História Minha tentação - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Armin, Castiel, Dakota, Kentin, Lysandre, Melody, Nathaniel, Rosalya
Tags Amor Doce, Castiel, Pai Do Meu Namorado, Romance, Sogro
Visualizações 391
Palavras 2.784
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Ecchi, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


E o copinho de água com açúcar já está aí do lado? Hahahaha
Boa leitura ^^,

Capítulo 12 - Cansada


Fanfic / Fanfiction Minha tentação - Capítulo 12 - Cansada

“Devemos parar ou devemos continuar? Sinceramente eu também não sei, estou tão confusa quanto você, não consigo entender também e a culpa me corrói por dentro, mas toda vez que sinto os seus lábios contra os meus e a sua mão tocando a minha pele, por alguns momentos eu simplesmente esqueço, esqueço dos problemas e esqueço de quem eu sou, esqueço de me sentir culpada.”

Qual é o meu problema? Por que eu não consigo simplesmente dizer um não? Eu definitivamente precisava aprender a falar não para as pessoas. Eu estava cansada, precisava dormir urgentemente, amanhã era sábado e finalmente eu poderia descansar, e foi com esse mesmo pensamento que eu aceitei ficar até mais tarde hoje na lanchonete, pra falar a verdade, eu aceitei ficar aqui até mais tarde pra poder fechar essa merda. Minha patroa precisava fazer seja lá o que ela fosse fazer, não era da minha conta então ela não me contava e eu também não perguntava, só disse que tinha um compromisso e precisava ir mais cedo pra casa, por esse motivo ela me deu a chave e pediu para que eu fechasse, que ela confiava em mim e eu… Bom, eu não disse que não, apenas sorri e concordei com isso. Nem era pra eu estar aqui hoje, eu estava substituindo a Rosa novamente, mesmo saindo com o Leigh ela não tinha esquecido o Dake completamente, e o vendo com outra garota pra ela era doloroso, mesmo que ela não quisesse sentir isso, era tudo muito recente e ela ainda sofria com isso, desde então era difícil fazer com que ela ao menos se levante da cama para fazer qualquer coisa, ainda tinha o Nathan me ligando de 5 em 5 minutos por que eu meio que o tinha deixado de lado com tanta coisa pra fazer e sinceramente eu não queria discutir com ele de novo por causa da minha falta de tempo, nós tínhamos passado a semana inteira praticamente juntos, ainda transei a primeira vez com ele, então a última coisa que ele podia reclamar comigo era que eu não estava dando tempo e atenção o suficiente pra ele, então eu apenas coloquei o celular no silencioso e parei de atender ou até mesmo rejeitar as ligações. Eu estava olhando constante para o relógio, sei lá o que eu estava pensando, acho que estava esperando que dessa maneira as horas passassem mais rápido se fosse possível, mas eu conseguia o efeito completamente o contrário do que eu queria, quanto mais eu olhava para aquele relógio na parede, mais parecia que aquele ponteiro não se mexia. Droga, eu queria ir pra casa, meus olhos estavam quase se fechando e meu corpo estava dolorido, eu bocejava a cada 5 minutos e mal conseguia raciocinar direito, prova disso era que eu já tinha errado uns 3 pedidos, sorte minha que eram de clientes recorrentes e não se incomodaram em esperar que eu trocasse, eles eram até que bem compreensíveis.


Violet - Kate, eu já estou indo embora ok? (Ela disse retirando o avental da cintura e a touca da cabeça, apenas assenti com a cabeça bocejando e olhando novamente o relógio na parede. Graças a Deus já estava quase na hora de ir embora.)

Jade - Até segunda Kate. (Ele se despediu balançando as mãos e eu apenas murmurei um “até” sem muito ânimo.)

Kim - Bom descanso querida. (Ela me deu um beijo na bochecha e eu sorri sem mostrar os dentes antes de vê-la sair pela porta.)

