História Minha Querida Meio-Irmã - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Personagens Originais
Tags Camren
Exibições 406
Palavras 1.623
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura! c:

Capítulo 20 - Capítulo 20


Fanfic / Fanfiction Minha Querida Meio-Irmã - Capítulo 20 - Capítulo 20

Camila Cabello point of view.

                        Prólogo: A maçã nunca cai longe do pé

                        Eu sou a filha bastarda do meu irmão.

                        Confuso?

                        Imagine como eu me senti quando a bomba foi jogada em cima de mim.

                        Quando eu tinha quatorze anos, foi essa revelação que me definiu.

Minha infância miserável teria feito muito mais sentido se tivessem me contado esse pequeno detalhe antes.

O segredo nunca deveria ter sido revelado. O plano era me fazer acreditar que o homem que me degradou, desde que me entendo por gente, era meu pai.

Quando ele deixou minha mãe por outra mulher, Mami acabou sofrendo um colapso nervoso e, em certa noite, cuspiu a verdade sobre como eu nasci. Assim que ela contou os detalhes sórdidos, eu não consegui compreender quem era pior: o homem que eu sempre acreditei ser meu pai, ou o doador de esperma que eu nunca tive a chance de conhecer.

A história fodida da minha vida começou há vinte e cinco anos, em Cuba. Foi quando um imigrante Irlandês, Patrick Jauregui, que trabalhava com negócios nos EUA, avistou um linda adolescente que vendia seus trabalhos de arte na rua.

Seu nome era Clara Morgado. Patrick sempre teve uma queda por arte e lindas mulheres, então ficou imediatamente hipnotizado com sua beleza exótica e seu talento extremo. Ela era diferente de todas as outras que ele tinha conhecido.

Mas era muito jovem, e ele não demoraria a partir. Mas isso não o impediu de ir atrás do que queria.

Patrick era um executivo em uma empresa de café americano. Pediram a ele que supervisionasse a compra de algumas safras, em Quito.

Mas a única coisa que Patrick decidiu supervisionar foi Clara.

Ele passou a visitar a rua onde ela ficava todas as manhãs. Todos os dias comprava uma de suas pinturas até, finalmente, comprar todas elas. As pinturas de Clara eram a principal fonte de renda de sua família pobre. Todas as imagens eram vitrais pintados a partir de sua memória.

Patrick ficou obcecado, mais pela garota do que pela arte. Sua viagem deveria ter durado apenas três dias, mas ele acabou ficando seis.

Sem que Clara soubesse, Patrick decidiu que não iria para casa a não ser que conseguisse leva-la com ele.

Por mais que ela tivesse menos de dezoito anos, ele localizou seus pais e começou a cortejá-la com a aprovação deles. Ele lhes deu dinheiro e comprou alguns presentes para cada membro da família Morgado.

Ele conversou com seu pai sobre a possibilidade de levá-la para os Estados Unidos, onde ele poderia protegê-la, colocá-la para estudar e lhe ajudar a construir uma verdadeira carreira artística. A família estava desesperada para que um dos seus tivesse uma oportunidade, então eles acabaram concordando em deixá-la ir com Patrick.

Clara ficou fascinada e assustada com aquele homem mais velho. Sentiu-se na obrigação de ir com ele, apesar de qualquer hesitação. Ele era bonito, carismático e controlador.

Quando Clara já estava morando nos Estados Unidos, Patrick manteve sua palavra. Ele se casou com ela assim que ela fez dezoito anos, para que fosse mais fácil sua aceitação em uma escola de arte e para que tivesse aulas de inglês. Também usou seus contatos para que ela conseguisse expor seu trabalho em uma galeria. Só havia uma coisa implícita em tudo aquilo: Clara era dele. Ele tinha posse sobre ela.

O que ela não sabia era que Patrick tinha uma família – uma ex-esposa, que tinha acabado de chegar à cidade com os filhos deles.

Em uma tarde, Clara estava pintando no quarto que Patrick criou para aquele propósito. Um homem jovem e de boa forma, vestindo nada mais que uma calça jeans, com mais ou menos sua idade, surgiu à soleira da porta. Clara não fazia ideia de quem ele era, mas seu corpo reagiu a ele imediatamente. Era uma versão mais jovem a mais bonita de seu marido. Ela, então, ficou chocada por descobrir que Patrick tinha um filho e que ela ficaria na casa deles durante o verão.

Todas as tardes, quando Patrick estava no trabalho, seu filho, Michael, sentava-se e observava Clara pintar. Começou como algo inocente. Ela contou-lhe histórias sobre Cuba, ele apresentou-lhe as mais novas músicas da cultura pop americana – coisa q eu Patrick não conhecia, por ser vinte anos mais velho.

Logo, Clara se viu completamente desesperada e apaixonada, pela primeira vez na vida. Mike, que sempre se sentiu abandonado por Patrick, não tinha qualquer lealdade ao pai. Quando Clara admitiu que seus sentimentos pelo marido eram platônicos, Mike não hesitou em tirar vantagem.

Em um dia, ele ultrapassou os limites e beijou-a. A partir daquele momento, não havia mais volta. Seus encontros à tarde deixaram de ser conversas inocentes e passaram a ser encontros sórdidos. Não demorou muito para que eles começassem a falar sobre um futuro secreto. O plano era continuar com o romance em segredo até que Mike terminasse a faculdade e não fosse mais financeiramente dependente de Patrick. Então, eles poderiam fugir juntos.

