História Minha pequena perdição - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Kuroshitsuji
Personagens Alois Trancy, Ciel Phantomhive, Claude Faustus, Condessa Rachel Durless-Phantomhive, Elizabeth Midford, Grell Sutcliff, Sebastian Michaelis
Tags Comedia, Drama, Kuroshitsuji, Lemon, Suspense, Yaoi
Exibições 211
Palavras 957
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Lemon, Poesias, Romance e Novela, Shoujo-Ai, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Cheguei meus cogumelos(vou chamar vcs só assim agora.Amei kkkk)

Capítulo 15 - Me diga que tudo não passou de um sonho


Fanfic / Fanfiction Minha pequena perdição - Capítulo 15 - Me diga que tudo não passou de um sonho

Na manhã seguinte Ciel foi o primeiro a acordar,sentia algumas dores terríveis pelo corpo,doía bastante para se mexer,porém com certo esforço conseguiu se sentar.

Olhou para o lado e viu Sebastian que mantinha um de seus braços sobre o colo do menino como se tivesse o abraçado durante toda a noite.A dor de cabeça era horrenda e algumas imagens vagas da noite passada viam em sua mente.

-Meu Deus...ele me pediu em namoro...

Um sorriso bobo tomou os lábios do menor sem que ele ao menos percebesse ,virou um pouco o rosto e viu seu cavalheiro de armadura branca ainda dormindo,a paz reinava em seus pensamentos até puxar o cobertor para baixo e perceber que ambos estavam apenas com a roupa de baixo.O seu corpo cheio de marcas parecidas com chupões.

-SE...SEBASTIAN!!!

O maior acordou assustado.

-O quê?Aconteceu algo?Você está bem?

-Sebastian...o quê aconteceu ontem a noite?

-Bem...nós fomos ao restaurante,eu te pedi em namoro e você aceitou.Você bebeu bastante na verdade e enquanto voltamos para cá você dia coisas como "me come".

) maior parou por um momento por não conseguir segurar a risada.

-Me desculpe...continuando,eu lhe coloquei na banheira para tomar um banho e ver se voltava um pouco a si,mas teu fogo não apagava de jeito algum.No final acabamos por...

O menino ficou vermelho dos pés à cabeça.O maior observou seu corpo marcado.

-Sinto muito,acabei sendo um pouco bruto em algumas horas.

Ciel fez um movimento brusco para se virar de tanta vergonha e aquilo fez um choque lhe percorrer o corpo e fazendo gemer de dor.

-Você está bem?Eu lhe machuquei?

-Está doendo um...um pouco...

-Me desculpe...eu vou cuidar de você meu pequeno pervertido.

-PERVERTIDO É VOCÊ SEU TARADO!!!

O maior riu da reação de seu menino.

-Ao menos não fui eu que ficou implorando "me come" "me como por favor".E um detalhe,você ficou parecendo um gatinho miando.

Sebastian riu e foi até sua gaveta de remédios pegar algo para dor.

-Mas foi o melhor de toda a minha vida e espero que seja o último de minha vida.

Abraçou seu pequeno enquanto ele tomava o remédio com seus braços enormes e acolhedores,lhe deu um beijo na testa e se levantou.

-Vou tomar um banho e buscar algo para comer.

Depois de entrar no banheiro,pouco tempo depois ele saiu já arrumado e com um cheiro de como se tivesse tomado um banho de pétalas de flores.

-Para a sua informação,eu sou alérgico a gatos.

-Como isso é possível se você é um?

Saiu em direção a lanchonete,infelizmente no meio do caminho tinha uma pedra,tinha um pedra no meio do caminho(referências)e essa pedra se chamava Elizabeth.

Sem ao menos trocarem olhares um passou pelo outro.

-Nunca mais chegue perto dele.

-Do fimosinha?Não se preocupe,Undertaker como sempre está a favor de seu protegido e eu não quero ser expulsa.

Nem mais um suspiro foi trocado e a loira sumiu pelos corredores.Sebastian foi até a lanchonete e preparou um sanduíche natural,um pedaço de bolo de morango e um copo de suco de uva para seu pequeno,era sábado e eles poderiam ficar em paz em seu quarto como o par de amantes que agora eram oficialmente.

Ao chegar no quarto não viu Ciel na cama improvisada e pensou que ele estava no banheiro,assim deixando a bandeja com o desejum em cima da cama.Foi apenas suspirar e com isso veio um grito de Ciel.

-Não,não pode ser!NÃO NÃO NÃO NÃO...

Sebastian correu para o banheiro e viu seu pequeno no chão chorando e tremendo de tão amedrontado.

-Ciel!Ciel o quê houve meu amor?!

O abraçou e pegou em seu colo o pequenino.

-Esse anel...esse anel.

Sebastian olhou para o anel em cima a pia,o mesmo que deu para seu pequeno.

-Era dele,do que me vendeu como mercadoria.

-Respire fundo e se acalme,me conte o que aconteceu.

O menor o abraçou tremendo e chorando como se sua alma sofresse a mais torturante dor que nem mesmo o pior assassino mereceria sofrer.O maior preocupado o tirou do lugar e o colocou na cama.

-Coma um pouco,relaxe e depois me conte o que houve...não tenha pressa.

Ciel se recostou em Sebastian e deu uma mordida no sanduíche.

-Ciel o que tem o anel?É mesmo que eu lhe dei ontem anoite não lembra?O que foi de meu pai e que o mesmo deixou com minha mãe quando partiu pela última vez.Ela o deu para mim como "herança" e eu o dei como selo de nosso amor.Não lembra?

-Não,não...esse anel,era o mesmo que meu pai usou desde quando eu nasci até o dia em que me vendeu para aquele bordeu.

Algo de podre fedia naquela história,poderia não ser o mesmo anel,como também podia ser o mesmo exato.O que estava acontecendo.

-Se ele lhe remete tanto mal...não precisa usa-lo meu amor,eu o darei outro ainda mais belo.

Foi ao ver a tristeza nos olhos do maior ao ver o que seu presente dado com tanto carinho havia trago más lembranças,que o menor tomou coragem e engoliu todos os seus medos transportados do passado para o agora e disse:

-Eu posso estar engano,pode não ser o mesmo,apenas parecido.Eu não quero outro,quero aquele.

-Ciel,não precisa se forçar...

-Não estou forçando.

Deu um selinho com gosto de cenoura em seu pequeno grande tesouro.

-Vamos esquecer disso okay?

-E lembrar da noite passada?

-SEBASTIAN!!!!!

-Calma calma,é só uma brincadeira,mas se você não lembrar...eu posso fazer tudo de novo com prazer.

-Na...não precisa.Eu me...me lembro.-Mentiu envergonhado.

-Sério?Se lembra até mesmo de como rebolou em meu colo?E como ficou de quatro na banheira?E como gemeu meu nome várias e várias vezes?

Ciel pegou um travesseiro e jogou no rosto do mais velho.

-Idiota.

-Idiota por te amar meu pequeno?

-Idiota por fazer eu me apaixonar cada vez mais por você...


Notas Finais


Cap curto,mas gostaram?E as tretas se aflorando?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...