História Minha Mãe Me Vendeu? - Livro 2 - Pedro - Capítulo 59


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Continuado, O Vizinho Valentão, Pedro
Visualizações 27
Palavras 997
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Escolar, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 59 - Capítulo 59


Depois do jantar e passeio Pedro vai para o quarto, passa direto por André que estava concentrado em seu notebook e vai para o banheiro. Depois de tomar um banho renovador e passar seus inúmeros hidratantes, Pedro vai de roupão para cama e já se senta entre as pernas de André se encostando no peito dele o provocando risos.

A: - O que você está querendo? - Ele põem o notebook de lado e abraça Pedro o beijando a cabeça.

P: - Nada, vim te ver trabalhar.- Ele se aconchega no abraço.

A: - Quem falou que estou trabalhando? - Ele pega o note de novo - Estou vendo as fotos do apartamento que papai nos deu.

P: - Sem mim? - Ele fica amuado e começa a se levantar.

A: - Não amor, acabou de chegar, estou baixando e abri pra ver se não falta nenhuma, eu já o começo, baixei pra te mostrar. - Ele fica encarando Pedro que estava de pé ao lado da cama amuado. - Vem aqui gostosinho, eu tô baixando para você.

P: - Hoje estou com o coração um pouco acelerado ai estou sentimental. - Ele faz um rosto tristinho. 

Pedro se senta de novo, André o abraça apertado e depois coloca o note no colo dele e começa a mostrar o apartamento. Pedro se apaixona pelo lugar e pela vista. Depois disso eles começam a escolher um lugar para viajar, nem que seja para passar 2 dias, mas eles queriam uma lua de mel.

A: - Prefere ficar no Brasil mesmo? - Ele pergunta espantado - Eu posso te levar a qualquer lugar. Por que ficar no Brasil?

P: - Não sei, sinto falta, não sei explicar. - Ele mexe o dedinho no sensor do note e o cursor para em Bonito. - Com todos os defeitos e problemas eu gosto do meu pais. 

A: - Eu também, mas lua de mel é uma vez só, vamos para Paris, Indonésia ou sei lá. - Ele mexe o dedo de Pedro fazendo a tela voltar e clica nos pacotes internacionais. 

P: - Amor, nem vale a pena, eu só tenho 2 dias, depois volto as aulas. Vamos perder 17 horas em um avião, chegar, tomar um suco e voltar. 

A: - Ahh! Agora entendi seu ponto de vista. Tire mais dias de folga. - Ele fala rindo. 

P: - Vamos para o nordeste. Quero conhecer umas praias de lá. 

A: - Você é quem manda delicinha. - Ele Aperta Pedro e vira o rosto dele para o beijar. 

Quando se deram conta do quando ficaram entretido fazendo buscas já eram 3 da manhã. Exaustos eles acabaram por pegar no sono bem rápido depois de deligar o notebook.

Mais uma manhã com cheiro de coisa gostosa assando chega no apartamento, trajando apenas uma regata e uma bermudinha curta estilo jogador de futebol, Pedro vai sendo guiado pelo aroma de pão caseiro até a cozinha e já abraça sua avó por trás de surpresa. 

P: - Bom dia vovó! 

Gina se vira feliz, esse era o som que ela nunca cansava de ouvir, a voz melosa e manhosa de Pedro de manhã a chamando de vovó. 

G: - Bom dia meu amor. Já falou com seu pai hoje? 

P: - Sim, ele sempre me liga 15 minutos depois que eu acordo para me dar bom dia e me da a bênção. - Ele já se senta olhando o pote de achocolatado dietético e fazendo cara feia. - Eu estou cada dia mais feliz, tirando esse achocolatado tudo está tão perfeito. 

G: - Para de reclamar, quanto mais rápido sua glicose baixar mais rápido você pode tocar naquilo ali. - Ela aponta para os doces que o pai de Pedro trouxe do Brasil ainda empacotados. - E sua madrasta? Já falou com ela. - Ela continua desenformando o pão ignorando por completo o rosto irritado de Pedro.

P: - Nem quero saber de...

G: - Eu tenho certeza que ela vai te dar muito carinho... - Interrompe ela ainda ignorando os olhos matadores. - Ela foi tão legal comigo. 

P: - Você é uma traidora senhora Gina! Você se encontrou com o inimigo? - Ele fala mexendo a colher tão forte no copo que parecia que iria quebrar. 

G: - Para de Show que a xuxa é loira Pedro! - Ela ri da reação de Pedro ao que ela falou. - Sou atual querido... Ela é uma doçura de menina, ela foi minha funcionaria como eu não a conheceria menino! - Ela tira a colher da mão de Pedro. - Esses copos são lindos, para de tratar eles assim. 

P: - AH TAH! E você quer me convencer que a outra, vai tratar o filho da mulher que roubou o homem dela bem? - Ele ri ironicamente. 

G: - Se fosse você, com sua personalidade você o trataria mal? 

P: - Logico que não, a criança não tem culpa de ter pais animais. - Ele morde o pão nervosamente. 

G: - Então cabeça de bagre! Por que está julgando a Dávila sem a conhecer?

P: - Vamos mudar de assunto? - Ele vê André entrar, sorri e faz bico para ele beijar. - Bom dia gostosão. 

G: - Bom dia gostosão. - Ela repete e também faz o bico. - E eu?? Aqui, aqui. - A voz dela sai engraçada pelo bico e todos riem. 

A: - Bom dia minha amante. - Ele se aproxima e da um leve selinho em Gina. 

G: - Aaaaaaaa! Eu conseguiiii! - Ela sai saltitando e Pedro cai na gargalhada. 

André caminha até a mesa completamente vermelho e se senta ao lado de Pedro que ria muito. Os dias seguiram assim, Pedro e Gina cada vez mais próximos, do jeito dela, Pedro foi sendo preparado para aceitar uma madrasta, ele estava cada vez mais próximo do pai também, ele ligava todos os dias, perguntando como foi o dia de Pedro e escutava até sobre dissecação de órgão com atenção e feliz por ouvir seu filho.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...