante, mas sabia que eu queria ficar com aquela garota.

Bia jogou o buquê e tudo ficou em câmera lenta, Vitória e Andy estavam lado a lado, com as mãos para o alto, o buquê estava indo em direção a elas. Mas Vitória era mais alta, e pegou.

—É, pra você não faz diferença. —disse Bernardo para Gabriel.

Gabriel apenas riu.

Quando as mulheres voltaram à mesa, Andy não estava diferente, acho que ela não tinha ligado muito para o buquê, se sentou ao meu lado e peguei sua mão. Ela achou estranho já que era ela quem pegava minha mão sempre. Olhou para mim e deu um sorriso bobo.

—Está tudo bem? —perguntei.

—Está sim. —respondeu ela. —Quem sabe na próxima.

Ela riu.

—Como se conheceram? —perguntou Vitória.

Andy olhou para ela e sorriu.

—Foi estranho a forma que nos conhecemos. —disse ela sorrindo com vergonha.

Todos olharam para nós.

—Há cinco anos, eu estudava no centro da cidade, e saía do colégio na hora do almoço. —disse ela.

—E por uma incrível coincidência, bom, no começo ne, eu sempre passava no mesmo horário que ela estava saindo do colégio.

—E aí, sempre nos esbarrávamos na rua, e eu ficava olhando pra ele. —disse ela.

—E eu ficava olhando pra ela, e quando ela passava por mim, eu olhava para trás. —disse.

—E eu também. —disse ela, rindo.

—E certo dia, eu e os garotos fomos para uma boate.

—Vai contar até essa parte? —perguntou Bernardo.

—Vou contar tudo. —respondi ele, rindo. —Quando cheguei à boate, Bernardo disse que queria ficar com ela, e disse pra eu chegar e pedir pra ficar com a amiga dela.

Todos começaram a rir.

—Mas eu não cheguei em ninguém. —disse. —Pois era ela quem eu queria.

Olhei para ela e peguei em sua mão.

—E dois dias depois ele me encontrou em uma rede social. —disse ela.

—Depois de um longo dia de procura, achei. —disse dando um sorriso bobo para ela. —Começamos a conversar, e eu conheci a garota mais legal que  poderia conhecer.

—Ei! —disseram as outras garotas da mesa.

Andy riu.

—Mas depois ele foi embora. —disse ela.

—E Cinco anos, dois meses e três semanas depois, eu te encontrei de novo.

—E que bom que encontrou. —disse ela sorrindo.

Vitória olhou para nós, estendeu sua mão que estava segurando o buquê em direção a Andy.

—O que? —perguntou Andy não entendendo nada.

—Um presente. —disse Vitória. —De uma recém-casada, para uma futura.

Eu olhei para ela, e ela deu um grande sorriso. Andy pegou o buquê.

—Obrigado. —disse ela.

Ela olhou para mim.

—O que acha? —perguntei.

—É muito cedo para um casamento. —disse ela nervosa.

—Não estou falando de casamento agora. —disse a ela, rindo. —Estou falando de juntarmos o seu desastre para relacionamento com o meu e ver no que vai dar.

Andy olhou para baixo, estava pensativa.

—Olha, se não quiser, tudo bem. —disse a ela com um sorriso no rosto.

—Eu quero.

—Entendo.. Pera, o que? —perguntei surpreso.

—Eu quero juntar nossos desastres.

Eu abri um grande sorriso. Estava muito feliz, nunca tinha ficado daquele jeito.

Igor que estava do nosso lado, ouviu tudo, mesmo com muito barulho.

—Até que enfim. —disse ele

—Tava ouvindo? —perguntei rindo

—Não só eu. —disse ele apontando para Bernardo, que estava ao lado de Andy.

—Cara. —disse a eles.

—Desculpa, mas não deu par não ouvir. —disse Bernardo.

—Estou muito feliz por vocês. —disse Igor.

—Senhoras e senhores. —disse o ministro pelo microfone. —Peço que os noivos e padrinhos venham aqui na frente por favor.

Todos se levantaram, levei Andy ate a frente, na primeira fileira bem perto de onde estávamos. Era para fazermos um brinde, e eu logo peguei uma taça e chamei a atenção de todos.

—Por favor. —disse. —atenção, por favor.

Todos olharam pra mim.

—Queria propor um brinde. —disse. —Um brinde a esse casal perfeito.

Dei um passo a frente.

—Amor, o que é isso? —perguntei. —Tem muitas respostas para esse pergunta. É um absurdo dizer que um homem não pode amar a mesma mulher toda a vida, é só olhar para esse casal, olhem!

Fui ate eles e peguei suas mãos e coloquei uma encostada na outra.

—Querem a resposta da pergunta “o que é amor?”, olhem para eles. Isso pra mim é o mais puro e verdadeiro amor. —disse olhando para eles. —Um brinde ao amor.

—Saúde! —disseram todos.

—Foi muito bom. —disse Igor.

Bia me abraçou.

—Obrigado. —disse ela.

—Eu que agradeço. —respondi. —Vocês são claramente a minha inspiração de um dia poder amar assim.

—Você vai chegar lá. —disse Igor olhando para Andy, que estava sorrindo e olhando para mim. —Puxe-a para dançar.

—É pra já. —disse a ele indo e direção a ela.

Quando cheguei perto, peguei em sua mão.

—Me concede está dança? —perguntei beijando a mão.

—Claro. —respondeu rindo.

Começamos a dançar, nossos corpos estavam pertos um do outro, o queixo dela estava em meu ombro, sua respiração estava ofegante, e seu coração um pouco acelerado.

—Está tudo bem? —perguntei.

—Sim. —respondeu. —Foi um belo discurso.

—Obrigado. —respondi. —Foi improvisado.

—Percebi que foi de coração.

Dei um sorriso sem graça.

—Como está solteiro até hoje? —perguntou ela.

—Não tinha encontrado a pessoa certa ainda.

—Tinha? —perguntou ela.

—É, agora encontrei. —disse afastando nossos corpos. —Andressa, quer ser minha namorada?

Ela deu um sorriso, chegou até meu ouvido.

—Claro! —sussurrou ela.

Depois afastou seu rosto do meu, encostou sua testa e nariz nos meus.

—Sou apaixonada por você desde a primeira vez que te vi! —disse ela me beijando.

Seus lábios macios me deixaram hipnotizados, não conseguia fazer mais nada além de segui-la no beijo. E tenho que admitir, foi o melhor beijo que eu já tinha dado na minha vida inteira. Quando ela se afastou.

—É exatamente como eu imaginava.

—O que? —perguntou ela.

—O seu beijo. —respondi. —É exatamente da forma espetacular que eu imaginei todos esses anos. Apaixonei-me por você da forma mais pura, te olhando todos os dias sem ao menos trocar uma palavra.

Ela sorriu.

—E te juro uma coisa. —disse a ela. —Te farei a pessoa mais feliz deste mundo!

A puxei e dei um beijo.

Eu realmente estava apaixonado por esta garota, e sentia que ela era a garota por quem esperei todos esses anos, a garota certa.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...