Aos poucos o restante do pessoal foi saindo e se despedindo, não tinham tantas pessoas ali pela lanchonete ser pequena, era mais como um trailer grande, ainda assim, era um bom emprego, eu já conhecia quase todo mundo mesmo, a maioria também estudava no colégio por também terem uma bolsa lá como eu e a Rosa. Fiquei atrás do balcão escorada na mesa lutando contra o meu sono e cansaço, só de pensar que eu ainda teria que pegar o metrô a uma hora dessas me desanimava horrores, era por volta das 23:30, além de ser tarde eu ia voltar pra casa sozinha, eu sei, era um tanto quanto perigoso, mas não tinha nada que eu pudesse fazer nessas circunstâncias. Suspirei me colocando de pé e terminando de ajeitar as coisas, guardando tudo e deixando organizado antes de poder sair, fechar tudo e finalmente ir pra casa ter o meu merecido descanso. Escutei o sininho da porta tocar e me lembrei de que eu não tinha colocado ainda a plaquinha de fechado.


Kate - Droga! (Murmurei pra mim mesma.) Desculpa senhor, mas nós já fechamos. (Eu disse saindo da cozinha e me assustando ao ver quem era.) Senhor Collins? O que o senhor faz aqui? (Ele não parecia lá muito bem, ou melhor, ele não parecia muito lúcido, ele andou com um pouco de dificuldade, cambaleando até uma das mesas e praticamente se jogou na cadeira suspirando. Ele estava bêbado? Parecia estar.)

Castiel - Já disse que não precisa me chamar pelo segundo nome, me sinto tão velho quando você me chama assim. Me chame de Castiel. (Ele disse de um jeito engraçado engraçado rindo de si mesmo.)

Kate - Hum… Tudo bem, Cas… tiel. (Eu disse um pouco incerta.) Mas… Nós já fechamos. (Eu disse baixo.)

Castiel - Por favor, eu só preciso de um café forte antes de ir pra casa, me desculpe aparecer desse jeito, você não merece passar por isso. (Ele disse passando as mãos pelo rosto e apertando as têmporas com a ponta dos dedos como se estivesse com dor de cabeça e pelo seu estado, deveria estar mesmo.)

Droga, acho que vou ter que esperar mais um pouco antes de ir pra casa. Suspirei mais uma vez indo até a porta e virando a plaquinha indicando que estava fechado e fui pra cozinha retirar a cafeteira e o pó de café do lugar novamente. Ele não parecia muito bem, será que tinha acontecido alguma coisa? Eu nunca o tinha visto beber e depois do episódio com o Nathan, não achei que ele fosse lá muito adepto de beber até ficar realmente bêbado, ele não estava tão ruim quanto o Nathan aquele dia, mas estava a ponto de não conseguir andar direito, então isso já era bem ruim. Eu não sei se eu deveria perguntar, parecia ser muita intromissão, mas ao mesmo tempo talvez ele precisasse de alguém pra conversar, não sei se eu seria uma boa opção, mas achei que deveria, afinal não tinha mais ninguém ali. Ele ainda me deixava nervosa, mas levando em conta que provavelmente ele não vai nem se lembrar no dia seguinte que nós conversamos, então eu não precisava ficar pisando em ovos pra falar com ele não é? E depois do que aconteceu semana passada também, eu acabei ficando mais tranquila depois de tudo, apesar de que eu ainda não controlava muito bem os meus pensamentos. Acho que ele não se lembraria, muita gente bebe e esquece o que aconteceu. Ele cruzou os braços em cima da mesa e repousou a cabeça sobre eles, parecia com dor de cabeça mesmo, a bebida que ele provavelmente ingeriu já estava começando a fazer o efeito ruim dela. Ele provavelmente saiu da empresa e foi beber, a grande pergunta era o por que disso.


Kate - Aqui seu café. (Eu disse baixo chamando a atenção dele e entregando a xícara, o vendo sorrir e agradecer.)

Castiel - Por que está aqui até agora? (Ele perguntou dando o primeiro gole no café quente enquanto eu voltava pra cozinha e voltava a arrumar as coisas.)

Kate - Minha chefe precisou ir embora mais cedo hoje e pediu para que eu fechasse a lanchonete pra ela. (Eu disse normalmente enquanto estava tentando não prestar atenção nele, eu ainda não conseguia olhar diretamente pra ele sem lembrar do que tinha acontecido e sem lembrar das coisas que a Rosa havia falado, minha cabeça parecia ter entrado em ebulição, mas pelo menos eu já conseguia fingir melhor que estava tudo bem, não ficava gaguejando ou tremendo inteira.)

