História Minha Mãe Me Vendeu? - Livro 2 - Pedro - Capítulo 91


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Continuado, O Vizinho Valentão, Pedro
Visualizações 19
Palavras 3.194
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Escolar, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 91 - Capítulo 91


Fanfic / Fanfiction Minha Mãe Me Vendeu? - Livro 2 - Pedro - Capítulo 91 - Capítulo 91

Pedro andava de um lado para o outro dentro de casa preparando um monte de coisa com a ajuda de Vic e Gina. 

Vic: - Por que você deixou tudo para a ultima hora? - Ela reclama por estar as lágrimas cortando cebola. 

P: - É porque decidimos de ultima hora juntar todo mundo na casa do Matheus. - Gina assente. - Aí preciso fazer as coisas, eles querem comer as comidas que eu faço... esse é o lado ruim de ser o cozinheiro do bando. Mentira, não acharam ninguém disponível... 

A campainha toca e Gina vai atender a porta, voltando com Akio e Matheus que traziam os peixes e frutos do mar. 

T: - Falei para trazer a Havena com você não falei? - Ele fala já se aproximando de Pedro e beijando o topo da cabeça dele. 

P: - Eu devia ter te ouvido, sinceramente... Odeio quando você faz isso, me sinto ainda menor, seu gigantão. - Akio se põem ao lado de Pedro já começando a limpar os peixes. - Vai fazer o que?

T: - Sushi de verdade... - Matheus só ria lá atrás descascando os camarões VG. - Onde estão as lulas? - Matheus se levanta e o entrega o que ele pediu. 

G: - Gente mas esses dois na cozinha vai ser divertido. 

Dino: - Amor, não está na hora de irmos? Você precisa descansar um pouco. 

P: - Vovôzão totozão, leva ela para o quarto de hospedes e tira um ronco lá. Ir com ela para casa e voltar a noite vai ser mais cansativo, só acho. - Gina assente desesperadamente. 

Dino: - Quando um não quer sair do lado do outro é fogo... 

Vic: - Se case com alguém que brigue por você como Pedro briga pela vovó... 

P: - Ciumeeeenta! - Ele faz língua para irmã e ela ri. 

Vic: - Sou mesmo! - Ela leva o pote com as cebolas picadas e Pedro da um beijo no rosto da chorosa irmã. - O que agora? 

P: - Tomate, salsa e cebolinha, batatas em cubo, cenouras em cubo....

Vic: - Pera! Socorro... - Pedro ri do chilique. - Vou começar pelos tomates, já pergunto o que mais. 

M: - Eu acabando aqui, vou te ajudar loira. - Ela olha para Matheus agradecida. 

Dino: - Foi daqui que chamaram mais algumas mãos? - Todos olham e era Yasmim, Nei e Linda. 

P: - Olá amores e mulher que eu não conheço! - Linda sorri para Pedro e Yasmim vai até ele dar um beijo no rosto. 

Neguinha: - Ela veio representar a Dessa, acha mesmo que nossa diva iria para cozinha? - Pedro nega rindo. - Ela é a Linda, secretária da Andressa, muito gente boa, né Linda? - Ela sorri. - Mas não é por isso que ela não veio, a Dessa adora cozinhar, é porque ela teve que resolver uns problemas, mas ela chega mais tarde com papai. 

P: - Que ótimo que vieram. - Pedro sorri. -  desnecessário, você chegou só agora por que? As cebolas iriam adorar acabar com seus olhos. - Nei da um leve tapa no topo da cabeça de Pedro e vai lavar a mão na pia o empurrando. - Gordo espaçoso... 

Nei: - Não reclama não se não eu vou para casa tomar banho de piscina. 

P: - Nossa Nei, desde quando você é bonito assim? O que você tem dado para ele beber Yaya? - O casal ri e Nei vai para a mesa ajudar Victória, a outra pessoa que ele tem panico. - Yaya, você faz a salada junto com a Linda? 

