História ▪Minha nova "vida"▪ - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 4
Palavras 873
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Josei, Violência, Visual Novel
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - Capítulo 2


Sai do avião e fui em direção ao local onde ficam os taxistas, vou ter que ir sozinha pois o amigo da minha mãe está ocupado. Entrei em um dos táxis é entreguei um papelzinho com o endereço.
Não muito tempo depois, paramos em uma rua um tanto quanto luxuosa, entrego o dinheiro, mesmo sendo um absurdo de caro. Em outro papelzinho estava o número da casa, leio o número 87 e saio procurando, depois de uns 3 minutos procurando finalmente achei, foi tão difícil porque esse lugar é enorme.

Toco a campainha como disseram que eu deveria fazer, depois de pouco tempo uma bela moça me atende.

-- olá, o que deseja ?

-- olá, sou Ana, devem ter avisado que eu viria.

-- Sim avisaram, pode entrar senhorita.

Ela me guia até a entrada da casa, não estranharia se eu começasse a babar, eu estava deslumbra com tamanha beleza, o lugar era enorme, tinha uma piscina na parte da frente é um jardim enorme com flores lindas.

-- Uau aqui é enorme.-- falo ainda boba com o lugar.

-- Sim, sabe os homens dessa casa gostam de boas festas.

-- Deve ser para relaxar, já que trabalham tanto.

-- acho que sim.

-- O seu marido viaja muito não é ?

-- Você está enganada mocinha, Lincon não é meu marido, sou apenas a empregada.

-- desculpe. (Ela se veste tão bem para uma empregada, não que empregados devam se vestir com uniformes feios, mas ela está vestida como se fosse a uma festa)

-- tudo bem, o senhor Lincon diz que uma mulher nunca deve usar roupas feias, ele é um cavalheiro, eu nunca teria dinheiro para comprar roupas como estas.

-- Acho que ele irá me achar desagradável então, minhas roupas são extremamente simples.

-- não se preocupe com isso, aqui este é seu quarto.

A conversa estava tão envolvente que nem me dei conta quando havíamos chegado, agradeci por ela ter me trazido até o quarto, em seguida entrei e fechei a porta. Era um quarto que fazia jus ao resto da casa, enorme, uma cama de casal coberta com um lençol rosa com detalhes de flores, na frente da cama tem uma cortina toda cor de rosa, ela estava fechada, os raios de luz que passavam através do pano deixam o quarto com um tom meio rosado. Tão lindo.

Abri o guarda-roupas, fui colocando minhas peças de roupas de uma forma "organizada", quando terminei ainda restava mais da metade do guarda-roupas para ser preenchido com algo, eu realmente não tenho muitas roupas.

Fui em direção a cama, minha mala de encontrava lá, agora praticamente vazia, meu ursinho estava dentro da mesma, peguei-o com um certo cuidado, agora ele é a coisa mais valiosa que eu tenho. Coloquei ele entre meus braços, comecei a sentir o doce cheiro do perfume da minha mãe que estava nele para que pudesse me lembrar um pouquinho dela.  Estava tão cansada da viajem que acabei caindo no sono.

Acordo com a voz da mulher que me atendeu quando cheguei me chamando.

-- olá? Ana, já está na hora da janta. Você não irá jantar ?

-- Sim irei, será que dá tempo de tomar um banho antes ?

-- Claro, eu vim agora pois desconfiei que estava dormindo, a janta fica pronta daqui uns 30 minutos. --diz ela com um leve sorriso no rosto, as vezes ela me lembra uma mãe.

-- Ei, qual é seu nome ? Me desculpe, acabei não perguntando antes.

-- Sem problemas, me chamo Larissa.

-- Larissa você tem algum filho ou filha ?

-- Eu já tive, mas infelizmente ele morreu. Porque da pergunta ?.-- um olhar triste se faz no rosto da mulher, mas logo se normaliza.

-- É que você me lembra minha mãe, aliás, eu sinto muito pelo seu filho.

-- obrigada, agora vá tomar seu banho.-- diz ela como uma mãe mandona.

-- okey, okey.

Tomei um banho não muito demorado, vesti a melhor roupa que eu tinha, estava um pouco receosa, será que eles irão gostar de mim ?

-- Ana, você já está pronta ?.--pergunta ela do lado de fora do quarto.

-- Sim, já vou descer.

Dou uma arrumada no meu cabelo, passo um pó no rosto para tentar esconder a cara de sono, e abro a porta. Começo a descer as escadas com certa pressa, nem eu sei porque. Quando chego nos últimos degraus começo a ouvir duas vozes masculinas, eles parecem estar conversando sobre negócios, mas assim que Lincon me avista ele diz de uma forma acolhedora :

-- Olha só se não é minha nova filha.--diz ele em um tom divertido quando me vê.

--Pai não seja assim, vai assustar a garota.

-- Ei Ana, você não se encomoda de eu te chamar de filha não é ? Aliás esse rabugento é o Alex, ele vai ser seu irmãozinho.

-- Não me incomodo não.--digo com a voz meio falha.

Caramba, a beleza desse garoto não pode ser real, ele tem os olhos azuis, cabelos claros e lisos, alto é aparentemente tem o corpo definido. (Mas não posso dar certeza, já que ele estava de terno.) Esse meu irmãozinho vai acabar me matando com essa beleza.

   



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...