História Minha Vida com Vocês - Capítulo 63


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Anti Preconceito, Asaika, Cauan, Drawin, Edwin, Lauan, Mashi, Sasaika, Storm
Visualizações 26
Palavras 801
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 63 - Quem eu tenho que matar?


No dia seguinte, depois de passar em casa pra deixar o Storm, eu vim pro hospital. Foi uma madrugada dificil, tivemos um pequeno problema nas brincadeiras ontem a noite e ele acabou quebrando o dedo do pé. Ainda bem que ninguém de casa percebeu nada. Eu acho.
No hospital tudo corria bem e o dia também estava agradável. Mas em questão de segundos o clima mudou de calmo para agitado. Um ambulância havia acabado de chegar com uma paciente que deu a luz dentro do ônibus, o parto havia sido feito por um policial e ela deu a luz a gêmeos. Uma menina e o menino. A paciente havia chegado desacordada e depois de ter sido feito os procedimentos necessários e ela ter conversado com o médico. Eu levei as crianças para ela amamentar. A mãe parecia muito feliz, as crianças tinham a pele parda, cabelo negros e liso.

Paciente: pode me dar a minha menina! - entreguei pra ela a pequena e ela acariciou a pequena e amamentou, enquanto isso eu fiquei balanço o pequeno. Quando ela amamentou a menina, eu peguei a mesma e pus no berço e tentei entregar o pequeno para ela- tira ele daqui!
Asaika: o que?
Pac: você ouviu! Tira ele daqui!
Asaika: mas senhora, ele tá com fome
Pac: eu não quero amamentá lo - não entendi o porque de ela não querer amamenta o pequeno- EU NÃO QUERO CRIAR UM FILHO PROBLEMÁTICO! - fiquei assustada, mas ao conversar com os médicos, descobri que era uma criança com síndrome de down, a porcentagem era pequena, mas ele ainda tinha, o que o médico não sabia dizer se isso poderia afeta lo muito ou não. Depois de conversar com o médico, chamei a psicológa pra paciente, mas mesmo assim ela rejeitava aquela criança. A família também agiu da mesma forma e não quiz a criança. Meu coração pesou tanto com isso. Eu preciso fazer alguma coisa.

Quebra de tempo

Na escola tudo ia normal, mas minha mente estava voando muito ainda. Não conhecia tirar a cabeça da minha filha. Sim, eu já a vejo como minha filha. Tenho tanto medo de perde lá.

Bruno: Edwin, está ouvindo?
Edwin: desculpe, estava longe, o que dizia?
Bruno: sinto muito pela audiência, pensei que conseguiria
Edwin: também, mas ainda não desisti
Bruno: entendo. Hoje vocês irão lá em casa?
Edwin: preciso falar com a Asaika- meu celular vibrou- é ela- atendi o telefone- okay. Tchau myladi -desliguei o celular -parece que ela não vai, porque vai ter que chegar mais tarde hoje
Bruno: querem adiar?
Edwin: não, ela disse que podemos ir, vou levar o Drake e tentar arrastar o Storm
Bruno: okay
Edwin: ah, amanhã acho que Asaika vai fazer um almoço ou algo do tipo, Akashi vai jogar e se ele vencer, vamos comemorar. Não quer ir?
Bruno: tô dentro, assim aproveito e vejo melhor o apartamento- assenti - depois conversamos

Horas depois

Storm: sério mesmo? -encarei ele com uma bacia de pipoca em cima da cama
Edwin: sim, vamos logo!
Storm: não quero sair!
Edwin: vamos logo!
Storm: meu dedo tá quebrado!
Edwin: como foi que você quebrou o dedo depois te todos aqueles gemidos? -eu rir -não conheço essa brincadeira! É tão perigosa assim?
Storm: cara chato! Some daqui! -tacou o travesseiro em mim e eu rir
Edwin: só se você for
Storm: ta eu vou

...


Depois de deixarmos as pestes sozinhas, fomos a casa do Bruno e olhamos a mesma, a casa era perfeita e era possível fazer mais quartos. Quando chegamos em casa a mesma estava cheia de jovens bêbados e pirados.

Drake: não sabia que vocês fariam uma festa
Edwin: nós não fizemos
Storm: AKASHIIIIIIIII! CAUAAAAAAAAN! -poucas pessoas ouviriam, então o mesmo foi até o aparelho de som com um pouco de dificuldade por causa do dedo e o delisgou- ACABOU A FESTA! - Akashi estava em cima da mesa de centro apenas de cueca azul
Akashi: o que aconteceu? -ele fitou o Storm
Storm: eu quero todo mundo fora da minha casa! AGORA! -os adolescentes foram saindo aos poucos- cadê o Cauan?
Cauan: o que tem eu? - o mesmo saiu do quarto com a Larrisa de pijama
Edwin: estavam dormindo?
Cauan: eu estava dopado, tomei uma dose errada de remédio pra dor de cabeça e apaguei, o que está havendo?
Larrisa: Akashi estava bebendo sozinho, depois ele disse que ia ligar pra Mayu vim aqui e eu fui dormir
Akashi: eu estava me divertindo, a Mayu não pode vir, eu não queria ficar só -ele falou rindo.

Edwin: porque toda vez que você vai jogar, você fica doido? -Ele ia responder mais vomitou na sala- Asaika vai te matar

Asaika: quem eu tenho que matar? -Ela chegou com uma criança nos braços

Storm: de quem é esse bebê? -Ele olhou assustado


Notas Finais


Oie povo. Como disse a fic é #AntePreconceito

--> Então tem muitas situações assim ainda pela frente

(Eu não conheço muito bem como funciona a síndrome de down, mas pesquisarei algumas coisas. Caso eu errei algo a respeito disso. Vocês podem me falar). ^^

O que acharam do cap?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...