Neguinha: - Pode deixar. Vamos fazer uma crua e depois ajudo com a maionese. 

A cozinha de Pedro parecia pequena pela montoeira de gente andando de um lado para o outro fazendo cada um a sua parte. Por volta das 20 horas, tudo estava pronto e em enormes travessas para ser levado para casa de Matheus, os meninos que estavam lá fazendo a ornamentação junto com Rita e Cláudio, chegam cada um em seus carros para carregar as pessoas com as bandejas. 

Como estava mais próximo, a família toda veio para o apartamento de Pedro, foi uma enorme confusão na hora de tomar banho, só tinham 3 suítes e mais um banheiro. Mas todos eles conseguiram se arrumar a tempo para irem pro ano novo deles. 

A: - Esse ano de 2017 foi uma loucura, não é? 

P: - Nem me fale, fui do inferno ao céu, perdi alguém, ganhei mais alguns, tive o melhor natal da minha vida. Que mesmo com toda tristeza, vovó se empenhou em fazer um natal bom para gente e vou passar mais uma virada de ano ao lado dos bons, que eramos apenas nós 5, agora isso está imenso. - André assente. - Mas ver todos felizes me faz bem também, em 3 dias o pai de todos se casa, o cabeçudo finalmente achou alguém que trouxe paz a vida dele, o sem cabeça agora tem mais cabeça que nos 4 juntos, o agregado se juntou com o sem cabeça e hoje eu não sei mais imaginar outra pessoa para estar ao lado do meu irmão e eu achei o amor da minha vida.  - André que vestia sua camisa vai até o Pedro e o beija sorrindo. 

Eles estavam numa fase muito boa. Tudo era perfeito para os dois, sorrisos, afetos, carinhos e até as discussões bobas deles acabavam em riso. Nem um nem outro entendiam por que estavam discutindo e logo se acertavam. 

A: - Vamos? Já são 22:30 hs, aposto que você ainda vai ter que enfeitar os pratos com suas folhinhas e creminhos e essas coisas. - Pedro ri enquanto desdenha. 

P: - Tenho que deixar tudo perfeito. Eles queriam até me pagar por isso, já que não iriam achar buffet em cima da hora, preferi botar todo mundo para trabalhar, inventam as coisas, então que se virem. - André ria e ajeitava o gorro inseparável de Pedro em sua cabeça. 

Ao abrir a porta o silencio acaba, a falação da família toda na sala e as implicâncias de Jon com Victória podiam ser ouvidos pelos dois que se olham, riem e vão até os outros. 

P: - Bora, família buscapé? 

Todos estavam de branco, alguns com toques em dourado e todos saem juntos se separando em carros que estavam todos na frente do prédio e vão para casa de Matheus. Carro era o que não faltava naquela rua, por sorte era larga e todos conseguiam parar dos dois lado, já que ela era o fim da rua e o inicio da reserva ecológica. 

M: - Chegaram! Diego e família já estão lá nas mesas na piscina, leva seu povo, você já sabe o caminho mesmo. - Ele explica assim que solta Pedro de seus braços. - Sejam todos bem vindos. 

Uma a uma as famílias dos amigos foram chegando, comendo, bebendo e elogiando muito as comidas de Pedro e amigos. Quando foi por volta das 23:00 Todos já estavam no local como havia sido combinado anteriormente e assim começam as festividades da noite.

[Quando foi por volta das 23:00 Todos já estavam no local como havia sido combinado anteriormente e assim começam as festividades da noite]

D: - Parabéns... - Ele entra com um bolo nas mãos e cada amigo entra com fogos de artifícios pequenos que fazem faíscas e chamam a atenção de todos cantando o parabéns mais bagunçado e desafinado da terra. 

Amigos: - É big, é big, é big big Bang, é hora, é hora, é hora de morfar. Rá Tim Bum bum bum... Castelo ratimbum! Predo! Jon! 