Durante esse período, Mike mudou-se permanentemente para a casa de Patrick, para ficar mais perto dela, e fingiu ter algumas namoradas para despistar. Mike e Clara sempre eram muito cuidadosos, até que, um dia, calcularam errado a volta de Patrick de uma viagem de negócios para a Costa Rica.

Foi nesse dia que Patrick pegou sua jovem esposa transando com seu filho na cama deles. Foi nesse exato momento, também, que desencadeou a série de eventos que culminaria em minha existência.

Patrick, irado, trancou Clara em um dos closets enquanto espancava Mike, antes de expulsá-lo de sua casa. Ele também estuprou minha mãe na mesma cama onde a encontrou com seu filho. No momento em que Mike invadiu a casa pela janela, já era tarde demais.

O que aconteceu logo depois não é algo muito claro para mim, os detalhes não me foram passados. A única coisa que eu sei com absoluta certeza é que Patrick nunca saiu daquele quarto vivo.

Mami disse que ele caiu e acidentalmente bateu com a cabeça, bem no meio da briga com Mike. Suspeito que Michael possa tê-lo matado, mas ela nunca admitiria, se isso fosse mesmo verdade. Sei que ela seria capaz de proteger Mike até o dia de sua morte, mesmo depois de ele tê-la traído.

A polícia nunca suspeitou de nada e acreditou na história de Patrick ter caído e batido a cabeça.

Por ter vivido uma vida extravagante e por pagar os estudos de Mike e Clara, Patrick não lhes deixou nenhuma herança. Mike teve de trancara faculdade, enterrar seus sonhos e aceitar trabalhos medíocres.

Foi uma época muito difícil para Clara, especialmente quando ela descobriu que estava grávida. Ela sabia que não podia ser de Mike, já que eles sempre tinham sido muito cuidadosos.

O bebê era de Patrick.

Mike a amava e se culpava pela situação na qual os dois estavam.

Implorou por um aborto, mas ela se recusou.

Ele sabia que nunca seria capaz de amar o produto da noite em que seu pai estuprou Clara.

E ele estava certo. Nunca conseguiu, mas poderia me criar como seu próprio filho, passando o resto de sua vida jogando toda a culpa em cima de mim.

E foi assim que Mike tornou-se meu pai, e como eu me tornei a filha bastarda do meu irmão.

-----------

Isso era apenas o prólogo, mas eu já sentia como se um terremoto tivesse feito tudo desmoronar na minha cabeça. Eu não podia acreditar no que tinha acabado de ler.

Minha mente e meu corpo estavam no meio de uma guerra, porque, enquanto meu coração precisava de um descanso antes de continuar, meu cérebro sentia uma necessidade urgente de virar a página. Assim que começasse a ler, sei que não iria conseguir parar durante a noite inteira.

Li metade do livro antes do amanhecer. Ler a respeito do abuso verbal que Lauren sofreu pelas mãos de Mike era extremamente doloroso. Enquanto criança, Lauren se escondia no quarto e se perdia em seus livros para escapar da realidade. Mike, às vezes, a punia sem nenhum motivo, e tirava os livros dela. Em uma dessas vezes, Lauren começou a escrever uma história em um papel e descobriu que escrever era uma fuga muito mais satisfatória. Ela podia controlar os destinos de seus personagens, uma vez que não podia mudar o seu, pois ainda era forçado a morar na casa de Mike.

Enquanto criança, ela nunca soube o verdadeiro motivo por trás do ódio de Mike. A forma como Clara protegia Mike era inaceitável e eu sentia vontade de estrangulá-la através daquelas páginas. A única coisa que ela fez contra a vontade de Mike foi comprar um cachorro para Lauren. Lucky se tornou seu único e melhor amigo.

Lauren ainda contou o momento em que descobriu a infidelidade de Mike. Ela hackeou o computador do pai – irmão, droga, isso é confuso – e descobriu seu romance online com minha mãe. Lauren se sentiu culpada por ser a portadora da notícia para Clara. Mike se mudou logo depois.

O colapso subsequente de Clara deu início a um novo grupo de acontecimentos. Ela se tornou dependente de Lauren, da mesma forma como sempre dependeu de Mike. Aquilo fez com que Lauren descobrisse a verdade sobre Patrick, e a morte de Lucky causou um declínio total.

Ela começou a fumar e a beber para diminuir o estresse, desenvolveu um vício em tatuagens, como uma forma de se expressar, e se tornou sexualmente promíscua. Perdeu a virgindade aos quinze anos com uma tatuadora, depois de convencê-la de que tinha dezoito.

Foi muito difícil ler algumas partes do livro, mas sua honestidade brutal era admirável.

Li direto até chegar a um ponto onde eu precisei dar uma pausa.

Era o capítulo sobre mim.


Notas Finais


E aí? Gostaram, comentem o que acharam, divulguem pros migxs. Adoro vocês carinhas <3

AAHHHH, EU GOSTARIA QUE VOCÊS LESSEM ESSA FANFIC DE UMA AMIGA, MUITO BOA POR SINAL, SUPER RECOMENDO - Amor Virtual - CAMREN / @meteorocamren.
https://spiritfanfics.com/historia/amor-virtual-camren-7005063


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...