História Minha nova irmã (Norminah , G!P) - Capítulo 117


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Camren, Dinah, Normani, Normimah, Siope, Trolly, Veronica Iglesias, Zandaya
Visualizações 385
Palavras 2.506
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Famí­lia, Festa, Mistério, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Intersexualidade (G!P), Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi! Cara de quem vai queimar no fogo só porque não respondeu ninguém de propósito ontem.

Capítulo 117 - Night


Fanfic / Fanfiction Minha nova irmã (Norminah , G!P) - Capítulo 117 - Night

Dinah

Sabe a sensação de se sentir vitoriosa? Sabe a sensação de sentir que você venceu na vida? Ai Jesus! Só de pensar que eu vou tirar o atraso depois de três meses , eu já sinto que posso morrer feliz , eu realmente posso morrer feliz , feliz e arrombada , glória Deus. Olha , até acender vela , eu vou acender. Amanhã mesmo eu vou na igreja pagar a promessa que eu fiz para a santa.

Eu estava sentada em seu colo a encarando , mas não de um jeito fofo e sim do jeitinho Dinah Jane de ser , aquele jeito o qual vocês sabem muito bem, o jeito safado

-Espera aí - eu saio de seu colo , vendo sua cara de desgosto e ela me puxa para sentar em seu colo de novo. 

-Fica aqui - ela resmunga manhosa.

-Calma , demônia! Tem que ver se a porta está trancada , você quer que as crianças nos peguem? - pergunto e ela nega com a cabeça - Então pronto , mulher! - me levanto na pontinha dos pés , indo até a porta e trancando. - Bom... -ando até ela e me viro de costas levantando o meu vestido, ficando somente com um conjunto de peças intimas brancas  . Depois me viro de frente me deitando em cima dela - Você aguenta o peso? - debocho do que ela havia dito mais cedo. 

-Não sei , acho que não aguentaria a pressão de ter uma mulher como você. - rimos , pois ela também debochou do que eu tinha dito hoje cedo - O que você acha? 

-Eu acho...- sento em sua barriga, de pernas abertas, com uma do lado da outra - Eu realmente acho uma pena você não aguentar esse hino de mulher , vulgo eu - eu tiro o meu sutiã deixando os seios a mostra - Você bem que podia tentar - pego sua mão direita , colocando em meu seio esquerdo e ela começa a fazer massagens boas com a mão , me deixando arrepiada e me fazendo fechar os olhos forte de prazer. Me sento em seu pênis por cima da calça , que era a única coisa que estava nos separando, juntamente com minha calcinha. Ela arfa de dor. - Está doendo? - pergunto me referindo ao seu amigo. 

-Um pouco. 

-Eu sei como fazer isso passar - me inclino um pouco para frente , sem deixar que ela tirasse a mão do meu seio , que estava começando a ficar durinho. Coloco um certo peso em seu pênis ,que de inicio ela reclama , mas depois que começo a movimentar , ela para de resmungar e passa a gemer baixinho.  Começo a fazer movimentos para o lado e para o outro , dando lentas reboladas que nos torturava. Faço movimentos circulares , gemendo conforme sua massagem em meu seio. - Você está "dodoi"? - pergunto com voz de criança.

-Eu estou - ela responde com dificuldades .

-Relaxe , a tia faz passar - me movimento mais , sentindo ela , aos poucos , endurecendo de maneira rápida. Eu sentia algo já me cutucando por baixo e era uma dorzinha boa. Minha calcinha estava num estado crítico , onde eu sentia tudo molhado por dentro. Suas mãos entram de encontro ao meu clitóris inchadinho e molhado , fazendo-me morder os lábios e me movimentar mais. 

A sua mão , que estava em meu seio , pousou sobre a minha cintura num aperto bom e firme. A pegada que ela tinha era incrível , mesmo iniciando tímida , pois quando ela se solta , não tem quem a segure.

-Está passando a sua dor ... Deddy?


Normani


Não acredito que ela tinha me chamado por aquele apelidinho , ela sabe que eu fico maluca quando ela me chama assim. É tipo um sensor que desperta em mim e me deixa diferente .

-Do que você me chamou , garota? - me sento sem tirá-la de meu colo e sem tirar a mão da sua calcinha também.

-Deddy - ela responde com cara de deboche.

-Você não fez isso! - começo a arrastar pesadamente meus dois dedos em seu clitóris novamente. 

-Uh Deddy...por que você é tão malvada ? - ela sussurra em meu ouvido dando leves gemidos. Aquilo tudo estava me dando arrepios violentos. Introduzi só um dedo e a respiração dela começa a ficar mais leve.

-Eu não sou malvada , você sabe que com o tempo fui ficando mais bruta , porque você pediu - ela só assente com os olhos frchados e mordendo fortemente o lábio inferior . Continuo meus movimentos , vendo ela rebolar em meu dedo. 

Senti que um único dedo não aguentaria , então eu enfio outro , entrando e saindo devagar e depois começo a ir mais forte , sentindo ela estremecer com meus toques.