Os dois na mesa da família choravam sem parar, mesmo gargalhando das bobeiras dos amigos, nem Danilo e nem André foram avisados da surpresa, para não acabar estragando a mesma. Eles não tiveram aniversario de 21 anos, por causa dos últimos acontecimentos da família. Ninguém lá falou nada e os meninos menos ainda. Os presentes deles dois vindos de todo mundo foram deixados antes na casa de Matheus e estavam em grandes caixas com os nomes dos aniversariantes. Nem um e nem outro sabia como agir, só choravam e recebiam os parabéns de todos no local. 

P: - Eu vou socar a cara de cada um... - Ele seca os olhos. - O que vai ser da minha base agora? É importada viado... Comassim? - Matheus, Diego, Danilo, Jon e ele, se abraçam ao mesmo tempo e em seguida os outros abraçam juntos também apertando eles no centro. - Eu sou pequeno porra, vão me esmagar!!!

J: - Eu nem sei como agradecer a vocês. Como conseguiram esconder dessa forma? 

T: - Não contando a eles. - Ele aponta para André e Danilo. 

Dan: - Sem graça isso eu queria ajudar. 

A: - Eu também. 

D: - Mas vocês ajudaram, lembra aquela grana que eu pedi? - Eles assentem. - Tádam! - Ele olha para o bolo e ri. - Agra corta essa bagaça aé antes que de meia noite. 

Os meninos saíram servindo as fatias do bolo para todos os que queriam e depois se aglomeraram na mesa para comer junto com Pedro e Jon. 

A meia noite foi como em todos os lugares, eles fazem a contagem, gritam, brindam se abraçam e depois de vários votos e conversas, os familiares começam a se despedir. Os amigos decidem ficar mais tempo juntos e irem para a beira da praia. Matheus pega umas madeiras da lareira da sala e eles acendem uma fogueira, se sentando todos em volta dela, permanecendo juntos lá, cantando, zoando e bebendo até bem perto do amanhecer. 

[P: - Vamos aproveitar que esse é o primeiro dia do ano e traçar nossas metas juntos? - Todos olham para Pedro e ele inicia a roda]

P: - Vamos aproveitar que esse é o primeiro dia do ano e traçar nossas metas juntos? - Todos olham para Pedro e ele inicia a roda. - Eu prometo que continuarei cuidando de vocês, sempre serei a mãe do grupo e não importa o quão exaustiva esteja minha vida e quantas horas de pronto socorro eu tenha que fazer, sempre terei tempo para bater em vocês e educar vocês. 

J: - Eu, por mais que a minha vida tenha mudado 360º, que eu esteja mais ocupado que o Pedro... o que é muito incrível, prometo não deixar de ser o amigo que sempre fui, de fazer vocês rirem, de tentar juntar todo mundo e apartar as brigas que nossas cabeças duras sempre nos enfiam. 

  Dan: - Eu prometo, que mesmo eu trabalhando como doido, estudando como doido, namorando e vivendo pelo meu miudinho. Eu vou continuar fazendo tudo o que eu posso para estar com vocês, cuidar de vocês e espero que vocês saibam que sempre vão poder contar comigo na hora do desespero, tem sempre que ter um frio e calado no grupo para apagar o fogo no rabo de vocês e cuidar para que tudo volte ao lugar.   

D: - Eu, mesmo me casando, sendo um besta apaixonado e não vivendo sem meu Du gostosão. - Ele puxa Cadu e o abraça. - Não vou deixar de ser o pai de vocês, e cuidar de todo mundo, agora que estamos mais perto de novo, vamos manter isso, da melhor maneira possível. 

C: - Eu prometo não roubar tanto o Diego de vocês e não deixar todo mundo com diabetes mais. Satisfeitos? - Todos assentem e ele faz cara feia. - Vão sonhando, vamos ficar ainda piores daqui a três dias, soframmm. 

