História Minha menina, minha mulher - Capítulo 32


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor Doentio, Obsessão, Possessivo, Sexo, Violencia
Visualizações 63
Palavras 1.159
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


CHGEGUEIEIEIIEIEIEIEIEIEIEI. Bom eu demorei um tempo enorme para postar porque parece que deu um bloqueio na minha mente e isso me deixa com mais raiva do que quando eu chego na padaria e descubro que o padeiro não fez coxinha nem empadinha. Enfim eu consegui fazer um capitulo mais acho que não ficou no tom que eu queria ahhhhh FELIZ DIA DOS PAIS! AEEEE palmas! então:
* boa leitura
*espero que gostem
* dia 21/08 próxima postagem. ( DIA CERTO GENTE)
*Meta 5 comentários
* PERDOEM OS ERROS PELO AMOR DO BRIGADEIRO!

Capítulo 32 - Pode dar Adeus pro nosso doce lar


Fanfic / Fanfiction Minha menina, minha mulher - Capítulo 32 - Pode dar Adeus pro nosso doce lar

          Ruan on:
   

  Beleza, minha pequena voltou a estudar e não tem mais ninguem no nosso caminho.
Isso me deixa mais feliz do que tudo. Sabe, já que está tão perto do ano acabar e ela vai fazer o segundo ano do ensino médio, e tem vários cursos porque ela não vira logo a senhora Rodrigues? Assim ela administra minha herança e tudo mais. Eu conversei com a Cassandra sobre ela virar minha mulher e temos a nossa casa e com vários filhos, ela pediu para eu ter calma e esperar que a
Camila terminasse os estudos e iniciasse a faculdade, eu achei isso justo e estou esperando igual um louco para que ela termine os estudos,e para o meu desgosto eu voltei para a base áerea para voltar a trabalhar,consegui um atestado falso para justificar esse quase dois meses que eu não dei nem um sinal de vida para o meu chefe. Depois de ele examinar muito ele aceitou numa boa mais ainda bastante desconfiado e intrigado, acho que ele está pensando " talvez ele esteve doente mesmo" mais enfim ele não me demitiu e mesmo que demitisse tô nem ai meu trabalho é só uma maneira de não me expor e não aparecer nenhum ganacioso e querer tirar minha fortuna, esperto não sou?  Enfim o que eu estou fazendo agora? estou esperando no carro minha pequena sair do colégio 
até que todos saem e enfim ela sai correndo do colégio mais em direção a outra rua e com outro cara perseguindo ela que também está correndo, ela olha para todos os lados até ver meu carro parado, mais ela continua correndo.
         Saiu do carro e começo a correr também em direção a eles e começo a perguntar a mim mesmo o que raios está acontecendo.
        Camila on:
      O recreio inteiro eu fui perseguida pelo Marcus, ele sempre perguntava alguma coisa sobre mim. E tipo, isso foi quase um questionário sobre mim, até que cheguei no meu limite e quase xinguei a mãe dele mais ele entendeu.
- Você tem namorado?- ele perguntou quando eu entrei na sala e ele em seguida.
- Tenho.- Disse simples. Mais meu braço foi puxado antes de eu chegar na minha mochila.
- Você ama ele?- ele perguntou como se não tivesse nem  ai para o que eu tivesse pensando. Mais o que eu estou pensando? vou dizer agorinha.
- Primeiro solte o meu braço, você não tem o direito de perguntar isso.E saia de perto de mim antes que eu te dê um soco e faça você
voar para fora dessa sala.- E verdade  eu estava com tanta vontade de dar um soco nele que minha mão dóia de tanto que eu apertava.
   Ele engoliu em seco, mais me soltou.
- Me desculpa.- Ele disse quase em um sussurro, mais eu me liguei que tinha pegado pesado demais com ele.
- Me desculpa também.- Dei um abraço nele (sem malicia gente).
   E fui até minha cadeira. E me sentei.
       Depois de vários tempos de aula, a aula tinha acabado eu  peguei as minhas coisas o mais rápido que pude. E comecei a correr nos
corredores, até meu nome ser gritado no meio do corredor pelo Marcus.