Era tão bom  tocá-la daquele jeito novamente. Acho que só aquilo bastava para eu morrer feliz. Depois de 1 enfiada forte , 2 enfiadas fortes, 3 enfiadas fortes , 4 enfiadas fortes e mais 5 , ela já estava pronta para gozar e eu tinha percebido , então a deitei na cama com jeitinho , abaixei sua calcinha e começei a sugar com vontade.

Minha língua ágil percorria cada canto daquela boceta pulsante. Seu cheiro me embreagava. Era tão docinha e cheirosa , que...meu Deus! Peguei e enfiei o dedo para ajudar na masturbação. Comecei a dar mordiscadas enquanto chupava e senti aquele líquido descer pela minha garganta. Tiro a boca , dou uma última inalada e me levanto. 

-Seu amigo está doendo ainda?  - ela perguntou com certa preocupação e eu assenti com uma carinha  sofrida. Vê o meu biquinho e dá um selinho.  - Vem cá - ela fica de pé. Ela estava completamente nua. 

-O que vai fazer? - pergunto risonha

-Confia em mim - puxou-me pelo casaco e me sentou na ponta dá cama - Eu vou fazer com um pouquinho mais de força agora - ela abaixa a minha calça , me deixando somente de cueca

-Tenho medo do que possa sair disso - confesso brincalhona.

-Vish...relaxa bebê - ela me dá uma empurradinha , fazendo com que minha costas ficassem na cama. Apoio meus cotovelos ali observando o que ela iria fazer. 

Ela abre minhas pernas , olha para o meu amigo duro e em seguida , olha para mim com um sorriso cafajeste. Dinah se senta com certa força ali , o que fez com que eu agarrasse minhas mãos no lençol com força. Minha morte foi quando ela começou a fazer movimentos com aquele monumento que ela chama bunda. A Dinah é toda maravilhosa , nós sabemos , mas no corpo dela , mais bonito que a bunda , é o rosto e o sorriso. 

Tinha horas que ela sentava forte e depois dava umas reboladinhas fracas , tanto que eu sentia meu amigo quase entrando ali com a cueca mesmo. A pior tortura que ela fazia , era colocar a mão no joelho e empinar um pouco levantada, só para dar uma atiçada e depois sentava de novo. Até que ela para e começa a massagear com a bunda de novo.

-Está passando? - ela pergunta enquanto continuava seus movimentos

-Sim , mas eu sinto que ainda falta algo - digo com certa dificuldade. 

-Eu sei do que precisa. - ela levanta do meu colo ficando de pé e se ajoelha com aquela carinha  logo em seguida. 


Dinah


-Feche os olhos e apenas sinta - eu sussurro para ela , que assente obdecendo. Abaixo sua cueca , dando de cara com o meu amigo de sempre que eu tanto amo e não vivo sem. Coloco as duas mãos subindo e descendo devagar e depois mais rápido. 

Sabe quando uma mulher perde a virgindade na parte de trás e começa a sentir uma dor que logo vira prazer? Então, quando eu comecei a massagem com a mão em seu pênis, ela começou com uma expressão sôfrega , que logo passou e fez com que ela ficasse mais suave. 

Eu via seu pré-gozo aparecer pela cabecinha avermelhada , então decidi colocar a boca e comecei a sugar glande com vontade , ouvindo ela gemer alto. Levantei o braço colocando a minha mão em sua boca , pois tínhamos que gemer baixinho , para as crianças não nos escutarem. Engoli só a metade , brincando com a língua e subindo e descendo minha cabeça. Ela segura meu cabelo num rabo de cavalo e começa a estocar ritmicamente , coisa que ela nunca fazia.  Senti que ela estava prestes a gozar , então tiro a minha boca da extensão de seu pau , fazendo ela olhar furiosa e com certa dúvida. Eu a encaro debochada com os braços cruzadas , vendo raiva em seus olhos. 

-Você quer que eu termine o que comecei? - pergunto e ela afima óbvia - Tem que pedir as palavras mágicas. - emponho vendo ela abrir a boca indignada.

-Não! Você sabe que quando você usa o termo "Deddy" , eu mando.

-Então eu não vou continuar - sorrio cínica , torcendo para ela não pedir educadamente.  Acho que vocês já perceberam que eu gosto de certa agressão , não é? Pois é! Gosto de tudo bruto e , para a glória de Jesus , ela me levanta me pegando de jeito e me sentando em seu colo. Os dedos de Normani adentram meus cabelos e ela se apróxima de meu ouvido. 

-Se você não pegar e descer agora para terminar o que tem que terminar , eu vou te deitar nessa cama de quatro e vou te foder até ouvir os meus testículos baterem em sua bunda. Depois vou te virar de frente e te foder a noite toda por aqui - ela sussurra em meu ouvido, logo roçando seus lábios carnudos na minha bochecha , me causando um arrepio na espinha e me fazendo morder meu dedo só de imaginar.