M: - Eu, mesmo estando na Califórnia, mesmo vendo vocês umas três vezes por ano, prometo me manter presente, conversar e responder mais no grupo e não sumi como venho fazendo. Eu me exclui, achando que seria melhor e no fim, a falta que vocês me fazem só fazia tudo ficar ainda pior. 

T: - Eu prometo traduzir os mangar de todo mundo... Não sei o que dizer. - Ele sorri tímido. 

D: - Eu escolho o Takuya como o presidente do Brasil. LINDO! TE AMOOO! - Takuya balança a cabeça em negação.

Nei: - Eu prometo suportar o Pedro, aturar a Vic e continuar me mantendo virgem mesmo Dinho e Jeff estando muito a fim de me enrabar. - Ele toma porrada dos dois, enquanto Yasmim quase chorava de rir, com eles jogados sobre ela para alcançar Nei. - Eu prometo tratar de vocês de graça no meu hospital pode ser assim? Não sei ser bonitinho porra... coisa mais frutinha isso ai... Eu sou macho porra! - Ele toma mais um monte de tapa dos que estavam ao seu lado e volta a falar. - Eu vou ser eu mesmo sempre e agradecer a Deus todos os dias pelos amigos maravilhosos que a vida me deu, que mesmo quando eu era um ninguém, pobre e favelado, me tratavam com o mesmo amor que me tratam hoje que sou quase rico. Eu amo vocês, mas como macho... não pode facilitar não gente, esses dois aqui são tarados. - Ele usa o polegar para apontar para Dinho e Jeff que jogam beijo para ele. 

Neguinha: - Eu como a primeira membro da cota de meninas. - Ela sorri fofamente e todos correspondem ao seu sorriso. - Prometo ser eu mesma e não me importar que esses dois peguem meu namorado, desde que eu possa filmar e colocar no You tube, como o nome do filme... - Nei tapa a boca dela rindo e todo mundo puxa o Nei para deixar ela falar. - Eu agradeço muito por vocês serem essas pessoas maravilhosas, mesmo sendo todos diferentes uns dos outros, cada um sendo imperfeito em suas perfeições, são as melhores pessoas que eu já conheci.

P: - E o Filme Yaya? Queremos saber o nome do filme. 

Neguinha:  - O nome? Hummm deixa eu pensar... Enrabando o titio! O incesto da família Conrado. - Pedro aplaude e ela morre de rir. 

Nei: - Isso é porque vai se casar comigo... To no sal mesmo. 

Cláudio: - Ei meus amores, eu trouxe mais bebidas para vocês. - Eles gritam todos ao mesmo tempo em euforia e Cláudio ri mesmo assustado. - De nada... - Ele deixa um cooler cheio de bebidas, Lino deixa alguns frios e pratos japoneses do Takuya para eles comerem, e eles avançam como loucos. - Ai senhor, sai dai homem se não eles te comem também. - Todos riem muito e agradecem aos dois juntos, fazendo uma bagunça de sons e eles volta para dentro os deixando sozinhos de novo. 

P: - Onde paramos? Ahhh no Nei sendo enrabado... - Nei faz o dedo do meio para Pedro e ele faz língua.

Jeff: - Eu mesmo tendo que cuidar de tudo que tenho que cuidar para minha família, prometo estar presente em todos os eventos possíveis que vocês marcarem, nem que seja para beber no copo sujo como nos velhos tempos. - Todo mundo começa a lembrar e querer marcar um encontro lá antes de Matheus voltar para os EUA. 