 Apenas revirei os olhos e continuei correndo no meio do corredor até cheguei na saida virei a minha esquerda e corri em direção a uma ladeira bem grande, eu já era acostumada a correr nessa ladeira e pela minha sorte hoje era dia que lá em cima tinha roda de capoeira onde todos paravam para assistir os capoeristas jogando, se não me engano hoje é o dia deles. Então eles vão fazer uma festa lá oportunidade certa para eu entrar no meio do povo e despistar o Marcus. E assim fiz, entrei no meio dos  capoeristas e coloquei minha camisa branca de educação fisica, está todo mundo de branco mesmo, ninguém vai perceber. Logo ele olha para todos lados me  procurando até que desiste e vai embora.

Eu suspiro aliviada e dou a volta no quarteirão e sigo o caminho de casa. Assim que abri a porta de casa lá estava o Ruan sentado sem camisa com uma garrafa de  cerveja na mão e com os olhos castanhos cheios de fúria me deixando mais nervosa que o normal. Antes da gente namorar ele tinha frequentemente os olhos vermelhos,
mais depois que eu aceitei ser dele, seus olhos voltaram a ser castanhos escuros bem lindos. 
        Andei lentamente até ele e coloquei minha mochila no sofá, eu estava muito nervosa e temendo do que ele fosse capaz de fazer, se eu pudesse ler a mente dele agora...
- Onde.Você.Estava?- Ele perguntou pausadamente
e com muita calma e frieza
- E-eu estava na escola- DROGA! MIL VEZES DROGA EU GAGUEJEI MAIS QUE RAIOS!
- Venha aqui!- ele disse e eu me aproximei mais. E fiquei de frente para ele. Ele me puxou fazendo
eu cair direto no colo dele, com uma perna de cada lado. Olhei para cima e fechei os olhos eu temia o que
ele iria fazer comigo.

Até receber um tapa bem instalado no meu rosto fazendo eu virar o rosto, mais nada contestei. Eu vou ficar calada,
mais quando eu soltar a minha voz. Ah! quando eu soltar não vou ter piedade nem coração. Ele me bateu e isso eu não iria aceitar, se fosse preciso iria embora dessa casa repetindo todos os meu atos, deixando ele mais enfurecido que o normal, essa era minha estratégia.
- Olhe para mim- ele disse e eu não obedeci. Ele respirou fundo tentando manter a calma e parece que ele não conseguiu
-Me diz alguma coisa esse teu silêncio estar me machucando meu amor.- Ele pediu com siceridade.
- Me bata mais uma vez, e eu saio dessa casa. Pode dar adeus pro nosso doce lar- As lágrimas já desciam no meu rosto, eu não queria deixar ele porque eu o amo demais. Com todas as minhas forças, antes eu não o amava mais ele me ensinou a ama-lo mesmo não querendo.
                                 Ruan on:
                Quando eu vi ela entrando no meio daqueles capoeristas e vi também aquele  cara ir embora por não achar minha pequena, dei meia volta e voltei para a casa  porque hoje ela teria uma surpresinha desagradavel. Mais quando ela chegou em casa e disse " eu saio dessa casa" eu não aguentei, é muita dor demais para mim e eu não posso aceitar. Eu apenas puxei sua cintura e deitei minha cabeça
em seu peito e abracei ela com todas as minhas forças, ela não podia me deixar não podia, mil vezes não podia. E chorei igual um louco.
- Não! por favor isso não, eu não vou aguentar ficar pelo menos uma noite sem você-
                       Eu não queria soltar ela, eu não iria. Ela alisou meus cabelos e levantou o meu rosto e me beijou com carinho até que ela parou
e me olhou nos meu olhos e disse:
- Eu preciso ir.

 

 


Notas Finais


Ui peguei pesado né gente? mais eu apareci e salvei a Cami do Marcus gente .
Até mais


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...