Castiel - Você deve estar cansada. (Apenas assenti com a cabeça.) Se quiser eu posso te dar uma carona pra casa. (Olhei pra ele confusa e preocupada, ele não vai dirigir assim vai?) Não se preocupe, eu não vou pegar a direção desse jeito, meu motorista está lá fora no carro. (Ah, claro!)

Kate - Eu não quero incomodar. (Ele balançou a cabeça negativamente.)

Castiel - Não é nenhum incômodo. Eu quem tenho que pedir desculpas por aparecer aqui nesse horário, ainda mais dessa maneira. (Suspirei cansada, eu só iria aceitar pelo sono e pela hora. Enxuguei as mãos e andei devagar até a mesa em que ele estava, sentando ao seu lado, me sentindo acanhada.)

Kate - Hum… Aconteceu alguma coisa? (Eu perguntei envergonhada sem saber se poderia fazer esse tipo de pergunta.) Quer dizer… Não precisa… (Ele me interrompeu antes que eu continuasse.)

Castiel - Não, tudo bem. (Ele disse achando graça.) É só… (Ele se levantou da minha frente e se sentou ao meu lado, o que já fez com que eu ficasse mais rígida onde eu estava, querendo ou não, ele me deixava desconcertada, por algo que eu simplesmente não conseguia entender ainda. Algo além dos seus olhos ou da aparência jovem ou o corpo malhado, algo além dos meus pensamentos impróprios.) Quando estamos a um tempo casados já, as coisas começam a ficar mais complicadas. (Então era algum problema dele com a Debrah.)

Kate - Entendo. (Foi tudo o que eu disse, não querendo forçá-lo a dizer mais nada.)

Castiel - Eu não me casei com ela por que eu a amava. (Eu acho que a bebida está fazendo com que ele falasse demais.) Quando somos jovens nós cometemos alguns erros e eu cometi um com ela. Ela ficou grávida do Nathan e… Bom, o resto é história, me casei e agora estou aqui arrependido e… Completamente ferrado. (Ele deu de ombros rindo de si mesmo.) O engraçado é que eu acho que não é bem a idade que me faz querer cometer alguns erros. (Do que ele estava falando?)

Kate - Como assim? (Perguntei sem entender o vendo olhar pra mim e sorrir de lado.)

Castiel - Eu ainda continuo querendo cometer alguns, talvez até piores.

Sabe quando você meio que perde a noção das coisas por um momento? Eu acho que foi exatamente isso que aconteceu. Em um segundo eu tentava entender o que ele tinha acabado de dizer e no outro o meu cérebro tinha simplesmente entrado em choque, tinha dado pane. Eu deveria estar muito cansada mesmo e isso estava me afetando de uma maneira pior e maior do que eu imaginava, não era possível que eu estivesse racional naquele momento. Eu entrei em choque e fiquei sem reação e sem saber o que fazer ao sentir os lábios dele sobre os meus. Como assim? COMO ASSIM? Uma onda de adrenalina percorreu por todo o meu corpo me fazendo ficar tensa e depois… Sei lá, eu relaxei, ao sentir o quão macio os lábios dele poderiam ser sobre os meus, ao sentir os seus dedos suavemente sobre o meu queixo, o quão suave a sua mão estava sobre a minha cintura e o meu corpo passou a se mover praticamente sozinho. Louca e cansada, essa era a única explicação lógica para que eu correspondesse aquele beijo, da maneira que eu fiz, meus pensamentos impróprios de antes, também me fizeram agir dessa maneira. Ele tinha apenas me dado um selinho, provavelmente pra ver qual seria a minha reação e como eu não o empurrei e não gritei ele começou a movimentar os lábios sobre os meus calmamente me fazendo acompanhá-lo, aos poucos ele foi pedindo passagem com a língua e eu concedi, como se não houvesse absolutamente nada que me impedisse de fazer isso. Deus, eu não estava em meu juízo perfeito, simplesmente… Não era eu, não poderia ser. Aquela velocidade calma e tranquila acho que não estava sendo o suficiente pra ele, sua língua se enroscou na minha e suas mãos apertaram ainda mais a minha cintura me trazendo pra mais perto como se isso fosse humanamente possível, passei as minhas mãos por trás da sua nuca sentindo alguns fios do seu cabelo comprido se enrolarem nos meus dedos. O beijo foi ganhando forma e velocidade, aquele selinho calmo de antes nem parecia ter existido agora, ele me beijava com agressividade e ansiedade, como se já esperasse por isso a algum tempo. Não era o tipo de beijo que eu estava acostumada, o Nathan sempre foi calmo e gentil e… O Castiel parecia ser exatamente o oposto e por incrível que pareça, eu estava gostando. Eu não sei exatamente como, mas ele me segurou pela cintura firmemente me levantando na cadeira em um gesto rápido, como se eu não pesasse absolutamente nada, mais leve que um papel e me colocou sentada na mesa, ficando entre as minhas pernas sem sequer parar o beijo. Meu coração parecia bater tão forte e tão rápido que eu mal aguentava respirar e… Eu realmente não estava. Abri os olhos rapidamente o vendo ainda tão perto, com as mãos sobre mim assim como seus lábios, foi quando a ficha caiu e o empurrei de uma vez fazendo com que nos separássemos depressa, minha respiração estava completamente acelerada, minhas mãos tremiam e apertavam a borda da mesa onde eu estava sentada ainda, me sentindo até tonta pelo que tinha acabado de acontecer aqui. Eu sentia meu coração bater tão forte que era capaz dele pular pra fora do meu peito, meu rosto estava muito quente e eu tinha certeza de que eu estava vermelha de vergonha. Não é possível, eu estou sonhando ou algo do tipo, que merda eu fiz agora?