-Hum...que proposta tentadora , agora que eu não obdeço mesmo - eu continuo a provocando - Sabe, ManManz...  - olho para baixo introduzindo um dedo em mim mesma e sentindo ela ficar chocada com a minha ação - Não me olha com essa cara , baby... - digo vendo ela abrir a boca mais chocada ainda. Tiro o meu dedo de dentro da minha boceta completamente melada e enfio em sua boca - Você sabe que eu não presto e nunca prestei. Agora... - tiro sua blusa. - Vamos... - eu me sento de frente para ela , posicionando a minha intimidade contra a sua - Nos divertir - seguro o seu ombro encaixando. 



Narradora. 


-Meu Deus! - Dinah e Normani dizem juntas , acordando completamente suadas - Você sentiu isso? - ambas perguntam - Espera! 

-O que acabou de acontecer? - Normani pergunta completamente ofegante por conta do sonho que tinha acabado de ocorrer com as duas. 

-Não está claro? - Dinah pergunta e Normani nega lerda, fazendo a loira bufar impaciente - Você acabou de sonhar com uma foda quase incrível , que só não foi incrível porque a gente nem chegou na melhor parte - ela bufa frustrada.

-Okay, isso eu entendi. Eu só não entendi o motivo da gente ter sonhado com a mesma coisa. - Normani coça a cabeça confusa - Poxa , estou com um calor - ela tira a blusa de moletom ficando só de top preto.

-Que engraçado! Eu estava com calor antes , mas agora piorou - Dinah se abana analisando descaradamente o corpo de sua noiva. -Você continua com a mesma dor que estava no sonho? 

-Estou. O que será que realmente aconteceu na noite passada? 


Flashback


Normani havia acabado de sair do banho e estava quentinha para dormir e com sono. Ela estava reclamando de sua dor , que não parava de lhe incomodar. 

Dinah também estava morta de sono , então ela e Normani estavam embaixo das cobertas quentinhas e abraçadas. 

:-Mani...- Dinah , que estava abraçada com a esposa , a chama baixo. 

:-Fala... - ela responde sonolenta , fazendo um leve carinho na cabeça de Jane. 

:-A gente bem que podia faz um amorzinho gostoso , né? - a loira pergunta bocejando 🕎, fazendo Normani bocejar automaticamente junto a ela. 

-Uhum...Vamos - Normani responde fechando os olhos junto com Dinah.

Resumindo : As duas dormiram e nada demais aconteceu. 

Fim do flashback


-Ahhh tá - as duas dizem pensativas após lembrarem do que aconteceu na noite passada. 

-Que merda! Estávamos tão fodidas no sono , que nem transar direito fomos capazes. - Dinah se expressa irritada.

-Eu achei foi bom! Estou muito decepcionada com a sua traição , sua traidora. - Normani faz um biquinho. 

-Ai , puta que pariu! Quantas vezes eu vou ter que te falar que eu não te traí? Que viadagem! 

-Ah é mesmo , Dinah? Então o que aconteceu? Achei que um relacionamento deveria ser na base da confiança. 

-Exatamente isso! "Na base da confiança ". Você deveria confiar em mim. Quem fez aquilo , fez na intenção de acabar com o nosso casamento. - Dinah se apróxima mais dela , colocando os cachos de Normani para trás da orelha - Olha para mim - Dinah pede e ela faz - Eu jamais te trairia , nem se eu quisesse , eu iria conseguir. Por curiosidade , eu fui até lá e caí em uma emboscada , nada demais. Ele era tão sem graça , nem chegava aos pés da minha ManManz - Dinah faz um carinho com o polegar nas bochechas vermelhinhas de Normani , que sorria boba - Quer sair comigo? 

-Eu quero. Aonde vai me levar? 

-É surpresa. Vai se arrumar! 


Normani


Dinah realmente não havia falado aonde iria me levar. Eu estava extremamente nervosa , mas eu não sabia se estava ansiosa por querer chegar logo , ou se eu estava nervosa por Dinah estar dirigindo. Eu não sei se vocês sabem, mas a tia Milika tinha proibido Dinah de dirigir , pois ela é um perigo no volante e ela é que nem a Camila , adora arrumar confusão com os outros na rua. A Dinah era muito ruim de roda , por isso minha tia não deixava, mas a loira é teimosa e desobedeceu. Daí vocês me perguntam : " Como ela tem habilitação? " . Dinah subornou o instrutor só para tirar a carteira de motorista , ela não presta mesmo. 

-Está nervosa? - Dinah se refere ao modo como eu brincava com meus dedos nervosa. Eu afirmo - Calma , eu não vou bater com meu carro de novo não - ela brinca me fazendo rir , aliviando totalmente a tensão que estava. 

Algo muito estranho acontece. Ouvimos alguém bater no vidro do carro , para ser mais exata , batiam no vidro do lado da Dinah e quando viramos para ver...

-Ai não! Merda - ela resmunga batendo forte contra o volante - Fica aqui - ela tira o cinto saindo do carro e indo falar com a pessoa. 

Quando olhei para o homem , um flash do dia que recebi o anônimo , veio em minha cabeça. Era ele... o amante da Dinah. 


Notas Finais


Ai Cristo , esse demônio não para quieto.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...