História Minha Princesa - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Marco Reus
Tags Borussia Dortmund, Futebol!, Marco Reus
Exibições 271
Palavras 999
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Acho que o cap tá combinando comigo agora, de mau humor com o galo perdendo auhsauhas

Capítulo 9 - Primeiro Jogo


-Claro... – Ela sorriu para mim e até colocou a braçadeira de capitã.

O treino correu bem, não foi tão desastroso como os últimos, o time já estava regular o bastante para uma primeira partida.

Semanas se passaram e procurei por times que estariam dispostos a jogar um amistoso com nosso clube, por sorte, já estávamos bem conhecidos e houve muitos convites.

Durante um dos treinos, reuni todas para conversar sobre o amistoso.

-Acho que estamos bons o suficiente para jogar o primeiro amistoso – falo com um sorriso, mas elas não pareciam muito confiantes – vamos jogar semana que vem com o SC Freiburg.

Todas foram pegas de surpresa e se assustaram com a situação.

-Vai ser Terça Feira. Ninguém tem compromisso, né? Será as 16:00. Então vão ter que sair de onde estiverem, 11:00.

Algumas garotas ainda eram estudantes, como a Karina que tinha somente quinze anos. Marcela também era uma das mais novas. Teriam que sair mais cedo da escola.

-Não se preocupem as garotas que estudam, o clube conseguirá uma autorização para sair mais cedo das aulas – elas até comemoraram por ter que sair mais cedo.

Tínhamos dois dias de treino, Sábado e Segunda. Ainda podíamos melhorar mais. Só não podia pegar tão pesado, elas precisavam de bastante energia.

Quando chegou Terça Feira, todas chegaram na hora certa e estavam todas ansiosas e empolgadas para a primeira partida. Ao mesmo tempo, muito nervosas.

Marcela não parecia estar de bom humor, justo na primeira partida. Ela estava com cara amarrada e quando entrou no ônibus, foi para o fundo e deitou a cabeça na janela.

-Ei! Não é para dormir agora – alerto-a. Mas sem resposta, ela já estava dormindo. Sentei-me ao seu lado e fiquei verificando as redes sociais.

Eu tinha uma sensação de que perderíamos. Nosso time não me transmitia tanta confiança assim.

Fiquei conversando com Götze durante a viagem, que duraria umas quatro horas.

Marcela até ronronava ao meu lado, estava em sono profundo.

A tonta ficaria com torcicolo por dormir assim, sem nenhum apoio.

Empurrei ela para meu lado esquerdo e deixei ela com a cabeça apoiada nos meus ombros. Ela ainda não havia acordado e permaneceu dormindo em cima de mim.

‘’Acredita que a Marcela tá dormindo no meu ombro que nem um recém nascido?’’ Digitei para Götze, mesmo sabendo que não seria uma boa ideia, ele ia me zoar.

‘’Sério? Hahaha. Então já é oficial?’’

‘’Vai se ferrar, Mario. Ela está bem longe de fazer meu tipo. Credo’’. Senti até arrepios de pensar nisso. Preferia uma garota mais feminina, não uma jogadora.

Depois de umas duas horas nessa mesmice, o ônibus deu uma pausa para sairmos, estávamos morrendo lá dentro.

-Onde estamos? – Pergunto entediado ao motorista enquanto damos uma pausa para comer algo.

-Estamos em Mainz – ele dá um sorriso leve. – Faltam duas horas.

-Ahhh, nãooo. – Todas reclamaram. Marcela continuava no fundo do ônibus dormindo profundamente.

-Marcela? Venha, acorde. Vamos pegar uma comida! – Sacudo-a, mas sem resposta. Ela continuava em um sono profundo. – O jeito vai ser pegar a força – as meninas deram uma risadinha quando eu peguei a garota no colo e levei para fora do ônibus. –Marcela?? Marcela a gente vai comer... MARCELAA!! – Grito em seu ouvido e ela acorda com um susto.

As meninas riram quando ela acordou e viu que estava em meu colo.

-Estou te chamando há uns dez minutos! A gente vai almoçar e você está dormindo? O que é isso?! – Continuo reclamando e ela me olha com cara feia.

-Me coloca no chão – estava tão mal humorada que eu fiquei com medo e obedeci.

Então fomos até um fast-food e pedimos algo bem rápido para comer ainda no ônibus.

-O que você vai querer? – Pergunto para a capitã que estava muito brava.

-Nada. – Ela fez charme e se recusou a comer. Ela queria tanto jogar, por que diabos estava tão irritada?

-Ah, vai comer sim. Você precisa de energia. Vamos, escolha algo. – Aponto para as comidas que tinham no balcão. Não era muito esportivo de minha parte falar para as meninas comerem um fast-food antes do jogo, mas todas já tinham almoçado antes, agora era só para tirar a fome que a enorme viagem trouxe.

-Já disse que... – Antes dela terminar a frase, enfiei um hambúrguer em sua boca e isso a acalmou. As meninas continuaram rindo e eu fiquei sem paciência.

-Me conte o que você tem – pergunto irritado quando entramos novamente no ônibus, ainda a obriguei a sentar na frente, ao meu lado.

-Problemas de escola...

-Tá indo mal?

-Não é isso... É... Bem... Uns caras. – Ela falava devagar e com muita raiva.

-Oxe, o que eles fizeram?

Ela cruzou os braços e continuou mastigando a carne, não queria falar mais nada, ou melhor, nem conseguia.

-Alguém sabe o que deu nela? – Fico curioso e a goleira, Amélia, levantou a mão.

-Bom, eu estudo com ela e hoje uns garotos estavam provocando-a, um deles é sua antiga paixão e isso a deixou irritada.

-O que ele disse? – Ergo a sobrancelha, parecia que era uma bobagem adolescente.

-Que futebol era coisa para lésbicas. Além disso, ela levou bronca do professor por ter que ir embora mais cedo. 

‘’É assim que começa uma garota sem futuro. A Amélia tudo bem, mas você já foi melhor, Marcela’’. – Ela imitou a voz de um homem para explicar o que o professor disse.

-Ele me zoou, mas eu nem liguei. Mas acho que mexeu demais com a Marcela – contou Amélia.

-E você vai ligar para o que um cara fala Marcela? Não ligue para esse babaca e faça um gol hoje. – Coloco a mão em seu ombro.

-Mas ele...

-É sua paixão? Ah, ele nem deve valer a pena. Quando você ficar famosa, vai poder pegar o jogador que quiser. – Dou uma ‘’força’’. Na verdade, isso valia mais para os homens. Mas deve dar certo para mulheres também. Porém, vindo de alguém como ela que era tão reservada, esse conselho não era lá muito válido. Mas consegui fazê-la dar risada.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...