Castiel - Kate, me desculpe eu… (Ele parecia tão perdido quanto eu, tão em choque quanto eu e… Nenhum dos dois sabia exatamente o que dizer. Apenas balancei a cabeça negativamente de um lado pro outro de forma rápida e exagerada.)

Kate - Não, não aconteceu nada. (Eu disse sentindo minha voz trêmula, assim como todo o meu corpo.) É… É melhor você ir embora e… É melhor eu ir embora também. (Eu disse tentando formular uma frase na minha cabeça que fizesse sentido.)

Castiel - Eu não vou te deixar ir pra casa sozinha uma hora dessas. (Ele tentou se aproximar e eu desci da mesa em um pulo sentindo minhas pernas vacilarem por alguns segundos.)

Kate - Não, é melhor eu ir de metrô mesmo e rapidinho eu já vou estar em casa e… (Ele me interrompeu antes que eu continuasse.)

Castiel - Eu não vou deixar você ir pra casa sozinha à essa hora! (Ele disse simplesmente e saiu me puxando pelo pulso, como se os últimos minutos não tivessem acontecido.)

Ele não ia desistir da ideia de me dar uma carona e talvez…. Ele nem ao menos se lembrasse no dia seguinte o que aconteceu. Eu fechei a lanchonete rapidamente antes de ser arrastada por ele até o carro onde o seu motorista estava. Eu não quis dizer nada, apenas fiquei observando a janela do carro percebendo o silêncio entre nós dois, eu não tinha nada a dizer, nem ao menos pra mim mesma, quanto mais para ele. Percebi certa movimentação ao meu lado o vendo pelo canto do olho fechar a janelinha que nos separava do motorista e isso só fez com que o meu desespero aumentasse ainda mais.


Castiel - Me desculpe por isso, eu não deveria. (Ele disse baixo olhando pra mim, mas eu mal conseguia olhá-lo nos olhos, eu também não consegui responder também, me mantive calada. Mas é claro que não deveria, nem mesmo eu deveria, então… Por que?) É só que… Eu acho que estou perdendo um pouco da minha sanidade. (Ele disse baixo e se aproximando, me fazendo engolir seco e tentar me afastar, mas não tinha pra onde ir.) Afinal… O que diabos eu estou fazendo? Tendo desejos pela namorada do meu filho, pela minha própria nora. (Eu já podia sentir novamente a sua respiração em meu rosto de tão perto que ele estava novamente, seus dedos percorreram a minha bochecha e eu não conseguia nem ao menos pensar. Percebi que o carro tinha parado e o motorista bateu levemente na janelinha fechada agora, avisando provavelmente que já tinha chegado na minha casa.)

Kate - Tchau Castiel, obrigada pela carona. (Eu disse rápido embolando nas minhas próprias palavras e puxando a maçaneta do carro, saindo de lá de dentro praticamente correndo, eu precisava respirar, eu precisava pensar, eu precisava… Descansar, isso, isso sim. Era culpa do meu cansaço, é claro que era isso.)


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...