Dinho: - Eu prometo zoar menos, me tornar um menino descente, aceitar jesus e me tornar o Dinho da Universal. - Todos riem dele. - Ah era para prometer coisas possíveis? Então começa todo mundo do zero ai porque está tudo errado sa porra! - Ele ri e os meninos reclamam juntos fazendo mais uma bagunça. - XIUUU! Prometo não prometer nada, porque não cumpro porra nenhuma, mas ainda vou amar todos vocês, muito, até dou chamego e faço uns cafuné, dou uns beijinhos. - Ele toma um empurrão de Jeff. - Que foi amor estou sendo solidário, beijinho e mãozinha amiga! pode não? 

Paulo: - Não sei o que prometer, mas ainda serei fofinho. 

Amigos: - OWNNNNNNN! 

Dinho: - Meta para o ano de 2018, ensinar esse menino a virar macho, vem aqui Paulinho, vamos conversar. - Ele abraça o menino e faz cocegas nele até ele começar a tossir. 

Caio: - Pode ser uma meta? - Todos assentem. - Eu quero descobrir o que eu realmente quero fazer e estudar. E prometo me esforçar muito para ser sempre digno de estar com vocês. 

P: - Você é meu lindinho e muito. - Pedro faz um coração com a mão para Caio e ele sorri. 

Bri: - Eu prometo não dar mais trabalho para o Danilo e nem para ninguém. - Danilo sorri e nega com a cabeça, querendo mostrar que ela não deu trabalho a ele. - E que vou tentar ser tão legal quanto a Yaya. 

Maicon: - Vou tentar entender que meu primo é um retardado... - Todos riram e protegeram o menino de Nei que se joga em cima dos três meninos entre eles, para tentar o alcançar. - E queria que eles dois não me odiassem por eu ser irmão de quem sou. - Ele aponta para Dan e Jon.

J: - Você não é ela gatom, por mim você já é nosso xuxuzinho. - Maicon ri e nega com a cabeça. - Ala, ele tenta ser machão que nem o Nei, mas no fundo está doido para escorregar no quiabo... fala a verdade loirinho. - Maicon nega rindo.

Dan: - Vai assustar o menino, maluquinho. - Ele abraça Jon e volta a olhar para Maicon. - A gente nunca escolhe a família que nasce, eu mais do que ninguém sei disso, você é um dos nossos. 

Vic: - Eu não tenho tanto tempo assim para estar com vocês, para minha tristeza, mas prometo tentar assustar menos o Rodnei, só porque gosto muito da Yaya, coisa mais fofa. 

Vih: - Eu prometo jogar mais o ano todo e continuar sendo carregado bêbado por vocês, porque não sou desses de ficar de papo bonitinho. - Os amigos o zoam juntos e entregam mais latas de cerveja para ele.

A: - Eu prometo continuar dividindo meu Pê com vocês... não sei por quanto tempo... Então aproveitem enquanto podem. 

Desde as palavras de Pedro, a maioria dos amigos já estava chorando e rindo com os comentários bobos, eles eram cinco, que viraram seis, esse sexto trouxe mais dois, que viraram quatro, foram aparecendo namorados, amigos de namorado, irmãos e no fim aquilo virou um amontoado de gente que se amava e se cuidava, agora entraram mais quatro pequenos, que por mais que tivesse seu próprio grupo, eram os mascotes dos mais velhos, um grupo de 18 Amigos, inseparáveis, que se amavam e se cuidavam, independente da distancia, relacionamento e diferenças. 

Cada um com seus namorados, namoradas e irmãos, se abraçaram e lá ficaram assistindo o sol nascer. Pedro se levanta, tira os tênis e gorro, vai entrando no mar com roupa e tudo e é seguido por todos os outros que entram no mar e lá ficam se divertindo por um bom tempo. Ninguém ali sentia sono, frio, bebedeira ou seja lá o que for. Eles só queriam ficar juntos, só queriam aproveitar o máximo que pudessem o tempo entre eles. 

Assim começou o novo ano de Pedro e Andre, que estavam imensamente felizes, completo e rodeado das pessoas que eles tanto amam. Vivendo uma vida feliz e com planos grandes para um futuro bem próximo. 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...